Conecte-se agora

Marrocos vence a poderosa Bélgica e assume a liderança do Grupo F da Copa do Mundo

Publicado

em

Após segurar o empate com a atual vice-campeã do mundo Croácia na estreia, Marrocos foi além. Neste domingo (27), a seleção marroquina surpreendeu novamente e conseguiu vencer a favorita Bélgica por 2 a 0, pela segunda rodada do Grupo F da Copa do Mundo. Sabiri, de falta, e Aboukhlal, nos acréscimos, marcaram os gols marroquinos. A vitória sobre a Bélgica foi apenas a terceira de Marrocos em Copas do Mundo. Antes havia derrotado Portugal por 3 a 1, em 1986, e a Escócia por 3 a 0, em 1998.

Com a vitória, Marrocos chegou a quatro pontos e assumiu a liderança da chave. A Bélgica parou em três. A última rodada do grupo está marcada para as 12h de quinta-feira (1º). Marrocos vai enfrentar o Canadá, enquanto a Bélgica terá pela frente a Croácia.

Apesar de ter vencido o Canadá, a Bélgica ficou devendo um melhor futebol em sua primeira partida. Para enfrentar Marrocos, o técnico Roberto Martínez apostou em três mudanças na escalação. Meunier entrou no sistema defensivo, Onana como volante e Thorgan Hazard no lado esquerdo do meio-campo. O sistema tático também foi alterado. Com Meunier de lateral, a Bélgica saiu de uma linha de cinco defensores da estreia para jogar quatro homens atrás.

A seleção marroquina teve apenas uma mudança na escalação, Munir entrou no gol no lugar de Bounou, que sofreu um problema intestinal. O curioso foi que o goleiro titular chegou a entrar em campo e participar da cerimônia de execução do hino antes de dar lugar a seu reserva.

E Monir foi testado logo no primeiro minuto de jogo. Thorgan Hazard deu um passe em profundidade para Batshuayi, que finalizou de primeira, mas o goleiro marroquino.

A Bélgica iniciou pressionando. Foram seis escanteios em 15 minutos. Mas apenas em um levou perigo, quando Onana desviou de cabeça para fora. Meunier ainda arriscou um chute de fora da área defendido por Munir.

Marrocos ameaçou pela primeira vez aos 34 minutos. Hakimi avançou pela direita e chutou forte uma bola que saiu pela linha de fundo.

Como na estreia, a Bélgica não conseguiu ter a força ofensiva esperada nos primeiros 45 minutos. Se Courtois salvou contra o Canadá, dessa vez os belgas só não foram para o intervalo em desvantagem porque Marrocos teve um gol anulado nos acréscimos. Em posição irregular, Saiss atrapalhou Courtois em falta cobrada por Ziyech. O árbitro Cesar Ramos chegou a validar o gol no campo, mas voltou atrás após interferência do VAR.

Como foram os lances de Bélgica x Marrocos
A essa altura estava clara a mudança de postura de Marrocos. Depois de se postar de forma mais defensiva no primeiro tempo, a equipe passou a ocupar o campo de ataque com maior frequência. Roberto Martínez tentou frear o crescimento adversário com trocas. Aos 15, Mertens e Tielemans entraram por Eden Hazard e Onana.

Mertens entrou mostrando sua credencial. Com apenas cinco minutos em campo, ele arriscou um chute de fora da área que obrigou Monir a fazer uma difícil defesa. Na sequência, a tentativa foi de Batshuayi para outra defesa do goleiro marroquino.

Walid Regragui também mexeu em sua seleção. Aos 21, Allah e Sabiri entraram por Hakimi e Amallah. Jogador do PSG e uma das estrelas de Marrocos, Hakimi saiu porque sentiu lesão. Seis minutos depois, mais duas alterações: Handallah e Aboukhlal por Boufal e Nesyri.

Essas trocas ocorreram quando Marrocos tinha uma falta para bater. Em lance parecido com o do primeiro tempo, Sabiri bateu cruzado e venceu Courtois. Dessa vez, porém, não havia impedimento e gol valeu: 1 a 0 Marrocos.

Em desvantagem, Martínez mandou Trossard e De Ketelaere a campo nos lugares de Batshuayi e Thorgan Hazard.

Faltando 10 minutos para o término do tempo regulamentar, Martínez mandou a campo Lukaku. O centroavante, que volta de lesão, entrou no lugar do lateral Meunier como última arma em busca do empate, mas sem resultado. Nos acréscimos, Aboukhlal, que havia entrada no segundo tempo – assim como Sabiri – acertou um belo chute para vencer Courtois e garantir o 2 a 0.

A Bélgica perdeu um jogo inesperado e viu sua situação na Copa do Mundo complicar. Marrocos vai mais viva que nunca em busca de uma vaga nas oitavas de final, o que não consegue desde 1986.

