Conecte-se agora

Lei do Murici 

Publicado

em

O QUADRO formado com cinco candidatos ao Senado dentro do campo partidário do governador Gladson Cameli, indica na direção que juntar todos numa candidatura única para disputar a única vaga de senador, se mostra um sonho irrealizável. Nem o Gladson e nem ninguém conseguirá modificar este quadro. Dos cinco postulantes, no mínimo três vão manter a sua candidatura. E só cabe um na chapa do governador Gladson. Qual é o argumento para convencer o senador Márcio Bittar (PSL), para retirar a candidatura da Márcia Bittar? Quem vai convencer a deputada federal Vanda Milani (PROS) a fazer o mesmo? O MDB está fechado em torno da candidatura da deputada federal Jéssica Sales (MDB).

A senadora Mailza Gomes (PP) não mostra inclinação em desistir. O mesmo ocorre com o deputado federal Alan Rick (DEM). Isso é igual a uma panela na qual se prepara um quitute, em que muitas pessoas metem a colher. Ou sairá salgado ou sem sal. A unidade em torno de um nome do grupo palaciano para disputar o Senado, é uma palavra fora do dicionário do poder. Vai prevalecer a chamada Lei do Murici, em que cada um cuidará de si. 

E AGORA, SEU ZÉ?

NA entrevista de ontem do futuro presidente do União Brasil, Luciano Bivar, ficou claro que, a sigla não apoiará a reeleição do presidente Bolsonaro. Não esperem que o Acre seja uma ilha desgarrada do que decidir a nacional.

APOSTA DO PETECÃO

O SENADOR Sérgio Petecão (PSD) joga todas as suas apostas de que o prefeito Mazinho Serafim, não será apenas o mais votado na chapa do PSD, mas o mais votado entre todos os candidatos a deputado federal.

NÃO TEM DO QUE RECLAMAR

UM ASSESSOR do senador Sérgio Petecão (PSD) comentou ao BLOG que, não há motivo para o deputado federal Flaviano Melo (MDB) ter mágoa do Petecão, por não ter apoiado a candidatura do deputado Roberto Duarte (MDB) para a PMRB. “Apoiamos a Eliane Sinhasique para prefeita, no meio da campanha lhe abandonaram, e ficamos só lhe apoiando até o fim. A mesma coisa ocorreu com o Fernando Melo”, observou.

ATÉ ABRIL

O DEPUTADO Roberto Duarte só vai deixar o MDB em abril do próximo ano, quando for aberta a janela para as trocas partidárias. Não quer correr o risco de perder o mandato sob acusação de infidelidade partidária.

SEGURO NO PINCEL

O PCdoB continua seguro no pincel. Até agora não for formalizada nenhuma federação com um outro partido. Se não ocorrer, terá de partir para a árdua tarefa de montar chapas próprias para Federal e ALEAC.

ACREDITAM QUE CONVENCEM

PETISTAS ainda acreditam que, poderão convencer o advogado Sanderson Moura (PSOL) a não ser candidato ao Senado, e apoiar a candidatura do Jorge Viana (PT).

MDB COM PALANQUE

O MDB lançará na próxima quarta-feira a senadora Simone Tebet (MDB), como candidata a presidente da República. O problema do MDB é que não tem unicidade nacional, cada um aponta o nariz para onde quiser.

MULHERES NA POLÍTICA

ÂNGELA Helosman (PSD), Lene Petecão (PSD), Vânia Pinheiro (PTB), Rosana Nascimento (PSD), Maria Antonia (sem partido), Leila Galvão (sem partido), Antonia Sales (MDB) e Meire Serafim (MDB), são até aqui as mulheres que disputarão vagas na ALEAC. Vanda Milani (PROS), Márcia Bittar (sem partido), Jéssica Sales (MDB), Mailza Gomes (PP), sairão candidatas ao Senado. E, Charlene Lima (PTB), Perpétua Almeida (PCdoB), Lana Vaz (PSL) e Michelle Melo (PDT), estarão na lida por uma cadeira na Câmara Federal. As mulheres estão com tudo e não estão prosa. Ainda tem vaga no barco do batom.

