Conecte-se agora

O direito de espernear

Publicado

em

Há uma máxima no meio da estatística que “para se saber o sabor de um bolo não é necessário comê-lo todo”. Desde que todos os ingredientes usados na receita tenham sido colocados na medida exata e batidos no ponto certo, uma “provinha” dele é o suficiente para se certificar ou não da gostosura da guloseima.

Este mesmo raciocínio vale para uma pesquisa quantitativa: se o universo dela for bem definido e representativo, uma pequena talhada deste expressará com fidelidade o pensamento majoritário da população naquele intervalo de tempo.

Nada garante, no entanto, que na próxima fotografia os sorrisos e lágrimas sejam os mesmos: quem está em cima pode despencar e quem está embaixo pode escalar.

É apenas um indicativo momentâneo e, ao que parece, a pesquisa divulgada atendeu às exigências da culinária matemática.

Pesquisa, no entanto, tem algo em comum: quem não aparece bem na fita sempre arranja um meio de questioná-la.

A pesquisa feita pela Federação da Indústria do Acre revela que, se a eleição fosse hoje, o governador Gladson Cameli daria uma lavada em seus concorrentes.

Isso foi o estopim para o disparo de diversas declarações acerca da credibilidade do Instituto e dos métodos utilizados.

O inusitado é que os resultados da aprovação do presidente Bolsonaro, na mesma pesquisa, não foram questionados.

No meu entendimento, o X dessa equação é que o personagem Gladson ainda se revela maior que os resultados de seu governo e os adversários dele não despertam qualquer empolgação nos eleitores.

Sua empatia com a população é inquestionável. O povo não enxerga nele alguém mal intencionado e de má vontade. Ao contrário: acredita que ele pode realizar.

Do meu conhecimento, poucos foram os governadores do Acre com capacidade de reconhecer os próprios erros, sem receio.

O comportamento solidário dele na gestão da pandemia e o respeito à ciência o formataram como alguém cujo desejo era salvar vidas.

Óbvio que a gestão de Gladson precisa melhorar e melhorar muito. Seus secretários precisam ser mais eficientes e ousados.

O setor mais empacado é exatamente o que tem como patrono o senador Márcio Bittar. Os projetos das obras não saem do papel. Aliás, boa parte ainda não está sequer no papel.

Alocar emendas no orçamento e sair cantando de galo nas redes sociais é algo que se faz no “piloto automático”.

A suadeira é elaborar, sem ter equipes de profissionais técnicos em números razoáveis, os projetos básicos bem feitos, orçamentos das obras, obter licenciamentos, licitar e toda espécie da burocracia legal etc.

Os possíveis adversários na reeleição devem muito mais explicações que necessariamente a credibilidade para apontar o dedo para cobranças.

E isso se deve aos seguintes motivos: o PT carrega, amarrado no tornozelo, a bola de ferro forjada durante os 20 anos de perseguição, corrupção e intolerância. Os ex-aliados de Gladson tiveram o privilégio de indicar nomes para ocupar setores estratégicos na administração e os resultados apresentados são vergonhosos.

No mais, as reclamações fazem parte daquilo que os juristas chamam, data venia, de “ o jus sperniandi”, ou seja: o direito de espernear.


Luiz Calixto escreve todas às quartas-feiras no ac24horas.com

Destaque 2

Praia do Riozinho do Rola vira ponto de encontro de famílias que buscam fugir do calor

Publicado

em

Continuar lendo

Destaque 2

Gestão de Bocalom cede equipamentos para ajudar produtores da zona rural de Acrelândia

Publicado

em

Continuar lendo

Acre

Critério da Aliança para Senado vai definir candidato a vice e apoio para federal

Publicado

em

Continuar lendo

Destaque 2

Feijó está entre os dez municípios de intensa exploração madeireira na Amazônia

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas