Conecte-se agora

De maioria bolsonarista, eleitorado acreano vai hoje às urnas assombrado pela alta abstenção

Publicado

em

No dia 30 de outubro, 581.222 eleitores estão aptos a votar e deverão comparecer às urnas das 6h às 15h em todo o Estado do Acre, onde o processo eleitoral começa às 5 horas coma impressão da zerésima em todas as seções eleitorais, inclusive das urnas que passarão pelos Teste de Integridade e Autenticidade.

Às 6h teve o início da votação nas seções eleitorais, inclusive do Teste de Integridade (na sede do TRE) e do Teste de Autencidade (na própria seção com a três urnas sorteadas no sábado).

Assim como aconteceu no primeiro turno, a votação ocorrerá ao mesmo tempo nos 5.570 municípios do país com o horário unificado nos 26 estados e no Distrito Federal.

Após intensa campanha da Justiça Eleitoral o novo horário foi bem aceito pela população, com todas as seções eleitorais funcionando simultaneamente.

O voto é obrigatório para maiores de 18 anos e facultativo para analfabetos, maiores de 70 e pessoas com 16 e 17 anos.

No primeiro turno, entre os candidatos à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) obteve 57.259.504 votos (48,43%) e Jair Messias Bolsonaro (PL) conquistou 51.072.345 (43,20%). Os votos válidos alcançaram 118.229.719 (95,59%). Foram registrados 1.964.779 votos em branco (1,59%) e 3.487.874 votos nulos (2,82%). A abstenção chegou a 20,95%.

No Acre, a situação é diferente e Bolsonaro tem grande aceitação entre os eleitores, segundo o resultado do 1º turno: Bolsonaro (PL) teve 62,5% dos votos válidos, contra 29,26% de Lula (PT). Além do 1º turno, as pesquisas vinham confirmando que a opção no Acre é por votar no atual presidente.

Além disso, o governador Gladson Cameli e a maioria da bancada federal já manifestou preferência pelo projeto bolsonarista. Cameli inclusive tem promovido grandes atos em favor de Jair Bolsonaro.

O eleitor de Acrelândia concedeu 73,59% dos votos para Bolsonaro no primeiro, consagrando-se no mais adepto ao ideário bolsonarista no Estado do Acre. De outro lado, Jordão é o município mais lulista do Acre: os jordanenses deram 55,0% dos votos a Lula no primeiro turno mas o petista ganhou em outros municípios.

A justificativa para quem não compareceu ao primeiro turno, no dia 2 de outubro, e não justificou a ausência na mesma data do pleito, deve ser apresentada até 1º de dezembro deste ano (60 dias), conforme prevê a Resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nº 23.659/2021.

Quem não puder comparecer às urnas no segundo turno deve justificar até o dia 9 de janeiro de 2023, fim do prazo de 60 dias após o pleito, conforme consta no calendário das Eleições 2022. Já quem está fora do país, tem título no Brasil e não votou tem o mesmo prazo, ou 30 dias contados da data de retorno ao território brasileiro, para apresentar a justificativa.

O eleitor acreano deve ficar atento que pode e o que não pode neste domingo na votação: é importante separar o documento oficial com foto e a colinha eleitoral, para não errar o número do candidato. Além disso, é fundamental conferir o local de votação com antecedência e ficar atento às condutas permitidas e proibidas no dia do primeiro turno das Eleições Gerais de 2022.

Eleitores podem manifestar, de forma individual e silenciosa, a preferência por determinada candidatura, legenda política, coligação ou federação. A expressão da escolha política pode ser feita por meio do uso de bandeiras, broches, dísticos e adesivos.

É permitido usar camiseta de candidatas e candidatos, desde que a eleitora ou o eleitor não distribua a vestimenta a outros, bem como não participe de aglomerações de pessoas com vestes padronizadas, nem de manifestações coletivas ou ruidosas. Quem estiver usando blusas com referência a alguma candidatura também não pode abordar, nem aliciar, nem usar qualquer método para tentar persuadir ou convencer outros eleitores.

Neste 30 de outubro é terminantemente proibido utilizar aparelhos eletrônicos na cabine de votação (celulares, tablets e máquinas fotográficas, por exemplo). Eleitoras e eleitores deverão deixar o celular com os mesários antes de votar, e o aparelho ficará retido durante o período em que a pessoa estiver votando, junto com o documento oficial com foto.

O uso de alto-falantes e amplificador de som é outra prática vedada na data do pleito, assim como a promoção de comício ou carreata. Vale reforçar que a lei eleitoral proíbe, até o final do horário de votação, a aglomeração de pessoas portando vestuário padronizado com bandeiras, broches, dísticos e adesivos, de modo a caracterizar manifestação coletiva, com ou sem uso de veículos.