BRECADO PELA LEI

ESTE ano, o governador Gladson não poderá contratar os membros do cadastro de reserva da Polícia Civil, mesmo que queira. Furaria o teto da Lei de Responsabilidade Fiscal, e ele cometeria crime de responsabilidade.

DE PAI PARA FILHO

EM FIM DE CARREIRA, em 2022 será a última eleição que disputará, o deputado federal Flaviano Melo (MDB), trouxe o filho Leonardo Melo para ser candidato a uma vaga na ALEAC, e continuar a saga dos Melos na política.

JOGO BRUTO

O JOGO para ser escolhido ministro de uma pasta cobiçada como a do Desenvolvimento Regional, é bruto, porque há muitos interesses políticos grandes em jogo, mas se o senador Márcio Bittar (PSL) conseguir a façanha, a candidatura da Márcia Bittar ao Senado, ganhará um suporte poderoso para a sua candidatura. É aguardar!

NÓ CEGO

O GOVERNADOR Gladson foi mal assessorado nesta questão do repasse de recursos do FUNDEB para os professores. Anunciou um valor, já baixou, e virou uma celeuma. Por entrave jurídico, não beneficiará todos os segmentos da Educação, e ainda criou um bolsão de descontentamento em outras categorias do estado (que são maioria), que querem ser beneficiadas com aumento salarial e contratações, e não serão atendidas. Na política, tem que se mirar sempre no custo e no benefício antes de dar um passo. Um passo em falso o desgaste é certo, é o que está ocorrendo no presente caso. Um nó cego para a ALEAC desatar, quando o PL entrar em discussão.

APROVARAM TUDO

A BASE do governo na ALEAC deu provas no decorrer do ano que se encontra unida. Sob a presidência do deputado Nicolau Junior (PP) e apoio do líder do governo, deputado Pedro Longo (PV), aprovaram tudo o que veio do Palácio Rio Branco. Com generosos espaços no poder, não tinham nem como ser contra as pautas palacianas.

MUITO TRANQUILOS

OS ASSESSORES da candidatura da senadora Mailza Gomes (PP) se mostram tranquilos quanto a sua presença na chapa do governador Gladson. “Ela é a presidente do partido, não vai recuar, o Gladson é do PP, e não tem alternativa, para tentar um outro nome”, enfatizaram.

ALGUÉM FALOU

“A Mailza não será candidata a senadora”. Não me perguntem quem disse a frase, numa conversa reservada com um amigo. O segredo das fontes é algo sagrado.

FORA DO PALANQUE

COM a candidatura do governador João Dória a presidente confirmada, não haverá espaço para o PSDB do estado, estar no palanque bolsonarista, sob pena de uma canetada nacional trocar toda a executiva tucana.

MUITO ESPERTO

O PRESIDENTE do PSDB, Manoel Pedro, o Correinha, é muito esperto para entrar na roubada de peitar a nacional e formar com o grupo bolsonarista, no Acre.

NÃO É PRECISO CONHECER

NÃO é nem preciso conhecer de política para se deduzir que, com as prováveis de quatro a cinco candidaturas ao Senado disputando votos no mesmo nicho eleitoral, o grande beneficiado será o candidato Jorge Viana (PT), que correrá livre no seu campo. 

COMEÇOU BEM

PARA quem nunca foi candidato a um mandato político, não estava em campanha, aparecer com 11% na primeira pesquisa para presidente, começou bem. Vamos ver as próximas pesquisas, para avaliar o crescimento da candidatura do ex-Juiz Sérgio Moro.

VÔO DESCARTADO

A ex-deputada Leila Galvão descartou disputar uma vaga de deputada federal na eleição de 2022, recusando todos os convites neste sentido. Será candidata à ALEAC.

DUAS METAS

O EX-VEREADOR de Brasiléia, Joelso Pontes, deve atender o convite do senador Márcio Bittar (PSL) e ser candidato a deputado federal, com o foco de preparar caminho para disputar a prefeitura de Brasiléia, na próxima eleição.

 FRASE MARCANTE

“A passagem do tempo deve der uma conquista, não uma perda.” Lya Luft. 

Blog do Crica

Petecão contesta Jorge Viana e vê apoio para a reeleição de Bocalom indefinido 

Publicado

em

NUMA CONVERSA ONTEM COM O BLOG, o senador Sérgio Petecão (PSD) negou que tenha feito qualquer movimento para apoiar uma frente de oposição defendida pelo ex-senador Jorge Viana (PT). “Ele deveria ter pensado nisso na última eleição, quando impediu a formação de uma aliança de todos os partidos de oposição, com a sua candidatura ao governo. É uma proposta que está chegando tarde, vou conversar sobre alianças para a disputa da PMRB bem mais adiante”, falou Petecão. Mas, colocou em dúvida estar no palanque da reeleição do prefeito Tião Bocalom em 2024. “Depois que me disse numa conversa que a sua meta será ser reeleito, depois de se afastar para ser candidato a senador, entrou em confronto com o meu projeto, vou analisar isso mais na frente. Como é que vou apoiar alguém para no futuro disputar o Senado comigo?”. Foi a indagação do senador Sérgio Petecão (PSD). Falando sobre o seu posicionamento no Senado, Petecão garantiu que estará na base de sustentação do futuro governo do petista Lula.

VAI INDICAR NOMES

PODE-SE prever uma disputa por cargos federais no estado entre o senador Sérgio Petecão (PSD) e o ex-senador Jorge Viana (PT). “Tenho voto no Senado, já conversei com lideranças nacionais, e com certeza indicarei ocupantes a cargos federais no estado”, falou Petecão.

PONTO MARCADO

O SECRETÁRIO de Educação, Aberson Carvalho, além de estar fazendo uma boa gestão, tem o apoio da futura deputada federal Socorro Neri (PP) para permanecer. Por isso, será difícil ao Minoru Kinpara ser indicado à pasta.

AINDA TEM MANDATO

DEPOIS de ser escorraçado de todos os seus projetos na eleição passada, não se sabe se o senador Márcio Bittar (União Brasil) continuará aliado do governador Gladson Cameli. Não terá nenhum prestígio no governo Lula, mas ainda tem emendas parlamentares para serem liberadas.

LADEIRA ABAIXO

O SEU GRANDE PROJETO, que era o de fazer da Márcia Bittar (PL) vice-governadora foi ladeira abaixo.

PERDERAM TEMPO

OS QUE SE POSTARAM na porta dos quartéis na defesa de uma intervenção militar e pela volta da ditadura, podem voltar para casa, não haverá golpe militar e o Lula vai assumir a presidência, pois, ganhou a eleição. E, ponto!

GRANDE INTERROGAÇÃO

NOS MEIOS PETISTAS regionais a grande interrogação, é sobre se o Jorge Viana será ministro no governo Lula. Se for, ele vai colocar o PT no protagonismo, no estado.

NÃO ESTAVA NAS CONTAS

CANDIDATO do PDT que não se reelegeu me falou ontem que, não contava com a boa votação do deputado Pedro Longo (PDT). “Eu o colocava entre os candidatos que não conseguiriam se reeleger, sua votação inesperada foi uma zebra com qual não contava”, lamentou.

LIVRE E SOLTO

O GRANDE DIFERENCIAL do governador Gladson Cameli para o segundo mandato é que estará livre e solto para escolher seus secretários, porque foi uma reeleição focada no seu carisma pessoal, sem dono da sua vitória.

SÉRIE DE TRAPALHADAS

NESTE primeiro mandato preste a se encerrar, cometeu trapalhadas em série na escolha do seu secretariado.

FOI TUDO

A DERROTA do Flaviano Melo (MDB) na última eleição para a Câmara Federal, não apaga a sua brilhante trajetória na política. Foi prefeito de Rio Branco, deputado federal, senador e governador. Natural que abra o caminho para a turma nova do MDB. Foi tudo.