ASSISTA OS MELHORES MOMENTOS

video
play-rounded-fill

Destaque 3

No Acre, morador com saneamento básico tem renda 3,5 vezes maior que os que não tem

Publicado

em

No Acre, a renda mensal das pessoas cuja moradia é assistida pelo saneamento básico é cerca de R$2.460,00 superior aos moradores que não tem o serviço. Enquanto as com saneamento tem renda de R$3.208,75, os que não tem ganham R$745,60 – três vezes e meio a menos, segundo o dashboard Painel do Saneamento, do Instituto Trata Brasil (acesse aqui https://www.painelsaneamento.org.br/localidade?id=12).

A frieza dos números do Trata Brasil retrata um universo paralelo entre os que tem e os que não tem saneamento básico no Acre -e não somente pela renda com também por questões como a escolaridade: enquanto os que tem saneamento estudaram em média 9,7 anos, os sem saneamento ficaram apenas 5,99 anos na educação formal -um abismo de três anos que fazem importante diferença ao longo da vida.

Com dados de 2020, o Trata Brasil diz que mais de 88% dos habitantes do Acre não tinham acesso ao sistema de tratamento de esgoto – e outros 52,8% estavam sem acesso à água tratada.

As informações disponíveis no Painel Saneamento Brasil são, segundo ITB, dados oficiais trabalhados pelas consultorias que contribuem com o projeto. “O Instituto Trata Brasil e seus consultores apenas reproduzem as bases de dados oficiais, nacionalmente utilizadas e reconhecidas (SNIS, IBGE, dataSUS). Para as informações novas e que envolvem cálculos, o Painel Saneamento Brasil oferece notas técnicas que detalham e dão transparência às metodologias adotadas”, diz o ITB.

Na Amazônia a precariedado no saneamento básico não é um drama só dos acreanos. Lançado em novembro de 2022, o estudo “Benefícios Econômicos e Sociais da Expansão do Saneamento no Brasil” feito pelo Trata Brasil, em parceria com a consultoria EX ANTE, realiza um balanço da evolução do setor dos serviços básicos entre 2005 e 2020, mostrando que apesar dos avanços no período, a universalização ainda está distante do desejado em vários estados e capitais. Entre as regiões do país, a Norte apresenta as maiores dificuldades em levar o acesso pleno de água e esgotamento sanitário para os habitantes.

Segundo o estudo, a região tinha os piores indicadores de saneamento básico no Brasil. Em 2020, 9 em cada 10 habitantes ainda não tinham coleta de esgoto em suas residências e quase metade da água potável produzida era desperdiçada.

Continuar lendo

Destaque 3

O antigo problema da gestão das fronteiras no Acre: o que esperar do novo governo federal?

Publicado

em

A problemática das fronteiras nacionais não é uma excepcionalidade do Acre, estado onde a falta de controle dos limites com os países vizinhos acarreta enormes transtornos e ameaças à população, que não de hoje tem reivindicado uma maior fiscalização dos pontos de entrada e saída do país na região. Contudo, muito pouco ou nada tem sido feito nesse sentido, nas últimas décadas, pelo governo federal, que é o responsável por esse trabalho.

O estado do Acre é mais um enfrenta uma série de dificuldades para lidar o avanço da criminalidade em pontos específicos das suas fronteiras, especialmente com a Bolívia, e apesar de algumas medidas recentes do governo do estado, como a criação do Grupo Especial de Operações de Fronteira (Gefron), os registros de homicídios ligados à atuação de facções que agem nos dois países continuam a crescer tendo o tráfico de drogas como combustível.

Brasiléia, localizada em um centro urbano que reúne a também acreana Epitaciolândia e a boliviana Cobija, capital do departamento de Pando, é a cidade mais afetada pela violência contra a vida depois da capital, Rio Branco. Em 2022, de acordo com o Informativo de Mortes Violentas Intencionais (MVI) no estado, produzido pelo Ministério Público (MP), foram registrados 22 homicídios na localidade de cerca de 26 mil habitantes.

Em comparação com a capital, que registrou 95 assassinatos em 2022, o número de homicídios em Brasiléia é alarmante, considerando que Rio Branco tem quase 20 vezes mais habitantes que a cidade fronteiriça. Quase a totalidade desses crimes são atribuídos a uma guerra entre organizações criminosas que não respeitam a fronteira em agem nos dois países, tanto para matar quanto para roubar.

Outra situação grave de insegurança pública relacionada à fronteira do Acre com a Bolívia ocorreu no fim do ano passado, quando uma onda de roubos contra proprietários rurais foi registrada na região rural de Acrelândia. Para conter o ímpeto dos bandidos, a Secretaria de Segurança Pública do Acre (Sejusp) teve que agir com vigor, chegando a instalar uma barreira policial na passagem para o lado boliviano em Plácido de Castro.

Com uma proporção menor de homicídios, Cruzeiro do Sul, a segunda maior cidade do Acre, localizada na região de fronteira com o Peru, também viu a criminalidade crescer muitos na última década em razão de suas florestas e rios serem rota do narcotráfico internacional. Antes uma cidade tranquila, a chamada capital do Juruá passou a conviver com uma frequência de assaltos e crimes violentos contra a vida.

Recentemente, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou que criará um grande agrupamento da Polícia Federal para agir mais fortemente na proteção da Amazônia e no combate ao narcotráfico nas fronteiras. Também prometeu, durante o mandato, fortalecer o Ministério da Segurança Pública para sua missão de cuidar mais fortemente das fronteiras e dos biomas.

Entretanto, na primeira reunião entre secretários de Segurança Pública de todo o país, realizada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública no último dia 26 de janeiro, apesar de o ministro Flávio Dino, ter destacado a importância de estados e União trabalharem juntos, tendo em vista os desafios a serem enfrentados, nada se falou sobre segurança nas fronteiras, de acordo com o release divulgado pela assessoria do Ministério.

A reportagem fez alguns questionamentos ao novo secretário de Justiça e Segurança Pública do Acre, o coronel José Américo Gaia, sobre a sua participação nesse encontro e ainda sobre as discussões que ocorrem em torno da pauta neste começo do ano, assim como as expectativas para com as políticas do governo Lula para a área. Ele, no entanto, não havia respondido até o fechamento deste material.

Segundo o presidente do Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (Idesf), Luciano Barros, um dos motivos das dificuldades que os estados enfrentam na gestão das suas fronteiras é a falta de investimentos e de uma atenção especial para essas regiões do país, que em razão da falta de desenvolvimento deixam a população vulnerável a ser arregimentada pelo crime.

“Faltam políticas públicas, investimentos e um olhar específico para essas fronteiras. O Brasil lutou muito para conquistar essas terras, mas precisa desenvolvê-las. Os atores do crime organizado não encontram grande resistência, são sistemas evoluídos, que conseguem encontrar mão de obra muito fácil e trazer essas pessoas para a contravenção. É preciso uma visão de longo prazo e o Brasil tem essa possibilidade”, ele avalia.

Dados do Idesf apontam que a taxa de homicídio nos 588 municípios da faixa de fronteira brasileira chega a ser até 4 vezes a média nacional, fato que revela como as atividades ilícitas, com destaque para o contrabando de armas e drogas, contribuem para a expansão da atuação de milícias e de outras facções criminosas. Infelizmente, algumas cidades acreanas vivem na pela essa realidade.

Continuar lendo

Destaque 3

Planos de saúde perdem 389 usuários e encolhem 0,90% em 2022 no Acre, aponta ANS

Publicado

em

Em 2022, o setor de planos de saúde no Acre ficou 0,90% menor, saindo de 43.459 para 43.070 usuários entre dezembro de 2021 e dezembro de 2022, segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A perda é de 389 clientes.

No sentido contrário, no País houve crescimento em suas duas segmentações, como no ano anterior, e alcançou resultados significativos em números de beneficiários. De acordo com o levantamento da ANS, no mês de dezembro, o setor totalizou 50.493.061 usuários em planos de assistência médica, maior número desde dezembro de 2014. Já os planos exclusivamente odontológicos registraram 30.950.314 beneficiários, o que representa a superação, pela 11ª vez no ano, do recorde histórico neste segmento (de fevereiro a dezembro).

No Acre, os planos exclusivamente odontológicos mostraram crescimento, saltando de 17.219 para 18.335 usuários.

 

Continuar lendo

Destaque 3

Gasolina sobe seis centavos no Acre neste início de fevereiro, aponta Agência Nacional

Publicado

em

Os combustíveis voltaram a subir no Acre na cotação realizada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) entre 28 de janeiro e esta sexta-feira, 3 de janeiro. O preço médio do litro do etanol, por exemplo, saiu de R$ 4,32 para R$ 4,37, aumento de cinco centavos de real em apenas uma semana.

Tanto a gasolina comum quanto a aditivada subiram R$ 0,06, saindo de R$ 5,25 para R$ 5,31 e de R$ 5,32 para R$ 5,38, respectivamente.

O gás de cozinha também sofreu reajuste, mas de leve: em seu preço médio, a botija de 13 quilos saiu de R$120,88 para R$120,89.

Em sentido contrário, o preço médio do litro do diesel comum caiu dois centavos entre uma e outra cotação. O atual levantamento da ANP mostra que o combustível vinha sendo comercializado a R$7,17 e agora está custando R$7,15.

No entanto, os aumentos mostram que o recente reajuste concedido pela Petrobras às distribuidoras chegaram aos postos de gasolina e ao consumidor final, por sua vez.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.