Conecte-se agora

Entre uma dancinha aqui e uma conversa com calango acolá

Publicado

em

ANTES ATÉ DA CAMPANHA começar, já na pré-campanha, havia uma dúvida se o governador Gladson Cameli (PP), foto, conseguiria suprir a baixa de suas tropas de 2018. Os generais da sua campanha da época, Flaviano Melo (MDB), Major Rocha (MDB), Mara Rocha (MDB), Márcio Bittar (União Brasil), Vanda Milani (PROS), Sérgio Petecão (PSD) lhe abandonaram e foram para outros palanques disputar a eleição contra ele. E, todos eles bem votados em seus mandatos.

O mote é que iriam destruir o Gladson com ataques em massa contra o seu governo. E fizeram ataques durante toda a campanha. Mas não conseguiram colar uma pauta negativa em sua imagem. Entre uma dancinha aqui e uma conversa com um calango acolá, o candidato do PP foi levando a campanha, sem responder aos ataques. O governo do Gladson não foi nunca a oitava maravilha do mundo, nem grandes realizações no campo de obras conseguiu executar, mas tinha algo que valia mais do que as obras prometidas e não cumpridas: a empatia com a população.  Conseguiu forjar no seio do eleitor a figura de um governador paizão, sempre solicito, de não ser perseguidor, de ter salvado vidas na pandemia, e foi isso que pegou e virou pautas positivas, que acabaram por lhe render uma espetacular vitória no primeiro turno.

Água de morro abaixo e o eleitor quando se inclina a votar em um candidato, não tem quem segure a enxurrada. E, foi isso que aconteceu. Liderou todas as pesquisas até a reta final e não deixou nenhum dos seus adversários para contar a história no sonhado segundo turno da oposição. E assim, a balsa partiu para a distante Manacapuru. Só retorna depois de 4 anos.

A VITÓRIA DO CONTRA TUDO E CONTRA TODOS

O CANDIDATO ao Senado pelo União Brasil, Alan Rick, marcou uma página histórica na sua vitória, na disputa da única vaga para senador. Ao seu lado só tinha um excelente mandato de deputado federal, a família e muita garra. Até do partido foi execrado. Nada além. Toda a máquina estatal foi colocada contra a sua candidatura. A ordem palaciana era lhe detonar e eleger o candidato Ney Amorim (PODEMOS). Só que esqueceram de combinar com o eleitor. Por conta de toda a perseguição que sofreu virou vítima política. E já diz o ditado que, na política, quando você quiser eleger alguém o faça de vítima. O Alan encarnou o sentimento popular do injustiçado. E isso foi traduzido na estupenda votação que lhe garantiu um mandato de senador por oito anos. Fica a lição: nem sempre a força de um poder é suficientemente forte para derrotar um adversário. que caiu na graça do povão. Alan saiu da eleição sem amarras com poder, que sempre lhe foi adverso.

NOME PARA O GOVERNO

A DEUS o futuro pertence. Mas se o senador eleito Alan Rick (União Brasil) soube comunicar o seu trabalho no Senado como fez para deputado federal, vai se cacifar como um nome muito forte à sucessão do Gladson.

CASA DE CARIDADE

O EX-PREFEITO de Rio Branco, Marcus Alexandre, deveria abandonar a política e montar uma casa de caridade, numa espécie masculina da Madre Tereza de Calcutá. Tinha a eleição segura para deputado estadual, foi fazer caridade para o PT saindo de vice, e acabou a campanha sem norte, sem lenço e sem documento.

NUNCA FOI FÁCIL

DESDE o início as pesquisas apontavam que o governador Gladson era o favorito á reeleição, entrou na roubada de vice-governador sabendo ser difícil ganhar o governo. O Marcus não pode dizer que foi enganado.

QUE TENHA APRENDIDO A LIÇÃO

NO SEU SEGUNDO mandato espera-se que o governador Gladson Cameli tenha aprendido a lição e não dê mais secretarias de porteira fechada para grupo políticogrupos políticos, para não ficar refém pela prática que o deixou engessado em alguns momentos no atual mandato. E, tem tudo para evitar o loteamento, venceu a eleição no primeiro turno. Tem que começar compondo um novo secretariado mais eficiente do que o atual.

FESTIVAL DE BURRICES POLÍTICAS

NA ELEIÇÃO que se encerrou no domingo, ninguém cometeu mais burrices políticas do que a cúpula do PT. Não aprenderam a lição de 2018, quando por arrogância dividiram os votos do seu campo em duas candidaturas, a do Jorge Viana e a do Ney Amorim. Virou o abraço dos afogados. Ambas perderam. As candidaturas do Jenilson Leite (PSB) e da Nazaré Araújo (PT) navegavam no mesmo nicho de votos. Novo abraço dos afogados. E nova derrota para o Senado. E para completar o naufrágio do PT; o partido chutou uma aliança com o PSB, e saiu com a candidatura do Jorge Viana (PT) a governador, rodeado de velhas caras da política, e esquecendo que não gozava mais das benesses do poder. Já não tinha mais a aura do “menino do PT”, já é um senhor de 60 anos. O desastre era só esperar o tempo das urnas abrirem: perderem a eleição para governador, senador, não elegeram nem deputado estadual e nem deputado federal. O PT volta para o buraco em que se meteu nas eleições de 2018. A humildade e o caldo de galinha, mal não fazem. Que o PT aprenda com o novo desastre. eleitoral.

O POVO NÃO QUIS, PACIÊNCIA!

O SENADOR Sérgio Petecão (PSD) não mostrou ontem nenhum rancor após a derrota. Resumiu numa frase o que sentia: “Fiz uma bela campanha, conversando com a população, mas o eleitor não quis votar em mim. Respeito Desejo sucesso ao vencedor, a vida e a política seguem”. Terá mais 4 anos de mandato pela frente.

A DERROTA DOS CACIQUES

A ELEIÇÃO que passou levou com ela os mandatos de velhas raposas, como Flaviano Melo (MDB), Mara Rocha (MDB), Major Rocha (MDB), Sérgio Petecão (PSD), Antônio Pedro (União Brasil), José Bestene (PP), Vanda Milani (PROS), Perpétua Almeida (PCdoB), Jesus Sérgio (PDT), Chico Viga (PDT),Jenilson Leite (PSB) entre outros, confirmando a máxima de que ninguém é dono dos votos na política.

DERROTADOS PELO SISTEMA

HÁ OS QUE PERDERAM eleição derrotados pelo sistema. Jéssica Sales (MDB) teve quase 21 mil votos. E o Minoru Kinpara (PSDB) beirou os 20 mil votos. Perderam porque os seus partidos não conseguiram coeficiente eleitoral.

QUE BELA VOTAÇÃO!

O QUE DIZER DA SOCORRO NERI (PP), ao não ser: que bela votação! A organização da sua campanha e o fato de ter sido prefeita da capital bem avaliada, lhe fizeram a mais bem votada candidata a deputada federal. E, fica forjado um nome para novos embates políticos, basta que cumpra um bom mandato, divulgando os seus feitos.bem o seu mandato ao longo dos próximos quatro anos.

GRATAS SUPRESAS

DOIS candidatos a deputado federal que não apareciam como favoritos e ganharam a eleição: Zezinho Barbary (PP) e Coronel Ulysses Araújo (União Brasil).

VAMOS SER JUSTOS

UMA semana antes da eleição o Denis do Data-Control me disse que o Gladson Cameli ganharia folgado no primeiro turno. E, acertou até no número final da vitória. Registre-se para dizer que, pesquisa quando feita com seriedade não elege ninguém, mas dá um norte da eleição. E, ponto para o Denis.

PERDERAM TODOS

FORA O ALAN RICK (União Brasil), que disputou o Senado; e a Mara Rocha (MDB), candidata ao governo; os outros seis deputados federais perderam a eleição: Flaviano Melo (MDB), Jéssica Sales (MDB), Jesus Sérgio (PDT), Vanda Milani (PROS), Perpétua Almeida (PCdoB) e Léo de Brito (PT). Foram todos varridos de Brasília.

OLHOU PARA O UMBIGO ALHEIO

O CANDIDATO a deputado federal Israel Milani (REPUBLICANOS) não aprendeu a lição de que, na política, o meu pirão é primeiro. Passou boa parte da campanha se preocupando com a candidatura do cunhado Tadeu Hassem (REPUBLICANOS) a deputado estadual, e esqueceu da sua. Resultado: o Tadeu se elegeu e ele perdeu a eleição. Pagou o preço do erro.

VOTAÇÃO BAIXA

SEM FALAR que a prefeita Fernanda Hassem (PT), sua mulher, uma política ativa, lhe deu uma baixa votação em Brasiléia, já que estava no poder. O Israel, um jovem promissor, tem que aprender que na política não há mais lugar para o amadorismo, e o que vale é vencer.

MDB FRACASSOU

O MDB saiu menor do que entrou na eleição. Tinha dois deputados federais, a Jéssica Sales (MDB) e o Flaviano Melo (MDB), e não reelegeu ninguém. Fez três estaduais, mas a moeda que vale em Brasília, é a de deputado federal. Uma derrota fora das suas contas.