REQUESITOS ESSENCIAIS

CASO a deputada estadual eleita Michelle Melo (PDT) queira se projetar para futuras disputas majoritárias, ela terá de cumprir um mandato independente e propositivo, e ter o suporte de uma boa estrutura de divulgação.

NOVO ROUND

O PREFEITO Mazinho Serafim (União Brasil) e o deputado Gérlen Diniz (PP), adversários ferrenhos, terão novo enfrentamento em 2024, com cada um lançando candidato a prefeito de Sena Madureira.

ANOTEM PARA CONFERIR

A LÓGICA é o Gladson se afastar no último ano de mandato para disputar uma das vagas para o Senado. A vice Mailza Gomes vai assumir, e ninguém fique surpreso, casa ela queira ser candidata a governadora em 2026.

MUITO NATURAL

É MUITO natural, que este seja o seu caminho, só abdicou do direito de ser candidata a um novo mandato no Senado, depois que lhe foi oferecida a vaga da vice.

ACORDO PARA O FUTURO

OUVI do próprio senador Márcio Bittar (União Brasil) que vai jogar as suas emendas parlamentares na prefeitura da capital, apoiar a reeleição do Tião Bocalom à PMRB e, posteriormente, ao Senado. Não disse qual será o troco, mas no mínimo deve ser lhe apoiar para governador.

PONTO DE REFERÊNCIA

O DEPUTADO Edvaldo Magalhães (PCdoB) deverá ser o principal ponto de referência da oposição ao governo do Gladson. E, é bom que seja, porque um parlamento sem uma oposição forte vira armazém de secos e molhados.

NÃO PODESER A CASA DO AMÉM

O Legislativo não pode ser a casa do amém e sim senhor.

A FARINHA DO LULA

ENQUANTO alguns assessores do Gladson se esgoelam pedindo a ditadura militar para impedir a posse do Lula, ele já prometeu ao Lula que vai lhe levar farinha de Cruzeiro do Sul no próximo encontro que tiverem. Isso se chama de pragmatismo político pela governabilidade.

FALTA COERÊNCIA

AS URNAS que elegeram o Bolsonaro em 2018, não são as mesmas que elegeram agora o Lula? Se não foi fraude ontem, não pode ser hoje, ora pois. Quer dizer que a eleição só seria legal se o Bolsonaro tivesse ganhado? Falta coerência na contestação do último pleito eleitoral.

QUATRO NA TRANSIÇÃO

O PT do Acre colocou três filiados na equipe da transição do Lula: Jorge Viana, Binho Marques e Léo de Brito. E o PV, a Shirley Torres.

FRASE MARCANTE

“Tua casa pode substituir o mundo, mas jamais o mundo substituir tua casa”. Ditado alemão. 

Continuar lendo

Acre

Eleição para presidência da Assembleia já está decidida

Publicado

em

EM QUE PESE os argumentos de que, pelo PDT ter a maior bancada na Assembleia Legislativa a presidência deve ficar com o partido, na figura do deputado Luiz Tchê (PDT); a realidade política nos bastidores da chamada “Casa do Povo” é outra, já existem votos combinados por uma maioria a favor da chapa formada pelo deputado Luiz Gonzaga (PSDB) para presidente e do deputado Nicolau Junior (PP) de primeiro secretário. Na verdade, deve acontecer apenas uma inversão de cargos: Nicolau é hoje o presidente e Gonzaga primeiro secretário. A chapa também tem o aval do governador Gladson Cameli, porque com ambos não teria problemas para aprovar os projetos que enviará ao Legislativo.

NÃO TERÁ A PANDEMIA
ANTES da pandemia, as pesquisas registravam uma baixa aceitação do governo do Gladson. Sua ação na pandemia contra o negacionismo e a favor da vacina, inflaram a sua popularidade. No segundo governo terá que se reinventar, não terá mais a pandemia para dar um plus.

VOLTANDO PARA A DISPUTA
DEPOIS DE NÃO se eleger deputado federal na última eleição, o ex-prefeito Rodrigo Damasceno (PODEMOS) deverá disputar a prefeitura de Tarauacá, com chance de sucesso. Não foi bem na sua gestão, mas é muito forte.

BOM TRÂNSITO
BASTA SE CONVERSAR com deputados da base do governo para sentir a simpatia pelo nome do Rômulo Grandidier para o gabinete civil. O fato de se relacionar bem com os políticos, é um ponto ao seu favor, o que lhe dá cacife para fazer uma ponte com a ALEAC.

NÃO É BOI MORTO
É CEDO para se dizer que ganhar do prefeito Tião Bocalom é um passeio, pela atual conjuntura da sua gestão. Ainda tem dois anos para tocar projetos. Em qualquer situação, o Bocalom não será um boi morto.

NÃO É CITADO
PODE ATÉ contrariar essas notícias, mas pelo que se lê dos grandes analistas nacionais da política, o Jorge Viana não aparece cotado para qualquer dos ministérios.

APOSTA ERRADA
OS RADICAIS BOLSONARISTAS fizeram duas apostas erradas, com as suas mobilizações: a primeira, foi que seus atos comoveriam os militares a darem um golpe; e segundo, que teriam a cobertura da imprensa. Nem uma coisa e nem outra. Não há clima para ditadura militar.

NÃO SEGUE O PDT
O DEPUTADO Pedro Longo (PDT) não deve se engajar na candidatura do deputado Luiz Tchê (PDT) para a presidência do partido na ALEAC. Deve se agarrar na possibilidade de ser o vice-presidente na chapa puxada pelo deputado Luiz Gonzaga (PSDB) para presidência.

MAR DE TRANQUILADADE
NADA melhor para o prefeito Bocalom que as eleições para deputado dos vereadores Michelle Melo (PDT) e Emerson Jarude (MDB), justamente os seus calos na Câmara Municipal de Rio Branco. Ficará sem oposição.

O QUE FARÁ O BITTAR?
DEPOIS de tudo dar errado nos seus planos na última eleição estadual, não se sabe quais seus planos para 2026. Para o Senado e Governo, o senador Márcio Bittar (União Brasil) teria paradas duras. Não será de se admirar se optar por disputar vaga de deputado federal.

OLHO NA PREFEITURA
O deputado Antônio Pedro (União Brasil), que não conseguiu se eleger, está focado em ser candidato a prefeito de Xapuri em 2024, para não ficar fora da política por quatro anos. Sua derrota foi uma surpresa.

PLANO ABORTADO
A ELEIÇÃO do Lula podou o plano do primeiro suplente do União Brasil, Fábio Rueda. Com a permanência do Bolsonaro poderia negociar para ser puxado para o governo federal um dos deputados eleitos para o, e ele assumir.

CEDO PARA COMPOSIÇÃO
QUEM está próximo do senador Petecão (PSD) fala que, por enquanto, não deverá entrar em nenhuma frente da oposição. Quer deixar o quadro se aclarar, antes de tomar uma decisão. Acha cedo para o movimento.

ENTRARAM EM MUTISMO
DEPOIS da derrota na última eleição os irmãos Rocha – Major Rocha e Mara Rocha – não voltaram ao cenário eleitoral, se recolheram sem falar no futuro político.

FAXINA EM FEIJÓ
O eleitorado de Feijó fez uma faxina política na última eleição. Os dois deputados da região, Marcos Cavalcante (PTB) e Cadmiel Bonfin (PSDB), não se reelegeram.

IRONIA DO DESTINO
O CANDIDATO para o qual o presidente do PSDB, Correinha, não queria dar legenda, o deputado Luiz Gonzaga (PSDB), por ironia do destino, foi o único do partido a se reeleger para a Assembleia Legislativa.

SENTIMENTO MAJORITÁRIO
MESMO tendo perdido a eleição, há um sentimento majoritário dentro do MDB, para que o deputado federal Flaviano Melo continue na presidência da sigla.

MUITO BEM CONDUZIDA
Por trás do fato da Socorro Neri (PP) ter sido eleita a candidata a deputada federal mais votado na última eleição, além dos seus méritos, foi importante a coordenação da sua campanha pelo secretário de Educação, Aberson Carvalho.

