O sistema de transporte público coletivo em qualquer capital do Brasil é sempre pauta de intensos debates. Séculos se passaram desde que o modelo foi implementado e até os dias atuais há discussão de como se pode melhorar e agregar maior número de passageiros satisfeitos. Na capital do Acre, o sistema vem passando por uma remodelagem a fim de aprimorar os serviços oferecidos à população. No entanto, ainda lida com os prejuízos acarretados pela devastadora pandemia do novo coronavírus. As empresas que atuam em Rio Branco, São Judas Tadeu e Via Verde, tentam contornar a perda de 83% dos passageiros e cerca de R$ 40 milhões.

Assim como demais setores da economia a nível mundial, o transporte coletivo também sofreu impactos negativos com a suspensão da maior parte das atividades comerciais devido ao alastre da Covid-19. Porém, com uma diferença: enquanto outras empresas puderam se adaptar a novas ferramentas de vendas (delivery;e-commerce), o transporte público era praticamente obrigado a manter veículos na rua, mesmo sem passageiros suficientes, no auge da pandemia.

Foto: Sérgio Vale/ac24horas

A expectativa para os próximos meses em Rio Branco é de progresso entre os trabalhadores e o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo do Estado do Acre (Sindcol-AC), mesmo após a crise sanitária ter provocado uma verdadeira avalanche de problemas ao sistema, que já se encontrava numa situação instável em meio à troca de gestão no município e falta de entendimento entre prefeitura, empresas e Câmara de Vereadores.

Os meses de abril e maio de 2020 foram os piores dos últimos anos para o transporte público local. O sistema perdeu quase dois milhões de passageiros num único mês no pico da pandemia. As empresas da capital acreana chegaram a perder em média quase R$ 4 milhões por mês por causa da pandemia. “Só de 2020 a 2021 houve queda de 66% de passageiros nos ônibus. Mas acreditamos que os coletivos podem recuperar esse passageiro, bem como a receita nesse período pós-pandemia. Com as aulas retornando e a cidade se movimentando novamente, a tendência é o passageiro voltar”, explica o presidente do Sindcol no Acre, Aluízio Abade.

Foto: Sérgio Vale/ac24horas

As empresas de transporte coletivo alegam que passaram a lidar com um cenário complicado desde o final de 2019, quando passou a ser permitido o funcionamento do táxi compartilhado, também conhecido como táxi-lotação em Rio Branco. “Com isso, houve queda de passageiros usuários do sistema. Não houve a fiscalização determinada pela justiça, não tivemos tempo de nos adequar ao táxi compartilhado e à demanda que foi subtraída do sistema. Em seguida veio a pandemia, que desorganizou toda a nossa estrutura financeira”, lamenta Abade.

Os transportes coletivos saíram de um faturamento de quase R$ 6 milhões mensais e caíram para um rendimento de R$ 1,5 milhão até este mês de setembro. Aluízio destaca que na pandemia o comércio em geral fechou, deixando de gerar custo de energia elétrica, de pagamento de funcionários e muitos outros aos comerciantes. “Já nós, não. Nós não paramos na pandemia, rodamos todos os meses com custo de óleo diesel, de mão-de-obra, de garagem etc, tudo isso sem transportar passageiro”.

Foto: Sérgio Vale/ac24horas

E foi justamente esse fator que ocasionou quase que uma decadência total do transporte coletivo, pois acabou tirando a capacidade de investimento que essas empresas de ônibus poderiam possuir. “Aí veio atraso de folha de pagamento, de manutenção de veículo. E o poder público constantemente fiscalizando e vendo que realmente não estamos ainda com demanda. Isso desencadeou nessa desorganização financeira do sistema”, salienta o presidente do Sindcol.

Abade ressalta que todo o sistema de transporte público, quando este não consegue cobrir sua própria despesa por determinado motivo, o município tem por obrigação (constante em contrato) entrar com subsídio, um apoio monetário concedido por uma entidade a outra entidade, no sentido de fomentar o desenvolvimento de uma atividade ou o desenvolvimento da própria. “E infelizmente nós não tivemos nenhum tipo de ajuda, conforme confirma relatório oficial recebido pela prefeitura”.

Impasse na prefeitura

Segundo os empresários, após a troca de gestão municipal, o prefeito Tião Bocalom (Progressistas) demorou a entender como de fato funciona o transporte coletivo, acumulando uma série de imprevistos ao sistema. “Juntou tudo isso. Percebemos essa dificuldade porque até o novo governo se adaptar, demorou. Normalmente, acham que nós somos bicho papão. E não existe isso no transporte. Passamos quase um ano tentando fazer a prefeitura entender o que é o transporte público”, diz Aluízio, afirmando que em dezembro de 2020 haveria o aporte de mais de R$ 2 milhões, que foi barrado pelos vereadores na Câmara.

Foto: Sérgio Vale/ac24horas

O município ainda tenta fazer o mesmo aporte, que de acordo com as empresas, trata-se de uma antecipação de receita. “O que o prefeito está propondo é a desoneração de tarifa para a gente tentar buscar o passageiro. Ele incentiva o passageiro a andar de ônibus, incentiva o comércio e empresários a contratar funcionários que não só moram próximos de seus locais de trabalho, mas de outros bairros, fazendo com que haja circulação na cidade”, garante o Sindcol.

