Menu

Fora do jogo em 2024, Jenilson foca numa candidatura ao governo

Receba notícias do Acre gratuitamente no WhatsApp do ac24horas.​

Mais uma pedra é colocada no tabuleiro da disputa do governo em 2026. O ex-deputado Jenilson Leite (PSB) descartou ontem ao BLOG ser candidato a prefeito de Rio Branco nesta eleição, ressaltando que o seu foco político mira a eleição de 2026, quando colocará o seu nome na disputa do governo. “Vamos trabalhar para isso”, falou Jenilson. Sobre a disputa da PMRB disse que não tem compromisso firmado de apoiar nenhum dos candidatos postos até o momento, e que nunca discutiu ser candidato a vice-prefeito. Com um cacife de quem teve 32 mil votos na última eleição na capital, Jenilson vê uma grande abertura para disputar com chance o governo em 2026.


SERIA QUEIMAR
O ex-deputado Jenilson Leite (PSB) não errou em recuar da disputa da PMRB. Entrar numa disputa majoritária num partido como o PSB, sem estrutura financeira para bancar uma campanha de altos gastos, seria se queimar.Em 2026 pode trabalhar alianças.


VOZ DAS MULHERES
As mulheres têm que cada vez mais ter voz na disputa de eleições para prefeito. No BLOG, costumo sempre dar amplo espaço para as mulheres que são candidatas. No Bujari, temos a vereadora Aparecida Rocha (PP), que faz um bom trabalho parlamentar e colocou seu nome como opção ao eleitor para pôr ordem na prefeitura. É uma candidata que pode decolar.


ANGU COM CAROÇO
Logo vamos saber quem manda no União Brasil, quando for para definir de forma oficial, qual será o nome que o partido apoiará para a prefeitura de Rio Branco. Virou angu com caroço.


CONTRA REELEIÇÃO
O senador Márcio Bittar (UB) já declarou seu voto sobre o projeto que tramita no Senado e acaba com a reeleição: é pelo fim da reeleição.


GULA FINANCEIRA
O centrão, com a turma do presidente da Câmara Federal, deputado Arthur Lira (PP), colocou o governo Lula na parede para liberar em torno de 53 bilhões de reais, para a farra da eleição municipal. São os mesmos que falam em moralidade nas campanhas. Isso em um país onde parte da população vive na miséria.
Fizeram o Bolsonaro de refém e querem repetir com o Lula. E com ameaças de paralisar as votações.


NOS MESMOS MOLDES
Esse recurso, a ser gerido pelos deputados, é uma espécie de uma nova versão turbinada do famigerado orçamento secreto do governo Bolsonaro, que derramou bilhões de reais para os parlamentares, sem ter como serem fiscalizados.


VIROU PESADELO
Com a decisão do senador Alan Rick (UB) de apoiar a candidatura de Alysson Bestene (PP) a prefeito, o sonho do senador Márcio Bittar (UB) de ver toda direita no palanque do prefeito Bocalom, virou pesadelo.


SERIA CHUTAR
O senador Alan Rick (UB) apoiar um nome que não fosse o de Alysson Bestene (PP) para a PMRB, seria o mesmo que abrir mão dos espaços que tem no governo do Gladson.


POUCA PRODUÇÃO
Pela pouca produção política dos atuais vereadores, é possível que venhamos ter uma renovação grande na Câmara Municipal, na eleição deste ano. Deixaram o papel mais importante de lado: fiscalizar os atos da prefeitura. E nem tinha como, a maioria está lotada de cargos na PMRB. Daí o silêncio sepulcral.


NADA ANDA
Nenhuma medida política de importância será tomada pelo governo antes de saber o resultado do julgamento em que a PGR pede o afastamento do governador Gladson Cameli. Até lá fica tudo parado.


INFLUÊNCIA DIRETA
A esperada decisão do STJ não deixou parado só o governo e os partidos que o apoiam, mas também a oposição, que fica sem saber qual o cenário da disputa pela prefeitura.


NOTA DE 300 REAIS
Os boatos políticos de que o secretário de Educação, Aberson Carvalho, pode ser o Plano B se a candidatura de Alysson Bestene (PP) para a PMRB fracassar, são tão verdadeiros como uma nota de 300 reais.


E A MICHELLE?
O PDT vai apoiar a candidatura de Alysson Bestene (PP) a prefeito. A pergunta que cabe é: como ficará a deputada Michelle Melo (PDT), que foi enxotada, humilhada, da liderança do governo? Com o Bocalom, não vai.


PAPEL DE LÍDER
Com o deputado Manoel Moraes (PP) afastado por conta de uma cirurgia, o papel de líder do governo vai ser encenado pelo deputado Pedro Longo (PDT). Que, aliás, vem fazendo a um bom tempo.


O LULA APLAUDE
A Venezuela, para quem muitos petistas aprovam, é uma ditadura sem disfarce. O governo Maduro proibiu a principal líder da oposição de participar das eleições, porque liderava as pesquisas. E o Lula bate palmas para um ditador declarado.


INTERLOCUTOR
Pelo que declarou o governador Gladson Cameli para a coluna, o senador Sérgio Petecão (PSD) será uma espécie de interlocutor do governo com o Lula, daí a importância da sua aliança e participação com espaço na gestão estadual.


NÃO TEM COMO BRIGAR
Em um Estado pobre como o Acre, o seu governador não pode se dar ao luxo de brigar com o governo federal, de quem é dependente. O Gladson age certo ao se aproximar do Lula, mesmo com os faniquitos dos bolsonaristas que são pela radicalização. A eleição acabou.


NÃO SÃO NORMAIS
A vacina evitou que grande parte da população brasileira morresse de Covid-19. A dengue já tirou várias vidas de brasileiros. E ainda tem aloprado que é contra a vacina. Não podem ser pessoas normais os que pregam contra a imunização, apenas por questões ideológicas.


FRASE MARCANTE
“Todas as coisas na terra passam. Os dias de dificuldades passarão…. Passarão, também, os dias de amargura e solidão. As dores e as lágrimas passarão.” Chico Xavier.


Participe do grupo e receba as principais notícias na palma da sua mão.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.