TERÁ DE REPENSAR

O SENADOR Márcio Bittar (União Brasil) é outro que tem de repensar o seu futuro político. Foi triturado pelo governador Gladson Cameli, que não quis a Márcia Bittar (PL) nem de vice e nem de candidata a senadora, na sua chapa. E, ela perdeu para o Sendo. Terá que montar outras alianças para 2026, quando o seu mandato estará na disputa.

O ALVO É O BOCALOM

OUVI ontem de importante figura do governo que, a próxima meta política do grupo é tirar o prefeito Tião Bocalom (PP) da prefeitura de Rio Branco. O Bocalom pode ir e preparando para este embate, que será duro.

CLIMA PESADO

ALGUNS assessores do senador Sérgio Petecão (PSD) defendem o seu afastamento político do prefeito Tião Bocalom. Acham que, ele não se empenhou na campanha, como o Petecão fez na sua para a PMRB. O senador Sérgio Petecão não fala sobre este assunto.

NOME PARA PRESIDÊNCIA

O DEPUTADO Pedro Longo (PDT) foi o mais votado do seu partido. Leal ao governador Gladson Cameli, ele passa ser um nome a ser colocado em discussão para a presidência da ALEAC.

NINGUÉM ARRISCAVA

NÃO CAMPANHA, não encontrei ninguém que desse o deputado José Bestene (PP) como fora do mandato após a eleição. Todas as portas palacianas estiveram fechadas para a sua reeleição e não conseguiu superar o paredão.

ÚLTIMO DOS MOICANOS

O PSDB não fez um deputado federal. E, o único eleito foi o deputado Luiz Gonzaga (PSDB), justamente, para o qual a direção regional tucana queria negar legenda.

FRASE MARCANTE

“A agulha veste os outros e vive nua”. Ditado árabe.

Blog do Crica

A oposição precisa se reinventar, perder o ego, para voltar ao poder nas próximas disputas 

Publicado

em

A OPOSIÇÃO, que sofreu uma derrota fragorosa na última eleição, não elegendo ninguém para o Senado, para a Câmara Federal, e diminuindo a sua representação na Assembleia Legislativa, e ainda ficando longe de ganhar o governo, precisa se reinventar para as próximas disputas majoritárias. 

A começar pela eleição municipal de 2024. Se entrar dividida no pleito para a prefeitura da capital, como aconteceu na última eleição estadual, pode sofrer outra derrota acachapante. Os dirigentes da oposição precisam perder o ego de cada um olhar apenas para o umbigo. Ou fazem uma grande frente plural, como aconteceu com o extinto e vitorioso MDA, ou seus políticos vão ficar de bengala perdendo uma eleição atrás da outra.

 Ficaram 20 anos no poder, e podem ficar 20 anos fora do poder, se permanecerem pendurados no sectarismo de que podem resolver tudo com cada um para o seu lado. A não ser que queiram se tornar masoquistas. Juízo não se compra num boteco. As urnas não costumam perdoar os amadores na política.

AFASTA DE MIM ESTE CÁLICE

AO PEDIR ao Ministério da Justiça que mande a Força Nacional desbloquear a BR-364, o governador Gladson  mostra que quer desvincular sua imagem do golpismo.

NINGUÉM ENTENDEU

O JORGE VIANA seria hoje deputado federal e poderia puxar um outro nome na aliança política formada pelo PT-PCdoB-PV. Ninguém entendeu ele ir para uma disputa do governo, com uma candidatura de alto risco.

PEDIDO CONJUNTO

UMA FONTE palaciana informou ao BLOG que a decisão do Gladson de demissão do militante bolsonarista Ruy Birico de cargo de confiança, foi reforçada por um pedido conjunto dos 24 deputados feito neste sentido.

ESPERTEZA COME O DONO

A JUSTIÇA ELEITORAL pôs o PL no canto do ringue com seu pedido de anulação de várias urnas do segundo turno. Mandou aditar ao pedido também as urnas do primeiro turno, que se anuladas derrubariam toda bancada federal do PL. Esperteza cresce e come o dono.

POSIÇÃO FIRME

QUEM TOMOU uma posição firme contra os atos golpistas de fechamento da BR-364, foi o líder do governo na ALEAC, deputado Pedro Longo (PDT), que denominou os atos como “esbirros da ditadura”.

PODE IR PENSANDO

PELAS informações que tenho, é bom o prefeito Bocalom (PP) pensar em outra sigla para disputar a reeleição. O nome do coração do Gladson para a disputa da PMRB, é o da deputada federal eleita Socorro Neri (PP).

É LEI

A LEI ELEITORAL especifica que, o parlamentar que cometer infidelidade partidária, é passível de perda do mandato. O PT e o PSD apenas estão aplicando a Lei.

VALE PARA OS DOIS

AS URNAS que elegeram o Lula este ano foram as mesmas que elegeram o Bolsonaro em 2018. Se são fraudes neste pleito, também, foram no de 2018. Não há como separar estes dois casos, porque vale para ambos.

