Conecte-se agora

Como o Pix virou uma ameaça para o mercado das maquininhas

Publicado

em

Não é raro uma indústria virar do avesso por uma inovação tecnológica. No setor das maquininhas de pagamento, a reviravolta chegou de uma vez só com o Pix, sistema de pagamento do Banco Central. A visão de especialistas é de que o Pix deve eliminar a necessidade do “intermediário” entre quem paga e quem recebe.

E isso coloca em xeque o próprio futuro do setor de meio de pagamento. As empresas, portanto, terão de agregar mais serviços aos comerciantes – como softwares de administração de contas e estoques – para continuar relevantes para os clientes.

“As empresas ganharão pelo serviço prestado, e não mais por transação”, afirma Edson Santos, um dos maiores conhecedores do setor de meios de pagamento no Brasil. Segundo ele, companhias como a Stone, que em 2020 comprou a empresa de tecnologia Linx, já de olho nessa mudança, estão melhor posicionadas para a nova fase. Resistir a essa mudança, segundo ele, pode significar o fim da linha para esses negócios. Conforme pesquisa recente do Instituto Propague, a Cielo segue líder de mercado, seguida de perto pela Rede, do Itaú Unibanco. Depois vêm a Getnet (do Santander), Stone, Vero e PagSeguro.

Apesar da chegada do Pix ter chacoalhado o setor, os líderes de setor não têm demonstrado grandes mudanças. Uma das razões, segundo Santos, é porque o Pix ainda enfrenta alguns desafios no varejo, e a maquininha segue importante para o estabelecimento receber os pagamentos pelo cartão. “O Pix ainda não pegou o suficiente (no varejo). E todo mundo espera que o outro faça antes”, diz Santos.

Uma das poucas mudanças, até agora, é a oferta da funcionalidade do Pix na maquininha, permitindo que o lojista gere um QR-Code para a transferência. “Essa é uma tentativa de se manter a maquininha viva”, comenta o especialista.

A experiência de quem usa o Pix diretamente no comércio também precisa melhorar. Hoje, quando o lojista aceita Pix, o cliente usa a chave do estabelecimento para efetuar o pagamento – mostrando a tela com a transação ao atendente ou enviando o comprovante por WhatsApp.

No entanto, já há startups trabalhando para deixar essa experiência mais fluida, para ajudar na adoção do Pix pelo comércio com a utilização de software que permite a aceitação do meio de pagamento pelo caixa de forma direta, ou seja, com confirmação da transferência imediata.

Outras empresas começam a oferecer o Pix parcelado (uma forma da dar crédito ao cliente), que poderá vir a substituir o cartão de crédito – essa opção já cresce em aceitação, especialmente no e-commerce. Hoje, essa modalidade já alcançou o volume do pagamento em boleto, forma de pagamento que era uma “dor” para os varejistas online, já que a desistência entre efetuar a compra e efetivo pagamento era alta.

Especialista no mercado financeiro, Boanerges Freitas destaca que o Pix mudou as peças do jogo do setor, mas que as credenciadores resistem em mudar e inovar. “Claro que elas vão ter perda de receita ao sair do cartão para o Pix, mas é melhor ter essa perda e manter o cliente”, diz o especialista, lembrando que há anos têm alertado seus clientes dessa necessidade de diversificação de serviços.

“A empresa terá mais conhecimento sobre o varejista, sendo o meio de pagamento dele, e poderá, com isso fidelizá-lo por meio de outros serviços e rentabilizar o negócio”, comenta.

Saindo da zona de conforto

A Rede, credenciadora do Itaú Unibanco, diz que está atenta à mudança de regras do mercado. Diretor da empresa, Angelo Russomano conta que a empresa está debruçada no desenvolvimento de novas funcionalidades, algumas delas envolvendo o Pix.

Segundo o executivo, um ponto que a Rede tem olhado atentamente é o auxílio à digitalização dos varejistas, o que inclui a automação da frente do caixa, inclusive para integrar o pagamento pelo Pix. “Essa é a maior demanda dos varejistas. Se o Pix for melhor para os estabelecimentos, a gente tem de investir”, afirma Russomano, que há 30 anos atua no mercado de meios de pagamento.