A lista de restrições inclui a divulgação de qualquer espécie de propaganda de partido e de candidatos ou candidatas e a propaganda de boca de urna, realizada com o intuito de pedir votos aos eleitores que se dirigem à seção eleitoral.

A norma veda ainda a publicação de novos conteúdos ou o impulsionamento de conteúdos nas aplicações de internet citadas no artigo 57-B da Lei nº 9.504/1997 (Lei das Eleições). Postagens antigas, no entanto, podem ser mantidas em funcionamento no dia da votação.

Fiscais partidários também devem seguir algumas diretrizes, como não utilizar vestimenta padronizada e, nos crachás, exibir apenas o nome e a sigla do partido, coligação e federação que representam.

A taxa de abstenção no primeiro turno das eleições presidenciais de 2022 foi a mais alta desde 1998. Dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram que 34.241.529 eleitores deixaram de votar no dia 2 outubro, equivalente a uma abstenção de 23,15%.

No 1º turno, o Acre ocupou a 4ª colocação no ranking de abstenção no País. Quase 132 mil eleitores não foram às urnas em 2/10 em todo o Estado -22,43% de faltosos.

Além da grande taxa de abstenção -que pode aumentar neste domingo – o dia de votação em 2 de outubro foi marcado por muitas filas e problemas tidos como de rotina para a Justiça Eleitoral -algo que também deve se repetir hoje.

O resultado final no Estado será anunciado pelo presidente do TRE do Acre, Francisco Djalma, às 16 horas, em Rio Branco.

Destaque 2

Advogadas de paciente que praticou racismo são impedidas de entrar no Hosmac

Publicado

em

O Hospital de Saúde Mental do Acre (Hosmac) foi palco de uma confusão na tarde desta quarta-feira, 8, envolvendo advogadas contratadas pela família da professora Marfiza Cardoso, 43, que foi flagrada praticando xingamemtos racistas contra um motoboy e a direção da unidade de saúde.

É que as profissionais contratadas pela família de Marfiza, afirmaram que tiveram cerceadas o direito como advogadas de acesso à cliente. A policia chegou a ser chamada até o local. “É crime a violação de prerrogativas, é crime negar o acesso ao cliente e nós teríamos que solicitar que a pessoa que estivesse negando o acesso fosse levada para a delegacia prestar explicações”, afirma a advogada Helane Cristina.

Um outro problema alegado pelas advogadas foi a dificuldade em ter acesso ao prontuário da mulher que está internada no Hosmac. “Tivemos uma discussão técnica sobre a procuração. Os funcionários estava. exigindo que a procuração fosse assinada pela própria cliente, o que seria impossível, já que eles mesmos não estav permitindo o acesso à ela. Só foi resolvido com a chegada do jurídico da Sesacre e na conversa de advogado para advogado houve o entendimento”, declarou Vanessa Cavalcante, presidente da Comissão de Prerrogativas da OAB/AC.

A advogada Helane Cristina afirmou que o objetivo do acesso ao prontuário é verificar as condições de saúde da Marfiza e falou da estratégia da defesa. “Conversamos com uma médica que adiantou que é uma paciente conhecida do Hosmac e que se for preciso ela fará um laudo da paciente. Não pactuamos com o crime, o que fazemos é a defesa legal. O nosso primeiro passo é entrar com uma interdição judicial, ela vai passar por uma perícia e se o perito judicial entender, ela vai ser declarada incapaz”, afirma.

A reportagem procurou a assessoria de comunicação da Secretaria de Saúde e também do Hosmac, mas não obteve resposta até o momento. O espaço segue aberto para devida manifestação da direção da unidade de saúde, caso haja interesse.

Assista a videoreportagem de Whidy Melo:

video
play-rounded-fill

Continuar lendo

Destaque 2

Delegado indicia vereador de Bujari por violência política contra a mulher

Publicado

em

O delegado de polícia no município de Bujari, Bruno Coelho, concluiu o inquérito que apura a denúncia feita pela vereadora Eliane Rosita (Progressistas) contra o vereador Gilvan de Souza (PCdoB) durante a realização de uma sessão extraordinária realizada na Câmara Municipal no último dia 27 de janeiro.

Rosita acusa o colega de a ter ofendido e de não ter sido agredida por Gilvan por causa da intervenção de um outro parlamentar e alegou que não é a primeira vez que o político age de forma descontrolada.

De acordo com o delegado Bruno, a investigação indica que há indícios de crime de violência política contra a mulher praticado por Gilvan. “No decorrer das investigações ouvimos 10 testemunhas, juntamos ao processo áudio de parte da sessão e colhemos indícios veementes da materialidade do crime de violência política contra a mulher e representamos por medidas cautelares para resguardar a integridade física, moral e psicológica da vereadora”, disse.

O inquérito já foi encaminhado para o judiciário que irá decidir se Gilvan será representado criminalmente. “O Ministério Público vai analisar agora e caso tenha o nosso mesmo entendimento vai oferecer a denúncia e se o juiz aceitar a denúncia, em caso positivo, iniciará a ação penal e dará a sentença”, explica.

O delegado Bruno Coelho diz ainda que fatos como esse não devem voltar a acontecer. “Caso seja devidamente comprovado que realmente houve o crime, o investigado deve ser punido nos rigores da lei. Crime dessa natureza é extremamente grave e precisa de uma atuação das forças da segurança e do judiciário rápida e eficaz para que não ocorra mais esse tipo de crime”, afirma.

O vereador Gilvan de Souza nega as acusações.

 

play-rounded-fill
Continuar lendo

Destaque 2

Com 40 milímetros de chuva, nível do Rio Acre pode passar os 10 metros nesta segunda

Publicado

em

O nível do Rio Acre localizado na capital acreana chegou aos 9,76 metros nesta segunda-feira, 6, após Rio Branco receber cerca de 40 milímetros de chuva nas últimas 24 horas. A informação foi repassada pela Defesa Civil do município na manhã de hoje.

De acordo com os dados, o manancial subiu quase um metro em apenas um dia devido à incidência das chuvas. Nesse domingo (5) o rio estava com 8,82 metros. A previsão ainda é de que esta segunda seja de chuvas passageiras e pontuais, conforme o portal O Tempo Aqui.

De acordo com Cláudio Falcão, coordenador da Defesa Civil na capital acreana, a expectativa é que o Rio Acre ultrapasse os 10 metros nas próximas 24 horas. “A expectativa é que o nível chegue a 10 metros ainda hoje e nas próximas 24 horas ultrapasse essa cota. Tivemos alterações significativas em Capixaba e Xapuri que são municípios próximos e devem influenciar aqui na capital acreana”, afirma.

Falcão conta ainda que fevereiro é um mês preocupante, já que em janeiro, apesar de muita chuva, a quantidade foi menor do que a esperada. “Em janeiro choveu 92% do previsto. Infelizmente, o padrão que tem ocorrido é que quando em um mês não chove 100% do esperado, no mês seguinte a quantidade de chuvas dobra. Estamos atentos, acompanhando o nível diariamente e sempre preparados para não sermos surpreendidos”, diz o coordenador da Defesa Civil.

A cota de alerta na capital acreana é de 13,50m e a cota de transbordamento é de 14m. O plano de contingência da prefeitura de Rio Branco prevê a preparação de abrigos a partir do nível do rio atingir 12m, que é quando escolas e o Parque de Exposições começam a ser preparados para receber possíveis desabrigados.

Continuar lendo

Blog do Crica

Após sinalizar apoio a Bocalom, Gladson diz que sua candidata em Rio Branco é Socorro Neri

Publicado

em

O GOVERNADOR Gladson Cameli (foto) em contato hoje com o BLOG DO CRICA, justificou a sua ausência dos debates políticos a ter dado um tempo das confusões por cargos, mas que após a posse dos deputados amanhã, na ALEAC, voltará a se reunir com os deputados e a dará maior celeridade nas nomeações do segundo escalão. Se disse tranquilo para cumprir este segundo mandato. Tem a maioria na Assembleia Legislativa e o apoio unânime dos oito deputados federais.

Perguntado sobre quem apoiará para a prefeitura de Rio Branco, na eleição do próximo ano, foi taxativo: “Meu compromisso é com a Socorro Neri, embora, ela ainda não tenha me dito de forma clara que quer ser candidata a prefeita. Este é um assunto que também deve ser discutido dentro do PP. Quero escutar todo mundo”.

No decorrer do curto diálogo pelo celular, Gladson garantiu que vai falar com cada deputado federal e senador de forma individual. Perguntado se falará com o senador Sérgio Petecão (PSD), disse que será o primeiro procurado, e durante o encontro deve buscar uma reaproximação política entre ambos. “A eleição já acabou”, destacou Gladson.

Sobre a eleição para a composição do próximo diretório municipal do PP, Gladson enfatizou que não vai se meter e deixar a votação livre. Quem já se lançou publicamente a presidente do diretório municipal é a deputada federal Socorro Neri (PP). “Eu gosto de ser dirigente partidário e de organizar partido”, justifica sua decisão.

O novo presidente do diretório municipal do PP é quem vai comandar a eleição do próximo ano. Está oficialmente aberta a porteira da eleição para a disputa da
prefeitura de Rio Branco, no próximo ano.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.