GABINETE CIVIL

DEVE SER ESTE o cargo que será ocupado pelo Rômulo Grandidier, no próximo governo do Gladson. A decisão já estaria tomada, faltando apenas ser feita a nomeação.

BASTANTE REDUZIDA

A OPOSIÇÃO vai ser muita reduzida na nova legislatura na Assembleia Legislativa. A base do governo deverá voar em céu de brigadeiro, aprovando o que quiser.

PEDIDO DOS MANDATOS

NÃO SE APLICA aos prefeitos que serão expulsos do PT, mas há dentro do partido o sentimento de pedir os mandatos dos vereadores que apoiaram adversários na última eleição. Podem ir pensando em contratar bons advogados.

FOCO FUTURO

O FOCO FUTURO do governador Gladson é cumprir um segundo mandato com visibilidade, para que dispute a eleição do Senado em 2026, com certa tranquilidade.

MANDATOS ENCERRADOS

EM 2026 serão duas vagas do Senado em disputa, as dos senadores Petecão (PSD) e do senador Márcio Bittar (União Brasil). Não se sabe se ambos disputarão a reeleição. É cedo para uma avaliação a esse respeito.

CARTA DE SEGURO

O REPUBLICANOS não vai para a oposição ao governo do Lula. A direção nacional tirou uma posição de deixar os parlamentares do partido com independência para atuar. Na política, se chama isso de carta de seguro.

MEME NO FUTEBOL

A MEME que corria ontem era que a Argentina vai pedir a anulação da partida contra a Arábia Saudita por ter pedido o jogo. Política e futebol, é com o brasileiro.

CEREJA DO BOLO

A CEREJA do bolo dos cargos federais no estado são o DNIT e o INCRA. O PT e o senador Sérgio Petecão (PSD) estão de olho nos dois órgãos, para nomear afilhados.

PERDA DE QUALIDADE

A DERROTA do deputado Daniel Zen (PT), vai por certo empobrecer o debate qualificado na ALEAC, na próxima legislatura. Zen é um dos melhores quadros do PT.

NÃO PODE SE DAR AO LUXO

O ACRE, um estado pobre e dependente do governo federal, não pode se dar ao luxo de ter um governador brigado com o presidente. Assim é que, a posição pragmática do governador Gladson deve ser entendida.

TERRITÓRIO LIVRE

ACRELÂNDIA e Plácido de Castro se tornaram território livre dos bandidos, pelo que se nota dos roubos e sequestros quase diários de produtores rurais. Na biqueira da Bolívia, o paraíso dos carros roubados, torna a troca dos veículos por droga algo rentável.

NÃO CONSEGUEM ENTENDER?

AS ELEIÇÕES não serão anuladas, não haverá golpe militar, a volta da ditadura, e o Lula vai assumir, por estarmos numa democracia. Não conseguem entender?

NÃO ACONTECERÁ NADA

O LULA VAI ASSUMIR, nenhuma igreja evangélica será fechada, o país não terá o regime comunista, a bandeira nacional não será vermelha, e tudo vai seguir como antes no quartel do Abrantes. O resto é a pura balela.

NOMES VEICULADOS

SOCORRO NERI, Jenilson Leite, Bocalom, Emerson Jarude, Marcus Alexandre, são nomes sempre citados quando se trata da eleição para a PMRB, em 2024.

FICOU UMA PORCARIA

O PREFEITO Bocalom tem primado por obras bem feitas. Mas, não foi o que aconteceu com o principal acesso do Tropical, a pavimentação é de baixa qualidade. Se der um pulo no local vai fazer a constatação desse registro.

NÃO CONVIDEM

NÃO CONVIDEM o deputado Neném Almeida e a direção do PODEMOS para o mesmo tacacá. Neném debita sua derrota a um boicote dos dirigentes à sua candidatura à reeleição.

FRASE MARCANTE

“Deus dá o leite, mas não o balde”. Ditado inglês.

Continuar lendo

Blog do Crica

Pragmatismo é um chute no golpismo

Publicado

em

O GOVERNADOR Gladson Cameli não escondeu de ninguém que, ele apoiou a reeleição do presidente Bolsonaro. Foi um apoio público. Mas, no momento em que o Lula foi eleito, ele foi o primeiro dos governadores a reconhecer e o parabenizar pela sua vitória; e ainda defender a lisura das urnas eletrônicas. E, é assim que deve ser, eleição se ganha e se perde. A beleza da política numa democracia é o contraditório; não é nem a comemoração de uma vitória, mas a grandeza de reconhecer a derrota.

A sua declaração de que o Lula será o presidente de todos os brasileiros, resume tudo isso. A democracia não pode ser perneta de somente se reconhecer a validade de um pleito eleitoral, quando é favorável a um candidato. Em nenhuma ocasião se viu uma afirmação sua referendado o grotesco espetáculo da defesa do golpismo e o clamor pela instalação de uma ditadura. A sua conduta foi até aqui democrática, pelo pragmatismo político e contra o golpismo que prega a volta do cruel regime da ditadura militar. É assim que se age num país regido pela democracia.

É TUDO MUITO SIMPLES

QUANDO alguém que se encontra num mandato, ou que ganhou a última eleição e vai assumir, e considera as urnas eletrônicas uma fraude, para ser coerente tem que renunciar se no cargo estiver; ou não assumir um mandato a partir do janeiro. Porque, se não fizer assim está sendo incoerente, cuspindo no prato que comeu, e validando o que combate. Se as urnas eletrônicas são uma fraude, não pode ser seletivo, tem que ser para todos. É tudo muito simples.

MOVIMENTO SIMPÁTICO

HÁ dentro do governo e mesmo no PP, correntes que querem ver a deputada federal eleita Socorro Neri (PP), disputando o comando da PMRB em 2024.

MOSTRAR AÇÃO

ANTES de definir um futuro político, a mais votada candidata a deputada federal da última eleição, Socorro Neri (PP), tem que justificar com ações, os seus votos.

EM JOGO

O DESTRAMBELHO do governo da Dilma e os casos de corrupções nos governos do PT, elegeram o Bolsonaro presidente. A truculência e a insurgência contra a vacina por parte do Bolsonaro, trouxe o Lula de volta ao poder. Se o Lula não tiver aprendido a lição e não fizer um governo plural e não apenas para os petistas, poderá trazer o Bolsonaro de volta em 2026. Este é o jogo.

BULA PAPAL

NEM AS FORÇAS ARMADAS vão sair do quartel para dar um golpe militar e impedir a posse do Lula, e nem vai sair uma bula papal, excomungando o Lula, aceitem.

ALGO VERGONHOSO

QUATRO ano do governo do Gladson, vários secretários de comunicação, e não conseguiram montar um Plano de Cargos e Salários para os funcionários da Rádio Difusora Acreana, que viraram uma espécie de párias na máquina estatal. É algo muito vergonhoso.

FALANDO EM COMUNICAÇÃO

UM SETOR que funciona bem na PMRB, é a ASSECOM, comandada pelo Ailton Oliveira. O volume de notícias que chegam nas redações, é diário e bem elaborado.

NÃO É A SUA PRAIA

O DEPUTADO federal Alan Rick (União Brasil) vem do jornalismo, sempre foi plural nos seus dois bons mandatos, e por isso, não lhe cai bem a roupa de ser a favor do golpismo. Até porque sua praia não é o radicalismo, mas a do pluralismo de ideias.

SITUAÇÃO DIFERENTE

A oposição é essencial no regime democrático, desde que não defenda pautas que atentem contra a própria democracia. Assim o Alan pode tocar o seu futuro no Senado e cumprir um bom mandato, como na Câmara Federal.

NÃO TERÁ DIFERENÇA

O DEPUTADO Tchê (PDT) tem dito que quer ser presidente da ALEAC para tornar o poder protagonista. Errado. Seja o Tchê ou Luiz Gonzaga o próximo presidente, nada mudará. A ALEAC continuará ser um puxadinho do Palácio Rio Branco.

NOME LANÇADO

QUEM lançou seu nome como candidato a prefeito de Tarauacá pelo PSD, foi o Paulo Ximenes, que vai começar desde já a sedimentação da sua candidatura.

EXEMPLO PARA GERAÇÕES

COMO tinha dado um tempo no BLOG, só agora registro, tardiamente, o aniversário de um dos melhores exemplos do Acre de como fazer política com honra, me refiro ao ex-senador Nabor Junior. Meus parabéns.

TERÁ PAPEL IMPORTANTE

PODE anotar para conferir: o ex-senador Jorge Viana (PT) terá um papel importante no futuro governo Lula, com reflexos no cenário político regional.

FORÇA DO MANDATO

QUEM também terá força no futuro governo do Lula, ao ponto de influir nas nomeações de cargos federais no estado, é o senador Sérgio Petecão (PSD), o único da bancada acreana a formar no apoio ao governo Lula. Márcio Bittar e Alan Rick são bolsonaristas ferrenhos.

UMA PIADA

O PREFEITO de Assis Brasil, Jerry Correia – em processo de expulsão do PT – dizer que é fruto de perseguição do Jorge Viana, isso é piada. Quem cometeu infidelidade partidária para com o PT foi ele, e não o JV.

OU SOME

QUEM tem de montar uma estratégia para se manter na mídia e assim projetar o seu nome para disputar a PMRB em 2024, é o deputado Jenilson Leite (PSB), cujo mandato encerra em janeiro. Político sem mandato, nem o vento costuma bater nas costas.

LUZ PRÓPRIA

A PREFEITA de Brasiléia, Fernanda Hassem, não deve ser abalada politicamente, com a sua certa saída do PT. A Fernanda hoje tem luz própria na política do Alto Acre.

NOME CERTO

O Rômulo Grandidier, que teve um papel importante nos bastidores e a na formatação de alianças a favor da reeleição do governador Gladson Cameli, será presença certa no próximo governo. Soma muito politicamente.

FRASE CORRETA

“Pluralismo faz bem ao país, o que faz mal é o extremismo”. Senador eleito Flávio Dino (PCdoB).

QUESTÃO DE TEMPO

O LULA deve caminhar para ter maioria no Senado e Câmara Federal. O grosso dos integrantes do chamado “Centrão” não tem ideologia política, é movido por cargos públicos na máquina federal.

MUITO LAMENTÁVEL

RIO BRANCO continua com baixo índice de vacinação contra o Covid. Mas não é por falta de divulgação da PMRB, e sim pela mais pura ignorância dos omissos.

NÃO TEM MAIS FORTE

A OPOSIÇÃO não tem um nome mais forte do que o da deputada federal Jéssica Sales (MDB), para disputar em 2024, a prefeitura de Cruzeiro do Sul. Além de ser leve.

FRASE MARCANTE

“O poder é afrodisíaco”. Frase do saudoso deputado Hermelindo Brasileiro, explicando por sempre estar ao lado do poder.

Continuar lendo

Blog do Crica

O nome na mesa do PT para o embate de 2024

Publicado

em

QUE A META é eleger o prefeito da capital em 2024, isso não é nenhuma novidade dentro do PT. E que o nome do ex-prefeito Marcus Alexandre (PT), é o mais citado, também, não é novidade. Claro que não vão falar isso agora, até porque não seria inteligente. Os caminhos das alianças serão primeiro construídos. Só que, com a chegada do Lula à presidência, os caminhos para alianças com partidos que não são do campo da esquerda ficaram mais abertos.

 O PT disputou a PMRB e o Governo sem um pau para dar no gato, com o Lula presidente terá este pau. Você pode não gostar do Jorge Viana por algum motivo ideológico, mas ninguém poderá lhe tirar a habilidade de negociar quando tem o poder nas mãos.

 E se por acaso for ministro no governo Lula ou tenha algum cargo de relevância, voltará sim a ter um protagonismo no cenário político estadual. Ninguém espere que o JV será aquele político ao estilo Madre Tereza de Calcutá, bonzinho, o que puder fazer para brecar as gestões de adversários no quesito verbas federais, vai fazer. Pode até jurar de mãos postas que isso não ocorrerá, mas esperem para conferir mais na frente. Do JV eu não entendo tudo, mas entendo muito.

ACABOU, NÃO ENTENDERAM ISSO?

NÃO EXISTE um pouco de massa encefálica para entender que, o Lula ganhou a eleição de forma limpa, que não há prova de fraude, e que não vai haver golpe militar, que não terá ditadura? É preciso desenhar?

SEM ESPAÇO DE MANOBRA

NÃO HAVERÁ espaço de manobra na bancada do Acre no Senado, para o governador Gladson negociar apoio de votos ao Lula. Márcio Bittar (União Brasil) e Alan Rick (União Brasil) são bolsonaristas de extrema direita. E, o senador Sérgio Petecão (PSD) é seu adversário e Lula.

POSIÇÕES CLARAS

ALAN E MÁRCIO não escondem suas posições de direita e de ultraconservadorismo. Sem entrar no mérito ideológico de ambos, na política tem que se ter lado.

NÃO FICAM NO UNIÃO

CASOS as negociações nacionais avancem no sentido do União Brasil integrar a base de apoio ao Lula na Câmara Federal e Senado, ou os deputados federais e senadores do Acre aderem, ou terão de mudar de partido. É isso.

MUITA INGENUIDADE

É SER MUITO ingênuo pensar que o Lula não vai usar a força do poder para cooptar deputados federais e senadores, e ter maioria no Senado e Câmara Federal.

METAS

O EX-SENADOR Jorge Viana tem duas metas: formar um bloco plural em que tenham também lideranças políticas tradicionais, para derrotar o prefeito Bocalom em 2024, e depois lançar em 2026, um nome ao governo.

NÃO SERÁ TÃO FÁCIL

É MUITO prematuro se imaginar que tomar a prefeitura do Bocalom será como tomar pirulito da boca de criança, ele tem dois anos ainda de mandato, dinheiro em caixa, e pode chegar em 2024 muito bem avaliado.

