Conecte-se agora

Aritmética Bisonha da vacinação

Publicado

em

As ações do Governador Gladson Cameli durante a pandemia lhe renderam elevada aprovação dos acreanos, medida em pesquisas de opinião.

O momento atual das agruras dessa pandemia, no entanto, é a busca frenética das pessoas pela vacina tornada literalmente uma questão de vida ou de morte. E ela colocou novos desafios aos governantes frente às expectativas de sobrevivência da população.

Não se pode dizer que a vinda das doses da vacina Coronavac para o Acre tenha sido um brilhante êxito para além das ações publicitárias. Refiro-me aos seus quantitativos. Eles foram lesivos aos interesses de muitos acreanos.

Não é necessário usar-se algoritmos sofisticados ou cálculo diferencial para demonstrar isso. Basta se recorrer à antiga e elementar aritmética: divida- se seis milhões de doses de vacinas do Butantan por duzentos e dez milhões de brasileiros; multiplique-se o quociente dessa divisão por 910 mil acreanos e se obterá um produto de 26 mil doses. Como cada pessoa para ser imunizada terá de tomar duas doses da Coronavac, no espaço de um mês, as 26 mil vacinas dariam para imunizar 13 mil acreanos; sem margem de segurança em torno de 10%, é óbvio.

A programação da primeira fase da Secretaria Estadual de Saúde do Acre propõe a imunização preferencial de 19.402 pessoas, sendo 12.815 indígenas vivendo em aldeias, 66%; 6.343 trabalhadores da saúde, 32,7%; e 244 idosos em casas de repouso, 1,3%.

Não há dúvidas de que os três grupos são, de fato, prioritários. Não se afigura razoável contestar esta escolha. Mas há uma anomalia nesta distribuição, uma incongruência. Os indígenas são geridos e são responsabilidade exclusiva do Governo Federal. Este ente federativo é o único a legislar sobre a questão indígena e é, inclusive, o proprietário único de suas terras.

É injusto e inaceitável passivamente que o Governo Federal com o avassalador poderio que possui faça cortesia com o chapéu alheio, como se diz no popular, e atire sobre os ombros dos acreanos comuns os ônus de sua responsabilidade e tenha para isso a cumplicidade de lesa povo do Governo do Estado do Acre.

Esta distribuição das preferências praticadas no Acre negou aos acreanos simples mais de 6000 pessoas imunizadas. Os trabalhadores da saúde que lidam diuturnamente com a Covid 19 nas UTIs, nas enfermarias, nos consultórios, em todos os ângulos da linha de frente do combate, são a prioridade das prioridades na tenebrosa calamidade desta pandemia trágica.

E eles, desventuradamente, foram relegados, foram menoscabados, nem chegando a uma terça parte dos imunizados necessários, vitais; nem sequer chegaram a 33% dos escolhidos. Estranha estratégia essa que desarma ou mal arma os sapadores e os infantes que enfrentam com risco de morte minuto a minuto o pavor desta guerra terrificante.

As expectativas da população e dos agentes sociais com a performance da vacinação no Acre foram tomadas de glacial desapontamento, ante sala do desalento. A taça de fel impôs-se num brinde à amargura.

A falta de transparência das autoridades gestoras beirou à arrogância tanto na capital quanto nos municípios. É possível que não tenham sido bem debatidas com a comunidade as 25 doses de vacina enviadas ao Bujari, 32 à Capixaba e 203 à Sena Madureira, a terceira maior população municipal do Acre, por exemplo.

Sei que serei acusado de ser inimigo dos indígenas.

Não, não o sou!

Acho que o Estado Brasileiro lhes deve muito mais de que a preferência em vaciná-los. Apenas estou dizendo que esta conta não é nossa não é dos acreanos; é do Governo Federal do Brasil, é da poderosa União.

De resto, em minha mestiçagem familiar prevalece o sangue pré colombiano. Meu próprio nome é inspiração do meu tio João “ Caboquim “ sugerido por meu pai, Adalberto “ Caboquim “.

Esperei que algum intelectual de imprensa, algum parlamentar, algum professor de matemática, algum sábio das redes sociais, algum prefeito, enfim, que alguma criatura qualquer suscitasse essa questão. Não foi possível; apenas conheci uma postagem do pesquisador Francimar Façanha nas redes sociais abordando a temática.

Estou tocando em assunto tão árido, estou colocando meu pescoço na forca por dois motivos essenciais:

  1. a) porque a oferta de vacinas no Brasil e no Acre será feita aos poucos, devagar, fatiada de várias vezes, paulatina, frugal e sofridamente e sugiro ao Governo do Acre que recupere junto ao Governo Federal as 13 mil vacinas que ele nos esbulhou e, por conseguinte, deve aos acreanos. Afinal de contas, uma vacina, uma vida;
  2. b) porque posso contrair Covid 19 e morrer, da mesma forma que morreu meu querido irmão Adalberto Correia.

Não quero morrer entalado e sem ar, sem ter manifestado meu desapreço e deserdar a quem quer que seja do direito e do poder de negociar em proselitismo e de forma inconfessável a minha dose de vacina.

*João Correia Sobrinho é professor universitário – UFAC

 

 

 

 

Anúncios

Bombando

Anúncios

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas