Conecte-se agora

PT enfraquece no Acre, Bolsonarismo se consolida

Publicado

em

Depois de 20 anos de gestões petistas, o Acre se consolida como um estado conservador e bolsonarista. Apesar de ser a segunda força política no estado, o PT, liderado pelo ex-governador Jorge Viana, não elegeu senador, deputado federal e ainda perdeu o único parlamentar na Assembleia Legislativa, Daniel Zen. (Jonas Lima não disputou).

O que pode explicar esse fenômeno é o fato de o petismo ter sido sustentado pelos aliados ao longo de duas décadas. Na medida em que a Frente Popular foi se dissolvendo com o avanço do núcleo duro do PT no governo, o partido foi revelando o seu verdadeiro tamanho. Com raríssimas exceções, todos os políticos e parceiros dos governos petistas militam hoje no repiquete político bolsonarista.

O governador Gladson Cameli (PP), o prefeito Tião Bocalom (PP), os senadores Sérgio Petecão (PSD), Márcio Bittar (União Brasil) e agora Alan Rick (União Brasil), além de muitos outros, perfilaram ao lado dos governos do PT. À medida em que os aliados foram se afastando, cresceram politicamente sem os auspícios do PT. Em 2018, 2020 e agora em 2022, por exemplo, o PT não entendeu que o legado não seria suficiente para que voltasse ao poder sem os aliados convertidos ao bolsonarismo.

O PT não se reinventou, não construiu alianças, veio com sua velha e surrada arrogância para o embate. Segundo Bolsonaro, o Acre sepultou o PT; talvez Lula ressuscite se vencer a difícil eleição no segundo turno. Ou, quem sabe, o Acre, se torne um enclave bolsonarista e conservador duradouro. Só o tempo dirá.

“Direita, esquerda, direita, esquerda. E assim discutindo sobre esses rótulos marchamos para coisa alguma e lugar nenhum”. (Eneas Valter Cavalcante)

Avaliou mal

O fato do Lula está liderando pesquisas, levou o PT do Acre a fazer uma avaliação completamente equivocada de seu eventual sucesso nas urnas. Diz a máxima: “Quem tudo quer, tudo perde”.

Caminho alternativo

Até hoje pessoas próximas a Jorge Viana não compreendem sua decisão de disputar o governo e não o Senado. Ou, puxar votos em uma chapa de deputado federal com Marcus Alexandre na de estadual com Jenilson Leite para o governo e a própria Nazaré ao Senado. Como diz: Não adianta mais chorar o leite derramado.

Guerra diabólica

Uma guerra religiosa, está mais para diabólica do que para santa. Homens sempre interpretaram a vontade dos deuses e de Deus ao seu bel prazer. De acordo com suas conveniências políticas.

A sorte do Lula

A sorte do ex-presidente Lula nessa eleição é também o vice, Geraldo Alckmin, que se destaca puxando o centro financeiro paulista para um eventual governo se eleitos forem.

Os inquilinos?

O desejo do deputado federal Flaviano Melo em passar o bastão da presidência do MDB ao deputado eleito Emerson Jarude tem explicação. Como ficará sem mandato, os assessores mantidos  por ele no gabinete precisam de uma nova casa. Os gabinetes de Antônia Sales e Tanízio de Sá já tem inquilinos; Jarude, não!

O último moicano

O deputado Edvaldo Magalhães (PC do B) é o último moicano que sobrou da tribo política Frente Popular do Acre.

BR-364

Com tantos políticos bolsonaristas no Acre (atuais e eleitos) como fica a situação dramática da BR-364 que está para fechar nesse inverno? E não adianta jogar a culpa nos Dnit. Nos governos do PT nunca fechou, aliás salvou RB na alagação do rio Madeira. Incomoda, mas é a verdade!

E se o Lula vencer?

Bom, se o Lula ganhar a eleição todos os cargos e obras federais serão geridas pelos petistas no Acre, inclusive, as BR-364 e 317.

E se o Lula perder?

Nesse caso, a reconstrução do PT no Acre levará anos a fio. Talvez netos ou bisnetos do Cesário Braga vejam o sonho do pai, avô e bisavô realizado. Só lembrando que o barbudo lidera as pesquisas.

Tudo é processo

O fracasso do PT nas urnas não é obra de Bolsonaro, de um político ou homem algum, mas um processo histórico ocasionado pelas movimentações e acomodações políticas. Como o solo de uma região depois de um terremoto.

Os 56% do Gladson

Há quem diga que com Jorge Viana em segundo lugar na disputa, os eleitores resolveram dar o voto útil de Mara Rocha (MDB) e Petecão (PSD) em Gladson Cameli. Tudo, menos o PT, seria o argumento.

Brigas do Alto Acre

Enquanto Sena Madureira elegeu dois deputados federais (Meire e Gerlen), além de vários estaduais, o Alto Acre não elegeu ninguém com a votação local muito disputada. Os candidatos que melhor se articularam com votos de fora, venceram.

Só Deus na causa

A eleição mal terminou, ninguém foi diplomado e já começaram as brigas políticas por conta da eleição municipal em todo o estado.

Coluna do Astério

Gladson e o segundo mandato!

Publicado

em

Continuar lendo

Coluna do Astério

O político avestruz!

Publicado

em

Continuar lendo

Acre

Ex-prefeito Marcus Alexandre poderá ir para o Dnit

Publicado

em

Continuar lendo

Coluna do Astério

Guinada à esquerda!

Publicado

em

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.