PAUTA DA EDUCAÇÃO

A DEPUTADA federal eleita Socorro Neri (PP) deverá pautar o seu mandato no foco central na área educacional, onde é especialista. Não se muda ou se melhora um país se não passar pela melhoria da Educação.

ATÉ O MALAFAIA

ATÉ O PASTOR Silas Malafaia, que comandou na campanha um ataque virulento à candidatura do Lula, já veio a público reconhecer que não existe uma prova de fraude nas urnas eletrônicas. “Acabou” – já disse o próprio Bolsonaro. É esperar 2026, para tentar voltar ao poder.

FALTA O PRINCIPAL

O QUE FALTA aos que não querem reconhecer a derrota do Bolsonaro, é um mínimo motivo legal para os protestos e o pedido de uma intervenção federal, para implantar uma ditadura. As Forças Armadas vão continuar sendo defensoras da Constituição Federal. 

A MENTIRA NA POLÍTICA

Gustavo Capanema era ministro da Educação e Saúde Pública e discursava num comício na cidade de Pará de Minas. Durante a fala, cita verbas em números exatos, dos bilhões aos centavos. Depois do evento, um assessor pergunta a ele por que tinha usado tantos quebradinhos numéricos, se não era melhor arredondar. Resposta: – “Para você mentir na política, é preciso ser minucioso. Assim, ninguém desconfia que você está mentindo”. Do livro “Faíscas Verbais”, de Márcio Bueno.

TEVE A IMAGEM DEMOLIDA

O presidente Bolsonaro cometeu um erro ao trombar com a GLOBO. A emissora teve um papel importante na sua derrota, pois, construiu em seus editoriais uma imagem negativa do seu governo. E, a GLOBO está presente nos mais distantes rincões do país.

BOLSONARO NÃO ESTÁ MORTO

É UM ERRO DE AVALIAÇÃO se colocar o presidente Bolsonaro como morto politicamente, por causa da sua derrota. A expressiva votação que obteve o credencia a ser a principal voz de oposição ao Lula. E toda oposição é bom para democracia, tem que ter o contraditório.

MÉRITO DO BOLSONARO

O BOLSONARO tem o mérito de ter colocado no cenário político nacional um movimento de direita, que existia apenas em ações pífias e individuais, pela sua mão virou um movimento representativo e que veio para ficar.

NEM UM SINAL

O GOVERNADOR Gladson não deu um sinal, não fez um movimento no sentido de apoiar as contestações à derrota do Bolsonaro; ao contrário, foi um dos primeiros governadores que apoiaram o Bolsonaro a se manifestar reconhecendo a legitimidade da vitória do Lula. Na democracia não tem golpe, ponto para o Gladson.

DEIXAR DE SER PUXADINHO

A VEREADORA Michelle Melo (PDT) diz que seu partido tem um projeto de poder para chegar ao Palácio Rio Branco, em 2026. Se de fato o jogo é este, tem que começar deixando de ser um puxadinho do governo.

CACIFE FORTE

O SENADOR Sérgio Petecão (PSD) chegará na mesa das negociações em Brasília, com o status de ter sido o único senador do Acre que não apoiou o Bolsonaro.

BREVE AUSÊNCIA

O BLOG terá uma semana de ausência nas páginas do ac24horas. Sempre é preciso se dar um tempo em qualquer atividade, para não virar um escravo da rotina.

O BURACODA PMRB É MAIS EMBAIXO

COM o Lula na presidência só existe um caminho para o deputado Jenilson Leite (PSB) ser candidato a prefeito da capital, caso não resolva deixar o partido; que é o de buscar uma reconciliação política com o PT. Ninguém é candidato a cargo majoritário de si mesmo. O Jenilson deve ter aprendido a lição na disputa do Senado.

FRASE MARCANTE

“Deus dá o leite, mas não o balde.” Ditado inglês.

Continuar lendo

Acre 01

“A política está no meu sangue, serei candidata a prefeita de Cruzeiro do Sul”, diz Jéssica Sales

Publicado

em

Quem apostou que pelo fato do MDB não ter conseguido legenda para a sua reeleição a deputada federal, deixaria a Jéssica Sales (MDB),  que teve quase 21 mil votos, de fora do jogo político de 2024, se enganou. Jéssica disse esta semana ao BLOG que a política está no seu sangue, e que enquanto o povo lhe quiser estará na luta. “Posso lhe dizer sim que serei candidata a prefeita de Cruzeiro do Sul”, afirmou. 

Jéssica é de fato uma oponente de peso, a maior liderança da oposição no Juruá, e com força política para enfrentar o atual prefeito de Cruzeiro do Sul, Zequinha (PP), que deverá buscar a sua reeleição.

