Conecte-se agora

CURSOS DE MEDICINA NA BOLÍVIA: Fraude, corrupção e perigo real para a saúde pública brasileira

Publicado

em

Os cursos de medicina na Bolívia, que são apresentados aos jovens acreanos como o eldorado para um futuro profissional garantido e lucrativo, pode esconder um mar de corrupção, fraude e perigo para a saúde dos acreanos. A realidade nas principais faculdades do país vizinho é a de quem tem dinheiro para pagar para passar nas provas poderá ter a plena certeza de se formar em medicina e ingressar no mercado acreano, através de apadrinhamento de pessoas influentes do meio político.

Para quem reclama da falta de estrutura da Universidade Federal do Acre (Ufac), no curso de medicina, os cursos na Bolívia também deixam muito a desejar. Muitos dos estabelecimentos de ensino particular nas cidades mais freqüentadas por acreanos sofrem do mesmo problema. Mas, o que aflige as pessoas que fazem parte da área de saúde pública, não é apenas a falta de estrutura, mas a corrupção e facilitação na formação profissional e recebimento de diploma em algumas instituições de ensino bolivianas.

Na cidade de Santa Cruz, é um verdadeiro paraíso para quem gosta das noitadas de bebedeira e prostituição. Alguns acadêmicos brasileiros estariam lesando a boa fé dos pais e fraudando provas e avaliações de cursos de medicina. “Em Santa Cruz é fácil para quem tem mais condições”, afirma J.M.S., médico formado na Bolívia, que aceitou falar da real situação dos acadêmicos e cursos de medicina, na cidade boliviana que concentra o maior número de faculdades particulares.

Além do perigo do aliciamento dos jovens acreanos que ingressam no submundo do álcool, drogas e prostituição, o problema de maior gravidade seria a venda de provas, avaliações e períodos inteiros dos cursos de medicina. Alunos brasileiros que freqüentam os cursos de medicina na Bolívia estariam concluindo a faculdade em períodos de três anos, sem freqüentar as principais disciplinas, expondo à população do Estado a ação de médicos sem a formação necessária para atuar na área de saúde.

A revalidação de diplomas seria um mero obstáculo para alguns dos fraudadores, que acostumados com as facilidades proporcionadas pelas propinas, fazem a revalidação pagando generosas quantias em instituições brasileiras. Os rigores que muitos reclamam que existe no na revalidação do diploma adquirido em países da América do Sul são facilmente contornado por uma minoria que pode pagar. Segundo informações  obtidas pela reportagem, pessoas ligadas a faculdades bolivianas teriam contatos no Brasil para agilizar o processo de revalidação.

UNE é denunciada por encurtar tempo de curso de medicina
Uma das instituições de ensino da Bolívia que vem sendo apontada nas denúncias de corrupção e facilitação é a Universidade Nacional Ecológica (UNE). De acordo com um pai de aluno que pediu para que sua identidade fosse mantida em segredo, existem casos em que os acadêmicos se formam em três anos. O denunciante afirma ainda, que existe a suposta conivência do reitor da instituição, alterando as datas de ingressos dos alunos nos cursos de medicina oferecidos pela faculdade.

O pai de um acadêmico acreano resolveu falar depois que o filho apresentou uma proposta de conclusão antecipada de pessoas supostamente ligadas a administração da UNE. “Se estou me sacrificando é porque quero ver meu filho formado. Mas não interessa apenas o diploma, é preciso de prática e conhecimento para exercer a profissão. Nem quero pensar no sentimento de culpa que eu ficaria em permitir que meu filho fraudasse um curso tão importante. A vida das pessoas é algo incomensurável”, destaca.

Para que o esquema acabe, segundo o pai de acadêmico, as provas de revalidação deveriam ter algumas obrigatoriedades, como mostrar o passaporte com deu entrada na Bolívia, ou comprovante de saída do Brasil, em documento expedido pela Polícia Federal. “É preciso realmente algum documento que prove que este aluno entrou na Bolívia na data especificada nos diplomas. Desde que seja algo original, como uma passagem original e não fotocopiada, pelo risco que correm os documentos de serem falsificados”.

Segundo o denunciante, todas as universidades na Bolívia, exigem o passaporte com o visto em dia, menos a UNE. Segundo ele, informações de um acadêmico da instituição, alguns novos alunos, já estão entrando no 6° período sem nunca terem feito uma única disciplina do curso de medicina. Outra questão levantada seria que a universidade não tem práticas hospitalarias e não reprova por falta. As denúncias dão conta que existem casos de alunos fazerem 30 matérias em um único semestre.

COMO FUNCIONA O SUPOSTO ESQUEMA
A reportagem obteve depoimentos de alunos que supostamente teriam entrado no esquema de antecipação de semestre. De acordo com os acadêmicos, o filho do reitor da UNE, identificado como David Justiano, seria quem comandaria o esquema fraudulento. A única exigência seria o compromisso do aluno que antecipe uma matéria, não poderá sair da UNE, ficando obrigado a se formar na instituição, sem pode se transferir para outra faculdade.

FUGINDO DA REPROVAÇÃO
A reprovação em determinadas faculdades na Bolívia não é mais problema. Existem recursos que os denunciantes apontam a UNE como responsável. O aluno reprovado em outras universidades se matrícula na UNE, no semestre que teria sido reprovado, com o compromisso de fazer as todas as matérias na instituição.

O aluno reprovado no 4º semestres, 3 vezes em outra universidade boliviana, entra no 5º  semestre, na UNE, mas não pode tirar seus documentos na universidade onde cursou medicina anteriormente. Seria como se nunca tivesse sido reprovado, porque a data protocolada é retroativa ao termino de seu curso, como se o aluno nunca tivesse ficado reprovado. O acordo é simples: o acadêmico não pode sair da UNE.

Muita farra e prostituição entre acadêmicos brasileiros na Bolívia
“Não vou generalizar, mas grande parte dos jovens acreanos, que vem estudar em Santa Cruz se desvia de seus objetivos, quando conhecem as noitadas da cidade”, relata J.M.S., formado em medicina na Ucebol. Ele diz que é comum ver jovens envolvidos com álcool, prostituição e farra com o dinheiro enviado pelos pais. “Esta é a realidade de parte dos alunos acreanos em Santa Cruz. A maioria gosta das baladas de Santa Cruz, fato que faz com que não freqüentem os cursos. Muitas das garotas se embriagam e participam de atos sexuais coletivos, enquanto um outro tanto de rapazes se envolvem com drogas. No final das contas quem arca com as despesas são os pais, que acreditam que seus filhos estão estudando”, enfatiza J.M.S.

Mesmo nas faculdades consideradas idôneas, o pagamento de propinas é uma constante. De acordo com J.M.S. os professores são subornados para realizarem as provas para alguns alunos. “Existe sim, o suborno. A direção das faculdades não tem conhecimento de alguns procedimentos, mas os professores recebem propinas para promover a aprovação. Isso se tornou um fato comum”, destaca J.M.S.

De acordo com o médico, parte dos alunos troca o dia pela noite. “É impossível estudar da maneira como alguns acreanos fazem. Muitos passeiam na faculdade esporadicamente, passando tempo integral nos bares e boates de Santa Cruz. Acredito que a maioria dos que não conseguem passar na revalidação, são pessoas que concluíram o curso de forma fraudulenta, pagando propinas aos professores”.

J.M.S. acrescenta que os cursos em algumas instituições de ensino são fracos, mas que se houver interesse por parte dos alunos as disciplinas são assimiladas. “Alguns cursos são fracos, isso não resta dúvida, mas se houver o mínimo de interesse pode haver o aprendizado. O problema que existe hoje em Santa Cruz é que os alunos estão soltos e sem controle dos pais, algo tem que ser feito, pois nem sempre a culpa é das faculdades”.

Ray Melo, da redação de ac24horas[email protected]

Acre

Acre será cenário da nova série da Disney+ com Xuxa no elenco

Publicado

em

Em julho deste ano começam as gravações da nova série da Disney+, chamada Tarã. O projeto marca o retorno de Xuxa Meneguel como atriz, após dez anos, e terá o Acre como cenário.

A história faz um alerta sobre a destruição da natureza, com uma mensagem de conscientização da preservação ambiental. Além do estado acreano, os episódios também acontecerão no Rio de Janeiro e em São Paulo. A produtora de conteúdos Formata será a responsável pela ficção.

As informações são da colunista Patrícia Kogut, do Jornal O Globo. A plataforma de streaming não deu mais detalhes sobre a obra, mas a expectativa é que a exibição aconteça em 2023.

Continuar lendo

Acre

Após ser chamado de “criminoso”, Mazinho rebate: “seu vagabundo”

Publicado

em

Tudo indicava que a sessão desta quarta-feira, 25, da Assembleia Legislativa terminaria de forma tumultuada. O prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim (Republicanos), que foi acusado na sessão de ontem de cometer vários crimes na administração pública pelo deputado Gerlen Diniz (Progressistas), foi até ao plenário do parlamento hoje para acompanhar os trabalhos, acompanhado de sua esposa, a deputada estadual Meire Serafim.

A confusão iniciou quando o deputado Gerlen Diniz resolveu provocar o prefeito, afirmando que fez diversas denúncias acerca de desmandos em Sena Madureira e estaria ratificando e reiterando tudo o que disse. “Um patrimônio de R$ 3 milhões está em mãos de particulares”, disse.

Neste momento, o prefeito Mazinho começou a gritar e xingar o deputado Gerlen. “Presidente, me garanta a palavra”, pediu Diniz em meio aos berros de Mazinho.

O presidente da Mesa Diretora na ocasião, deputado Antônio Pedro, suspendeu a sessão e a confusão continuou.

Revoltado, Mazinho pediu para que o deputado o fosse retirar do parlamento. “Venha me retirar, seu vagabundo, O povo de Sena Madureira está te esperando nas urnas de novo. Pilantra, não faz nada por aquela cidade. Você tem que respeitar a minha mulher”, disse o prefeito, que foi contido pelo seu colega de partido, o deputado Roberto Duarte (Republicanos).

Após Mazinho ser retirado por aliados, Gerlen retomou a palavra e afirmou que se acontecer com ele, “já sabem quem é o mandante”. O parlamentar afirmou ainda que tem certeza que Mazinho será preso.

“Pensa que com gritos, intimidação, vai conseguir me calar. Não tenho medo, mas se algo acontecer comigo já sabem quem vai ser o mandante, pois lá de onde ele vem isso é comum”, disse o deputado.

Diniz vê dilapidação do patrimônio público na gestão de Mazinho, que segundo o deputado demoliu um armazém que servia para o produtor rural estocar a produção. “Vejam o tipo de gestor. Quando o cara sai gritando daqui é porque sentiu o golpe. É covarde, canalha, não tenho um pingo de medo desse cidadão”, afirmou Gerlen Diniz.

“Essa pessoa já agrediu camelô, vereador, já saiu espancando no meio da rua. Ele estava gritando aqui porque tinha um monte de segurança. Na rua, ele dobra esquina quando me vê”, relatou.

Para Diniz, Mazinho porta-se como um animal e, portanto, deve ser enjaulado como um animal.

Segundo o parlamentar, o presidente da Mesa, Antônio Pedro, poderia ter evitado o tumulto e a vergonha que está submetida a Aleac ante ao berreiro de Mazinho e pediu ação do Ministério Público e da Polícia Civil às denúncias que faz.

video
Continuar lendo

Acre

Viagem de diretora da Funtac causa revolta entre servidores

Publicado

em

Já faz algum tempo que a Fundação de Tecnologia do Acre (Funtac) deixou de ser o centro de pesquisas e busca pelo desenvolvimento da tecnologia que já foi um dia. Culpa do pouco investimento dos governos no setor. Além da crise financeira, a atual direção convive com a insatisfação de alguns servidores da casa. Um dos motivos é uma viagem feita nos últimos dias ao Rio de Janeiro.

A atual diretora- presidente da Funtac é Missara Oliveira, esposa do ex-presidente da fundação, Antônio Aurisergio, conhecido como Tom Sérgio, que deixou a presidência porque vai ser candidato à Assembleia Legislativa nas próximas eleições, mas conseguiu emplacar a esposa no cargo. Tom é irmão do deputado federal Jesus Sérgio (PDT) e como é gestor de políticas públicas do governo, ficou lotado na própria Funtac. Ocorre que no último dia 20 de maio, a diretora-presidente foi convidada a participar do encontro Finep + Confap, ocorrido no Rio de Janeiro. Missara resolveu levar o esposo para acompanhá-la na viagem.

“O que nos revolta é que faz muito tempo que a Funtac não tem a atenção devida. Quando surge uma oportunidade dessas, servidores da casa deveriam ser contemplados. O ex-presidente vai ser candidato, se ganhar, assume o mandato e se perder não tem nenhuma garantia que vai continuar trabalhando na Funtac, afinal não sabemos quem vai ser o próximo governador. Enquanto esse ou qualquer outro governo que o conhecimento precisa ser da instituição e não de poucos, não vamos conseguir avançar e tornar a Funtac forte de novo como já foi um dia”, afirma um servidor, que prefere não ser identificado.

Além da escolha pelo marido, a reclamação é também pelo custo das passagens. Compradas em cima da hora, a ida e volta de Tom Sérgio ao Rio de Janeiro custou mais de R$ 6 mil, sem mencionar outros R$ 1,5 mil reais em diárias. “Aqui não se tem dinheiro para nada. Esse custo de R$ 6 mil reais para uma única pessoa é falta de planejamento. Enquanto isso, o pessoal que é terceirizado e ganha um salário mínimo está com o salário atrasado”, diz o servidor.

A reportagem conversou com Missara Oliveira. A diretora-presidente explicou porque levou o marido ao evento. “O Antônio Aurisergio é gestor de Políticas Públicas, sendo assim funcionário permanente do estado pode ocupar cargo em qualquer secretaria/ Órgão do Estado. Como estou a pouco tempo a frente da Fundação, preciso da experiência dele e do contato que tinha com os órgãos financiadores., A reunião foi com o Ministro de Ciência Tecnologia e Inovação, Paulo Alvim, na FINEP e nós conseguimos numa nova forma de pagamento nas nossas contrapartidas em projetos pela Fundação de Amparo a Pesquisa, FAPAC. As demais denúncias não procedem”, afirma Missara.

Apesar de ter negado que exista atraso no pagamento de terceirizados, a reportagem conversou com duas pessoas que prestam serviço de forma terceirizada que confirmaram que o salário do mês está atrasado. Os vencimentos deveriam ter sido pagos até o último dia 10, mas até o momento ainda não caiu nas contas dos trabalhadores.

Continuar lendo

Acre

Qualidade do ar no Acre vem sendo agravada pelo fumaceiro

Publicado

em

Nesta quarta-feira (25) a cidade de Brasiléia amanheceu com a maior concentração de material poluente no ar do Estado, mas em Rio Branco a situação não é diferente. À medida em que o verão se intensifica, as queimadas urbanas e rurais aumentam a poluição do ar neste fim de mês de maio.

De acordo com os dados da Secretaria de Meio Ambiente e Povos Indígenas (Semapi) o risco de fogo na região do Alto e Baixo Acre é “crítico” para estes dias.

Além da Semapi, a qualidade do ar é medida pela rede de sensores do Ministério Público do Acre. Em junho 2019 se tornou operacional a maior rede de monitoramento da qualidade do ar da Amazônia, que se conecta a uma rede internacional, com disponibilização de dados em tempo real e de forma gratuita. Foram instalados 30 sensores, distribuídos nas sedes dos 22 municípios do Estado do Acre.

Esta ação foi realizada pelo Ministério Público do Estado do Acre em parceria com várias instituições.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!