Conecte-se agora

Soja e milho representaram 30,4% do valor das exportações do primeiro quadrimestre de 2021

Publicado

em

Em 2021 obtivemos o maior saldo da balança comercial desde 1997

Pela primeira vez nos registros das transações do Acre com o mercado externo à soja, um tradicional produto do agronegócio brasileiro assume a liderança das exportações, superando produtos tradicionais da produção local como a madeira, a castanha do brasil e a carne e derivados de bovinos. Tendo a soja como a grande responsável, no primeiro quadrimestre do ano de 2021, o estado atingiu o seu maior saldo na balança comercial (exportações – importações) desde 1997 (ano de início dos registros do comércio internacional). O saldo de 19,3 milhões de dólares no primeiro quadrimestre de 2021, superou em 7,1 milhões de dólares o então maior saldo, alcançado no mesmo quadrimestre de 2018 (12,2 milhões de dólares).

O perfil das exportações do primeiro quadrimestre de 2018

No primeiro quadrimestre de 2018 tivemos o até então, maior saldo do primeiro quadrimestre da série histórica. As exportações foram lideradas pela Castanha do Brasil US$ 6,48 milhões, seguida pela madeira e derivados, US$ 4,13 milhões e pela carne e derivados de bovinos com US$ 2,79 milhões. Naquele quadrimestre, o predomínio dos produtos florestais (madeira e castanha) já ditavam o maior volume das exportações, representando quase 76% de tudo que foi exportado, conforme pode ser verificado no gráfico abaixo. É importante verificar que nem a soja nem o milho, ou qualquer outro produto de origem vegetal faziam parte da nossa pauta de exportações. Naquele ano, somente a partir do mês de outubro a soja (em maior escala) e o milho já começaram a ter uma participação no valor das exportações acreanas.

A entrada da Soja e a mudança no perfil das exportações

No primeiro quadrimestre de 2021, a soja aparece vigorosamente nas estatísticas das exportações acreanas e já representa 29,1% do valor de tudo o que foi exportado, totalizando mais de US$ 5,94 milhões. Outro dado interessante é que as exportações de milho já aparecem com uma certa significância. Com um valor de US$ 275 mil, o produto representou 1,3% do valor total das exportações. 

Se dividirmos os principais produtos de produção local em 3 grupos, a saber: produtos florestais (castanha e madeira), produtos vegetais (soja e milho) e produtos animais (carnes e derivados de bovinos e suínos), vemos que os produtos vegetais que não apareciam nos números do primeiro quadrimestre de 2018, no quadrimestre de 2021 já ocupam a segunda colocação com mais de US$ 6,22 milhões, correspondendo a 30,4% de tudo o que foi exportado. A liderança ainda é do grupo da produção florestal, correspondendo a 49,4% dos valores exportados (75,8% no quadrimestre de 2018). Em terceiro lugar vem o grupo da produção animal, com valor correspondente a 14,6% do valor exportado (19,9% no mesmo quadrimestre de 2018).

Os novos números do mercado externo acreano não deixam de ser uma boa notícia. Indicam que está havendo uma mudança estrutural no setor primário da nossa economia, ditados pela expansão do agronegócio. Precisamos agora saber se essa mudança estrutural está gerando também, efeitos positivos nos demais setores da economia local. Verificar se a expansão está se dando de forma concentrada, nas mãos de poucos, concentradas nas mãos de grandes produtores, ou se a produção está conseguindo gerar uma cadeia de benefícios para o comércio, para os serviços e, principalmente, gerando os empregos que tanto precisamos.

O Agronegócio e a geração de empregos

O Acre, conforme o IBGE, encerrou 2020, com 39 mil pessoas ocupadas no setor (agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura), número que corresponde a 12,9% dos 303 mil do total dos que estavam ocupados. No terceiro trimestre de 2019, os ocupados no setor chegaram a 43 mil (o maior registro dos últimos dois anos). 

Notícias indicam que o agronegócio brasileiro mudou o mercado de trabalho no país, o perfil dos empregados e também dos empregadores do setor rural. Existem indicadores que apontam que a qualificação da mão de obra passou a ser uma exigência da agricultura familiar ao gerente das multinacionais e a ocupação deixou de ser destinada exclusivamente aos proprietários de terras e seus herdeiros. Conforme a Revista Globo Rural, o último levantamento do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) sobre a população ocupada no agronegócio aponta que, para cada pessoa trabalhando no campo, tem outra na cidade trabalhando diretamente com o agronegócio. Indústria, serviços e o setor de insumos empregaram 9,217 milhões de trabalhadores, mais do que o total ocupado diretamente pelas atividades dentro da porteira, que foi de 8,07 milhões de pessoas” (https://revistagloborural.globo.com/Noticias/Opiniao/noticia/2021/05/agronegocio-mudou-o-mercado-de-trabalho-no-brasil.html).

Precisamos urgentemente que essa dinâmica se replique no Acre.


Orlando Sabino escreve às quintas-feiras no ac24horas.com

Destaque 4

Mulheres da Indústria entregam cestas básicas à Associação Amigos do Peito e Lar Vicentino

Publicado

em

Continuar lendo

Destaque 4

Prefeitura de Brasiléia firma parceria com Incra para regularização de polos agroflorestais

Publicado

em

Continuar lendo

Destaque 4

Vacinação para indústria avança em Rio Branco com apoio da FIEAC e do SESI

Publicado

em

Continuar lendo

Destaque 4

Maior produtor de milho do Acre também denuncia ação truculenta do Mapa com Exército

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas