Menu

A corte, o martelo de Nancy e um barulho ameaçador

Receba notícias do Acre gratuitamente no WhatsApp do ac24horas.​

É preciso fazer uma correção ao que a turma do governador Gladson Cameli tentou massificar durante a semana. A martelada da ministra do Superior Tribunal de Justiça e relatora da Operação Ptolomeu na corte, Nancy Andrighi, em nenhum momento, suspendeu o julgamento. A ficção oficial do Palácio ainda foi mais longe, tentou emplacar a ideia de que a suposta suspensão teria ocorrido “por falta de provas”.


A tropa oficial não falou a verdade. Simples assim.


Zelosa, Andrighi sabe que o respeito “devido processo legal” precisa ser observado sempre. E se a defesa de Cameli alegou, calculadamente, que não teve acesso à íntegra das peças acusatórias, então que isso seja atendido. Se a defesa alega que os ditos Relatórios de Análise de Polícia Judiciária elaborados pela Polícia Federal não chegaram ao colo da defesa, então que se providencie isto.

Publicidade

Todas as manchetes, toda a alegria oficial do Palácio Rio Branco residiu neste singelo movimento ritual. Uma filigrana processual que desautorizaria qualquer entusiasmo rumo à ideia de inocência, caso os assessores de Gladson fossem providos do mínimo cuidado em observar os fatos como os fatos são.


Se alguma coisa foi suspensa, pode-se dizer (para frenesi de algum palaciano mais apressado em massagear o humor do chefe) foi o prazo para que a defesa responda à acusação. Isso não muda em nada o andamento do processo. Frisa-se: não muda em nada o andamento do processo.


As danações apresentadas pelo inquérito da Ptolomeu estão lá, pujantes, inquietas, brilhando.


Aliás, há quem diga que o martelo da ministra Nancy Andrighi é temperamental, meio sisudo, pouco afeito a sorrisos fáceis. Mas dizem também que ele não é avexado. É tranquilão: consciente do peso que tem, sabe a hora certa de se mexer. Não gosta que ninguém corrija o som produzido depois de batido.


É até engraçado observar o desespero da corte acreana quando alguma coisa acontece no STJ em relação à Operação Ptolomeu. O processo ainda não foi, digamos, “transformado” em Ação Penal. Explicando de forma bem simples: digamos que as supostas danações de Gladson e sua tropa foram registradas pela Polícia Federal. Tudo foi escrito em um documento chamado “inquérito”. Esse documento foi apresentado para quem é o acusador formal, o Ministério Público Federal. E o MPF bateu na porta do STJ dizendo assim: “Repara, STJ! Olha essa danação desses meninos lá do Acre!”. E está assim.


É bem capaz que a ministra Nancy Andrighi ainda nem tenha queimado muita pestana com isso. O que ela não se permite é que defensores de traquinagens balbuciem que o devido processo legal não foi respeitado.


A pressa palaciana em mentir para criar uma imagem de injustiçado em torno de Gladson Cameli expõe, na verdade, o desespero. O próprio Cameli tenta dissimular: tem se apresentado em agendas oficiais com ar mais sereno, menos brincalhão e quando abordado sobre o problema calcula as palavras que saem de sua boca com vagar e frágeis, quase conscientes de que não convencem nem a ele mesmo.


Os cálculos políticos que rondam o Palácio Rio Branco, em torno da Operação Ptolomeu, devem estar intensos. Ao menos, deveriam. Porque a cena não é boa para o líder do paço. Não tranquiliza o governante, consciente do que fez (inclusive do que diz não ter feito). Quais as alternativas jurídicas Gladson tem para evitar o possível afastamento é uma dúvida ainda difícil de ser sanada. Até o fim deste mês de fevereiro, há muitos ritmos a serem ouvidos e sentidos. O martelo de Nancy está calmo, mas tem lá os seus caprichos: só para deixar mais emocionante o clima, fica com a parte da cabeça quieta, parada, mas o cabo vai batendo levemente, de forma sutil. Um ouvinte atento é capaz de decifrar o que se diz lá longe… o som chegando devagar… aproximando-se, ameaçador para alguns: “Toc! Toc! Toc!”


INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* Campo requerido