Conecte-se agora

Chico Mendes foi esquecido ou realmente nunca foi lembrado?

Publicado

em

Lembro bem. Dezembro de 1988. Eu tinha 13 anos. Os tiros foram ouvidos em toda pequena Xapuri. “Mataram o Chico Mendes”, começaram a falar.

Naqueles tempos não era nenhuma novidade a morte de alguém na “briga” por terras em Xapuri. Claro que o assassinato de Chico Mendes chocou. Mas a verdade é que o impacto de seu assassinato só aconteceu no outro dia. O povo xapuriense se assustou com o mundo dentro da pequena cidade. Era como se perguntassem: “quem era esse cara que ninguém daqui ligava para o que ele dizia e agora tem repórteres de televisão do mundo inteiro, gente de tudo que é lugar do planeta cobrando uma explicação para sua morte?”. Creio que foi a primeira vez que Xapuri se deu conta que Chico Mendes não era qualquer um.

Passados 32 anos de sua morte, a triste impressão que tenho é que também foi a primeira e última. Digo desde já que não tenho a mínima pretensão de responder tal questionamento. O que busco é propor uma reflexão sobre a seguinte pergunta: Por que Xapuri e o Acre nunca se apropriaram verdadeiramente da história de Chico Mendes? Quando falo, me refiro ao povo, à população, ao cidadão comum.

Começamos por tentar, de forma bastante superficial, mostrar quem foi Chico Mendes. É impossível negar que o homem que foi um verdadeiro ambientalista mesmo antes de conhecer essa expressão ou da palavra virar moda era, no mínimo, diferenciado. O cidadão que não conhecia outra vida, a não ser a dura labuta, quase escrava, dos seringais, que aprendeu a ler aos 19 anos, levou ao mundo a luta pela preservação do modo de vida do povo seringueiro.

Do que podemos chamar de “oco do mundo”, Chico ganhou a admiração do mundo. Entre 1987 e 1988 Chico Mendes recebeu o Global 500, prêmio da ONU, na Inglaterra, e a Medalha de Meio Ambiente da Better World Society, nos Estados Unidos e deu entrevistas aos principais jornais do mundo. Jornalistas e pesquisadores o visitaram nos seringais e difundiram suas ideias pelo planeta. Passados 32 anos de sua morte, continua sendo uma referência na defesa dos direitos dos povos da floresta em todo o mundo.

E nós, porque nós acreanos não conseguimos sentir orgulho pela história desse homem tão admirado? Se não tenho respostas, como disse no início do texto, aponto algumas prováveis e discutíveis razões.

Ouso dizer que Chico Mendes foi pioneiro em outra coisa. Acredito que o líder sindical e ambientalista tenha sido a primeira vítima de fake news, antes de existir a internet para nós. Sejamos francos, quantas vezes você já ouviu a seguinte frase: “Chico Mendes era um preguiçoso, que não gostava de trabalhar”. Ora bolas, quem diz isso, o faz por dois motivos. Ou apenas reproduz algo que se espalhou e se tornou uma “verdade” mentirosa ou não conhece a realidade de um seringal à época da luta de Chico. Estamos falando das décadas de 1970 e 1980. Chico Mendes cortou seringa, mas é óbvio que precisou largar o ofício quando decidiu lutar pela permanência dos seringueiros em suas terras. Estamos falando de mobilizar pessoas, que mesmo morando em um mesmo seringal estão há horas de viagem de uma colocação para outra. Falamos de um tempo onde para chegar na maioria das localidades o trajeto tinha que ser na pernada ou no lombo de animais. Falamos de um tempo que o rádio era o único modo de se comunicar com alguém embrenhado no meio da floresta. Sabe o encontro marcado pelo seu whatsapp, pode parecer incrível, mas não existia.

Muito se fala da falta de uma liderança que o substituísse após sua morte. Não teve por um motivo simples. Chico Mendes era diferenciado exatamente pelo seu poder de mobilização. Era capaz de convencer de que era preciso se colocar na linha dos jagunços para impedir a destruição da floresta. Os famosos “empates” tinham crianças e mulheres na frente exatamente para mostrar que era uma questão de sobrevivência. Mas também era capaz de se reunir com banqueiros dos bancos internacionais e convencê-los de que seus financiamentos estavam colaborando com a destruição da floresta.

O pouco cuidado com a memória de Chico Mendes é o reflexo do quanto o homem admirado em todo mundo é distante de seus conterrâneos. Não me cabe neste momento, ponderar sobre o que levou familiares a vender a Fundação Chico Mendes. Mas, uma coisa é certa, o local nunca foi atrativo para os moradores de Xapuri. Quando abertos, tanto a fundação, quanto a casa em que foi morto, hoje também abandonada, as visitas eram de turistas que passaram por Xapuri.

Os 32 anos de sua morte em 2020 parecem ser um símbolo de que para a maioria dos acreanos a história de Chico Mendes está relegada a um papel secundário. Programação praticamente inexistente por parte do governo do estado e prefeitura de Xapuri, que deveriam zelar pela história que fez o Acre ser conhecido em todo o mundo. Não culpem a pandemia.

Aliás, nem carece procurar culpados. Acompanho a programação do dia 22 de dezembro desde sempre, e a triste verdade é que a data nunca tocou o coração do acreano como deveria.

Por que? Não tenho as respostas, mas creio ser importante para a história acreana falar sobre isso.

Acre

Acre não registra mortes por Covid-19 pelo terceiro dia seguido

Publicado

em

Pelo terceiro dia consecutivo, o Acre não registra morte de pacientes contaminados com o novo coronavírus. Com isso, o número de óbitos permanece em 1.802 óbitos desde abril de 2020 quando foram confirmadas as primeiras mortes pela pandemia.

Já os novos casos somam 59 pessoas infectadas nas últimas 24 horas, sendo 10 casos confirmados por exames RT-PCR e 49 resultados de testes rápidos. Com esse acréscimo, o número total de infectados chega a 87.291 pessoas no Acre.

Até o momento, o Acre registra 239.846 notificações de contaminação pela doença, sendo que 152.490 casos foram descartados e 65 exames de RT-PCR seguem aguardando análise do Laboratório Central de Saúde Pública do Acre (Lacen) ou do Centro de Infectologia Charles Mérieux. Pelo menos 84.953 pessoas já receberam alta médica da doença, enquanto 27 seguiam internadas até o fechamento deste boletim.

Continuar lendo

Acre

Governo do Acre decreta ponto facultativo nesta sexta-feira

Publicado

em

O governo do Acre decretou ponto facultativo nas repartições públicas para esta sexta-feira, 6 de agosto, em comemoração aos 119 anos da Revolução Acreana. As agências bancárias irão funcionar normalmente nesta sexta-feira.

Nas unidades de Saúde do Estado, incluindo os serviços de atendimento médico especializado, serviços de apoio diagnóstico, de internação, centros cirúrgicos, UTIs e central de agendamento de cirurgias, os atendimentos não sofrerão alteração.

Ficam os secretários de Estado e as demais autoridades administrativas públicas autorizados a convocar seus servidores por necessidade do serviço, dispensado da respectiva compensação os servidores que cumprirem horário nesse período.

Continuar lendo

Acre

Servidores da educação realizam protesto em frente à prefeitura

Publicado

em

Os servidores da Secretaria Municipal de Educação (Seme) realizaram na manhã desta quinta-feira, 5, mais um protesto em frente à Prefeitura de Rio Branco. No ato, os professores estão pedindo a reposição inflacionária dos salários e o piso para o salário mínimo da categoria.

Além disso, os profissionais de educação também cobram auxílio de internet e computadores para as aulas remotas e que as escolas sejam equipadas para garantir a segurança neste período de pandemia.

“A gestão do prefeito diz que tem dinheiro, mas até hoje, não entregaram internet, nem notebooks e os funcionários de escola continuam trabalhando e não tem os EPIs de trabalho”, disse a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac), Rosana Nascimento, ao vídeomaker do ac24horas, Whidy Melo.

Segundo os servidores, ocorre que a prefeitura informou que não poderia fazer a correção inflacionária devido a lei de socorro aos estados do governo federal, sancionada em 2020 que proíbe os reajustes até dezembro de 2021, mas a situação vem sendo contestada pelo sindicato.

Eles argumentam que a correção inflacionária não se encaixa no critério da Lei Federal, já que se trata apenas de uma reposição da inflação, portanto, a prefeitura poderia realizar a correção e não de um aumento no salário.

Continuar lendo

Acre

Jarude diz que é “ensurdecedor” o silêncio de Socorro após operação

Publicado

em

O vereador Emerson Jarude (MDB), na sessão presencial da Câmara de Rio Branco, comentou a Operação Candeeiro, que foi desencadeada nos estados do Acre, Rio de Janeiro e Espírito Santo nesta quarta-feira (04) pela Polícia Civil do Acre.

A Operação tem objetivo de apurar a existência de um suposto grupo criminoso que agia no contra administração pública na contratação dos serviços de iluminação pública.

Em sua fala, o parlamentar afirmou que a Câmara de Vereadores perdeu uma oportunidade enorme de ajudar a Polícia Civil ao não abrir a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do LED. Na época, eram necessárias seis assinaturas para abertura da CPI, mas apenas quatro vereadores assinaram: Hildegard Pascoal (PSL), Samir Bestene (Progressistas), Lene Petecão (PSD) e Emerson Jarude (MDB).

“O combate à corrupção não pode ser apenas de uma parte, tem que ser de todos nós, vereadores. Eu quero parabenizar esses heróis da Polícia Civil que não fecharam os olhos e que tiveram a coragem de fazer aquilo que a Câmara não teve, que foi de investigar esses contratos. Queria que a Socorro Neri tivesse aqui nesse momento pra ela dizer as mesmas coisas que ela disse no Gazeta Entrevista quando ela falou que estranhava que uma pessoa formada em direito estava fazendo colocações como a minha referente a CPI”, afirmou

“É ensurdecedor o silêncio da ex-prefeita Socorro Neri após a Operação Candeeiro, que pode resultar no maior esquema de corrupção ocorrido na sua gestão. Prometeu iluminar 100% Rio Branco. Entregou escuridão, fraude e tentativas de desqualificar nosso combate à corrupção”, acrescentou.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas