Conecte-se agora

Mistério da cobra grande: Suposta cobra se choca com balsa em Sena Madureira

Publicado

em

A suposta cobra grande que habita o Rio Iaco já virou parte das histórias de Sena Madureira, seja por quem afirma com certeza a sua existência, como os que dizem se tratar apenas de uma “estória” de pescador.

Na noite desta quinta-feira, 10, a suposta cobra, que seria enorme, teria aparecido mais uma vez. Desta feita, o animal teria se chocado com uma balsa no porto de Sena Madureira e provocado um grande barulho e um enorme susto em que estava presente.

Imagens foram feitas e mostram o momento do impacto da suposta cobra e uma movimentação nas águas que seria a do animal.

Veja o vídeo e tire suas conclusões:

play-rounded-fill

Destaque 7

Acre tem 35,5% de jovens que não estudam nem trabalham

Publicado

em

O Acre termina 2022 com 35,5% de sua população de 15 a 29 anos sem estudar e trabalhar, consolidando a chamada “Geração Nem-Nem” (nem estudam nem trabalham).

Os dados são do IBGE e foram divulgados nesta sexta-feira (2). Para efeito de comparação, no final de 2021 eram 32,2% dos jovens naquela faixa etária fora do estudo e do trabalho no Acre. (leia aqui https://ac24horas.com/2022/02/16/acre-tem-o-4o-maior-numero-de-jovens-que-nao-trabalham-nem-estudam-no-brasil/).

Ou seja: Os ´Nem-Nem´ cresceram 3,3% em apenas um ano no Acre. Segundo o IBGE, em 2021, o percentual de jovens de 15 a 29 anos que não estudavam nem estavam ocupados nos Estados acompanhou o padrão regional descrito anteriormente. O percentual médio desses jovens para o País (25,8%) dividiu essas unidades em dois grupos: os das Regiões Norte e Nordeste com percentuais acima da média nacional (com exceção de Rondônia) e os das Regiões Sul, Sudeste e Centro–Oeste com percentuais abaixo da média nacional (com exceção do Rio de Janeiro).

Destaque para Maranhão e Alagoas com os maiores percentuais de jovens que não estudavam nem estavam ocupados (37,7% e 36,6%, respectivamente) e para Santa Catarina e Paraná com os menores percentuais em 2021 (12,2% e 17,9%, respectivamente).

Os primeiros anos de pandemia de COVID-19, 2020 e 2021, tiveram forte impacto negativo no mercado de trabalho que pode ter provocado uma transição da escola para o trabalho ainda mais marcada por desigualdades sociais. O indicador de jovens que não estudavam e não estavam ocupados11 incluí simultaneamente aqueles que não estudavam e estavam desocupados (que buscavam emprego e estavam disponíveis para trabalhar) e aqueles que não estudavam e estavam fora da força de trabalho, ou seja, não tomaram providências para conseguir trabalho, ou tomaram providências, mas não estavam disponíveis para trabalhar.

Continuar lendo

Destaque 7

Bloqueios elevam para R$ 5 milhões perdas do Ifac e até a luz pode ser cortada

Publicado

em

Chamado de “confisco” pelo Instituto Federal de Educação do Acre o novo bloqueio de recursos deixa o Ifac sem ao menos R$5 milhões para pagar fornecedores e manter serviços como a vigilância, limpeza e pagar as contas de luz. “Podendo resultar na rescisão de contrato, como também corte de energia elétrica”, diz o Ifac.

O instituto está às cegas quanto aos motivos que levaram aos bloqueios. “Caso os créditos orçamentários sigam bloqueados até o final do ano e tal situação não seja revista, o Ifac terá ainda como prejuízo: a perda de contratos que deverão ser licitados novamente; descontinuidade de serviços; inviabilidade de efetuar a mudança da Reitoria para a nova sede; empenho de despesas para ajuda de custo de servidores e alunos”, relata a direção do instituto.

NOTA DO IFAC

O Instituto Federal do Acre (Ifac) informa que, nesta quinta-feira (01.12), após o Governo Federal anunciar o desbloqueio orçamentário nas contas das instituições de ensino superior, realizou no mesmo momento o confisco dos limites de pagamento do Instituto Federal do Acre e das demais instituições que compõem a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (RFEPCT).

Com essa ação inexplicável por parte do Executivo Federal, o Ifac já prevê consequências, como a falta de pagamento de serviços já realizados ou materiais adquiridos, como vigilância, energia elétrica, limpeza, diárias e ajudas de custos para alunos, por exemplo. Dessa forma, até o final deste ano, a instituição fica inadimplente com fornecedores e prestadores de serviços, podendo resultar na rescisão de contrato, como também corte de energia elétrica.

Além disso, após a retirada do limite de pagamento, o Ifac também teve seu crédito orçamentário bloqueado em sua totalidade no valor de R$ 1,9 milhão. Da mesma forma ocorreu com os Termos de Execução Descentralizada (TED) referentes aos Laboratórios IFMakers, Mobiliário para a Reitoria, bem como recursos para a oferta de cursos de Educação de Jovens e Adultos (EJÁ), no montante de R$ 3,1 milhões.

Com os bloqueios do Orçamento, o Instituto Federal do Acre terá uma perda de R$ 5 milhões, comprometendo seu funcionamento. Vale ressaltar ainda que, até o momento, não foi informado pelos órgãos setoriais de orçamento do Governo Federal a motivação e, muito menos, o instrumento normativo que deu causa ao bloqueio financeiro.

Caso os créditos orçamentários sigam bloqueados até o final do ano e tal situação não seja revista, o Ifac terá ainda como prejuízo: a perda de contratos que deverão ser licitados novamente; descontinuidade de serviços; inviabilidade de efetuar a mudança da Reitoria para a nova sede; empenho de despesas para ajuda de custo de servidores e alunos.

A Reitoria do Ifac informa que em apenas quatro dias ocorreram os bloqueios e confiscos mencionados acima, mas que esta não é a primeira vez que o Instituto Federal do Acre e as instituições de ensino superior têm recursos bloqueados ou cortados. Desde maio deste ano, o Ifac tem sofrido com cortes orçamentários que resultaram na redução de R$ 1,6 milhão, no mês de junho de 2022, obrigando o Instituto a readequar suas ações.

Até o presente momento, a única decisão concreta do Governo Federal refere-se à limitação de pagamentos, publicada no Decreto nº 11.269, de 30 de novembro de 2022. Informações detalhadas sobre o bloqueio orçamentário continuam sem ser repassadas para as instituições, o que inviabiliza a continuidade das atividades e pagamentos.

A Reitoria do Instituto Federal do Acre reafirma o seu compromisso em continuar reivindicando a suspensão dos bloqueios e reforçando que os recursos sejam garantidos para a manutenção das atividades essenciais de funcionamento do Ifac. Somente desta maneira, o Instituto Federal do Acre continuará garantindo seu papel primordial que é oferecer educação pública, gratuita, de qualidade e inclusiva para a sociedade.

Rio Branco (AC), 02 de dezembro de 2022

Instituto Federal do Acre

Continuar lendo

Destaque 7

Igarapé transborda com forte chuva e quase “engole” carros

Publicado

em

Na manhã desta sexta-feira, 2, dois veículos de pequeno porte acabaram caindo em um buraco na Rua Montreal, no bairro Esperança, em Rio Branco.

De acordo com apurado junto a equipe da Defesa Civil, o transtorno ocorreu devido a um igarapé que passa pelo local, ter acabado transbordando deixando a rua inundada. O incidente deixou moradores e condutores de outros veículos assustados com a situação.

Devido a via estar coberta pelas águas, os motorista não perceberam o perigo e acabaram caindo em um grande buraco. Moradores da região se juntaram e retiraram os carros em segurança.

A equipe do Corpo de Bombeiros deverá comparecer no bairro para isolar a área e evitar novos transtornos.

VEJA O VÍDEO:

play-rounded-fill
Continuar lendo

Destaque 7

Após ter recuado, governo volta a ‘zerar’ verba de universidades

Publicado

em

A verba de R$ 366 milhões do Orçamento que foi liberada no meio do dia foi novamente bloqueada pelo governo de Jair Bolsonaro (PL) no começo da noite desta quinta-feira (1º).

O retorno à normalidade, com previsão de poder pagar contas de água, luz e serviços terceirizados, durou aproximadamente seis horas apenas, segundo o portal g1.

A informação de novo recuo do governo foi divulgada pelo Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif).

No documento, o MEC esclarece que “já havia solicitado ao Ministério da Economia, nos meses de outubro e novembro, a ampliação do limite de pagamento das despesas discricionárias”, mas que as “solicitações não foram atendidas”.

Mais cedo, a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) e o Conif tinham anunciado que as entidades voltaram a ter acesso à verba de R$ 366 milhões que foi bloqueada na segunda-feira (28).

O Ministério da Educação (MEC) não havia se pronunciado sobre o tema até o fechamento desta publicação.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.