Conecte-se agora

PT se distancia do PSB e estuda lançar Marcus Alexandre ao governo com JV ao Senado

Publicado

em

Ao que tudo indica o anúncio oficial da chapa da esquerda no Acre deve demorar ainda mais ou nem mesmo se concretizar. Esperado para ocorrer nesta semana, a federação entre PT e PSB, como ocorre no cenário nacional com Lula e Geraldo Alckmin, dá sinais que não deve sair do papel.

Dirigentes do PT defendem que o partido, que governou o Acre por duas décadas, lance chapa própria para as eleições 2022, principalmente após as declarações do ex-prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre, externou essa semana que não seria prioridade da sigla para a disputa de uma cadeira a Assembleia Legislativa.

Petistas consultados pelo ac24horas defendem que Marcus só se tornaria de fato prioridade caso disputasse o governo e essa possibilidade ganhou força nos últimos dias, o que levou o partido a postergar apoio ao deputado Jenilson Leite, pré-candidato ao governo pelo PSB.

Caso a articulação com PSB não se concretize na chapa majoritária, existe duas situações postas até o momento: Marcus sairia para o governo e Jorge para o Senado, ou Viana disputaria o governo e o PT agregaria outro nome ao senado que fosse de seus quadros.

A reportagem apurou que o ex-senador Jorge Viana teria dito a interlocutores que o movimento feito pelo governador Gladson Cameli de escolher a Márcia Bittar (PV) como vice, o fez repensar sobre a chapa majoritária.

O ac24horas convidou Jorge Viana para questioná-lo sobre e os desdobramentos das eleições deste ano e detalhar sobre o que pode ocorrer com os últimos movimentos da política do Acre às 18h, ao vivo, no Programa Boa Conversa.

Destaque 4

Rio Branco tem o melhor Índice de Qualidade da Educação do Acre; pior é em Santa Rosa

Publicado

em

A Secretaria Estadual de Educação, Cultura e Desporto (SEE), publicou no Diário Oficial desta terça-feira, 16, o Índice de Qualidade da Educação (IQE) em todos os 22 municípios acreanos.

O índice é resultado de um cálculo que leva em conta a nota recebida pelo IDEB, que é o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, criado pelo governo federal para medir a qualidade do ensino nas escolas públicas, e a taxa de abandono escolar em cada município.

De acordo com os números divulgados pela própria SEE, o melhor Índice de Qualidade da Educação está em Rio Branco, capital do estado, com 6,4 de nota no IDEB. Com uma taxa de abandono de 0,20%, o número final da capital acreana é de 5,408490%. Os municípios de Brasileia e Senador Guiomard também receberam 6,4 de nota do IDEB. Só que com taxas de abandono um pouco maiores, de 0,40% e 1.80% estão em segundo e terceiro lugar respectivamente.

Os menores IQE estão em Santa Rosa do Purus que recebeu 3,4 do IDEB e tem uma taxa de 4,30%, a maior do Acre. Na sequência, aparece o município de Porto Walter com 3,7 do IDEB e 1,20% de taxa de abandono.

Vale ressaltar que o IQE é aplicado na apuração do ICMS para cada município.

Confira a classificação geral do Acre no quadro abaixo:

 

Continuar lendo

Destaque 4

Líder de facção é executado no Acre em ataque que teve mais de 30 tiros

Publicado

em

O líder de uma organização criminosa identificado como André Luiz do Amaral, de 29 anos, foi executado a tiros na noite desta segunda-feira, 15, na frente de um estabelecimento situado na rua Uirapuru, no bairro Cidade Nova, segundo distrito de Rio Branco.

Segundo a polícia, André estava reunido com amigos na frente do estabelecimento quando criminosos chegaram em uma motocicleta e um veículo de cor branca. O grupo armado efetuou mais de 30 tiros na direção de André, que mesmo ferido, ainda conseguiu correr para dentro do estabelecimento e caiu. Os amigos da vítima saíram ileso durante o ataque. Após a ação, os criminosos fugiram do local.

Populares acionaram a ambulância do suporte avançado do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), mas a equipe apenas atestou o óbito.  O corpo foi removido e encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para os exames cadavéricos.

Policiais Militares do 2° Batalhão colheram as características dos bandidos, fizeram patrulhamento na região, mas ninguém foi encontrado. A polícia acredita que o crime foi motivado pela guerra entre facções.

O caso segue sob investigação dos Agentes de Polícia Civil da Equipe de Pronto Emprego (EPE) da Delegacia Especializada de Investigação Criminal (DEIC).

