Menu

A política, a sorte e a venda de confecção

Receba notícias do Acre gratuitamente no WhatsApp do ac24horas.​

Na vida, há pessoas com sorte. E há Mailza Assis. De uma modesta vendedora de confecções em Senador Guiomard até a possibilidade de vir a ser governadora do Estado do Acre, há um breve itinerário. Um roteiro com passagens diretas em cargos do Legislativo e do Executivo que garantiram uma escalada social meteórica desta senhora, sem que o povo tivesse lhe conferido um mísero voto de confiança. Ela sempre soube calcular sorrisos e as simpatias mornas na hora, lugares e rumos corretos.


Esse talento trouxe para o currículo de Mailza cargos como o de secretária de Administração de Senador Guiomard (na gestão do então esposo James Gomes, claro); senadora por quatro anos (suplente de Gladson Cameli, claro) e vice-governadora na chapa de Gladson Cameli, claro. Caso os cometas se alinhem e não tumultuem as sensíveis nuvens da política por aqui, ela deve assumir o Governo do Acre no lugar de Gladson Cameli (claro), caso ele se eleja senador novamente.

Publicidade

Para sentar na cadeira mais cobiçada do Palácio Rio Branco, Mailza, além de contar com a mania de generosidade do povo acreano, pode ter uma aliada incomum: Nancy Andrighi, a ministra relatora da Operação Ptolomeu no Superior Tribunal de Justiça. O STJ (quem sabe?) pode antecipar a sorte da atual vice-governadora e lhe colocar em um degrau acima, antes do protocolar ano de 2026.


Aliás, o STJ tem sido muito solidário com Mailza Assis. Explica-se. Quando ainda era estratégico assinar o “Gomes”, a então secretária de Administração de Senador Guiomard viabilizou um contrato com a empresa MS Serviços para limpeza de ruas e prédios públicos. Esse contrato foi formalizado logo no início da gestão de James Gomes, em janeiro de 2009. Dias após a posse. A dupla foi ligeira. De acordo com o MP, não houve licitação.


Os R$ 1,7 milhão, pagos à empresa para execução dos serviços, acenderam o sinal de alerta no Ministério Público do Acre, que viu indícios de irregularidades. Quais indícios? Não se tinha, de acordo com o MP, base legal para a assinatura do contrato naqueles termos, sem licitação. O Ministério Público também não entendia o porquê da contratação de técnico em contabilidade e advogado, indicados pela secretaria de Administração, ter sido realizada pelo Município. Com a dúvida elementar: o que advogado e técnico em contabilidade têm a ver com limpeza de prédios públicos e ruas?


Não deu outra: o MP acusou James e Mailza por improbidade administrativa. Para o Ministério Público do Acre, Mailza e James gastaram dinheiro público sem fundamentação legal. Nem mesmo as estratégias da defesa de anexar um decreto de calamidade apagaram as desconfianças do MP perante a Justiça e a martelada veio. A dupla foi condenada, mas recorreu algumas vezes, claro. E um dos recursos foi parar onde? No STJ, claro.


E já se vão 14 longos anos. O currículo de Mailza (agora) Assis já foi recheado com vários cargos públicos e o STJ, pelas mãos do relator Benedito Gonçalves, nada disse sobre as supostas danações na administração pública da cidade de Senador Guiomard.


O processo está no STJ desde 2018, depois que a dupla fez uma série de apelações no TJ acreano. O fato é que as ruas da pequena cidade de Senador Guiomard já estão cansadas de serem sujas. Os prédios públicos da mesma forma. E o STJ em silêncio.


Qual o sentido de toda essa lembrança, afinal? Do ponto de vista político (frise-se: do ponto de vista estritamente político) Mailza, com sobrenome “Assis” ou “Gomes”, não desobedeceu a nenhuma determinação da Justiça. Os seus passeios por quatro anos nos ministérios em Brasília “em busca de emendas para realizar obras para o povo” foram legais? Sim, foram.


Se na esfera política, tudo está dentro da lei, então qual é o problema? O problema não está nem com Mailza Gomes, nem com Mailza Assis. O problema está na qualidade da representatividade política. Aí existe um problema. Como é possível uma pessoa que não recebeu um único voto no itinerário político conquistar tantos espaços na vida pública e espaços que, politicamente, deveriam ter o aval do povo? Não se está aqui a defender que os cargos de vice, por exemplo, voltem a ser referendados pelo voto.


De Floriano Peixoto, passando por Delfim Moreira, Café Filho (o mais famoso vice, que assumiu após o suicídio de Vargas), João Goulart e já na Nova República, José Sarney, Itamar Franco e Michel Temer, os vices são estratégicos para a política brasileira. Aqui pelo Acre, na história recente, pós retomada da democracia, apenas Romildo Magalhães cometeu o susto de governar o Estado após a morte do então governador Edmundo Pinto.


O exercício da vida pública, assumindo funções de natureza política das mais relevantes, necessitaria passar pelo escrutínio popular. É bom até mesmo para referendar as decisões que o gestor tomar. Pode parecer uma linha de argumentação demasiadamente subjetiva. Pode até ser. Mas é um raciocínio que tem o povo como referência. A Política não pode ser um meio manejado pela sorte. Não pode ser um jogo de conveniência calculado em sorrisos e frases decoradas em púlpitos. Fosse isso, seria mais honesto vender confecções em uma modesta sacola, transitando por ruas sujas e enlameadas.

Publicidade

Tem pessoa que nasce com a lua sobre ela, mas no caso de Mailza, a lua nasceu dentro dela, claro!


INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* Campo requerido