Conecte-se agora

Saldo de crédito cresceu 11,9% na pandemia

Publicado

em

Como explicar que mesmo com a crise pandêmica, que afetou importantes variáveis macroeconômicas, com o desemprego e a inflação, o volume de crédito na economia acreana cresceu? Sabemos que o isolamento necessário para conter a propagação do vírus fechou escolas, comércios e empresas. A perda de renda do trabalhador tem dificultado a quitação de compromissos pessoais, como contas básicas e financiamentos, e as empresas lutam para não declarar falência. A injeção de capital é uma saída para enfrentar a crise sem fechar as portas. No artigo de hoje vamos analisar o comportamento de indicadores de crédito no Acre durante o período da pandemia. Os períodos de análises serão semestrais: de janeiro a junho de 2020; de junho a dezembro de 2020 e de janeiro a junho 2021. Os dados foram obtidos no site do Banco Central do Brasil (https://www.bcb.gov.br/). Os valores foram todos corrigidos pelo IPCA, para preços de junho de 2021.

Nas economias capitalistas, o fornecimento de crédito é uma saída para a sobrevivência e a manutenção imediata das atividades em momentos de crise. Para salvar empresas, a disponibilização de linhas de crédito ajuda com custos essenciais do empreendimento, como aluguel, salários de colaboradores, ou até mesmo investimento em um novo modelo de trabalho, como delivery e vendas virtuais. Para pessoas físicas, o crédito ajuda na ampliação de prazos de pagamentos para itens de consumo de bens e/ou serviços.

Crédito para Pessoa Física (PF) cresceu mais que para Pessoa Jurídica (PJ)

Mesmo com a pandemia, o saldo das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) cresceu no Acre. Conforme pode ser observado no gráfico abaixo, de janeiro a junho de 2020 (início da pandemia), o crescimento real do saldo foi de 1,3%. No período de junho a dezembro (auge da pandemia) o crescimento foi de 8,7% e no período de dezembro de 2020 a junho de 2021 (início do processo de vacinação) o crescimento foi de 1,6%. Ou seja, no período de janeiro de 2020 até junho de 2021 o saldo total foi de 11,9%. O crescimento do saldo de crédito do Acre acompanhou a variação do saldo no Brasil que no mesmo período cresceu 11,7%.

O crescimento da carteira PF em 18 meses foi maior que o crescimento da carteira de PJ, o que se deve à redução nos estímulos públicos direcionados a este último mercado e também à redução em algumas modalidades de crédito específicas para PJ. O crédito concedido às famílias (pessoas físicas) cresceu no período 14,4%, enquanto o crédito concedido às empresas (pessoas jurídicas) cresceu somente 6,6% no mesmo período.

A inadimplência de PFs é maior que de PJs

Depois de manter-se no patamar de 3% em janeiro e junho de 2020, a inadimplência total caiu para 2,17% em junho de 2021. A mesma trajetória aconteceu tanto para PFs como para as PJs, que caíram no segundo semestre de 2020. Porém a queda da inadimplência das PJs foi maior que o das PFs que apresentou uma pequena elevação em junho de 2021, em relação a dezembro de 2020.

O saldo total de empréstimos no Sistema Financeiro Nacional (SFN) como porcentagem do produto interno bruto (PIB) 

É importante medir o saldo de empréstimo do SFN em relação ao PIB. O último dado do PIB dos estados disponibilizado pelo IBGE foi o ano de 2018. Para tanto utilizamos as mesmas taxas de variação do PIB do Brasil, desde dezembro de 2018 até junto de 2021 para atualizar o PIB do Acre que, em dezembro de 2018 foi de R$ 15,33 bilhões. Após uma pequena alta em 2019 (1,41%), uma queda em 2020 (-4,06%) e um pequeno aumento no primeiro semestre de 2021 (1,81%), estimamos o PIB do Acre, em junho de 2021 em R$ 15,18 bilhões.

Enquanto no Brasil, o saldo total de empréstimos no Sistema Financeiro Nacional (SFN) como porcentagem do produto interno bruto (PIB) atingiu 52,6% em junho de 2021, no Acre o percentual foi de 61,35%, o que representa um aumento de 4,7 ponto percentual (p.p.) em relação a junho de 2020. 

A CENTRALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DOS BANCOS (SERASA) realizou no período de 22/06/2021 a 02/07/2021 uma pesquisa cujo objetivo era entender os hábitos dos consumidores em relação ao crédito durante a pandemia. Foram ouvidos, em entrevistas online, 2.068 pessoas, em todo o Brasil (https://www.serasa.com.br/assets/cms/2021/Pesquisa-de-cre%CC%81dito-para-retomada-2021.pdf). Alguns achados:

– Muitos têm buscado crédito como solução para problemas financeiros, sendo que 79% utilizou alguma fonte durante a pandemia e o principal crédito utilizado foi o do CARTÃO DE CRÉDITO. 

– Mesmo concordando que as taxas de juros estão mais altas nesse momento, 63% das pessoas ainda assim entendem que o crédito será importante para a recuperação financeira. 

– A procura por empréstimo no período de retomada terá como principal intenção o pagamento de dívidas. 

Vimos que a inadimplência caiu e o saldo da carteira continuou a crescer. Estas variações podem ser explicadas pelo impulso do Auxílio Emergencial e por programas de incentivo ao crédito, lançados no primeiro semestre de 2020. Vamos esperar o comportamento do crédito até o final do ano, com o fim da carência dos programas do governo. Já observamos uma queda no ritmo de crescimento no primeiro semestre de 2021, onde o saldo total cresceu, em valores reais, somente 1,0% no Brasil e 1,6% no Acre.


Orlando Sabino escreve às quintas-feiras no ac24horas

Cotidiano

Chegada de novo querosene para aviação civil deve reduzir custo de passagens aéreas

Publicado

em

Continuar lendo

Acre

Novo protótipo de identidade será lançada pelo governo

Publicado

em

Continuar lendo

Destaque 3

Receita paga dia 29 lote residual do Imposto de Renda a 672 contribuintes acreanos

Publicado

em

Continuar lendo

Acre 01

Primeiro campeonato de Free Fire do Acre chega as finais com transmissão no ac24horas

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas