Conecte-se agora

Em 2019, mais de 7 mil alunos deixaram de ir à aula porque não se sentiam seguros no trajeto da casa para a escola

Publicado

em

Foto: Reprodução/Internet 

O IBGE divulgou no último dia 10/9, os resultados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) 2019, que entrevistou estudantes do 7º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio. Nosso objetivo de hoje é retratar o Acre na pesquisa. O universo da pesquisa abrange 62,2 mil estudantes de 13 a 17 anos. Os meninos são 30,5 mil (49%) e as meninas, 31,7 mil (51%). Nas escolas públicas, estudavam 59,3 mil (95,4%) e nas escolas privadas, 2,9 mil (4,6%). Para que o leitor tenha uma dimensão dessa relação entre escolas públicas x escolas privadas, no Brasil, 85,5% estudavam em escola pública e 14,5%, em escola privada. Ou seja, tínhamos no Acre a quase totalidade dos alunos em escolas públicas.

A pesquisa do IBGE foi o primeiro inquérito nacional que perguntou diretamente aos escolares através de um questionário auto aplicado, diversos aspectos de sua vida, hábitos e cuidados, que se convertem em fatores de risco e proteção para sua saúde.

Engloba 19 grupos, que vai desde informações gerais, passando por segurança, uso de bebidas alcoólicas, saúde sexual e reprodutiva dentre outras. Seria impossível analisar todos nesse espaço. Usamos como método, o destaque das informações para o Acre naquilo que o IBGE destacou no texto de divulgação os dados nacionais no documento. Aqueles interessados poderão ter acesso a pesquisa na sua totalidade, através do endereço: https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=2101852. Vamos aos números.

No Acre, cerca 15,2% dos escolares de 13 a 17 anos, alguma vez na vida e contra a sua vontade, foram tocados, manipulados, beijados ou passaram por situações de exposição de partes do corpo. No caso das meninas, o percentual (19,4%) é quase o dobro do observado para os meninos (10,8%). Além disso, 7,6% dos escolares informaram que foram obrigados a manter relação sexual contra a vontade alguma vez na vida, sendo 5,2% dos meninos e 9,9% das meninas.

Em 2019, 55,5% dos escolares já haviam ingerido uma dose de bebida alcoólica e 29,6% deles haviam tomado a primeira dose com menos de 14 anos. Cerca de 49.3% dos escolares declararam ter passado por algum episódio de embriaguez.

O uso de droga ilícita em algum momento da vida foi declarado por 12,5% dos estudantes e 5,2% o fizeram pela primeira vez com menos de 14 anos, com maior proporção entre os escolares da rede pública (5,3%) do que entre os da rede privada (2,1%). Entre as drogas mencionadas, 4,5% relataram consumo recente de maconha e 0,6%, de crack. Quanto ao cigarro, 33,2% dos estudantes responderam ter fumado alguma vez na vida e 18,8% fumaram pela primeira vez antes dos 14 anos. Esse percentual, na rede pública (19,4%), é quase quatro vezes do encontrado na rede privada (5,5%).

Em 2019, 43,8% dos escolares já haviam tido sua iniciação sexual, sendo que 61,8% deles usaram preservativo em sua primeira vez. Entre as meninas que já haviam tido relação sexual, 12,8% engravidaram alguma vez na vida. Entre escolares da rede pública, esse percentual foi de 13,1%, enquanto entre escolares da rede particular, foi de 0,5%.

Cerca de 52,6% dos escolares de 13 a 17 anos achavam seu corpo normal, 28,3% deles se achavam magros ou muito magros e 17,6%, gordos ou muito gordos. A PeNSE buscou captar como os adolescentes se sentiam nos 30 dias anteriores à pesquisa: 23,7% afirmaram sentir que a vida não valia a pena ser vivida, sendo 32,5% das meninas e 14,5% dos meninos.

Cerca de 12,4% dos estudantes de 13 a 17 anos (7,7 mil alunos) deixaram de ir à escola porque não se sentiam seguros no trajeto da casa para a escola. Quanto ao bullying, 23,9% dos escolares afirmaram que se sentiram humilhados pelos colegas nos últimos 30 dias. O percentual das meninas (26,6%) superou o dos meninos (21,2%). A PeNSE 2019 perguntou aos escolares se eles se sentiram ameaçados, ofendidos ou humilhados nas redes sociais ou em aplicativos: 14,4% responderam que sim.

Somente 37,3% dos alunos das escolas públicas tinham computador, enquanto nas escolas privadas esse percentual era de 92,1%.  Mais da metade dos alunos (69,9%) tinham acesso à internet, sendo 68,5% alunos de escolas públicas e 98,2% de escolas privadas. Cerca de 67,9% dos escolares faziam higiene bucal três vezes ou mais ao dia. 

Alguns dados são assustadores. É consenso dizer que comportamentos adquiridos na adolescência tendem a se perpetuar na vida adulta, com consequências para a qualidade de vida. 

Os especialistas na área, sejam do setor público ou do setor privado têm que se debruçar sobre os resultados da pesquisa. É preciso ampliar as políticas públicas de proteção e promoção da saúde dos adolescentes. Afinal, os investimentos em saúde e bem-estar do adolescente trazem benefícios hoje, nas próximas décadas e para a próxima geração.


Orlando Sabino escreve às quintas-feiras no ac24horas.

Cotidiano

Chegada de novo querosene para aviação civil deve reduzir custo de passagens aéreas

Publicado

em

Continuar lendo

Acre

Novo protótipo de identidade será lançada pelo governo

Publicado

em

Continuar lendo

Destaque 3

Receita paga dia 29 lote residual do Imposto de Renda a 672 contribuintes acreanos

Publicado

em

Continuar lendo

Acre 01

Primeiro campeonato de Free Fire do Acre chega as finais com transmissão no ac24horas

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas