Conecte-se agora

Estratégias organizacionais 

Publicado

em

Todo olhar sobre o passado quase sempre se concentra nas inadequações. Elas se tornam tão óbvias aos olhos do presente que se chega até mesmo a perguntar “por que não viram isso antes, naquele exato momento?”. Evidentemente que esse é um procedimento injusto porque, também muitas vezes, foram justamente as inadequações corrigidas, readequadas, que levaram ao escopo arquitetural que se tem hoje. É preciso olhar o passado sob um prisma longitudinal, diacrônico, como se fosse um filme. Esse procedimento é necessário para que possamos reconhecer que o estágio atual de desenho e criação de estratégias também é transitório ante as possibilidades infinitas que o futuro tende a oferecer. Se um olhar para o passado é necessário, é justamente para ensinar essa grande lição: saber lidar com a transitoriedade é o nosso maior desafio. Assim como o ambiente muda, mudam as estratégias e os procedimentos de desenhá-las. É sob esse contexto que as estratégias organizacionais precisam ser vistas. Afinal, ainda hoje essa visão do passado ainda predomina, principalmente nas instituições que ainda não profissionalizaram a sua gestão.

A ideia que está por trás das estratégias organizacionais é que há objetivos a serem alcançados e, para isso, a organização executa uma série de ações com esse intuito. Os esforços organizacionais são, então, envidados com o intuito de materializar os objetivos. Como os objetivos são organizacionais, de toda a organização, todo o contingente humano e de recursos seria para eles convergentes. A execução da estratégia tinha como grande desafio justamente essa necessária convergência, o que explicaria a necessidade de unidade de comando (um único chefe para cada subordinado) e unidade de direção (todos visando, mirando, a um único destino). Como a organização tinha objetivos a alcançar, o desenho da estratégia representava a escolha das ações capazes de materializá-los.

Essa concepção estratégica não visa ao suprimento de necessidades do ambiente externo. É uma visão egoísta, solitária. Também designa uma mentalidade limitada porque não admite as incertezas e instabilidades que caracterizam os ambientes externos (e, por consequência, os internos). O que importa, portanto, são os objetivos da organização; os fins, aqui, são mais importantes que os meios. A quantidade das inovações são mais importantes do que a qualidade delas; mais vale disponibilizar tecnologias e produtos do que do que a sua customização (termo muito comum hoje em dia); o negócio é produzir, não a demanda.

Inventaram-se catalogações distintas ao longo do tempo para essas mentalidades estratégicas. Administração por objetivos e planejamento de longo prazo são apenas duas formas diferentes para a mesma prática: dizer quais são os objetivos que a organização pretende perseguir, ainda que, efetivamente, não os sigam. As instituições gastavam uma fortuna para que consultorias e iluminados fizessem ou ajudassem a escolher seus objetivos e desenhar suas estratégias, elaboravam documentos gigantescos e belamente ilustrados, mas que dormiam sem serem incomodados em gavetas luxuosas. Não faziam isso por desonestidade ou autossabotagem, mas pela própria incapacidade operacional desses documentos.

Esse tipo de estratégia é parecido com a atitude da equipe, cujos jogadores se combinaram como cada um atuaria dentro de campo. Só que não combinaram essas atitudes individuais e grupais com os jogadores adversários. No final do jogo a vitória humilhante mostrou a inadequação desses procedimentos. Em ambientes altamente incertos e instáveis, como são todos os ambientes externos, já não existem adversários, já não há organização solitária. Se os dirigentes não forem capazes de ver em todas organizações e instituições que compõem o lado de fora de suas fronteiras, fatalmente fracassarão. Só há, hoje, estratégias verdadeiramente organizacionais, de toda a corporação, se todas as subunidades organizacionais e quase todas as organizações e instituições de fora interessadas na nossa competência estiverem envolvidas e comprometidas com os resultados que pretendemos gerar. E esses resultados demarcam não prioritariamente os interesses institucionais, mais dos parceiros e stakeholders. É da contribuição com os resultados pretendidos pelos outros que a organização marca efetivamente a validade e a consistência de sua estratégia.

As estratégias de toda a organização, aprendeu-se a muito custo depois, precisam ser desdobradas em estratégias menores. E desdobrar significa sempre algum tipo de interpretação, em maior ou menor grau. E toda interpretação representa, sempre, alteração daquilo que é interpretado. Os dirigentes de topo quase sempre não sabem o que o pessoal de operação é capaz de gerar. Quase sempre significa diferenciação entre o que os dirigentes estratégicos imaginam e o que é efetivamente é possível ser feito, para mais ou para menos. 

A admissão desse caráter eminentemente humano de se diferenciar é que levou ao aperfeiçoamento dos procedimentos de desenho das estratégias globais, a começar pelo reconhecimento de que o ambiente externo responde a todo tipo de relacionamento, de diferentes formas, ao longo do tempo. Era preciso dialogar. E todo diálogo é, também, o reconhecimento do outro em mesmo nível de importância compreensiva, dialogal, e de ação. Era o pontapé para que se deixasse no passado a mentalidade egóica e solitária, abrindo-se para um mundo instável e incerto, e, consequentemente, cheios de infinitas possibilidades.

Hoje ainda há dirigentes que pensem que basta que o topo determine os objetivos globais das instituições e o roteiro que leve a eles; mas, felizmente, ainda que lentamente, seu número se reduz continuamente. Contudo, e é muito importante levar em consideração, ainda há quem imagine que criar missão, visão e valores institucionais é suficiente para que a instituição se adeque à mentalidade contemporânea, em atitude de autoilusão. Como será mostrado em seguida, as estratégias táticas e operacionais da gestão que se autoilude são desenhadas de forma muito diferente do que se pratica hoje.


Daniel Silva é PhD, professor, pesquisador do Instituto Federal do Amazonas (IFAM) e escreve todas às sextas-feiras no ac24horas. 

Anúncios

Daniel Silva

Instrumentos relacionais humanos 

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Execução da lógica da inovação

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Estratégias funcionais

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Estratégias funcionais 

Publicado

em

Foto: Divulgação/Pixabay
Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas