Conecte-se agora

Indicadores da força de trabalho acreana em 2021: redução do desemprego, queda nos rendimentos e aumento da informalidade

Publicado

em

A nossa conversa de hoje é sobre os números da nossa força de trabalho em 2021. Vamos aproveitar e apresentá-los de forma comparativa com alguns dados expondo os números dos quartos trimestres de 2018, 2019, 2020 e 2021 e outros comparando o quarto trimestre de 2020, o terceiro trimestre de 2021 e o quarto trimestre de 2021. Os dados são do IBGE, que no último dia 24/2, divulgou os dados da Pnad Contínua Trimestral, que trata dos números da força de trabalho brasileira desmembrados por unidades da federação.

 A taxa de desocupação (desemprego) da força de trabalho acreana fechou o quarto trimestre de 2021 em 13,2%, a menor dos últimos 4 anos. A taxa caiu 2,6 pontos percentuais (p. p.) em relação ao mesmo trimestre de 2020 (15,8%), 0,7 p. p. frente ao mesmo trimestre de 2019 (13,9%) e 0,1 p.p em relação ao mesmo trimestre de 2018.

Conforme pode ser observado no gráfico acima, o Acre tinha 51 mil pessoas desempregadas no final de 2021, 6 mil a menos que em 2020 e 2 mil a mais que em 2019 e 2018. Porém, num cenário de crescimento contínuo da população total, é importante observar os números das pessoas na força de trabalho. Verificamos que apesar da queda de 3% de 2018 para 2019 e um pequeno aumento de 2019 para 2020 (1,4%), no período de 2018 para 2021, o crescimento foi de 4,7%, saindo de 364 mil para 381 mil, influenciado, fortemente, pela redução das restrições do isolamento social em função da pandemia.  É importante ressaltar que a taxa de desemprego é medida pelo número de pessoas que não conseguiram emprego dentre o número de pessoas na força de trabalho, ou seja, a população com mais de 14 anos que quer trabalhar.

A taxa de desemprego do Acre, embora mantendo a tendência, aparece desde 2018, sempre acima da taxa brasileira. Em 2021, no quarto trimestre, a taxa Brasil foi de 11,1%, enquanto a taxa do Acre foi de 13,2%. A taxa média anual brasileira caiu de 13,8% em 2020 para 13,2% em 2021 e a acreana caiu de 15,4% para 15,3%, no mesmo período.

Aumento na informalidade e queda dos desalentados 

O número de desalentados (pessoas que desistiram de procurar trabalho devido às condições estruturais do mercado) apresentou uma redução de 21% em relação ao 4° trimestre de 2020, saindo de 48 para 38 mil pessoas. No entanto o patamar ainda está muito alto, alguns estados com estruturas econômicas sólidas e população maior que a do Acre, apresentaram números bem menores de desalentados, como foi o caso de Mato Grosso (25 mil) e Rondônia (27 mil).

A taxa de informalidade do Acre subiu 1,1 p.p do terceiro (46,3%) para o quarto trimestre (47,4%) com 157 mil pessoas da população empregada. O Setor informal é constituído pelos empregados no setor informal, por aqueles sem carteira assinada (empregados do setor privado ou trabalhadores domésticos), pelos sem CNPJ (empregadores ou empregados por conta própria) e pelos trabalhadores sem remuneração. O maior contingente dos trabalhadores informais do Acre é constituído pelos chamados “conta própria” (autônomos), que representa 56% de todos os informais (88 mil pessoas). A taxa de informalidade do Acre é bem mais elevada que a do Brasil, que foi de 40,7% da população ocupada.

Emprego por setores da economia – Em um ano, ocupações no setor industrial aumentam 50% 

Como pode ser observado no gráfico abaixo, no 4º trimestre de 2021, o setor de serviços domina as ocupações da força de trabalho acreana com representatividade de 56,6%, sendo que 24,5% das ocupações do setor trabalham na administração pública. Em seguida vem os ocupados no comércio, com 19,6% e na agropecuária, 12,1%. Se juntarmos as ocupações da indústria em geral com a construção civil, as ocupações somam 15,7% do total (9,1% da indústria e 6,6% da construção).

No 4º trimestre de 2021, três setores de ocupação da força de trabalho acreana obtiveram crescimento em relação ao 4º trimestre de 2020. O maior destaque foi o setor industrial em geral (exceto a construção), que ocupava 20 mil em 2020 e, em 2021 ocupava 30 mil, um aumento de 50%. em um ano, ocupando 30 mil. O setor de serviços cresceu 11,5% (as ocupações do setor público cresceram 11%) e finalmente as ocupações da agropecuária que cresceram 5,3%. Os setores da construção civil e do comércio não tiveram variação nas ocupações no período analisado.

Em um ano caiu o rendimento, mas aumentou a massa de rendimento das pessoas ocupadas

No 4º trimestre de 2021, o rendimento médio real de todos os trabalhos, habitualmente recebido por mês, pelas pessoas ocupadas, com rendimento de trabalho, foi estimado em R$ 2.152. Este resultado apresentou redução de 4,7% em relação ao trimestre imediatamente anterior (R$ 2.259) e de 2,1% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$ 2.199).

A massa de rendimento médio real de todos os trabalhos foi estimada em 688 milhões de reais, registrando queda (3,7%), em relação ao trimestre anterior (R$ 715 milhões de reais). Porém, houve um aumento (6,2%) em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$ 648 milhões de reais).

Verificamos a redução na taxa de desemprego, porém, continuamos com uma taxa alta, acima da taxa Brasil. Afinal são 51 mil desempregados, 38 mil desalentados e 157 mil desocupados estão na informalidade. Além do mais, o rendimento médio caiu 2,1% em um ano, num cenário de alta inflação (11,43% em Rio Branco). Esperemos um crescimento no ritmo de recuperação dos postos de trabalho que depende diretamente das políticas macroeconômicas dos governos. Vamos esperar mais investimentos públicos e uma política forte de combate à inflação.


Orlando Sabino escreve às quintas-feiras no ac24horas

Acre 01

Gladson “dialoga com calango” e arranca risos do público durante entrega de batalhão da PM

Publicado

em

Continuar lendo

Acre 01

Ex-deputado diz que Mesa Diretora da Aleac foi “negligente” ao permitir confusão

Publicado

em

Continuar lendo

Destaque 2

Gladson reafirma que assumirá o PP e diz que Mailza será presidente de honra

Publicado

em

Continuar lendo

Acre

Nova onda de frio deve chegar ao Acre na próxima semana, diz Friale

Publicado

em

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!