Alta dos juros deu tempo extra às empresas

Com a escalada dos juros neste ano, com a Selic perto de 14% ao ano, as empresas deixaram um pouco de lado a briga por preços, reduzindo taxas cobradas de comerciantes e prestadores de serviço. Com isso, ganharam fôlego extra de caixa e tempo extra para arrumar a casa para tempos difíceis que inevitavelmente virão.

Sociedade entre Banco do Brasil e Bradesco, a Cielo conseguiu recuperar suas margens. A líder do setor viu seus resultados melhorarem e sua ações subirem, apesar das dúvidas que ainda pairam sobre o setor em um prazo mais longo. Procurada, a Cielo não concedeu entrevista.

Em relatório a clientes, o BTG Pactual disse que as grandes empresas do ramo, como a Cielo, conseguiram se reequilibrar depois de um período de pressão com a entrada de fintechs e neobancos no segmento de pagamentos, com a oferta de taxas mais baixas. Apesar disso, o banco alertou que o alívio pode durar pouco: “Não descartamos um cenário de concorrência mais acirrada quando as taxas de juros começam a diminuir. No geral, nenhum jogador conseguiu criar muito valor fora do negócio principal de pagamentos”, diz o documento.

Embora o mercado critique o setor pela resistência em abandonar as maquininhas, Julia Corrêa de Vasconselos, líder da área de banking da Stone, diz que a empresa vem, sim, trazendo novidades aos clientes, como uma solução de gestão financeira. O serviço da Stone, ofertado em parceria com a Linx, permite que o pagamento feito via QR-Code pelo consumidor seja associado a uma nova fiscal automaticamente, garantindo o controle financeiro do estabelecimento.

Destaque 6

Ipec: Lula tem 55% dos votos válidos, Bolsonaro tem 45%

Publicado

em

Pesquisa Globo/Ipec sobre a disputa presidencial divulgada nesta quarta-feira (5) mostra Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com 55% das intenções de votos válidos, seguido por Jair Bolsonaro (PL), com 45%. O segundo turno das eleições está marcado para 30 de outubro.

Os votos válidos, que excluem os votos em branco e nulos, determinam o resultado das eleições. Nas disputas para presidente e governador, o candidato que atinge mais de 50% dos votos válidos vence as eleições no primeiro turno. Caso nenhum alcance esse percentual, é realizado um segundo turno.

A pesquisa entrevistou 2.000 pessoas de forma presencial entre os dias 3 e 5 de outubro e tem como margem de erro dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%.

Pesquisas eleitorais mostram uma tendência e, não necessariamente, correspondem ao resultado das urnas. Não é uma ciência exata e as amostragens são limitadas. A CNN Brasil divulga os dados de 11 institutos tradicionais por entender que as pesquisas são uma ferramenta importante para análise do eleitor.

O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (STE) com o número BR-02736/2022.

Segundo turno

Votos válidos

Intenção de votos estimulada para presidente::

Luiz Inácio Lula da Silva (PT) – 55%
Jair Bolsonaro (PL) — 45%

Votos totais

Intenção de votos estimulada para presidente:

Luiz Inácio Lula da Silva (PT) – 51%
Jair Bolsonaro (PL) — 43%
Brancos/Nulos — 4%
Indecisos — 2%

Continuar lendo

Destaque 6

À espera de Tebet, Lula recebe apoio de FHC e Helder; Bolsonaro, de Ibaneis e Ratinho Júnior

Publicado

em

Os candidatos à Presidência que vão disputar o segundo turno das eleições deste ano, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL), receberam novos apoios nesta quarta-feira (5).

Lula recebeu pela manhã os apoios do governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

O petista agora aguarda a formalização do apoio de Simone Tebet (MDB), terceira presidenciável mais bem votada no primeiro turno – um encontro entre os dois, nesta quarta (5), deve selar o apoio.

FHC e governadores de PA, PR e DF anunciam seus apoios

O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) confirmou nesta quarta, por meio de suas redes sociais, que apoiará Lula no segundo turno. “Neste segundo turno voto por uma história de luta pela democracia e inclusão social. Voto em Luiz Inácio Lula da Silva”, escreveu. O petista agradeceu o apoio.

O governador reeleito do Pará, Helder Barbalho (MDB), é outro que aderiu a Lula. Nas redes sociais, o petista anunciou que participou de reunião com emedebista na manhã desta quarta e celebrou a aliança. “Agradeço seu apoio neste segundo turno. Vamos juntos pelo bem do Pará e do Brasil!”, disse.