ASSUNTO DECIDIDO

QUEM faz parte do círculo mais fechado em torno do ex-deputado Ney Amorim (PODEMOS), revelou ao BLOG de que a manifestação ao seu grupo de que, ele vai disputar a PMRB em 2024, é para valer. A sua meta é conseguir ser o candidato a ser apoiado pelo Gladson.

REDUTO NA CAPITAL

NEY AMORIM foi o segundo colocado na última eleição para senador e tem a sua maior base eleitoral na capital.

NÃO VAI TER GOLPE MILITAR, E A VIDA CONTINUA

CADA UM FAZ o que bem entender da sua vida. Se quiser ficar berrando em frente aos quartéis pedindo a volta da ditadura, bom proveito. Mas é perda de tempo, o Bolsonaro já reconheceu a derrota e a vida continua.

TRANSIÇÃO COMEÇOU

ATÉ a transição do poder já começou, com o Bolsonaro indicando os ministros Paulo Guedes e Ciro Nogueira, para tratar dos trâmites com os indicados pelo PT.

DERROTA NÃO É ARGUMENTO

HAVERIA razão para os protestos pela derrota do Bolsonaro, se a eleição tivesse sido fraudada, mas foi uma eleição limpa, transparente, e não foi achada uma irregularidade nas urnas eletrônicas. O jogo acabou.

ATOS DEMOCRÁTICOS

O PREFEITO Bocalom e o governador Gladson estiveram na linha de frente da campanha do Bolsonaro no estado, mas assim que deu Lula, disseram aceitar o resultado e reconheceram o vencedor. Isso sim, é democracia.

NEM TOMARIA POSSE

ESTRANHA foi a presença do deputado federal eleito Coronel Ulysses, na frente do quartel a favor da intervenção militar. Alguém precisa lhe dizer que, numa ditadura o Congresso é o primeiro lugar a ser fechado.

POSIÇÃO COERENTE

POSIÇÃO coerente foi a da deputada federal eleita Socorro Neri (PP). Não vai aderir ao Lula, mas ressaltou não crer nas pautas bolsonaristas que o mundo acabará.

NO MESMO TOM

QUEM FOI no mesmo tom da Socorro Neri foram a deputada federal Meire Serafim (União Brasil) e o deputado Pedro Longo (PDT), para os quais a eleição acabou, teremos um novo presidente e a vida segue.

TEM QUE SABER PERDER

QUEM entra numa eleição, é porque aceitou as regras do jogo. E se entrou e perdeu tem que ser altivo para reconhecer a vitória do adversário, é assim que agem os grandes políticos, Saber perder, é uma virtude política.

NÃO TEM DO QUE SE PREOCUPAR

ESTA SEMANA, eu li a declaração de uma das cabeças pensantes regionais do agronegócio da categoria estar aflita com a vitória do Lula. Os que agem dentro da lei não têm do que se preocupar, quem deve se preocupar é o grileiro, quem garimpa em terras indígenas e etc.

AGORA É AMÉM E SIM SENHOR

O PREFEITO Bocalom tirou a sorte grande na eleição que passou. Os únicos vereadores que lhe faziam oposição dura e para valer na Câmara Municipal, foram eleitos.

SEM PROBLEMAS

JÁ NA ALEAC, o governador Gladson deverá ter no máximo três parlamentares na trincheira da oposição, o restante, com cargos no governo, fará o seu jogo.

MIRANDO CARGO

“É NATURAL que eu faça indicação para algum dos órgãos federais no estado, afinal, estarei na bancada de apoio ao Lula, com voto”. Senador Sérgio Petecão (PSD).

MAIORIA ESMAGADORA

É ESMAGADORA no MDB a maioria que quer a continuidade do deputado federal Flaviano Melo (MDB) no comando do partido. Só não ficará se não quiser.

NÃO SERÁ DE ADMIRAR

NÃO SERÁ de se admirar se o ex-prefeito Marcus Alexandre aparecer na direção do INCRA OU DNIT, dois órgãos que podem lhe deixar na mídia para 2024.

NOME PLURAL

EXISTE UM SENTIMENTO no PT de que deve ser montada uma grande frente política até com partidos mais conservadores, para lançar um nome a prefeito de Rio Branco que seja plural e não apenas de cara petista.

META PRINCIPAIS

O EX-SENADOR Jorge Viana (PT) tem como metas principais conseguir levar alguns parlamentares federais eleitos para a base de apoio ao Lula, montar uma frente para ganhar a prefeitura da capital em 2024, e ser escolhido para o futuro ministério do governo do PT.

FRASE MARCANTE

“O homem conhece tão pouco a sua fraqueza, quanto o boi a sua força”. Ditado chinês.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.