Conecte-se agora

Partidos de oposição, no Acre, fazem reunião, pregam união, mas mantém pré-candidaturas na capital

Publicado

em

Ray Melo,
da redação de ac24horas
[email protected]

A indefinição dentro dos partidos de oposição continua em relação à disputa na cidade de Rio Branco. Mesmo com os principais líderes do bloco se reunindo em evento para lançamento de um manifesto, na manhã desta segunda-feira, 19, onde se comprometem em caminhar juntos na escolha dos candidatos nos municípios do interior, na capital, todas as pré-candidaturas anunciadas anteriormente foram mantidas.

Para alguns dirigentes, a possibilidade de uma eleição em dois turnos é o diferencial para o pleito em Rio Branco. O presidente regional do PMDB, deputado federal Flaviano Melo considera democrático, o fato de as legendas de oposição apresentar candidatos na capital. “Todos tem o direito e vão levar suas candidaturas às ruas”, destaca Melo.

Pelos pronunciamentos dos dirigentes partidários do bloco de oposição, a união oposicionista só deverá acontecer no segundo turno. As pré-candidaturas de Airton Rocha (PPS), Jamyl Asfuty (DEM), Tião Bocalom (PSDB), Fernando Melo (PMDB) e o possível nome do PRP deverão permanecer no tabuleiro político, pelo menos por enquanto.

De acordo com militantes presentes ao evento, os oposicionistas estão deixando escapar a real possibilidade de ganhar as eleições no primeiro turno. Alguns consideram o excesso de candidatos um fator que beneficiará à candidatura da Frente Popular, que trabalhará apenas um nome, na disputa eleitoral na capital acriana.

O deputado Márcio Bittar (PSDB), presidente da legenda tucana, destacou como positivo, os partidos apresentarem seus pré-candidatos. “Antes ninguém queria ser candidato da oposição. O quadro agora é inverso e muita gente está querendo lançar candidaturas. Isso é bom para o processo democrático e oxigena a política local”.

Os presidentes de PSDB, PSD, PMDB, PPS, PSC, DEM, PTdoB e PP ainda divergem em alguns pontos. O único dirigente partidário que fez questão de afirmar que a união em torno de um único nome poderia ser trabalhado foi o deputado Gladson Cameli (PP). O dirigente destacou que definirá até a próxima semana se apresentará o vice na chapa de PSDB ou PMDB.

O manifesto deverá ter assinaturas de presidente de 10 partidos de oposição. PTdoB, PPS, DEM, PMDB, PSC, PSD, PRTB, PTC, PSL e PRP – foram os partidos citados pelos principais líderes do bloco de oposição.

A mesa para o evento do bloco de oposição foi composta pelos deputados federais Flaviano Melo (PMDB), Gladson Cameli (PP), Antônia Lúcia (PSC), Márcio Bittar (PSDB), os deputados estaduais Jamyl Asfury (DEM), Denílson Segóvia (PSC), pelo presidente do PTdoB, Mac Mailan, senador Sérgio Petecão (PSD) e o pré-candidato do PPS, Airton Rocha.

O POSICIONAMENTO DOS LÍDERES DA OPOSIÇÃO

“O PSDB vem para esta aliança sem impor nada. Os desafios não são maiores que o de governar o Estado. Isso é um treino. A população quer nos dar o comando político de Rio Branco, só falta estarmos disciplinados e unidos no sentimento de mudanças nutrido pela população do Estado” (Márcio Bittar – PSDB).

“As conversas estão sendo mantidas em Brasília, há algum tempo. Estamos conversando para unificar a oposição. Hoje reina entre os partidos de oposição uma briga e continuaremos brigando, mas uma briga sadia. Não valeria a pena à divisão da oposição, o povo já disse que quer mudar. Nosso objetivo é dizer à população que os partidos de oposição estão unidos. Temos que deixar interesses e vaidades, para construirmos um projeto real para Rio Branco e demais municípios do Acre” (Sérgio Petecão – PSD).