URNAS CRUÉIS
AS URNAS foram cruéis com os ex-deputados estaduais que tentaram retornar aos mandatos na Assembleia Legislativa, todos foram derrotados.

O GLADSON É PRAGMÁTICO
Ao anunciar que, no próximo encontro com o Lula levará de mimo farinha de Cruzeiro do Sul, mostra que o governador Gladson Cameli é pragmático, pensa antes no estado do que na ideologia política. A eleição acabou.

NÃO TEM GOLPE MILITAR
O GLADSON raciocina de forma coerente, sabe que não passam de esbirros antidemocráticos os pedidos pela volta da ditadura militar, e que o Lula assumirá.

FRASE MARCANTE
“Três grosserias do mundo: jovens caçoando dos velhos, sadios caçoando de doentes, sábios caçoando de tolos”.

Continuar lendo

Blog do Crica

Nada contra as urnas

Publicado

em

O deputado federal Alan Rick (União Brasil), esclareceu ontem ao BLOG que, não duvida da lisura das urnas eletrônicas, não se engaja nos pedidos de intervenção militar; e que o movimento ao qual se engajou na Câmara Federal foi no da formação de uma CPI para discutir o que chama de “ativismo judicial” de alguns ministros do STF, que ao seu ver tolhem a liberdade de expressão, indo contra a Constituição Federal, podando até o direito dos parlamentares de terem a palavra e posições políticas invioláveis em seu mandatos. Destacou que em momento algum defendeu ou pediu que as Forças Armadas dessem um golpe militar para impedir a posse do presidente eleito Lula. 

TOMA QUE O FILHO É TEU

O PP E O REPUBLICANOS pediram ontem ao STF, que não os coloquem no mesmo cesto do presidente do PL, Valdemar da Costa Neto, cujo partido pegou uma multa de 22 milhões de reais por litigância de má-fé, ao propor sem provas a anulação do resultado que elegeu o Lula. Deixaram o PL só segurando o pincel sem escada, ao negar que endossaram o pedido golpista do Valdemar.

SABER SE VAI ACEITAR

O ÚNICO nome palatável e com base eleitoral que o PT tem para disputar em 2024 o comando da PMRB, é o ex-prefeito Marcus Alexandre. A saber se aceita a missão.

60 DIAS

Em 60 dias após suas posses, já se vai saber quais os deputados que vão figurar no alto clero dos debates na ALEAC, e os que ficarão relegados ao baixo clero da Casa. E, quem comporá ainda a bancada dos mudinhos.

PEDRA CANTADA

O LULA já se acertou com o Centrão e o PT deve apoiar a reeleição do deputado federal Artur Lira (PP), para a presidência da Câmara Federal. Isso se chama de pragmatismo político, para ter a maioria parlamentar.

VOLTA POR CIMA

O PP velho e cansado de guerra, deu um pulo na eleição municipal, elegendo os prefeitos da capital e de Cruzeiro do Sul; e na eleição estadual, elegeu o governador, três deputados federais e quatro estaduais. Virou o maior partido do Acre, destronando o MDB e o PT.

FUGIR DO TRIVIAL

DESTINAR emendas parlamentares para prefeitos amigos, até um macaco treinado pode fazer. Um deputado federal tem que ter o seu mandato avaliado, pelas pautas que defende e os projetos apresentados.

VOTOS PESSOAIS

COM cerca de 21 mil votos, a Jéssica Sales (MDB) só não se reelegeu deputada federal, por seus companheiros de chapa terem obtido baixas votações; mas isso não abalou seu prestígio, para disputar a prefeitura de CZS, em 2024. Jéssica, de votos pessoais, será um nome forte.

ABANDONADO NO BAILE

O SENADOR SÉRGIO Petecão (PSD) saiu da eleição para o governo, como o candidato mais traído pelos aliados. Todos os ex-prefeitos do PSD lhe traíram na campanha.

GILSON DA FUNERÁRIA

LIVRE dos processos que respondia, o ex-vereador Gilson da Funerária (PROS) deverá ser na próxima eleição para a prefeitura de Senador Guiomard, osso duro de roer.

MARCA REGISTRADA

PRAÇAS limpas e iluminadas, é uma marca registrada na gestão do prefeito Bocalom. Ponto para o secretário  Joabe Lira, que comanda a pasta da limpeza pública.

MUITO MAIS PROVÁVEL

UM DISCO VOADOR lotado de Ets posando na Praça dos Três Poderes, em Brasília; é mais fácil de acontecer, que as Forças Armadas darem um golpe militar.

SOBROU O MAGALHÃES

DAQUELE partido com vários vereadores, deputados estaduais, deputados federais, o PCdoB ficou restrito ao mandato do deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB).

BANCADA DO BATOM

A CHAMADA bancada do batom na ALEAC, será formada na próxima legislatura pelas deputadas Antônia Sales (MDB), Maria Antônia (PP) e Michelle Melo (PDT).

MUITO RESOLUTIVA

A violência permanece alta em Rio Branco e municípios do interior, mas o grau de resolutividade dos crimes e grande por parte da Secretaria de Segurança. O Paulo César é um dos melhores secretários do Gladson.

COMPASSO DE ESPERA

O PT no estado está em compasso de espera para saber se o Jorge Viana vai ou não virar ministro do Lula. Se virar, pode levar o PT novamente ao protagonismo, no Acre.

FRASE MARCANTE

“Viúva com dinheiro é sempre noiva,” Ditado brasileiro.

Continuar lendo

Blog do Crica

Navegando em céu de brigadeiro no parlamento 

Publicado

em

O GLADSON não apenas foi eleito com folga no primeiro turno, mas também conseguiu eleger aliados, que serão majoritários na Câmara Federal e na Assembleia Legislativa. Na ALEAC, pode mandar um projeto loteando a Lua que será aprovado, tão é a folga de votos que terá. Não terá a mesma oposição ferrenha que teve no primeiro mandato, porque deputados importantes que lhe faziam oposição ou foram derrotados ou não estarão mais no parlamento estadual, como o deputado Jenilson Leite (PSB), que perdeu a eleição para o Senado. 

O cenário é de céu de brigadeiro. Se não fizer um bom segundo mandato não será por falta de apoio parlamentar. E, é bom que faça um mandato promissor, porque não terá mais a pandemia para lhe ancorar, como no seu primeiro mandato no Palácio Rio Branco.

NOMES COTADOS

RÔMULO GRANDIDIER, no Gabinete Civil; Aberson Carvalho, na Educação; Paulo César, na Segurança, são nomes citados na composição do segundo governo do Gladson. Nomes que deram certo no primeiro mandato.

QUEM NÃO CERTO TEM DE SAIR

SECRETÁRIO que num prazo de carência de quatro anos não se destacou na gestão, não há como o governador Gladson segurar. Quem não decolou, não vai decolar.

ALAN RICK

AS URNAS reservaram ao futuro senador Alan Rick (União Brasil) o papel de ser oposição ao governo do Lula. Pode-se não gostar de suas posições, mas ninguém pode lhe tirar o direito de não querer apoiar o Lula e o de contestar ações do judiciário. E, ademais, a oposição é essencial em todo governo. Assim, é na democracia.

É ESSENCIAL

NA POLÍTICA, é essencial ser ter posições firmes. O condenável é o político com mandato mudar de posição ao sabor de quem chega ao poder, porque nunca será respeitado. Dono de mandato não pode ficar no muro.

NOME PARA A PMRB

O EX-DEPUTADO Ney Amorim (PODEMOS) tem mostrado intenção, nas conversas com seu círculo mais próximo, de ser candidato à PMRB, na eleição de 2024.

BASE NA CAPITAL

NEY tem jogado com os argumentos de que não pode ficar sem mandato e fora do cenário político, sob pena de desaparecer, E, ainda que, sua base é na capital.

PROJETO INOVADOR

O PROJETO do prefeito Tião Bocalom de construir em um dia 1001 casas populares, é inovador, e pode minorar o problema do déficit habitacional na capital.

TEM QUE SER OUSADO

O GESTOR que dá certo é o ousado, não aquele que fica no eterno arroz com feijão. Essa ação do Bocalom vai quebrar a mesmice do acomodamento administrativo.

PAZ PARA GOVERNAR

A PRESENÇA da Mailza Gomes como vice-governadora vai permitir ao governador Gladson Cameli ter a garantia de que, ele não terá problemas no relacionamento, ao longo da sua administração. Terá paz para governar.

ARMOU E SE DEU MAL

O PRESIDENTE do PL, Valdemar da Costa Neto, armou e se de mal com a chicana de propor a anulação de metade das urnas eletrônicas. Seu partido pegou uma multa de 22 milhões de reais por litigância de má-fé e a ação foi rejeitada. A eleição acabou, não terá golpe militar, e ponto final. O resultado não terá volta.

É MUITA INGENUIDADE

É SER MUITO ingênuo pensar que ficar se manifestando pela intervenção militar, pela volta da ditadura, na porta dos quartéis, as Forças Armadas iriam para as ruas.

NÃO ACABOU

É, entretanto, um erro imaginar também que a derrota do Bolsonaro significou o enterro da direita no país, o bolsonarismo vai sobreviver como movimento; e se o Lula não fizer um bom governo, pode voltar ao poder.

DOBRADINHA CERTA

PELO que se tem ouvido de deputados, a chapa formada por Luiz Gonzaga (PSDB) para presidente e Nicolau Junior (PP) de primeiro-secretário, tem maioria dos votos na ALEAC. Não há clima para chapa alternativa.

A SABER COMO SERÁ NA ALEAC

OS VEREADORES Emerson Jarude (MDB) e Michelle Melo (PDT) foram um calo na gestão do prefeito Tião Bocalom. A saber como será o comportamento de ambos, como deputados, em relação ao atual governo.

PAUTADA EDUCAÇÃO

Ninguém se admire se a deputada federal eleita Socorro Neri (PP) tiver uma boa atuação no parlamento, principalmente, na defesa das pautas da Educação.

NÃO FOI RECONHECIDO

NENHUM parlamentar trouxe tantos recursos para o estado como o senador Márcio Bittar (União Brasil). Mas fez uma avaliação errada ao focar que com isso, ele seria reconhecido ao ponto de ser representado na chapa majoritária que disputou o governo. Apostou errado.

PERDEU O PODER DE BARGANHA

O MDB perdeu o poder de barganha para abrir conversa e ter participação no governo, por um motivo: o Gladson tem votos de sobra na sua base parlamentar.

MENOR QUE ENTROU

O MDB saiu menor do que entrou na última eleição, além de perder os dois deputados federais que tinha, ficou distante de ganhar a eleição para o governo.

NÃO É OPORTUNISMO

NÃO É oportunismo o apoio do senador Sérgio Petecão (PSD) ao futuro governo do Lula, com seu voto no Senado. Nunca escondeu que não votaria no Bolsonaro.

RECONHECIMENTO INTERNACIONAL

NÃO CONCORDO com algumas das pautas que defende, mas não posso deixar de reconhecer que a Marina – que pode ser ministra do Meio-Ambiente – é uma personalidade de prestígio e reconhecimento internacional no meio ambiental. Muito respeitada.

FOI PARA O SAL

COM a vitória do Lula já foi para o sal o projeto de ligar Cruzeiro do Sul à Pucalpa (Peru) cortando a Serra do Divisor, defendido pelo senador Márcio Bittar (União Brasil). A Marina é totalmente contra a obra.

INTUIÇÃO

É O NOME do novo livro do jornalista Nelson Liano, que mostra na obra que o autoconhecimento é acessível a todos os campos religiosos através da meditação. O Nelson é um espiritualista, uma pessoa do bem.

TUDO É COPA

O BRASIL estreia logo mais. Vamos sair das pautas negativas do golpismo para a beleza contagiante do futebol. A eleição nacional tem o dom de unir a todos.

FRASE MARCANTE

“Os homens fazem as leis, mas as mulheres fazem os costumes.” Ditado francês.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.