Conecte-se agora

Moisés diz que FPA era mais organizada que atual governo, mas acredita em coalisão de 9 partidos para reeleição de Gladson

Publicado

em

O programa Boa Conversa desta quarta-feira, 2, exibido pelo ac24horas teve como convidado o articulador político do governador Gladson Cameli, Moisés Diniz. Ele tratou dos novos movimentos dentro do PSL, da possibilidade de o vice-governador Major Rocha ser rifado do partido, de sua relação com a esquerda, com o próprio Gladson e como observa a situação política a nível nacional em tempos de pandemia da Covid-19.

Sobre a filiação do secretário de Saúde, Alysson Bestene e do médico Eduardo Veloso, 1º suplente do senador Márcio Bittar (MDB), ao PSL, Diniz falou que torce para que Rocha volte para casa. “Nunca ofendi o Rocha, nem ele me ofendeu. Tomara que dê certo e ele retome a relação com Gladson”, comentou em tom bem humorado.

Apesar de não saber muitos detalhes sobre essa nova situação política do PSL, Moisés diz que trata-se de um movimento que vai se consolidando. “Gladson pode chegar ao final de 2021 com 4 grandes esteios consolidados: a vitória contra a Covid, fechar o ano com um grande pacote de obras, pacificar os sindicatos e chegar ao final do ano com até 7 partidos médios e 2 grandes”, disse, se referido ao Solidariedade, PROS, Podemos, PDT, MDB, PSDB, PSL, PP e o PMDB.

O articulado vê com muita naturalidade a retomada da relação política entre o atual governo e Vagner Sales, do Juruá. “Vejo com muita segurança o Vagner no palanque do Gladson”, afirmou, com base nas tratativas para as eleições de 2022.

Entre diversos assuntos, ele também abordou sua relação com o amigo comunista, deputado Edvaldo Magalhães, com que até já dividiu quarto, mas teve a amizade abalada ao migra do PCdoB para o PP. “Não tivemos atrito, mas amizade ainda não voltou”, lamentou, dizendo acreditar que no momento certo deverá sentar para uma longa conversa juntos.

Sobre as inúmeras reclamações de parlamentares quanto à dificuldade de acesso aos secretários de Estado, o articulador diz ter exagero nessas questões, mas reconhece que a gestão atual não conseguiu ainda se aproximar das comunidades de bases, os povos tradicionais do Acre. Para Moisés, há uma certa distância. “Quero me dedicar a isso”.

Pandemia

Sobre o caos provocado pela pandemia, Diniz considera importante o governo manter a rigidez nos protocolos de segurança sanitária, uma vez do risco de se viver a uma terceira onda de contaminação. “Gladson foi muito firme na manutenção dos protocolos, mas do ponto de vista político, isso quebra”, declarou, salientando que o governador é um gestor “que não tem parede no coração, todo mundo entra” e que por isso possa parecer que ele não saiba dizer não em algumas situações.

“Acho que o modelo do Gladson é bom. A esquerda é muito organizada. A gente lá tinha disciplina. As pessoas precisam entender que ele [o governador] precisa de maioria na Assembleia Legislativa. É muito difícil a situação do Gladson, e mesmo assim temos, no mínimo R$ 400 milhões para serem executados em obras”, destacou Moisés.

Escolha ao senado

A disputa por uma vaga ao senado também foi pauta durante a entrevista. Diniz acredita que o candidato escolhido será aquele que mais agrega força política e eleitoral. “Colocar um [candidato] frágil de voto, é colocar o governador para baixo”.

No momento, ele garante que o governo está mais preocupado em se organizar e viabilizar a candidatura de Gladson Cameli à reeleição. “Primeiro ele tem que consolidar a candidatura e organizar os partidos”, salientando ser importante uma coesão para 2022, eliminando a possibilidade de várias candidaturas. “Esse “mundo” de candidatos ao senado pode se reduzir”, garantiu.

Bolsonaro

Sobre a gestão do presidente Jair Bolsonaro, o articulador diz que, politicamente, irá acompanhar as escolhas de Gladson, mas que se sente constrangido ao ver o Brasil novamente polarizado. “Sonharia em ter um candidato de centro. Não sei se vou estar na campanha do Bolsonaro. Posso dedicar meu tempo e energia na eleição do Gladson”, disse, alertando que a política não pode ultrapassar a humanidade.

Assista a entrevista:

video

Acre 01

Manifestantes pedem impeachment de Bolsonaro em protesto pelas ruas de Rio Branco

Publicado

em

Foto: Whidy Melo/ac24horas

Com gritos de ‘miliciano, a sua hora está chegando’, milhares de pessoas se reuniram na tarde deste sábado (19), em Rio Branco, para protestar contra o Governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Os atos são pacíficos e ocorrem em todo o país.

O grupo formado pela classe estudantil, universitários, movimentos sociais e agremiações de partidos da Esquerda, protestam em defesa da vacinação contra a Covid-19.

Foto: Whidy Melo/ac24horas

No Acre, esta é a sexta manifestação contra o presidente. Na ocasião, eles voltaram a pedir o impeachment do militar, e protestaram contra a alta dos preços dos combustíveis e dos alimentos.

Os mobilizadores da manifestação na capital informam que a concentração da caminhada ocorreu na Gameleira até o Palácio Rio Branco. O movimento ‘fora, Bolsonaro’, segundo a Central Única dos Trabalhadores, se manifesta também pelo auxílio de R$ 600, contra a miséria, mais investimentos no Sistema Único de Saúde (SUS) e por geração de empregos.

Estiveram na manifestação o deputado estadual, Edvaldo Magalhães, e sua esposa, Perpétua Almeida, ambos do PCdoB.

Continuar lendo

Acre 01

Acre registra quase 800 novos contaminados e 28 mortes por Covid-19 nos últimos 7 dias

Publicado

em

O estado do Acre registra neste sábado, 19, o acúmulo de 773 novos contaminados pelo novo coronavírus nos últimos sete dias. Em uma semana, também foram somadas 28 mortes por complicações da Covid-19. Segundo a secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), só neste sábado foram confirmados 67 casos confirmados por exames RT-PCR, 58 por testes rápidos e 2 por critério clínico epidemiológico. O número de infectados saltou de 84.687 para 84.812 nas últimas 24 horas.

Mais 1 notificação de óbito foi registrada neste sábado, sendo o mesmo do sexo masculino, fazendo com que o número oficial de mortes por Covid-19 suba para 1.729 em todo o estado. O óbito referente ao morador de Rio Branco, P. G. M., de 82 anos, deu entrada no dia 5 de junho, no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into-AC), vindo a falecer no dia, 18.

Até o momento, o Acre registra 227.589 notificações de contaminação pela doença, sendo que 142.657 casos foram descartados e 120 exames de RT-PCR seguem aguardando análise do Laboratório Central de Saúde Pública do Acre (Lacen) ou do Centro de Infectologia Charles Mérieux. Pelo menos 79.259 pessoas já receberam alta médica da doença, enquanto 132 pessoas seguem internadas até o fechamento deste boletim.

Continuar lendo

Acre

Conselheiro diz que Rio Branco nega vacina para farmacêuticos

Publicado

em

Após reportagem do ac24horas sobre o desencontro de informações na vacinação de pessoas acima de 40 anos no mutirão montado pelo governo do Acre na capital acreana, o Conselheiro Federal de Farmácias do Acre, Romeu Cordeiro, enviou uma nota afirmando que a diretora de assistência à saúde da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Sheila Andrade, teria mentido ao jornal ao afirmar que nunca “houve recusa” do município de Rio Branco em vacinar pessoas do “grupo prioritário” da vacina contra Covid-19.

Segundo Cordeiro, mesmo sendo uma determinação do Ministério da Saúde, os profissionais farmacêuticos e os demais colaboradores do ramo têm o pedido de vacinação negado em todos os postos de vacinação. “Sheila Andrade destacou que desde o início da campanha de imunização contra o coronavírus, em nenhum momento a Semsa se recusou a vacinar nenhum indivíduo fora das faixas etárias estabelecidas, dos grupos prioritários e muito menos comorbidades”, diz o Conselheiro.

No entanto, ele afirma que neste sábado, 19, o profissional de saúde, Nélio Moraes, levou sua mãe para vacinar e aproveitou para perguntar se também poderia se vacinar, por fazer parte da classe da saúde. “A resposta foi que ele teria de esperar de acordo com a idade”. O conselheiro dos farmacêuticos diz que foi necessário acionar o judiciário em ação conjunta do Conselho Regional de Farmácias do Estado do Acre (CRF) e do Sincofac – sindicato das empresas do ramo farmacêutico, contra o prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, e o seu secretário de saúde, Frank Lima, em processo que tramita na 3ª Vara Federal Cível e Criminal da SJAC e está concluso para decisão do juiz de direito.

Romeu afirma que dos 22 municípios acreanos, Rio Branco é a única cidade pendente em cumprir as determinações do Ministério de Saúde, que é vacinar todos os profissionais de saúde previsto no Plano Nacional de Imunizações (PNI), faltando uma média 60% do setor farmacêutico serem vacinados contra covid-19.

Ao Conselho, o prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, teria dito que “se os farmacêuticos não foram vacinados ainda é porque o Ministério [da Saúde] não autorizou”.

Continuar lendo

Acre

Vanda Milani defende mais apoio ao homem do campo em Xapuri

Publicado

em

A deputada federal Vanda Milani (Solidariedade-AC) defendeu mais apoio ao homem do campo durante encontro realizado na manhã de hoje (19), no município de Xapuri, no Alto Acre.

O evento foi promovido pelo gabinete do deputado estadual Antônio Pedro (DEM) e contou com a participação do secretário de agricultura do estado, Nenê Junqueira, o superintendente do Banco do Brasil, Marcio Carioca, o superintendente do Basa, José Luiz e representantes do Deracre e Iteracre.

“Encontros como esse são importantes para ouvirmos do trabalhador rural quais são as suas principais demandas. O Acre vive um momento impar com obras estruturantes que apontam para avanços na economia. Quem está no campo precisa se preparar para a abertura dos novos mercados e as parcerias são fundamentais para levar inovação tecnológica agregando valor aos produtos”, disse a deputada.

A parlamentar debateu viabilidades e soluções para regularização fundiária e melhoramento dos ramais para o escoamento dos produtos. Ela lembrou a destinação de emendas parlamentares no valor de R$ 2 milhões para a manutenção de 11 quilômetros do Ramal Mucambo II, que proporcionou acesso a três escolas na região, além de 8 quilômetros de manutenção no Ramal Tupá II.

“Essa era uma reivindicação antiga dos moradores da região. Nossos recursos ajudam na política de sustentabilidade do governo nas unidades de conservação do estado para melhorar as condições de acesso e escoamento dos produtos florestais e agroflorestais nas florestas e seu entorno”, acrescentou.

Ainda durante o encontro a deputada destacou o apoio dado através de sua parceria com o governador Gladson Cameli. Ela destinou R$ 10 milhões de emenda de bancada para aquisição de tratores, colheitadeiras e implementos. Outros R$ 2 milhões para aquisição de calcário para melhorar a produção dos trabalhadores rurais.

Vanda Milani aproveitou a presença dos representantes de instituições financeiras que fazem gestão de fundos constitucionais como o FNO para pedir a desburocratização para acesso às linhas de crédito socorrendo os pequenos produtores que foram impactados economicamente pela pandemia.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2020 ac24Horas.com - Todos os direitos reservados.