Menu

Pesquisar
Close this search box.

Justiça diz que agência 123 Milhas deve oferecer opção de devolução de dinheiro

Receba notícias do Acre gratuitamente no WhatsApp do ac24horas.​

Em nota pública divulgada na noite deste sábado (19), o Ministério da Justiça (MJ) informou que a empresa 123 Milhas não pode impor aos clientes que tiveram passagens e pacotes promocionais cancelados um reembolso de viagens por voucher em vez de dinheiro.


O posicionamento do MJ ocorreu após a empresa ter informado o cancelamento de pacotes que garantiam passagens aéreas para clientes e que provocou forte repercussão negativa no mercado do país.

Anúncios


“O reembolso deve garantir que os consumidores não tenham prejuízo e a opção por voucher não pode ser impositiva, tampouco exclusiva”, diz a nota do Ministério.


O cancelamento de pacotes promocionais da 123 Milhas atingiu clientes que estavam com embarque previsto de setembro a dezembro de 2023. A empresa não apresentou justificativas claras para o que aconteceu.


O caso chamou a atenção do Governo e dos órgãos de investigação. O Ministério do Turismo informou ontem, por exemplo, que considera a situação grave e que uma apuração do fato deve ser aberta “para que a empresa esclareça as razões dos cancelamentos, identifique todos os atingidos e promova uma reparação de danos adequada”.


O Ministério da Justiça considera que o cancelamento do contrato é abusivo e sem validade.


A 123 Milhas, por sua vez, informou que devolverá integralmente o que foi pago pelos clientes, por meio de vouchers com correção monetária “acima da inflação e dos juros de mercado”. Segundo a empresa, os vales poderão ser usados para comprar passagens, pacotes e diárias em hotéis.


Abaixo, a íntegra da nota do Ministério da Justiça:


“A modalidade de venda de passagens por meio de transferência de milhas precisa atender a previsão do Código de Defesa do Consumidor. A cláusula contratual que permita cancelamento de forma unilateral é considerada abusiva e consequentemente nula. O reembolso deve garantir que os consumidores não tenham prejuízo e a opção por voucher não pode ser impositiva, tampouco exclusiva. A devolução deve atender os valores pagos com eventuais correções monetárias. O direito à informação deve essencialmente conduzir este processo, com plano claro de comunicação, fluxo e modalidade de reembolso. Os eventuais danos devem ser apurados e os consumidores lesados podem fazer registro na plataforma consumidor.gov.br. De qualquer forma, a Senacon notificará a empresa para que, em averiguação preliminar, preste os seus devidos esclarecimentos. O Ministério do Turismo e a Senacon atuarão em conjunto monitorando a situação e alinhados para evitar maiores prejuízos aos consumidores.”


INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* Campo requerido