Bolsonaro, por sua vez, recebeu o apoio formal do governador reeleito do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), nesta quarta. Em pronunciamento no Palácio da Alvorada ao lado de Bolsonaro, o emedebista disse que foco da campanha estará em buscar votos da “população mais carente”.

Ratinho Júnior (PSD), governador reeleito do Paraná, também participou de pronunciamento ao lado de Bolsonaro no Palácio da Alvorada, em Brasília, e formalizou apoio ao presidente.

Dentre os 15 vitoriosos nas disputas pelos governos estaduais encerradas no primeiro turno das eleições, que aconteceram no último domingo (2), oito declararam apoio à candidatura de Bolsonaro; outros cinco se aliaram a Lula.

Dois dos governadores eleitos ainda não se posicionaram sobre a eleição presidencial: Clécio Luís (Solidariedade), do Amapá, e Wanderlei Barbosa (Republicanos), do Tocantins.

Governadores que apoiam Bolsonaro

Gladson Cameli (PP) – Acre
Ibaneis Rocha (MDB) – Distrito Federal
Ronaldo Caiado (União Brasil) – Goiás
Mauro Mendes (União Brasil) – Mato Grosso
Romeu Zema (Novo) – Minas Gerais
Ratinho Jr (PSD) – Paraná
Cláudio Castro (PL) – Rio de Janeiro
Antonio Denarium (PP) – Roraima
Governadores que apoiam Lula
Elmano Freitas (PT) – Ceará
Carlos Brandão (PSB) – Maranhão
Rafael Fonteles (PT) – Piauí
Fátima Bezerra (PT) – Rio Grande do Norte
Helder Barbalho (MDB) – Pará
MDB libera diretórios

Já o MDB, partido de Tebet, Helder e Ibaneis, anunciou nesta terça a decisão de liberar os diretórios estaduais para tomada de decisão sobre qual candidato apoiar.

“Nas últimas 48 horas, dirigentes, congressistas, governadores e prefeitos externaram sua posição em relação à disputa nacional em segundo turno. Por ampla maioria, o MDB decidiu dar liberdade para que cada um se manifeste conforme sua consciência”, afirma a nota, assinada pelo deputado Baleia Rossi, presidente da Executiva Nacional do MDB.

O comunicado do MDB conclui afirmando que, “em qualquer cenário”, o partido “cobrará o vencedor o respeito ao voto popular, ao processo eleitoral como um todo e, sobretudo, a defesa intransigente da Constituição de 1988 e do Estado Democrático de Direito”.

Continuar lendo

Destaque 6

Propaganda eleitoral no rádio e TV recomeça na sexta-feira

Publicado

em

Os dois candidatos a presidente da República e os 24 a governador que disputam o segundo turno das eleições podem retomar na sexta-feira (7) a propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV.

A propaganda será veiculada nas emissoras que operam em VHF e UHF, bem como nos canais de TV por assinatura administrados pelo Senado, a Câmara dos Deputados, as assembleias legislativas, a Câmara Legislativa do Distrito Federal ou as câmaras municipais.

Deverão ser utilizados recursos de acessibilidade, como legendas em texto, janela com intérprete de Libras e audiodescrição sob responsabilidade dos partidos, federações e coligações.

No segundo turno, o tempo de propaganda é dividido igualmente entre os candidatos. A propaganda será veiculada até o dia 28 de outubro, 2 dias antes da votação, marcada para 30 de outubro.

Pelas normas eleitorais, a propaganda para presidente da República será veiculada na TV de segunda-feira a sábado, das 13h às 13h10, e das 20h30 às 20h40. No rádio, a propaganda para presidente vai ao ar de 7h às 7h10 e de 12h às 12h10.

O primeiro a se apresentar será o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por ter obtido maior número de votos no primeiro turno. A partir daí é feita a alternância com o presidente Jair Bolsonaro, que tenta a reeleição e ficou em segundo lugar.

Nos 12 estados em que a disputa para governador será definida no segundo turno, os candidatos poderão veicular propaganda de 7h10 às 7h20 e das 12h10 às 12h20 no rádio. Na televisão, o horário eleitoral para governador será de 13h10 às 13h20 e das 20h40 às 20h50.

Os candidatos têm 25 minutos de inserções por cargo, de segunda-feira a domingo, para veicular peças de 30 segundos a 60 segundos ao longo da programação.

