Conecte-se agora

Com candidatura e administração em crise após prisões de aliados, Dindim é recepcionado na beira do Rio Envira por militantes tucanos

Publicado

em

Luciano Tavares, de Feijó-AC
lucianotavares@ac24horas.com

Pela primeira vez o prefeito de Feijó, Dindim Pinheiro (PSDB), candidato a reeleição se pronunciou sobre a crise política que vivem sua candidatura e a prefeitura administrada por ele.

Foi durante sua chegada do Alto Rio Envira à cidade de Feijó, no final da tarde desta terça-feira, 25, quando o candidato do PSDB, acompanhado de vários assessores foi recepcionado por centenas de militantes tucanos no local conhecido como Contorno da Beira Rio, no Centro de Feijó.

Às margens do Rio Envira, Dindim foi carregado nos braços, e de cima de um palanque, para diversos militantes, se disse vítima de perseguição política e da parcialidade do Judiciário e do Ministério Público na cidade.

Dindim atacou seu principal desafeto político, o ex-prefeito petista Francimar Fernandes e seu vice Cláudio Braga. “Eu acho que tá muito estranho a condução da justiça nesse pleito”, completou ele.

Contrariado com a ação judicial que culminou com a apreensão dos computadores da prefeitura, Dindim resolveu endurecer contra o judiciário (ele é oficial de justiça do TJ-Acre) e disse que não vai aceitar a devolução das máquinas e jogou a responsabilidade do pagamento dos servidores, que deve atrasar este mês, para o juiz da cidade, Gustavo Sirena, responsável pela ação judicial. “O Judiciário é que terá que se responsabilizar pelos pagamentos dos servidores. Prenderam o nosso secretário de finanças que era quem estava por dentro das rubricas (movimentação financeira); Prenderam o Tarcisio que estava por dentro do pagamento, que é o técnico. Fiquei só com um técnico”, lamentou.

O prefeito tucano também refutou as informações de que ele estaria foragido.

E apesar de ainda não ter certeza do envolvimento do secretário de finanças e do contador da prefeitura no crime de peculato, que resultou na prisão dos dois, Dindim se antecipou e resolveu exonerá-los de seus cargos.

Quanto ao vereador Ronelson (PSD), que foi preso em flagrante com R$ 21,5 mil,  dinheiro que segundo o MP é oriendo dos cofres públicos, na mesma ação que culminou com a prisão do secretário e do contador da prefeitura, o prefeito Dindim não quis se posicionar e disse que “esse é um assunto do vereador”.

Desde as prisões ocorridas em Feijó, o município mergulhou numa crise no serviço público. Desde a semana passada não há expediente na sede do executivo municipal e o salário e repasses aos fornecedores poderão sofrer atraso.

Presidente da ASMAC repudia declarações
do prefeito Dindim Ferreira

NOTA DE REPÚDIO

A Associação dos Magistrados do Acre – ASMAC, entidade de classe representativa da Magistratura Acriana, a respeito das referências feitas através de um site de notícias local sobre a atuação do Juiz de Direito Gustavo Sirena, titular da Vara Cível da Comarca de Feijó, vem a público manifestar o seguinte:

1º – A Associação dos Magistrados do Acre repudia qualquer conduta que tenha por objetivo tentar interferir na independência dos julgamentos proferidos pelos membros do Poder Judiciário, eis que a independência da magistratura é garantia da sociedade de obter julgamentos justos;

2º – De igual modo se repudia a tentativa de transferência de responsabilidades de outros órgãos públicos para a magistratura ou magistrado – a função do juiz é julgar. Exorta-se que cada agente público cumpra suas responsabilidades constitucionais;

3º – É desprovida de fundamentos a alegação de parcialidade do Judiciário no município de Feijó. O desagrado com as decisões judiciais deve ser objeto de recursos cabíveis às instâncias superiores, não com ataques à honra do magistrado que as proferiu.

Rio Branco, 26 de setembro de 2012.

Marcelo Carvalho – Presidente

 

 

Anúncios

Bombando

Anúncios

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas