Conecte-se agora

Pedro Longo atribui vitória de Gladson ao carisma e se diz à disposição do governo

Publicado

em

O deputado estadual reeleito mais votado no pleito eleitoral pelo PDT, com 7.732 votos, Pedro Longo, atual líder do governo, participou do “Bar do Vaz” nesta quarta-feira, 5, e comemorou a quebra de tabu que os parlamentares que defendiam a gestão na Assembleia Legislativa do Estado do Acre (Aleac) carregavam em pleitos eleitorais anteriores.

Em um papo descontraído com o jornalista Roberto Vaz, Longo disse que não teve “segredo” para acabar com a maldição do “líder do governo”. Segundo o parlamentar, a receita para o sucesso foi a realização de um trabalho focado no diálogo com as entidades públicas e a população – que detém o direito do voto. “Eu atribuo ao reconhecimento das pessoas pela forma que atuamos. Foi intenso. Não tive receio de assumir o cargo de líder do governo. A soma desses fatores permitiram ter resultados favoráveis”, declarou.

Longo considerou ruim o fato de as eleições realizadas no último domingo, 2, terem elegido apenas um parlamentar de oposição e da esquerda – o deputado estadual reeleito, Edvaldo Magalhães do PCdoB. Para ele, a oposição ajuda no trabalho da gestão pública. “Na base não tive dificuldades, enfrentamos uma oposição qualificada. Precisamos ter oposição, ela é necessária. Vamos ter mais da base na próxima legislatura. Na assembleia houve uma renovação de 50%”, contou.

Sobre o partido ter elegido 4 parlamentares dos 24 eleitos para ocupar cargos na Assembleia Legislativa, Pedro disse que os candidatos já tinham consciência que fariam uma grande bancada para o quadriênio 2023/2026. “Não sabíamos em qual posição nós sairíamos, sempre soubemos que faríamos 4, por 200 votos teríamos feito 4 deputados. Eu sabia que minha situação não era confortável. Eu disse aqui: vamos quebrar. Eu falei que tabu existe para ser quebrado. Temos um grupo de campanha grande nos municípios já há um bom tempo”, ressaltou.

O deputado deixou claro que não teve apoio direto do governador reeleito, Gladson Cameli do Progressistas e descartou a existência de esquema financeiro durante sua campanha – tanto no período que antecede a votação, quanto no dia do pleito. “Não recebi apoio diretamente, ele teve que fazer a campanha dele. Ele [Cameli] não podia se concentrar em um nome. Claro que ele ficou feliz pela vitória da gente. Percorri por todo o Estado. Se não fizer campanha, pré-campanha, apertar as mãos das pessoas por achar que não precisa, fica difícil. Se dependesse de esquema financeiro, não seríamos eleitos. Gastei algo em torno de R$ 250 mil e a equipe ainda está fazendo a prestação de contas”, avaliou.

O atual líder do governo adiantou que o PDT já iniciou os debates para a composição da nova mesa diretora do Parlamento Legislativo e aproveitou para se colocar à disposição para assumir a presidência da Casa do Povo. “Estamos iniciando esse debate, é normal o partido ter a maior bancada ter esse diálogo. As comissões da Casa Legislativa são formadas pela maior bancada. O candidato que tiver a maior bancada, será o novo presidente da Casa. O meu nome está à disposição do partido para ser considerado, me sinto preparado, a experiência do líder nos dá essa credencial. Eu posso ajudar no governo e na mesa diretora”, afirmou.

Questionado sobre os fatores que levaram Gladson Cameli a ser bem votado contra seus adversários, Longo atribuiu o feito ao “carisma” do Chefe do Estado com a população do Acre. “O Gladson teve o voto de confiança da população pelo carisma dele. Ele teve mais votos que na eleição passada. Ele não é um produto falso, ele é daquele jeito, ele caiu no gosto popular. Ele virou vítima [campanha], os ataques foram muito pesados. Sobre a investigação, qual o problema de ser investigado, o Lula foi preso e está concorrendo a presidência da República. O povo não compra mais esse pensamento e o povo se voltou contra os agressores. Ele teve nesse período [pandemia] o apoio da população”, argumentou o pedetista.

Assista a entrevista:

video
play-rounded-fill

Acre 01

Desembargadora Regina Ferrari é empossada presidente do Tribunal de Justiça do Acre

Publicado

em

Foto Sérgio Vale/ac24horas

Em solenidade marcada pela presença de várias autoridades no fim da tarde desta segunda-feira, 6, a desembargadora Regina Ferrari foi empossada como presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Acre (TJ-AC) para o biênio 2023-2025. Ferrari assume no lugar da também desembargadora Waldirene Cordeiro.