Continuar lendo

Destaque 4

Com suplentes comandando Senado pelo Acre, 16 nomes sonham com mesmo destino

Publicado

em

Atualmente, os três senadores que representam o Acre no Senado Federal não foram votados diretamente pela população. São suplentes que acabaram substituindo seus titulares. Maria das Vitórias (PSD) e Eduardo Velloso (União Brasil) assumiram após os pedidos de licenciamentos de Sérgio Petecão e Márcio Bittar, os dois candidatos ao governo. Já Mailza (Progressistas), herdou o mandato quatro anos atrás quando Gladson Cameli foi eleito governador do Acre.

Quando o eleitor vota em um candidato ao Senado, acaba votando também em seus suplentes que podem assumir a vaga em caso de vacância. Saiba quem são os dois suplentes dos oito candidatos que pediram registro de suas candidaturas no Tribunal Regional Eleitoral do Acre.

Alan Rick (União Brasil) – 1º suplente: Gemil Júnior, ex-diretor do Detran e Secretário de Saúde na gestão do petista Sebastião Viana, empresário e homem forte da administração da Igreja Batista do Bosque; 2º Suplente: Michel Negreiros Casagrande, Coronel da Polícia Militar.

Dimas Sandas (Agir) – 1º suplente: Tiago Farias, conhecido por ser o presidente da Associação dos Cornos do Acre; 2ª suplente é Ivana Moura.

Dra. Vanda Milani (PROS) – 1º suplente: Solino Matos, conhecido aliado do senador Sérgio Petecão; 2º suplente: José Costa;

Dr. Jenilson Leite (PSB) – 1º suplente: César Messias, ex-vice-governador e ex-deputado federal; 2º suplente: Coronel Anastácio, ex-comandante da PM no Acre durante o governo Sebastião Viana.

Márcia Bittar (PL) – 1º suplente: Ivo Galvão, professor; 2ª suplente: Beth Pinheiro, ex-vereadora em Rio Branco.

Nazareth Araújo (PT) – 1º suplente: Sibá Machado, ex-deputado federal e ex-senador; 2º suplente: Tião Bruzugu, fisioterapeuta.4

Ney Amorim (Podemos) – 1º suplente: Rennan Biths, Policial Civil e diretor da PC nos governos Sebastião Viana e Gladson Cameli; 2º suplente: Rui Oscar, advogado.

Sanderson Moura (PSOL) – Augusto Maia, sociólogo; 2º suplente: Pedro Teles, professor.

Continuar lendo

Destaque 4

Patrimônio de Alan Rick cresceu quase 600% em 8 anos, segundo declaração de bens ao TRE/AC

Publicado

em

O deputado federal Alan Rick Miranda, do União Brasil, foi o oitavo postulante a registrar, na manhã desta segunda-feira (15), último dia do prazo previsto pelo calendário eleitoral, a sua candidatura ao Senado Federal no Tribunal Regional Eleitoral do Acre (TRE/AC).

Em números brutos, sem considerar fatores como inflação e valorização de bens, Alan Rick apresentou um crescimento de quase 600% no valor do seu patrimônio desde o ano de 2014, quando foi eleito deputado federal pela primeira vez.

Naquele ano, Miranda declarou à Justiça Eleitoral R$ 268.166,11 em veículos automotores, apartamentos e uma área de terra nua.

Já em 2018, quando se reelegeu, Alan Rick apresentou mais que o dobro em valor dos seus bens declarados. Foram R$ 727.390,11 em fundos de investimentos, participações societárias e uma casa.

Na atual eleição, o valor do patrimônio declarado pelo candidato do União Brasil foi a R$ 2.121.474,30 – envolvendo quatro apartamentos, três terrenos, aplicações e investimentos e veículos automotores.

O parlamentar explica, no entanto, que possui, de fato, apenas um apartamento, que aparece na relação de bens no valor de R$ 500 mil. Os outros três relacionados são apenas cotas de férias, no valor de R$ 28.942,49 cada uma.

Cota de férias é um modelo de investimento em imóvel chamado de multipropriedade ou fração imobiliária, no qual se compra o direito a uma semana ou duas de uso em um hotel ou resort para aproveitar períodos de férias.

No mais, Alan Rick justifica o aumento do valor do patrimônio declarado ao TRE como resultado da valorização de bens no curso dos anos e dos investimentos que realizou nesse período.

O deputado federal chega ao começo da campanha ao Senado em meio a divergências com a maior liderança do União Brasil no Acre, o senador licenciado e candidato ao governo Márcio Bittar.

Alan Rick tinha encaminhado a candidatura a vice-governador na chapa do candidato à reeleição, Gladson Cameli, mas foi impedido após Bittar desmantelar a Comissão Provisória que dirigia o diretório estadual do União Brasil no Acre.

Os suplentes de Alan Rick são o empresário Gemil Salim de Abreu Júnior e o policial militar Michel Negreiros Casagrande.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!