Conecte-se agora

Mais alguns dados e informações sobre a mandiocultura

Publicado

em

Ainda em ritmo de EXPOACRE, antes que a campanha eleitoral domine todas as atenções, aproveito para enfiar o bedelho no artigo do ilustre professor Orlando Sabino sobre a questão da mandiocultura no Acre. Embora seus termos não estejam de todo imunes à consideração do momento político, o texto publicado em 21/07 neste ac24horas traduz uma realidade concreta – há uma evidente diminuição da produção de mandioca no Acre. Faltou dizer as causas e contextualizar o quadro geral. Vejamos o que dizem os dados do IBGE:

Quadro 1. Evolução da Área Plantada (ha) 2009-2020

Quadro 2. Evolução da Produção (kg) 2009-2020

Quadro 3 – Evolução do Rendimento Médio (kg/ha) 2009-2020

Dos quadros acima, conclui-se o seguinte:

– De 2009 a 2012 houve um aumento substancial na produção e área plantada.

– A tendência de queda na área plantada iniciou-se em 2012 e vem se mantendo;

– A produção teve ápice em 2014, caiu abruptamente em 2015 e teve novo ápice em 2016. Caiu de modo abrupto em seguida e vem mantendo a tendência de queda a partir de então;

– O rendimento por hectare teve um incremento significativo em 2014 e mantém certa estabilidade desde então.

Pode-se afirmar, portanto, que a mandioca perde importância econômica pelo menos desde 2012, e não de 2016, quando teve um aumento que serviu de ponto de partida para o alarme do professor.

E as causas?

Em primeiro lugar importa considerar que assim como qualquer produto, a mandioca não está imune a variações do mercado que podem determinar, por exemplo, a sua substituição por outras culturas mais rentáveis, o que no caso aparece com o incremento, por exemplo, da cultura cafeeira.

Em segundo, considere-se que em todos os processos produtivos há uma tendência natural de migração para atividades que exijam menos mão-de-obra, que sejam menos cansativas e, tanto quanto possível, mecanizadas, o que não é, por agora, o caso da mandioca, embora existam maquinários adaptados ao plantio e à colheita.

Em terceiro, precisamos levar em conta o progressivo abandono das áreas rurais pelas populações mais jovens, o que determina escassez e baixa produtividade da mão-de-obra, pois aumenta sensivelmente a idade média dos agricultores.

Em quarto, lembremos que a COVID impactou fortemente a disponibilidade e produtividade da mão-de-obra no campo, o que seguramente fez diminuir a exploração das áreas com a mandiocultura.

Em quinto, lembremos que embora tenha havido um certo progresso no sentido de automatização do beneficiamento – agroindustrialização, este não chegou ainda com a eficiência e escala necessárias à maioria dos produtores, o que exige cooperação – eterno gargalo do agro acreano.

Por fim, consideremos que em uma economia de preços livres, o principal estímulo vem do mercado, de modo que é o equilíbrio entre oferta e procura que poderá sinalizar um aumento que justifique ao agricultor o retorno ou expansão da atividade.

Considerando todo o exposto e a importância da pequena produção, incluindo aí a mandiocultura, é que via preparo da área (economia de mão-de-obra), financiamento e fomento à agroindústria, assistência técnica e gerencial, é possível subsidiar fortemente o agricultor, levando-o a considerar, sem imposição, a possibilidade de explorar a cultura referida. Trata-se de, no limite da pretensão e possibilidades de cada um, beneficiar as pequenas e médias propriedade rurais, o que poderá interromper a tendência de queda da produção de mandioca em todo o Estado.

Me somo ao professor Orlando Sabino, no entendimento de que dada o nível tecnológico tecnologia envolvido, a disponibilidade de solos aptos, o número de produtores envolvidos, o mercado tradicionalmente voltado ao consumo de farinha de mandioca, algumas especificidades de origem etc., é inarredável que tenhamos um olhar focado nessa cultura.


Valterlucio Bessa Campelo escreve às sextas-feiras no ac24horas e, eventualmente, em seu BLOG, no site LIBERAIS E CONSERVADORES, de Percival Puggina, na Revista Digital NAVEGOS e outros sites de notícias.

Acre 01

Com gasto de R$ 3,5 milhões, Bocalom vai uniformizar crianças com farda azul

Publicado

em

Continuar lendo

Extra Total

Croácia bate Japão nos pênaltis, avança às quartas e pode pegar o Brasil

Publicado

em

Por

Continuar lendo

Na rede

Bêbado, servidor terceirizado da Ufac é preso dirigindo carro oficial com duas menores em Cruzeiro do Sul

Publicado

em

Continuar lendo

Na rede

Trio é preso transportando mais de 10 kg de drogas na BR-364 entre Cruzeiro do Sul e Rio Branco

Publicado

em

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.