Abade assegura que o repasse dos R$ 2,5 milhões pode fazer com que o transporte público melhore, a prefeitura receba receita e que o cidadão pague mais barato na tarifa de ônibus. “Vai gerar emprego e receita. E ainda podemos agregar passageiro no coletivo, conservar uma mesma quilometragem, aumentando o número de usuários”.

O trabalho vem sendo realizado para que não haja uma queda do sistema como a que ocorreu em Rondônia, que passou por um sistema bastante deficitário com o advento do táxi compartilhado, que tomou o mercado de passageiros. “Nesse caso, a frota foi muito reduzida. Ultimamente a prefeitura de Porto Velho fez uma nova licitação para tentar recuperar o sistema. Então a cidade está rodando com 40 ônibus. Aqui em Rio Branco vai rodar a partir do mês que vem com 100 ônibus”.

Cabo de guerra na Câmara Municipal

O Sindcol acredita que a atitude de alguns vereadores da capital em não querer permitir o aporte às empresas não compromete a São Judas Tadeu ou Via Verde, mas unicamente um benefício da sociedade. “Só dificulta para os usuários do transporte coletivo, porque a tarifa está sendo reduzida e eles [vereadores] querem votar contra. É meio complicado. Não sabemos a forma com que o prefeito vai conduzir isso, mas o certo é que a Câmara aprovasse esse projeto em prol do usuário”.

Na comparação de arrecadação entre 2019 e 2020 é possível observar uma queda brusca nos números, tanto de receita quanto de usuários. “Nós conseguimos usar os planos do governo federal, o Benefício Emergencial, onde as empresas pagavam 30% do salário dos funcionários e o governo 70%. Como reduziu carro na rua, a gente reduziu a quantidade de pessoas. Uma equipe trabalhava 10 dias, depois outra mais 10 e outra também 10 dias, mas não mandamos ninguém embora. A frota só ficou reduzida”.

Foto: Sérgio Vale/ac24horas

O “X” da questão atualmente se resume às despesas que as empresas estão tendo que manter sem obter receita para tal. “Se você pega a despesa de diesel e a receita, não cobre. Você sai de uma receita de R$ 5 milhões em novembro de 2019 e entra numa receita de R$ 1,8 milhão, fica insustentável perder R$ 3 milhões do dia para noite e a despesa continuar a mesma. Dessa forma, o sistema fica em decadência”.

Transporte clandestino

O sistema espera que a prefeitura de Rio Branco passe a atuar com uma fiscalização mais séria em cima do transporte clandestino e tente ajustar, colocar regras no modelo de táxi compartilhado, para que não interfiram no sistema coletivo dos ônibus. Abade acredita que deve-se criar uma modalidade para o táxi compartilhado ou lotação. “Que não seja como transporte público, mas transporte de táxi. Que haja espaço para todo mundo”.

Para o Sindcol, não há justificativa para o táxi sair do ponto final junto com o ônibus, uma vez que o coletivo carrega uma demanda maior, teoricamente mais baixa da classe, e o táxi passe nos pontos atraindo passageiros pagantes e deixando o passageiro do vale transporte no ônibus. “Isso quebra completamente o sistema. Acho que a prefeitura tem que achar um caminho sim para o táxi compartilhado, que já foi bastante agredido pelo sistema do Uber, mas que tenha regras diferentes do ônibus e não seja um concorrente do transporte coletivo”, declara Aluízio.

Foto: Sérgio Vale/ac24horas

O transporte coletivo torce para que a volta às aulas, no próximo mês de outubro, e o provável aumento da demanda, consiga voltar com a frota total e atender a população e continuar com os funcionários que não foram dispensados. “O nosso compromisso com o sindicato era não demitir na pandemia, garantir o trabalho de todos, porém nós carregamos um custo alto de folha de pagamento que tem que ser resolvido com urgência. Acho que o poder público deveria estar caminhando nessa forma que está, com desoneração de tarifa, e que a Câmara aprove esse projeto do repasse para que isso possa ocorrer”, diz o presidente do Sindcol.

O aporte financeiro será usado pelas empresas para pagar os salários dos trabalhadores do transporte coletivo e reduzir a tarifa de ônibus em 50 centavos. O superintendente de Transportes e Trânsito de Rio Branco, Anízio Alcântara, afirmou recentemente que a prefeitura busca puxar para si o pagamento das gratuidades (pessoas que usam o transporte público sem pagar) para que se possa reduzir a passagem de ônibus.

Foto: Sérgio Vale/ac24horas

O Conselho Tarifário de Rio Branco já aprovou por unanimidade a redução no preço da passagem de ônibus de R$ 4 para R$ 3,50, após entender que a desoneração favorece os usuários do transporte coletivo da capital acreana. A ideia agora, segundo o Sindcol, é focar em tentar baixar ainda mais a tarifa que já ganhou uma redução. “Vamos trabalhar com a desoneração dos estudantes também. Talvez o estado e o município, assumindo o subsídios dos estudantes, essa tarifa pode chegar a 3 reais”, garante Abade.

A RBTrans afirma que a redução pode representar um grande avanço. “Reduzindo a gratuidade, reduz a tarifa do usuário. Isso é só o primeiro passo de uma grande luta e sequência de trabalho que vai ter continuidade até ter valores menores para população e com a qualidade de serviço diferente do que está hoje. Não se pretende baixar a tarifa e continuar como está nos coletivos. As duas coisas estão caminhando”, assegura.

Previous
Next
error: Conteúdo protegido!