“Estamos trabalhando uma união, onde todos têm direito a voz. Dentro do PP, já trabalhamos desta forma, com todos opinando, sobre o que é melhor para o partido e para a população. Nós fazemos parte do bloco de oposição e, vamos unidos nas disputas eleitorais deste ano. Claro, que meu posicionamento seria por uma unidade, também da cidade de Rio Branco. Até a próxima semana o PP terá a definição de qual candidatura irá apoiar” (Gladson Cameli – PP).

Abaixo, a íntegra do manifesto assinado pelos partidos de oposição.

MANIFESTO À SOCIEDADE ACREANA

Após quase 16 anos de governo petista, o Acre abriu mão de suas potencialidades e aprofundou seus desequilíbrios sociais e econômicos. O povo acreano pode ousar mais e, neste momento, surge um cenário ideal para renovar esperanças e formular projetos, com parcerias políticas ousadas, voltadas para construir um novo modelo de políticas públicas que promovam o crescimento econômico e o desenvolvimento de nossa gente, que visam zelar nosso patrimônio ambiental e o transforme em um fruto que traga verdadeiras melhorias ao nosso povo.

O Acre é detentor de uma história revolucionária, mas, lamentavelmente, a política do nosso Estado deixou de permitir um confronto franco de ideias e posturas acerca das nossas mazelas sociais.

Vivenciamos uma oligarquia que, para se perpetuar no poder, sustenta-se na imensa estrutura estatal e nas instituições privadas dependentes do governo. Este é o momento de nos reencontrar com nossa história, e entender que existe um único Acre, em que é possível e desejável a convivência dos contrários. Precisamos deixar para trás esse período de opinião única, em que divergências são tratadas como uma ofensa.

Nós, da oposição, oferecemos um plano de governo que pretende fazer as correções necessárias, mantendo o que de bom está em andamento, mudando para melhor o que precisa mudar, mas, principalmente, permitindo que as diversas forças políticas possam conviver, sem medos ou ameaças. A marca do nosso governo deve ser a tolerância.

Não podemos esquecer que a política tem como maior desafio, incluir pessoas. Contemplamos um Acre em que a inclusão ainda é um projeto não alcançado. Este, então, é nosso grande desafio: Oferecer uma alternativa política que inclua o acreano em um processo de desenvolvimento de longa duração, tendo como eixo central três pontos:

1 – Transformar o Governo do Estado em Indutor do Crescimento Econômico – Portanto, no estabelecimento de políticas públicas devemos buscar, incessantemente, o profissionalismo, promovendo a Pesquisa, a Qualificação dos seus quadros técnicos e o Financiamento para a garantia do desenvolvimento do Estado.

2 – Entender a Democracia como instrumento do Desenvolvimento – Também devemos colocar a democracia no centro do debate sobre desenvolvimento, e nesse modelo de gestão o reconhecimento da liberdade da imprensa é ponto central e inegociável. É fundamental, também, garantir que Nenhum Programa de Estado será interrompido, ele será sempre aprimorado. Uma nova forma de administração deve garantir que ninguém mais será perseguido ou ameaçado por conta de sua opção eleitoral.

Não podemos aceitar a perseguição àqueles que pensam ou votam de forma diversa. Governaremos buscando a unidade do Acre e dos acreanos e não a divisão simplista entre bem e mal. Devemos governar para todos, reconhecendo que nossa história, nosso futuro e nossa sociedade não podem ser divididos entre torcidas partidárias. Prefeitos e Governador não precisam ser do mesmo partido. A Transigência e a ponderação serão nosso lema e governaremos sem ódios, rancores ou truculência.

3 – Incluir o Acre e os Acreanos – Nosso projeto político contemplará, em primeiro lugar, a inclusão dos cidadãos. O modelo deve refletir o esforço do nosso Governo na busca de políticas públicas que consigam responder às necessidades, potencialidades e direitos da população historicamente desassistida.

Devemos buscar, também, o comprometimento de lideranças políticas nacionais com uma política de investimento e de crescimento econômico do Acre, de forma a garantir a elevação do nosso IDH, evitando a fuga da nossa maior riqueza, que é o capital humano.

O Acre não pode permanecer incorporado marginalmente ao processo de crescimento econômico brasileiro e o país deve parar de enxergar o acreano como um potencial inimigo da floresta.

Sinteticamente, a conquista do crescimento do Acre exige um estado eficiente, competente e democrático, que possa propor e implementar parcerias para resolver as principais carências da população com alternativas e soluções particulares para situações específicas, ou seja, o Acre deve experimentar um modelo de governança, que privilegie a capacidade de planejar, formular e programar políticas e cumprir funções. E é com esses pontos que nos comprometemos, buscando abrir janelas e portas para arejar o modelo político e reacender as esperanças do Acre.

Acre

Nenê Junqueira foi multado por dirigir carro da SEPA embriagado

Publicado

em

O ex-secretário Nenê Junqueira, da pasta de Produção e Agronegócio (SEPA), foi flagrado numa caminhonete da secretaria no trevo de Senador Guiomard, na Rodovia AC-40, quando retornava de uma viagem à Xapuri no final da tarde do último dia 16 de abril, cinco dias antes de ser exonerado do cargo.

De acordo com o auto de infração, o próprio Nenê, que se chama José Aristides Junqueira Franco Júnior, dirigia a caminhonete pertencente à SEPA de placas QWN0C23. Ao ser parado, o ex-secretário apresentava sinais de embriaguez e se recusou a fazer o teste do bafômetro. Por isso, foi multado por dirigir sob influência de álcool e a caminhonete só foi liberada com a chegada de uma outra pessoa habilitada. O valor da multa, sem os descontos, se aproxima dos R$ 3 mil. A infração é considerada gravíssima pelo Código de Trânsito Brasileiro e custou 7 pontos na CNH de Nenê Junqueira.

A reportagem falou com Nenê Junqueira que confirmou que se recusou a fazer o bafômetro e afirma que já recorreu da multa. “Estou recorrendo dessa multa, eu me recusei a fazer o bafômetro e na multa consta que foi álcool zero, por isso estou recorrendo. As duas são infrações distintas”, disse Junqueira, sem negar que estava dirigindo sob efeito de álcool.

Junqueira foi uma indicação do senador Márcio Bittar (MDB) para ocupar a SEPA, mas recentemente foi substituído pelo médico veterinário Edivan Maciel. Desde da exoneração, Junqueira tem adotado uma postura de defender Bittar nas redes sociais e de vez ou outra alfinetar a gestão do governador Gladson Cameli, evidenciando ainda mais o racha dos dois grupos.

Continuar lendo

Acre

Acre acumula 273 focos de queimadas em 2022

Publicado

em

O acumulado de focos de queimadas no estado do Acre, do início do ano (1/1/2022) até o dia 19/5/2022 chega a 276 focos de queimadas, segundo os registros fornecidos pelo satélite S-NPP, um dos que abastecem o sistema de dados da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Povos Indígenas (Semapi).

No período, o município de Tarauacá apresentou maior percentual de queimadas, de 14,4%, com total de 40 focos.

Em seguida aparece Cruzeiro do Sul (13,4%) com 37 focos; Brasileia (11,6%) com 32 focos.

Foram registrados 53 focos de queimadas segundo outra plataforma utilizada pela Semapi, o Satélite de Referência AQUA. Por esses dados, o município de Cruzeiro do Sul apresentou maior percentual (24,5%) com total de 13 focos desde o primeiro dia de 2022. Em seguida aparece Xapuri (16,9%) com 9 focos, Rodrigues Alves (15%) com 8 focos.

A detecção de focos de queimada é feita a partir de imagens captadas por satélites. Cada satélite, seja ele polar ou geoestacionário, possui um sensor ótico. O uso de focos de queimadas do “Satélite de Referência” permite a comparação com dados e períodos prévios e ao longo dos anos. Os demais satélites, com as devidas diferenças, possuem sensores de configurações, atualizações e resolução de pixel variáveis.

 

Continuar lendo

Acre

Expoacre 2022 deve movimentar mais de R$ 100 milhões

Publicado

em

Após 2 anos suspensas por causa da pandemia da Covid-19, as duas principais feiras que mais movimentam o setor empresarial do Acre, Expoacre e Expojuruá, estão de volta, e prometem gerar um balanço financeiro muito maior que em anos anteriores.

Somente em 2019, a Expoacre foi responsável por circular mais de R$ 74 milhões em negócios. O setor da indústria teve mais de R$13 milhões no ano em questão. Em 2022, com a participação de pequenos e grandes produtores e empresários da indústria, comércio, entretenimento, lazer e do agronegócio, a expectativa de movimento é de R$ 100 milhões.

Já na Expojuruá, o fluxo de movimentação financeira, gira em torno de R$5 milhões por edição. Em 2019, teve a colaboração de mais de 200 expositores, se tornando o evento que beneficia maiores oportunidades para a economia do Juruá.

Nas duas festividades, são incluídos a venda de imóveis, comercialização de bares e restaurantes, shows, comércio, serviços, venda de veículos, movimentações bancárias, setor agro, indústria moveleira e pequenos negócios.

“Estamos preparando uma grande feira e os empreendedores e empresários estão acreditando e apoiando. Com certeza, iremos superar os números da última feira. Toda a cadeia produtiva do Estado está ansiosa por esse evento”, disse o secretário de Estado de Empreendedorismo e Turismo, Jhon Douglas.

Existe uma expectativa de investimentos muito grande por parte dos empresários e Instituições que fazem parte da organização das feiras. A Sebrae e a Federação das Indústrias do Acre (Fieac) devem investir em torno de R$ 1 milhão, a Federação da Agricultura e Pecuária do Acre (Faeac) mais R$ 1 milhão, os empresários do ramo dos shows, mais de R$ 2 milhões e o comércio, mais de R$ 1 milhão, nos dois eventos.

“Queremos fazer dessa Expoacre a maior de todos os tempos. Estamos muito ansiosos por essa feira que gera emprego e renda. É a maior feira de negócios do Estado e isso só é possível graças ao empenho dos empresários e Instituições parceiras que acreditam e investem junto com o Governo do Acre”, destaca o governador Gladson Cameli.

Continuar lendo

Acre

“Aldeia em Manoel Urbano vive epidemia de suicídio”, diz indígena

Publicado

em

O filósofo indígena e locutor, Eliton Gomes Kaxinawá, foi o entrevistado desta sexta-feira, 20, do Cipódcast, programa no canal do YouTube Na ponta do Cipó, transmitido pelo ac24horas.

O convidado falou de sua vivência dentro da cultura indígena e sua passagem na aldeia, que por sofrer por enfermidades, precisou deixar o lugar com 5 anos de idade e ir morar na cidade com seus pais. Hoje, conquistou a graduação em filosofia e teologia, estuda marketing e possui ainda uma pós-graduação em seu histórico.

Durante a conversa, Eliton abordou que há muito tempo existe uma invasão ao ambiente dos povos originários por parte de representações religiosas, que acabam por apagar a identidade cultural destas pessoas.

“Hoje o índio não tem mais o seu ritual sagrado, porque a Igreja Pentecostal tem invadido as aldeias. Existe pastores “convertendo” indígenas, coisa que eu não concordo, apesar de ser cristão. Mas você não pode chegar em um lugar e impor sua cultura, alegando que se você não aceitar, vai para o inferno”, explicou.

Segundo o entrevistado, a prática e ensinamentos evangélicos, tem mudado o formato de vida dentro das povoações indígenas. Mas além disso, a aproximação com a vida na cidade tem levado maiores problemas para as aldeias.

“Além destes problemas, tem coisas maiores que não deveriam nunca ter entrada na vida dessas pessoas. Hoje em dia até as facções estão dentro das aldeias, existem indígenas participando destas organizações e praticando crimes”, abordou.

Com mais de 1 hora de programa, o filósofo abordou outras questões que envolvem os povos indígenas, como a demarcação de terras, o alcoolismo, a prostituição, e a epidemia de suicídio na aldeia Kulina em Manoel Urbano. De acordo com ele, existem informações de que durante 3 meses, até 5 pessoas cometeram esta infelicidade, entre outros exemplos.

“A cultura indígena está sendo muito massacrada hoje em dia. Dentro da etnia Kulina, por exemplo, está acontecendo um número muito grande de suicídio entre os jovens. E está sendo feito um estudo sociológico para tentar descobrir os motivos desta causa”, pontuou.

Confira a íntegra da entrevista:

video
Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!