A nova administração do Poder Judiciário terá ainda o desembargador Luís Camolez, como vice-presidente, e o desembargador Samoel Evangelista na Corregedoria-Geral da Justiça.Ferrari é a 31ª presidente do TJAC e a sétima mulher a alcançar o ápice da carreira com a liderança da Corte Acreana.

Cordeiro, usou o dispositivo e fez o anúncio de boas vindas da nova administração e fez questão de enaltecer as realizações de sua gestão que teve foco nas relações institucionais.”Tivemos a criação da comarca da mulher e fortalecimento das relações institucionais do poder judiciário, realização de concurso, eixo de sustentabilidade, ampliação dos espaços, construção de uma passarela, veículos adquiridos no intuito de atender as pessoas”, comentou.

Após o juramento de posse, Ferrari prometeu consolidar as ações da gestão anterior de Valdirene Cordeiro e fez uma homenagem ao trabalho da desembargadora nos últimos anos. “Nós vamos apenas consolidar o que ela já vem plantando e semeando. Nós vamos fortalecer as ações agora plantadas e daremos andamento pelos nossos cidadãos que tanto precisam da justiça”, mencionou.

Ferrari ressaltou a importância da representatividade feminina na condução do trabalho no órgão judiciário. “Uma mulher sucedendo a outra, o que é uma coisa bastante interessante. Nós estamos fazendo tudo que é possível para formarmos líderes femininas a fim de que nós possamos cada vez mais temos mulheres na linha das primeiras gestões”, afirmou.

Em seu pronunciamento, o governador Gladson Cameli (Progressistas), comemorou a escolha de Ferrari para presidir o órgão judiciário. Segundo ele, é de fundamental importância a escolha de mais uma mulher para o comando do tribunal. “Cabe a mim como chefe do executivo fazer com que o estado esteja presente e ao alcance da população. Precisamos de um poder judiciário mais fortalecido

Cameli, ainda na solenidade, recebeu das mãos da desembargadora Waldirene Cordeiro, a Medalha da Ordem do Mérito Judiciário pelos relevantes serviços prestados à sociedade.

O vice-presidente, desembargador Luiz Camolez, disse que seu objetivo será dar celeridade nas ações do Poder Judiciário com responsabilidade. “Somos responsáveis pelos serviços à sociedade. Que possamos dar continuidade aos trabalhos”, ressaltou.

O prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom parabenizou a nova administração do Tribunal de Justiça e deixou claro que deverá se colocar à disposição do judiciário. Além disso, Bocalom relembrou que Ferrari esteve na inauguração do fórum de Acrelândia nos anos 2000. “É uma amiga. A nova presidente terá como grande parceiro, o Poder Executivo Municipal. Vamos desenvolver grandes projetos juntos”, mencionou.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Luiz Gonzaga, fez uso do dispositivo de honra de questão de exaltar o trabalho da desembargadora Waldirene Cordeiro à frente do TJ, além de rasgar elogios à nova desembargadora Regina Ferrari. Gonzaga ainda agradeceu o apoio de Gladson aos parlamentares. “O nosso sentimento é de gratidão. A Assembleia Legislativa se colocou à disposição do Tribunal de Justiça para juntos encontrarmos a melhor solução ao povo acreano”, declarou.

Estiveram presentes na cerimônia, a vice-governadora Mailza Gomes, o procurador-geral de justiça do Ministério Público, Danilo Lovisaro, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Luiz Gonzaga, o presidente do Tribunal de Contas, Ribamar Trindade, o deputado estadual Pedro Longo e demais autoridades.

Quem é Regina Ferrari

Regina Célia Ferrari Longuini é natural de Uniflor (PR), tem 52 anos, é casada e mãe de três filhos. Graduou-se em Direito pela Universidade Estadual de Maringá (1982), possui Mestrado em Ciência Política (Ciência Política e Sociologia), pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro – IUPERJ (2009), MBA em Poder Judiciário, pela Fundação Getúlio Vargas (2008), Especialização em Pós-Graduação em Direito Processual Civil, pela Universidade Católica de Petrópolis (2000), e Especialização em Direito Constitucional, pela Universidade Federal do Acre (1999). É doutoranda em Ciência Jurídica pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali).

Também é formada pelo Programa de Gestão Avançada do Advance Center da Amana-Key e participou, no ano de 2010, do Curso de Capacitação em Gestão Pública, oferecido em convênio pelo Tribunal de Justiça e Tribunal de Contas do Acre.

No âmbito do Poder Judiciário Acreano, Regina Ferrari iniciou sua trajetória em 9 de dezembro de 1993, quando foi empossada no cargo de Juíza de Direito Substituta, após ser aprovada em primeiro lugar no concurso público para a Magistratura, iniciando suas atividades jurisdicionais na 1ª Vara Cível da Comarca de Rio Branco.

Foi Juíza Titular da Comarca de Brasileia entre os anos de 1994 e 1996. Também foi Juíza Titular da Vara de Registros Públicos entre os anos de 1996 e 2001. É Membro do Conselho Consultivo da Escola do Poder Judiciário do Acre desde 1994.

Em 25 de março de 2001, tomou posse como titular da 2ª Vara da Fazenda Pública da Capital, unidade na qual atuou até a ascensão ao desembargo em 2012. No âmbito da Justiça Eleitoral, Regina Longuini atuou no período de 1994 a 2003 como juíza eleitoral. Já no biênio 2003-2005, compôs o Tribunal Regional Eleitoral do Acre (TRE-AC), como juíza efetiva da classe de Juiz de Direito, e foi reconduzida para o biênio 2005-2007. Também atuou como corregedora regional eleitoral, no biênio 2003-2005, e diretora da Escola Judiciária do TRE-AC, no biênio 2005-2007.

Paralelamente a sua atuação jurisdicional, a magistrada participou de inúmeros cursos de formação continuada e capacitação na área jurídica, além de ter participado de eventos nacionais e internacionais da área, com destaque para o Congresso Internacional da Associação dos Magistrados Brasileiros em Toronto, Montreal e Ottawa, no Canadá, em 2010; o National Judicial Institute’s Workshop, Principles of Judicial Education and Teaching Methods Used by the National Judicial Institute, Canadá, em 2010; o International Judicial Training Program in Judicial Administration (Programa de Treinamento Internacional em Administração Judicial), pela Universidade da Geórgia, Estados Unidos da América, fruto de convênio da Escola Nacional da Magistratura, em 2011; e o International Judicial Research and Training Program (Programa Internacional de Pesquisa e Treinamento Judicial), Fordham Law School, New York City, Estados Unidos da América, em 2012.

Entre outros trabalhos de sua produção científica, Regina Ferrari é autora da obra “Origem e propósito da Lei nº 9.840/99: uma reflexão sobre o problema da corrupção eleitoral no Brasil”, sua tese de conclusão de mestrado no IUPERJ, que foi publicada pelo TJAC no ano de 2009.

Regina Ferrari foi coordenadora Estadual das Mulheres em Situação de Violência Doméstica e Familiar entre os anos de 2013 e 2014. Também atuou como coordenadora executiva do projeto Cidadania e Justiça na Escola entre os anos de 2012 e 2014. É coordenadora da Infância e Juventude desde 2019.

A magistrada foi coordenadora executiva do projeto Semeadores da Paz no ano de 2014. Atuou como Corregedora Geral do Tribunal de Justiça do Estado do Acre no Biênio 2015-2017, e presidiu o Tribunal Regional Eleitoral do Acre no Biênio 2017-2019.

No Biênio de 2019-2022 atuou como coordenadora da Infância e Juventude. No Biênio 2021-2023, continua à frente da Coordenadoria da Infância e Juventude e atua também como diretora da Escola do Poder Judiciário.

Continuar lendo

Na rede

Prefeitura de Marechal Thaumaturgo recebe máquina após 6 dias de viagem pela BR e Rio Juruá

Publicado

em

A prefeitura de Marechal Thaumaturgo recebeu nesta segunda-feira, 6, uma pá carregadeira adquirida com emenda parlamentar do senador Sérgio Petecão, por meio da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia – SUDAM, no valor de R$485.000,00.

O equipamento vai atender as demandas das secretarias de obras e de agricultura nas zonas urbana e rural do município. “Com mais esta máquina poderemos trabalhar com mais eficiência atendendo as demandas e garantindo desenvolvimento para o município e a melhoria na qualidade de vida da população”, citou o prefeito Valdélio Furtado.

Transportar equipamentos até Marechal Thaumaturgo, no Alto Rio Juruá, requer uma logística diferenciada e atenção à época do ano. O único modo de chegar com máquinas pesadas ao município é em balsas pelo Rio Juruá quando o manancial está cheio, como agora no inverno Amazônico. “A máquina saiu de Porto Velho de carreta pela BR-364 em uma viagem de quase 3 dias até Cruzeiro do Sul, depois mais 3 dias de balsa pelo Rio Juruá. Aqui no Alto Juruá temos que aproveitar essa época de rio cheio para trazer equipamentos e insumos para trabalhar”, concluiu o gestor.

Continuar lendo

Acre 01

Jovem de 18 anos é executado a tiros área de mata do Segundo Distrito de Rio Branco

Publicado

em

O jovem Felipe Kauã da Silva Barroso, de 18 anos, foi executado a tiros na tarde desta segunda-feira, 6, dentro de uma área de mata situada na travessa Xapuri, no bairro Comara, na região do segundo distrito de Rio Branco.

De acordo com informações da Polícia, Felipe foi abordado por dois homens não identificados que em posse de uma arma de fogo, o forçaram a entrar em uma área de mata e em seguida foi executado com três tiros nas costas. Após a ação, os criminosos fugiram do local.

Moradores escutaram os disparos da arma de fogo e acionaram a Polícia Militar. Quando a guarnição Policial chegou ao local encontrou o jovem Felipe sangrando caído na área de mata.

A ambulância do suporte avançado do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foi acionada, mas quando os paramédicos chegaram ao local nada puderam fazer por Felipe que já se encontrava morto.

A área foi isolada pela Polícia Militar para os trabalhos do Perito em criminalística, em seguida colheram as características dos autores do crime e fizeram patrulhamento na região em busca de prendê-los, mas eles não foram encontrados.

O corpo foi removido e encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para os exames cadavéricos.

A Polícia acredita que o crime pode estar relacionado a guerra entre organizações criminosas por disputa de território e tráfico de drogas.

O caso segue sob investigação dos Agentes de Polícia Civil da Equipe de Pronto Emprego (EPE) da Delegacia Especializada de Investigação Criminal (DEIC).

Continuar lendo

Cotidiano

Governo segue o cronograma do mutirão de cirurgias na Fundhacre por mais seis meses

Publicado

em

O governo do Acre, por meio da Fundação Hospital Estadual do Acre (Fundhacre), vem seguindo o cronograma do mutirão de cirurgias na unidade hospitalar. Nesta segunda-feira, 6, pacientes que se encontram na fila de espera nas especialidades de cirurgia-geral e vascular compareceram no hospital para realização dos exames pré-operatórios que seguem em sua terceira fase.

A diretora-geral do hospital, Duciana Araújo, explica que a programação mensal é que 250 pacientes sejam operados no mutirão, que terá durabilidade de mais seis meses.

“O nosso planejamento é manter as cirurgias eletivas como vêm acontecendo na rotina do nosso centro cirúrgico e a rotina do nosso mutirão de cirurgias com a meta principal de 250 cirurgias por mês”, salientou a gestora.

Maria Ivete de Souza Rodrigues, 52 anos, mora em Rio Branco. A paciente tem problemas vasculares, e precisava passar pelo procedimento cirúrgico. Ao lado da filha Cleane de Souza, relata que tem esperança que tudo ocorra com êxito.

“Posso dizer que hoje estou ansiosa e feliz em fazer a operação. Tem sido difícil pra mim, sinto muitas dores, principalmente na perna esquerda, que está muito inflamada. Já cheguei a ir para o centro cirúrgico e na hora o procedimento ser cancelado devido à trombose. Isso tudo me causou muito sofrimento, porque é uma cirurgia de risco”, disse a paciente Maria Rodrigues.

O Mutirão

Em maio de 2022, o governo lançou o mutirão de cirurgias na Fundhacre, o intuito foi diminuir a fila de espera e promover a qualidade de vida daqueles que aguardavam uma cirurgia eletiva. Assim ocorreu a ampliação do centro cirúrgico e toda uma organização na logística para recepcionar os pacientes que vinham tanto da capital quanto do interior do estado.

As primeiras cirurgias realizadas ocorreram em julho, com duração de seis meses, totalizando 1.237 procedimentos. Atualmente vêm sendo contempladas no mutirão cirurgias nas especialidades de urologia, vascular, mastologia, ginecologia, cirurgia geral e pediatria.

A continuidade do mutirão de cirurgias é um compromisso do governo do Estado em oferecer dignidade às pessoas que há anos aguardam por uma intervenção cirúrgica na rede pública de Saúde.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.