Conecte-se agora

Cérebro e aprendizagem

Publicado

em

A edificação de um novo modelo de educação, em conformidade com a realidade e os desafios da contemporaneidade, tem produzido mudanças no processo formativo dos profissionais da educação. Algumas vezes de forma incremental e outras de forma revolucionária, o modelo tradicional de encontrar explicações sobre o ato de aprender fora e distante dos espaços de aprendizagem e das organizações educacionais tem dado lugar para o esforço compreensivo sobre o cérebro, o acesso ao cérebro, criação e testes de acesso ao cérebro (conhecidas como tecnologias e técnicas educacionais ou pedagógicas) e a conjunção desses esforços, que conformam novas disciplinas, como felicidade, solidariedade, cidadania etc. Isso tem tornado o professor tão conhecedor do cérebro quanto os pesquisadores dessa área, de maneira que possam, com adequação, saber como proceder no cotidiano educativo. Se é o cérebro o órgão que realiza a maior parte da aprendizagem, desconhecê-lo não é apenas aviltante, mas uma autossabotagem inconsciente. Dessa forma, este ensaio tem como objetivo mostrar a dinâmica da aprendizagem no cérebro.

O processo de aprendizagem pode ser assim esquematizado. Tudo tem origem na emoção, que é a energia que move os seres em direção a alguma coisa. Essa energia pode ser despertada por um fenômeno físico como o som (quando se ouve um buzinar, alguém pode querer direcionar o olhar para ver de onde o carro vem), emocional (aprender uma forma de prejudicar ou ajudar alguém), psicológico (encontrar uma forma de acabar com alguma dor), cognitivo (saber por que a água molha) e assim por diante. A emoção ativa e alimenta o circuito da aprendizagem.

A etapa seguinte é a construção do entendimento. Entender está sendo considerado, aqui, à construção de determinado esquema lógico que permita ao indivíduo compreender a lógica que faz com que algo funcione de determinada maneira. Como consequência, por exemplo, é o entendimento que permite a alguém explicar. Sem entendimento, portanto, não pode haver explicação, uma vez que explicar é justamente a reconstrução da operacionalização, da logicidade, de algum fato ou fenômeno.

A cada etapa, é importante observar, o cérebro capta dados e informações que deem sentido ao que está sendo entendido. Esses insumos são levados para a memória temporária, situada no hipocampo, local onde são organizados, manufaturados, “manuseados”, enfim, trabalhados. Problemas complexos, por exemplo, exigem que o entendimento seja construído durante várias sessões, várias etapas, até que se complete. Em termos funcionais, o cérebro aprende cada etapa e depois deposita o que entendeu em uma de suas bases de longo prazo (cérebro ou córtex, por exemplo). A cada nova etapa, o entendimento volta ao hipocampo para ser manuseado e aperfeiçoado, até que a aprendizagem se complete.

A terceira etapa, consequentemente, é o armazenamento do aprendizado (que é o produto da aprendizagem) nas memórias de longo prazo. O cerebelo, por exemplo, armazena, dentre outros aprendizados, quase tudo o que diz respeito aos movimentos, como escrever, nadar, caminhar e assim por diante, enquanto o córtex armazena sons, esquemas lógicos, linguagem etc. Na verdade, o verbo armazenar não é apropriado, uma vez que o aprendizado não fica estocado, guardado em gavetas. O que acontece é que, devido à neuroplasticidade, o cérebro guarda tudo em regiões difusas, muitas vezes envolve milhares e milhões de células em uma ou inúmeras complexas redes neuronais.

Para que o transporte e armazenamento seja realizado, o indivíduo precisa dormir. O sono é de fundamental importância, portanto, no processo de aprendizagem porque é ele quem permite o deslocamento do que foi armazenado temporariamente no hipocampo para as memórias de longo prazo. Sem dormir, consequentemente, não há aprendizado. Além do transporte, o sono permite que seja feita a limpeza do ambiente cerebral, em que as toxinas geradas como subproduto do processo de aprendizagem sejam eliminadas. Quando não se dorme, as toxinas impedem não apenas a aprendizagem, mas também começam o processo degenerativo e morte das próprias celulares cerebrais.

Os aprendizados mais sólidos são aqueles que foram muitas e muitas vezes reconstruídos. Tome-se como exemplo o aprendizado de resolução de equação de primeiro grau. Inúmeras vezes o esquema lógico foi trabalhado e depositado. A cada vez que parte do esquema lógico foi edificado, passou por exercícios de fixação, que é um artifício do cérebro semelhante a fazer sulcos na terra. Quanto mais exercícios, mais profundo o sulco, mais edificado ficará o aprendizado no cérebro. Andar de bicicleta e nadar são aprendizados desse naipe: é preciso muito entendimento (ainda que inconsciente) e repetição para que se consolidem. É por isso que bastam poucos minutos de estudo de esquemas lógicos e mais tempo investido na sua aplicação para que o aprendizado se efetive e se consolide. Evidentemente que, logo em seguida à realização da aplicação, deve-se dormir, ou seja, não podemos “estudar”, que é entender e exercitar, sem que se durma em seguida. Estudar sem dormir é perder o aprendizado, que será consumido pelas toxinas cerebrais.

Depois de alocada em seus locais definitivos, os aprendizados podem ser acionados, voltando ao espaço cerebral de manuseio, o hipocampo, para novos aperfeiçoamentos ou usos conscientes. No entanto, aprendizados como andar de bicicleta e nadar são acionados inconscientemente, direto das memórias de longo prazo. Nessa dinâmica de aperfeiçoamento e uso contínuos do aprendizado, todas as vezes a emoção entra em cena. Ela precisa estar forte o suficiente para que cada etapa se processe adequadamente. Quando a energia é menor do que o necessário, entra em cena o lado emotivo do cérebro, que tende sempre para o prazer, o que muitas vezes sacrifica o objetivo pretendido por quem quer aprender. Se a aula for chata (não acionar a emoção do aluno), o cérebro tenderá a ter mais prazer na conversa paralela do que na fala do professor.


 

Daniel Silva é PhD, professor e pesquisador do Instituto Federal do Amazonas (IFAM) e escreve todas às sextas-feiras no ac24horas. 

Anúncios

Daniel Silva

Planejamento e execução da inovação

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Lideranças na inovação

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Comunicação na inovação

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Motivação na inovação 

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas