Conecte-se agora

Ciro Gomes na Agrishow e Flávio Bolsonaro no Acre

Publicado

em

Nesta quinta-feira, o presidenciável Ciro Gomes resolveu dar o ar da graça em Ribeirão Preto, interior de São Paulo, durante a Agrishow, que concentra durante alguns dias o que há de mais avançado na tecnologia agropecuária do mundo. Uma espécie de vitrine tecnológica para os olhares do mundo agro. Depois de ver alguns vídeos, fico achando que o velho candidato teria feito melhor indo à Sobral.

Foi ele entrar e as vaias o acompanharem do começo ao fim. Para não decepcionar os fãs, Ciro respondeu com sua habitual delicadeza (veja aqui). Ao ouvir um apupo e o nome de Bolsonaro, já partiu para a brutalidade verbal, incluindo ofensas à mãe de quem ousou vaiá-lo e dar um soco em um manifestante. Um verdadeiro espetáculo para a mídia e a confirmação clara de que pau que nasce torto morre torto. Não sei os leitores, mas não vi ali um interlocutor da rainha da Inglaterra. A fleuma do Ciro me faz achar Vladimir Putin um verdadeiro lorde.

Sim, a ideia foi infeliz. Embora a velha mídia não mostre, o mar não está pra peixe vermelho, especialmente em águas do agro. Cá fora do Projaquistão, no mundo real, a turma está “nos cascos”, a Agrishow não é o Lollapalooza. Pior pro Ciro Gomes, cujas grosserias farão a festa das plataformas por vários dias. Memes e memes serão criados às suas custas, onerando seu capital político que vem crescendo lentamente com idéias volumosas e densas como isopor. 

Mas não é só isso. O episódio serve para arregalar os olhos do Lula da Silva, aquele que promete boa vida aos invasores de propriedade alheia, aborto livre no SUS e impunidade para assaltantes. Se, faltando cinco meses para as eleições, o descondenado ainda não arranjou coragem para sair às ruas e fazer um testezinho de popularidade, depois dessa experiência do Ciro, ele e seus publicitários, estrategistas e marqueteiros devem estar refazendo os cálculos sobre o momento certo de botar o pé na calçada. Ele e os demais, creio. Ou o Dória também arriscará um périplo pelos galpões da Agrishow? Com aquela calça apertada nem correr será possível.

Fato é que a eleição já está polarizada entre Bolsonaro e o descondenado. Embora a velha mídia em consórcio e a justiça em ativismo tenham trabalhado “diariamente o dia todo” para criar uma terceira via ou derrubar o presidente, conseguiram mesmo foi sedimentar na massa o sentimento de paixão. Pelo menos até aqui, em que pese a frequente divulgação de “pesquisas” contrárias, quem tem conseguido demonstrar nas ruas o apoio popular é Bolsonaro. Lula, o campeão dos questionários, ainda não viu a luz do dia, o líder aclamado pela bolha progressista das faculdades, grupos identitários e artistas está recolhido à ambientes controlados, escancarando a fragilidade de sua candidatura.

Deixo momentaneamente o tema Ciro, para referir à visita de cunho político-partidário que fez ao Acre nesta terça-feira, o Senador Flávio Bolsonaro. Tive a oportunidade de presenciar seu discurso no auditório da livraria Paim e, em ambiente privado, trocar com ele algumas impressões que divido com o leitor.

É possível afirmar que não se trata de bolsonarismo, ou seja, a meu ver, o Senador não demonstrou, como representante do próprio pai, a presunção de uma doutrina, uma escola de pensamento ou um ideário que justifique um “ista” como sufixo. O bolsonarista é simplesmente aquele filiado a uma linha de pensamento sustentada em princípios e valores antigos e perenes, que se opõem ao progressismo galopante hodierno.

Vida, liberdade, propriedade privada, nação, família e religião estão entre os aspectos que o “bolsonarista” abarca porque são aqueles que pertencem à sua visão de mundo e estão sob ameaça, de modo que na polarização existente em todo lugar, esta fração da sociedade encontra no Brasil a partir de 2018, em Bolsonaro, um líder que nunca teve. 

Em nenhum momento o senador Flávio Bolsonaro reivindicou para o “bolsonarismo” qualquer “nunca antes”, ou pretendeu inaugurar um novo mundo, um novo homem, uma nova ordem. Pelo contrário, humildemente, o põe a serviço da permanência de valores e princípios que, como se sabe, prevalecem entre os brasileiros, mas foram criminosamente encobertos pela mentira em sucessivas eleições que nos impunham a escolha entre o mais e o menos do mesmo, ou seja, do avanço progressista.

Retomo o tema Ciro Gomes na Agrishow. O “ex-tudo”, menos presidente, ao se expor livremente ao público de Ribeirão Preto, ofereceu uma oportunidade de confirmação da polaridade conservador/progressista existente no Brasil. Ainda que não esteja efetivamente na disputa, Ciro paga em vaias o preço de seguidamente ter se alinhado à esquerda e professar um anti-bolsonarismo violento, significando adesão profunda à pauta progressista. O que aconteceria se Lula aparecesse por lá? Desconfio que não vamos saber.


Valterlucio Bessa Campelo escreve às sextas-feiras no site ac24horas e, eventualmente, no seu BLOG, no site Liberais e Conservadores do Puggina, na revista digital NAVEGOS e outros.

Acre

Nicolau Júnior acompanha mutirão oftalmológico no Juruá

Publicado

em

Continuar lendo

Acre 01

Quem vai ser enganado: Gladson ou Mailza? Colunistas analisam a semana política do Acre

Publicado

em

Continuar lendo

Na rede

Neném é homenageado com título de sócio benemérito pela AABB de Cruzeiro do Sul

Publicado

em

Continuar lendo

Cotidiano

Projeto Acolher Para Transformar do Tribunal de Justiça atenderá pessoas em situação de rua

Publicado

em

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!