A indústria madeireira vem desbancando qualquer outro setor produtivo quando o assunto é exportação no estado do Acre. Mesmo com uma vasta produção de derivados bovinos e suínos e a castanha, estatisticamente o setor de base florestal ainda é soberano, mantendo a madeira como objeto de desejo em todos os continentes. Nas últimas décadas, boa parte desse cenário positivo é resultado do trabalho desenvolvido pelo Sindicato da Indústria Madeireira do Estado do Acre (Sindusmad) junto às empresas que atuam no ramo. O sindicato já existe há mais de 10 anos, no entanto, só a partir de 2015 passou a integrar a Federação da Industrias do Acre (Fieac).

 

“Ao todo estão vinculadas ao nosso sindicato cerca de 14 empresas. O setor de base florestal no estado sempre existiu de forma ascendente e o Sindusmad surgiu dessa necessidade de estarmos organizados e unificados a fim de alavancar cada vez mais o crescimento do setor”, afirma o presidente da entidade sindical, Thyago Costa Barlatti, eleito para o quadriênio 2022/2025.

 

A organização garante se preocupar em ouvir e acompanhar todos os gargalos enfrentados pelo setor e de maneira unificada tentar sanar o que for possível. A importância desse ramo industrial para o Acre é notória. Sua participação no desenvolvimento do estado pode ser comprovada pela balança comercial local, que por meses seguidos coloca o setor de base florestal em destaque.

 

Só de empregos diretos, a Sindusmad contabiliza uma média mais de 4 mil e alcança mais de 10 mil indiretos, o que de acordo com Barlatti, agrega muitos outros serviços que também contribuem de forma efetiva para a geração de emprego e renda no estado.

 

“Em dados estatísticos, o setor madeireiro ocupa o primeiro lugar no Produto Interno Bruto, o PIB do estado, levando em consideração tanto as comercializações internas como as exportações”. Dados do Sindusmad revelam uma arrecadação média de mais de R$ 200 milhões por ano.

 

 

A indústria de base florestal serra e beneficia madeira nas mais diversas modalidades. No Acre, o setor atua com um grande diferencial do restante do país, que é trabalhar com “Madeira Legal”. “Nossa madeira é sem sombra de dúvidas a “madeira mais legal do país”, pois passamos por todos os critérios de fiscalização que a legislação exige e toda nossa matéria-prima tem procedência oriunda de Manejos Florestais devidamente credenciados”, informa o presidente do sindicato.

 

A indústria madeireira atuante no Acre atende todas as cidades da região e também vários estados brasileiros e inúmeros países. “Nossas relações comerciais em outros países foram determinante para chegarmos ao topo do ranking do PIB no estado. Recentemente participamos da maior feira do setor na Europa”, conta Barlatti, que ao lado de outros empresários e do presidente da Fieac, voltou com grandes expectativas de novas tecnologias, novas exportações e avanços.

 

O Sindusmad tem mantido diálogo com a Federação das Indústrias, uma vez que uma instituição é parte integrante da outra. Para o atual presidente do sindicato, a última gestão da Fieac não mediu esforços para ajudar o setor quando necessário.

 

 

A principal dificuldade encontrada pelos empresários desse ramo para atuar no estado é a mesma de todo setor industrial, que é queda significativa nas arrecadações. Para os empresários da indústria madeireira, toda ajuda é bem-vinda e o poder público poderia intervir em algumas situações que necessitam de atenção, como a reabertura de um setor específico para a tratativa com as empresas para análise e liberação dos planos de manejo, além de uma política de incentivos fiscais.

 

“Esperamos que o setor de base florestal supere as dificuldades encontradas em anos anteriores. E com certeza o engajamento de outras empresas do ramo possam fortalecer muito mais a todos”, finaliza o Sindusmad.

Previous
Next
error: Conteúdo protegido!