Continuar lendo

Destaque 6

Rivalidade política nos municípios provoca disputas intensas com surpresas, vitórias e derrotas nas eleições

Publicado

em

As eleições do último domingo, 2, afloraram ainda mais a disputa política nos municípios, mesmo sendo uma eleição geral, sem escolha de vereadores e prefeitos.

O pleito apresentou surpresas, vitórias gigantescas, confirmou hegemonia e também decretou o fim de mandato para quem não conseguiu a reeleição.

Xapuri

Na princesinha do Acre já há alguns anos a rivalidade política é a divisão de votos principalmente entre Manoel Moraes e Antônio Pedro. Os dois são deputados estaduais e nos últimos pleitos eleitorais são os que se dividem nas primeira colocações como os mais votados.

A história se repetiu no domingo, mas com um desfecho diferente. Manoel Moraes (PP) foi o mais votado com 2.488 votos. Antônio Pedro (União) foi o segundo com 1.873 votos. Só que, ao contrário das eleições anteriores, apenas Moraes conseguiu a reeleição. Antônio não logrou êxito na busca pelo seu terceiro mandato na Aleac.

Brasileia

Mais uma vez em Brasileia, a criatura venceu a criadora. A prefeita Fernanda Hassem que surgiu na política acreana tendo como madrinha a ex-prefeita Leila Galvão, levou a melhor na disputa entre as duas mais uma vez. Após vencer a disputa pela prefeitura de Brasileia contra Galvão dois anos atrás, Fernanda este ano conseguiu eleger o irmão, Tadeu Hassem, que era secretário de finanças do município do Alto Acre.

Hassem foi o mais votado de Brasileia com 3.192 votos, conseguindo se eleger, enquanto Leila Galvão foi a segunda mais votada no município com 2.157 votos, mas não conseguindo voltar à Assembleia Legislativa, onde foi parlamentar entre os anos de 2014 a 2018.

Cruzeiro do Sul

Já no segundo maior colégio eleitoral, as eleições foram mais polarizadas, tendo pelo menos seis candidatos com mais de 2 mil votos no município.

O ex-presidente da Câmara de Vereadores, Clodoaldo Rodrigues, surpreendeu ao ser o campeão de votos, sendo o escolhido por quase 6 mil eleitores de Cruzeiro. Superou o atual presidente da Aleac que é o deputado mais votado da história do Acre com mais de 16 mil votos. Nicolau Júnior teve em Cruzeiro do Sul 4.348 votos. A terceira posição entre os mais votados foi a deputada reeleita Antônia Sales, com 3.213 votos. Sida do Mercantil São Paulo teve 2.748 votos, mas não se elegeu. Maria Antônia e Luiz Gonzaga completam a lista dos mais votados e conseguiram a reeleição, alcançando 2.190 e 2.050 votos respectivamente.

Sena Madureira

O município de Sena Madureira merece um capítulo à parte na avaliação das eleições deste ano, sendo o município que mais elegeu representantes no pleito eleitoral do último domingo, elegendo três deputados estaduais e dois deputados federais.

A eleição marcou vitórias dos dois grandes rivais políticos do Iaco, o prefeito Mazinho Serafim e o deputado Gerlen Diniz.

Serafim mostrou mais uma vez o seu poder político ao eleger seu vice-prefeito Gilberto Lira para a Assembleia Legislativa, que foi, disparado, o mais votado em Sena com 4.819 votos. Já Gerlen apostou em seu irmão para a Aleac e conseguiu eleger Gene Diniz, que obteve 2.591 votos. Completa o trio de deputados eleitos no município, Pablo Bregense, que apesar de trabalhar em Plácido de Castro, teve a maioria dos votos em Sena, onde foi escolhido por 2.370 eleitores.

A rivalidade política entre Mazinho Serafim e Gerlen Diniz também foi medida na eleição para a Câmara dos Deputados com final feliz para os dois. Mazinho conseguiu eleger a esposa, Meire Serafim, atual deputada estadual, e que foi a mais votada para o cargo com 9.734 votos dos sena-madureirenses. Já o deputado Gerlen Diniz também foi eleito deputado federal e foi o segundo mais votado no município com 6.728 votos.

Apesar da vitória dos dois, o sucesso nas urnas não significa paz entre os desafetos políticos. Pelo contrário, o fortalecimento ainda maior de Mazinho e Gerlen deve ser um combustível a mais para as eleições municipais em 2024.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.