Conecte-se agora

Holodomor – o genocídio que a esquerda esconde

Publicado

em

No último dia 26/04, quarta-feira, foi aprovado no Senado o PL 423 de 2022, de autoria do Senador Álvaro Dias, com relatoria favorável do senador Oriovisto Guimarães, que reconhece o extermínio pela fome de ucranianos e estabelece o quarto sábado de novembro como “Dia de Memória do Holodomor”. É, objetivamente, o reconhecimento oficial pelo Brasil, de que entre 1932 e 1933, deliberadamente, os comunistas, sob Stálin, mataram de fome (Holodomor significa morte pela fome), milhões de ucranianos. A imagem acima é do memorial do Holodomor, em Kiev, Ucrânia. A garota magérrima, de olhar tristíssimo, com um pequeno feixe de trigo nas mãos é dramática.

Genocídio é, como sabem todos, o extermínio deliberado de um grupo étnico, racial ou religioso. Está nos manuais, embora a estupidez de alguns tente vulgarizá-lo como se fosse um fato comum. Historicamente, a cada genocídio corresponde um negacionismo. Se ainda há imbecis para negar o Holocausto, há os que negam o Holodomor – a esquerda costuma esconder seus mortos. É preciso, pois, tanto num caso como no outro, registrar para a história os fatos ocorridos e sua importância para a humanidade.

Como disse o Senador Álvaro Dias na justificação do seu projeto, “…a morte pela fome foi imposta a milhões de ucranianos, por meio da coletivização forçada e do confisco da produção local, personificando incontestável genocídio perpetrado pelo regime stalinista contra o povo ucraniano”. Muitas outras nações já o reconheceram. É um fato histórico infelizmente jogado para de baixo do longo tapete comunista durante quase um século.

Sim, o projeto do Senador tem importância em si mesmo, mas, não apenas. Ele serve para retirar a máscara indecentemente usada pela esquerda, que se vende aos incautos como portadora de um bornal de humanidades com seu igualitarismo de gogó que sempre resulta em miséria, autoritarismo e assassinatos. O Holodomor deve ser tão conhecido e execrado quanto o Holocausto, assim como a ideologia que o promoveu deve ser apontada. Nazistas e comunistas tem muitas similaridades, entre elas, historicamente registrados em milhões de mortes, os genocídios que praticaram.

Na web existem muitos vídeos e depoimentos acerca do Holodomor. Destaco e recomendo, na NETFLIX, “A sombra de Stálin”, filme polonês dirigido por Agnieszka Holland, apresentando Vanessa Kirby (indicada ao Oscar) e o ator James Norton (excepcional) no papel do jornalista Garret Jones. Outro filme essencial, que deve ser visto, é “Colheita Amarga” (2016), de George Mendeluk, com Max Irons e Samantha Barks. Se preferir um livro, há um definitivo “A fome Vermelha” de Anne Applebaum, publicado pela Editora Record. Em um artigo curto e muito bom (aqui) Thomas Woods analisa o Holodomor.

Fica demonstrado até para o mais estúpido radical socialista que a imposição do coletivismo-igualdade em determinada sociedade SOMENTE pode se dar mediante força, autoritarismo, prisões, perseguições e morte. Ao fim, o fracasso. Não há hipótese de combinação entre socialismo e liberdade. 

A lembrança do Holodomor nos termos do PL aprovado no Senado (ainda vai à Câmara dos Deputados) é oportuna porque dará chance aos socialistas de confrontá-lo, negá-lo, desculpá-lo, ou, se tiverem um pingo de decência, de assumi-lo como uma matança histórica guardada em seus armários fétidos. Lembremos que existem no Brasil mais de 600 mil descendentes de ucranianos. Os comunistas de todo o mundo devem ao povo ucraniano um genuflexo pedido de perdão. 

Se o leitor acha que o sofrimento do povo ucraniano foi inaugurado agora sob as garras de Vladimir Putin, é porque a esquerda, inserida nas universidades e na imprensa, deu conta de selar por muito tempo um dos crimes mais horrendos já praticados na história da humanidade, inclusive produzindo até hoje papers e mais papers (li alguns) atribuindo a tragédia ucraniana a inéditos e coincidentes eventos climáticos e/ou mero erro tático do ditador soviético. O véu, porém, foi levantado. Não por acaso, em 2015, os legisladores ucranianos equipararam o nazismo e o comunismo. É preciso conhecer o Holodomor e dele extrair, como do Holocausto, a lição de Nunca Mais.


Valterlucio Bessa Campelo escreve às sextas-feiras no site ac24horas e, eventualmente, no seu BLOG, no site Liberais e Conservadores do Puggina, na revista digital NAVEGOS e outros.

Destaque 4

Esposa de repórter cinematográfico faz vaquinha para custear tratamento de câncer

Publicado

em

Continuar lendo

Acre

Tesouro concede B ao Acre em capacidade de pagamento

Publicado

em

Continuar lendo

Acre

PRF age rápido e desobstrui trechos bloqueados em Rondônia

Publicado

em

Continuar lendo

Extra Total

Presidente da Energisa Acre diz que desligará maior parte de termelétricas no Acre até 2025

Publicado

em

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.