Conecte-se agora

AMACRO – não podemos esperar

Publicado

em

Abrindo um parêntesis nas discussões políticas que dominam a cena nos últimos dias, trato mais uma vez aqui, como há um ano, de uma questão importante para um real projeto de desenvolvimento acreano, que calibre melhor os investimentos públicos e distribua de modo mais eficiente os incentivos às forças produtivas do território. Refiro-me à iniciativa AMACRO – Programa da Zona Especial de Desenvolvimento Econômico e Conservação da Natureza entre os Estados do Amazonas, Acre e Rondônia.

Participei no último dia 11 de novembro, de uma videoconferência com o titular da Superintendência da Zona Franca de Manaus – SUFRAMA, o General Algacir Antonio Polsin (coordenou a reunião), a titular da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia – SUDAM a Dra. Louise Caroline Campos Low, o Presidente do Banco da Amazônia, Dr. Valdecir Tose e técnicos das três instituições, além dos Secretários de Estado e técnicos de agricultura dos três estados (AM, AC e RO) e da EMBRAPA. Foi um passo a mais no sentido de robustecer e afirmar os contornos da proposta da iniciativa AMACRO que, aliás, nasceu no Acre, mais precisamente na Federação da Agricultura, sendo posteriormente abraçada pelos três estados.

Para quem não sabe, a AMACRO (acrônimo composto pelas siglas dos três estados), representa um esforço interestadual de recorte territorial assentado na região que une os estados, grosso modo, Sul do Amazonas, Leste do Acre e Oeste de Rondônia, com o objetivo de através de uma concepção multidimensional encontrar bases complementares para o desenvolvimento sustentável da região. Demonstrativamente, a figura acima é apenas uma aproximação proposta inicialmente como exercício.

Pela forma, espelha-se no MATOPIBA, Zona de desenvolvimento que engloba partes do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia e da SEALBA, outra Zona Especial recentemente criada, que da mesma forma une interesses comuns de Sergipe, Alagoas e Bahia. A grande diferença da AMACRO em relação ao MATOPIBA (já consolidado) é o conteúdo. Explico.

Diferentemente daquela, que nasceu como resposta a décadas de fluxos migratórios e financeiros que, sem controle adequado, alteraram com alguns efeitos deletérios a realidade regional, buscando, portanto, a posteriori, ordenar, balizar e qualificar o desenvolvimento da região, a AMACRO antecipa a perspectiva de sustentabilidade e a compreensão dos limites a que está submetida a diversidade de atividades econômicas, elegendo como alvo central a obtenção de elevada produtividade, o que só pode ser alcançado com incremento de tecnologia em todos os níveis. 

Estudos recentes do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada – IPEA demonstram que, nos últimos 30 anos, o extraordinário crescimento da agropecuária brasileira (taxa anual média de 3,4%) explica-se principalmente pelo aumento da tecnologia empregada (58%). As taxas de terra e mão de obra são, respectivamente, 26% e 16%. Ora, se em termos de Brasil podemos exibir índices que atestam a importância da tecnologia, mais ainda conseguiremos na Amazônia, dado que o índice médio da região é muito inferior. Eis a chave do agronegócio que a muitos parece tão difícil entender, embora dela sempre estejam dispostos a falar sofregamente.

É importante ter em conta desde logo que não se trata de reproduzir na AMACRO o conteúdo do MATOPIBA ou da SEALBA, dado que cada uma dessas regiões possui seu tempo-espaço determinado historicamente e é contextualizada em diferentes ambientes políticos e administrativos. O que as organizações mais sérias, importantes e representativas da região amazônica propõem é aproveitar e aprender com outras experiências, especialmente na modelagem de governança e adaptá-las às nossas circunstâncias e necessidades. Interpretando o General Polsin, da SUFRAMA, não se trata de um MATOPIBA 2, mas de uma AMACRO-S (sustentável), que tem foco na economia agrária, mas é rigorosamente comprometida com a responsabilidade social e ambiental e com a eficiência na aplicação dos recursos públicos e privados. A falsa propaganda de devastação irresponsável da Amazônia precisa ser enfrentada com ações e resultados concretos.

Neste sentido, temos que organizar as ações do poder público para essa região, nos antecipando aos problemas e estimulando maximamente a adoção de tecnologias que intensifiquem o uso da terra, restaurem áreas degradadas, integrem cultivos etc., diminuindo assim a pressão sobre a floresta. A narrativa que condena a gestão do território amazônico não resistirá a uma governança que consiga controlar e qualificar a expansão agropecuária e, ao mesmo tempo, produzir com alta tecnologia e produtividade riquezas tão diversas quanto nossos recursos, promovendo uma melhoria consistente dos indicadores socioeconômicos.

Como disse a superintendente da SUDAM, Dra. Louise Campos, esta é uma especial janela de oportunidades para que possamos dar curso à perspectiva de desenvolvimento sustentável, com efetiva geração de riqueza e empregos.

Sim, estamos no início, por isso mesmo não podemos errar, também não podemos esperar. Como demonstram números recentes, os índices de pobreza e a falta de oportunidades não foram melhorados, com o agravante de, por conta do enfrentamento à pandemia, a capacidade de financiamento do Estado tender à exaustão. É urgente, pois, que adiantemos o passo no sentido de aprofundar as relações pertinentes com os outros poderes, assentar as bases necessárias entre os grupos de interesse e acelerar o andamento deste que pode ser O Projeto para o agronegócio de bases sustentáveis neste canto da Amazônia. É hora de agir.


Valterlucio Bessa Campelo escreve todas às sextas-feiras no ac24horas

Acre 01

Com petisco e cerveja gelada, Petecão e Edvaldo Magalhães trocam ideias no Bar Zé do Branco

Publicado

em

Continuar lendo

Cotidiano

Inscrições para venda de alimentos no Carnaval de Rio Branco começam na segunda

Publicado

em

Continuar lendo

Cotidiano

Mais de 6 toneladas de carne podem não ter sido entregues no presídio da capital

Publicado

em

Continuar lendo

Cotidiano

Sesacre informa duas mortes e 28 novos casos de Covid-19 ao longo da última semana

Publicado

em

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.