Conecte-se agora

Destempero na floresta: Secretário de Governo baixa o nível e tentar agredir engenheiro florestal

Publicado

em

O secretário executivo de florestas do Governo do Acre, João Paulo Mastrângelo, saiu do salto ontem, por volta das 16h no Projeto de Manejo do Antimary. Segundo boletim de ocorrência 1783/2011, registrado na Delegacia de Policia Civil de Sena Madureira, ele agrediu com palavras de baixo calão o engenheiro florestal Robelson Dias “e não conseguindo afetar a vitima com essas palavras partiu para agressão sendo contido”. O fato aconteceu durante o fechamento do ramal do Ouro, principal rodovia de onde vem sendo extraída a madeira pela empresa de Laminados Triunfo.

Em nota, hoje pela manhã, o secretario de Estado de comunicação prestou solidariedade ao secretário de Floresta João Paulo Mastrângelo. A nota afirma que o “jovem acreano” vem sofrendo ameaças de um policial militar aliado do deputado estadual Wherles Rocha”. Não foi registrado nenhuma ocorrência policial por parte de Mastrângelo.

O fato é mais um episódio na novela sobre Manejo no Projeto Antimary. Há mais de um mês que o deputado estadual Major Rocha vem denunciando a situação miserável das famílias inseridas na região. A empresa Laminados Triunfo vem sendo alvo de várias denuncias, entre elas, de praticar crime ambiental e de dar calote aos produtores com aval do governo do Acre.

DOS FATOS:

Conta o engenheiro florestal que a agressão de João Paulo ocorreu durante o fechamento da estrada por parte de 30 famílias que fecharam o ramal do Ouro, no km 94 da estrada de Sena Madureira.

– O secretário sabe do caso, o Estado faz de conta que essas famílias não existem, elas não tem direito a escola, a saúde, as crianças andam 12 km a pé para poder chegar na escola e ainda, foram excluídas do projeto de manejo, mesmo morando na região há mais de cinco anos – conta Robelson.

O secretário João Paulo foi ao local de conflito acompanhado do sub-secretário Rezende e o diretor técnico Marke Brito. O destempero começou após um bate boca entre João Paulo e Robelson, que é engenheiro florestal e que trabalhou na implantação do projeto há dois anos e meio. Robelson negou que venha fazendo ameaças a João Paulo.

– Quem vem ameaçando os produtores e fazendo terror após a descoberta de todas as falcatruas existentes no projeto de Manejo é o secretário João Paulo, há dezenas de testemunhas que afirmam isso. Ao invés de mudar o foco do debate, ele deveria se preocupar em regularizar a situação que vem devastando a floresta amazônica – concluiu o engenheiro florestal.

Mesmo dominado pelo deputado estadual Major Rocha e produtores, a ira de João Paulo Mastrangelo ainda atingiu um Pastor que estava no movimento e que teve a sua mão rasgada pelas unhas do secretário de governo. Estudantes do curso de engenharia da Universidade Federal do Acre testemunharam o fato lamentável.

A reportagem ligou para o secretário José Mastrangelo por volta das 20h de ontem, mas o seu telefone celular 997* 17*9 estava desligado. Entramos em contato com o sub-secretario Rezende, que confirmou ter acontecido uma discussão, mas que não entrou em detalhes. “O Mastrangelo está com o telefone desligado”, confirmou Rezende. O deputado estadual Major Rocha disse que vai se pronunciar sobre o assunto na Assembleia Legislativa. Depois da confusão, foi marcada uma reunião na sede do Projeto Antimary, na próxima segunda-feira.

 

Veja abaixo a nota divulgada pela secretaria de comunicação ainda ontem à noite:

NOTA DE SOLIDARIEDADE
O Governo do Povo do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Comunicação, vem a público prestar solidariedade ao secretário de Floresta, João Paulo Mastrângelo.

João Paulo Mastrângelo é um jovem acreano que empresta o seu conhecimento técnico ao Estado e que, pela sua honradez e seriedade, vem sofrendo ameaças de um policial militar aliado do deputado estadual Wherles Rocha.

Segunda-feira, o deputado e o seu aliado decidiram incentivar o conflito na região da Floresta Estadual do Antimary. Ao saber da situação, o secretário foi ao local dialogar com os posseiros e trabalhar com o instrumento da verdade.

No momento em que expunha a situação, foi atacado verbalmente pelo aliado do parlamentar. Nas agressões não foi poupada a memória do professor José Mastrângelo, pai do secretário.

Ninguém tem direito de ofender a honra de uma pessoa que já cumpriu a sua missão aqui na terra. Esse comportamento é coisa de gente que não respeita o elo de amor entre pai e filho apenas para tentar atingir os seus objetivos políticos.

O aliado do deputado talvez tenha motivos para estar revoltado. Trabalhou na Floresta Estadual e sob ele pesam denúncias graves que estão sendo apuradas.

As ameaças feitas ao secretário foram registradas por meio de Boletim de Ocorrência. Os instrumentos para garantir a integridade física de João Paulo Mastrângelo serão utilizados.

A boa política é o campo ideal para o debate. Mas, infelizmente, ainda existem pessoas que fazem o uso da violência e da mentira para galgar os seus objetivos.

Não pactuamos nem com a violência nem com a mentira. O tempo do Acre em que pessoas faziam o uso da força para intimidar e amedrontar ficou no passado. E os acreanos não querem retroceder.

Leonildo Rosas – Secretário de Estado de Comunicação

Jairo Carioca – da redação de ac24horas
[email protected]

 

Acre

Acre registra dois novos casos e mais uma morte por Covid-19

Publicado

em

Em boletim divulgado na tarde desta quinta-feira, 23, a Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), informou o registro de dois novos casos de infecção por coronavírus e mais uma morte pela doença, elevando o número de infectados para 87.934 e de morte para 1.836.

Até o momento, o Estado registra 248.003 notificações de contaminação pela doença, sendo que 160.024 casos foram descartados e 45 exames de RT-PCR seguem aguardando análise do Laboratório Central de Saúde Pública do Acre (Lacen) ou do Centro de Infectologia Charles Mérieux. Pelo menos 85.917 pessoas já receberam alta médica da doença, sendo que 13 seguiam internadas até o fechamento deste boletim.

O óbito registrado foi da moradora de Epitaciolândia, J.B.S.C., de 21 anos, que deu entrada no dia 23 de agosto, no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into-AC), e faleceu no dia 21 de setembro.

Continuar lendo

Acre

MPF cobra mais acessibilidade no aeroporto de Rio Branco

Publicado

em

O Ministério Público Federal (MPF) no Acre oficiou a superintendência do Aeroporto Internacional de Rio Branco com prazo para a tomada de medidas que melhorem as condições de embarque e desembarque de passageiros com deficiência ao utilizarem as instalações e facilidades do aeródromo.

Segundo o procurador regional dos Direitos do Cidadão, Lucas Costa Almeida Dias, a medida faz parte de ação coordenada pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), que propõe a apuração das condições de acessibilidade de passageiros com necessidades de assistência especial no embarque e desembarque nos aeródromos brasileiros.

O MPF elaborou relatório circunstanciado sobre as condições de acessibilidade no Aeroporto Internacional de Rio Branco e constatou falta de sinalização tátil nas dependências do aeroporto para pessoas com deficiência visual, bem como ausência de adequação às normas técnicas dos blocos do piso tátil existentes.

Além disso, foi constatado que as companhias áreas não dispõem de equipamentos suficientes que auxiliem os passageiros no embarque e desembarque, como cadeiras motorizadas, equipamento de ascenso e descenso, rampas de acesso as aeronaves, pontes de embarque/desembarque.

Também foi detectado que falta fiscalização na parada de veículos na via pública de circulação do aeroporto, de modo que os motoristas ocupam as vagas reservadas para PCD ou bloqueiam o acesso às rampas, bem como as calçadas e vias de acesso estão deterioradas, e apresentam, além de rachaduras, obstáculos como valas a céu aberto e tampas elevadas que podem acidentar os transeuntes, sobretudo as pessoas com deficiência.

Outras falhas elencadas no relatório do MPF são o número insuficiente de assentos reservados às PCDs no terminal de desembarque, bem como a existência de apenas um caixa eletrônico de autoatendimento bancário destinado ao uso geral de passageiros, de maneira que, para a PCD realizar o autoatendimento no terminal precisa contar com a ajuda de terceiros, o que fragiliza a sua segurança. Além disso, nenhuma das companhias aéreas possui balcões adaptados para atendimento acessível e não existe fraldário adulto no saguão, ou nas salas de embarque/desembarque do aeroporto.

O MPF questiona à superintendência do aeroporto quais medidas serão adotadas para sanar as irregularidades apontadas no relatório técnico e garantir a acessibilidade às pessoas com deficiência, além de pedir que seja encaminhado cronograma detalhado dessas atividades, com prazo máximo de seis meses para execução.

Continuar lendo

Acre

Desocupação no Acre segue entre as 10 maiores do país

Publicado

em

A taxa de desocupação do Acre no 2º trimestre deste ano ficou em 15,9% da população em idade de trabalhar, percentual que o coloca na 9ª posição entre os Estados e em nível superior à média brasileira (14,1%).

Os dados constam do boletim periódico do Instituto Jones dos Santos Neves, que realiza estudos para o Governo do Estado do Espírito Santo. Na PNAD Contínua divulgada em 31 de agosto de pelo IBGE, a desocupação no Acre era a 8ª maior do País. O ranking era liderado por Pernambuco nos dois estudos.

Consideram-se desocupadas, aquelas pessoas sem trabalho, na semana de referência da pesquisa, que tomaram alguma providência efetiva para consegui-lo no período de referência de 30 dias e que estavam disponíveis para assumi-lo na semana de referência.

Consideram-se, também, como desocupadas as pessoas sem trabalho na semana de referência que não tomaram providência efetiva para conseguir trabalho no período de referência de 30 dias porque já haviam conseguido trabalho e que iriam começar após a semana de referência.

Continuar lendo

Acre

Acre registrou 3.085 focos de incêndios em setembro, diz Inpe

Publicado

em

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) apontam que o Estado do Acre registrou, somente nos primeiros 20 dias de setembro, 3.085 focos de incêndio. Já os números desde o dia 1° de janeiro mostram que foram registrados 6805 focos nos 22 municípios acreanos.

Segundo os dados do Inpe, o total é o maior dos últimos 16 anos. O instituto mostrou que os municípios que realizaram maiores índices de queimadas, nos últimos 9 meses, foram Feijó e Tarauacá.

Já na região norte, foram contabilizados mais de 11 mil focos de calor. A Amazônia brasileira registrou em agosto de 2021 mais de 28 mil focos de queimadas —o terceiro pior resultado para o período nos últimos 11 anos. Os números, disponibilizados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), só ficaram atrás dos registrados em 2019 e 2020, os dois primeiros anos do governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

Os incêndios no bioma costumam estar associados ao desmatamento. O fogo é usado para queimar a vegetação derrubada — e que foi deixada secando— e para limpar pastos.

O recorde de incêndios para agosto aconteceu há dois anos, quando foram mais de 30 mil focos de queimadas na região.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas