Menu

Sobre uma comunidade em transição, ou como um acreano pode recuperar seu otimismo

Receba notícias do Acre gratuitamente no WhatsApp do ac24horas.​

Escrever sobre as coisas do Acre requer alguma dose de boa vontade com a vida e, mais ainda, com uma comunidade perdida em seu espaço-tempo, vivendo um transe difícil e perigoso. A bem da verdade, não exatamente o Acre. O mundo está a cobrar boa vontade de quem queira guardar certo otimismo.


Ser otimista e acreditar na vida requer que se tenha esperança de que a bondade, a verdade e a justiça se sobressaiam no comportamento das pessoas e na fluidez da convivência entre elas. É preciso crer no poder do amor ágape e na solidez da verdade – crenças tão preciosas à fé cristã que nos balizou a vida desde que Cabral aportou por aqui com suas cruzes do catolicismo romano.

Publicidade

O que embaralha o “meio-de-campo” mais ainda neste momento confuso é que justamente os que se dizem legítimos portadores da mensagem de Cristo são quem mais demonstra intolerância e ódio, e compartilha informações sabiamente mentirosas junto aos seus. Hoje não exatamente católicos romanos, mas protestantes evangélicos.


Acreditar na bondade humana é ainda mais difícil – e só piora. O que dizer de pessoas que aproveitam a tragédia provocada pelas chuvas no litoral norte de São Paulo e vendem litros d’água a 93 reais? Alivia saber que o repórter que noticiou tamanho desatino capitalista foi capaz de chorar comovido. Mas, não apaga a sensação que o valor moral de justiça capitula a todo momento frente ao oportunismo de “empreendedores” dispostos a sacrificar qualquer moral cristã por mais valor em moeda corrente. Cá não é diferente de lá, haja visto o preço do tomate em Marechal Thaumaturgo.


Ou, o que dizer da indiferença da maioria frente às centenas de moribundos pedindo esmolas nos sinais de nossa Rio Branco? Seriam humanos os pedintes? Filhos de Deus como eu e você, ou seres desprovidos de humanidade e abandonados pela providência divina como consequência de seus pecados imperdoáveis? Não seria esse o sentimento dos indiferentes, a buscar no recôndito de suas almas uma justificação moral para o desmazelo com a amorosa mensagem de Jesus Cristo?


Vivemos um estado de transe porque, feito adolescente em busca de um sentido para a vida, perdemos nossa fé na identidade amazônica que carregamos até aqui e, apressadamente, caminhamos para uma outra forma de vida que não sabemos bem como será. Feito jovem na puberdade, estamos prenhes de novas sensações e desejos. Não se entende bem os sentimentos provocados pela explosão hormonal dessa fase. Diante do medo – para não dizer do pânico – que a perda de convicções duramente conquistadas ao longo de anos de vivências em um mundo estável garantido pela segurança dos pais e a proximidade da família, a atitude indicada por uma psiquê em formação é a negação. Nega-se a tudo nesse momento. A regra é destruir as verdades até então válidas, e buscar frenética e violentamente um novo sentido para a vida, algo que parta de si para si, em oposição ao que fora herdado dos sonhos e desejos dos pais, e das veladas cobranças da família. Ao final pode surgir um adulto consciente de si mesmo e orgulhoso das escolhas que fez, ou não.


Como comunidade de acreanos, é essa a transição que vivemos. A forma como a atravessaremos determinará o lugar que iremos ocupar no mundo. Podemos fazer boas escolhas e desenhar uma trajetória de sucesso, ou, imersos em pesadelos e dominados pelo medo, podemos trilhar caminhos que nos levem a um ambiente de ódio, mentiras e indiferença pela dor do outro.


Até aqui, confesso!, em mim tem prevalecido um certo desencanto, um justificado receio se seremos capazes de sair melhores desse estado de transe. Temo que a presença de vozes obscuras a sussurrar em nossos ouvidos mensagens estranhas nos afastem cada vez mais da trajetória original e, quando quisermos nos reconectar com os valores e convicções de onde viemos, seja tarde demais. Ou você não ouve por aí coisas como “tem que derrubar mesmo, afinal, quem gosta de mato é macaco”? Ou, “acreano não é rico porque é preguiçoso; com tanta terra pra plantar, fica ouvindo conversa mole de quem fala em preservar floresta”. Eu ouço, o tempo todo!


Enfim, espero recuperar, em algum momento, o otimismo e a fé no futuro que me embalaram a vida desde que superei as agruras da adolescência. Afinal, voltar a acreditar na justiça, no amor e na verdade é não apenas uma necessidade desses tempos. Professar essa fé é parte da condição humana da qual nenhum de nós deseja abrir mão.


INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* Campo requerido