Conecte-se agora

INSS mantém alerta contra fraudes em consignados; sabia como evitar

Publicado

em

O INSS mantém desde o começo deste ano alerta contra fraudes em empréstimo consignado aos aposentados e pensionistas, e lembra que não entra em contato por meio de mensagens de telefone ou aplicativos como WhatsApp, ligação ou e-mails para oferecer serviços de empréstimo consignado, nem envia motoboys para a casa dos beneficiários. Não devem ser passados, em nenhuma hipótese, dados como senhas e dados bancários.

As cláusulas desses acordos feitos entre o INSS e as instituições financeiras preveem que cabe aos bancos acordantes a adoção de cuidados para evitar o vazamento de dados, consignações fraudulentas e assédio comercial.

Em caso de fraudes ou em que não reconheça o empréstimo, o segurado deve procurar imediatamente a instituição financeira e registrar também sua reclamação no Portal do Consumidor (consumidor.gov.br), para fins de tratamento e exclusão de descontos.

O próprio beneficiário pode solicitar o bloqueio de contratação de operações de crédito consignado por meio do Meu INSS, site ou aplicativo ou pela Central 135, que funciona das 7h às 22h, de segunda a sábado.

O atendimento deste serviço será realizado à distância, não sendo necessário o comparecimento presencial nas unidades do INSS.

O segurado que se sentir ameaçado pode registrar reclamação na ouvidoria e um Boletim de Ocorrência junto à Polícia.

COMO EVITAR GOLPES?

1. Observe o remetente das mensagens;

2. Não clique em links de e-mails ou mensagens de WhatsApp de remetentes que você não conhece;

3. Nunca informe seus dados pessoais e bancários em resposta a ligações, e-mails ou links desconhecidos;

4. Nas redes sociais, não compartilhe nada sem checar a procedência e a veracidade das informações.

Em 2018,  foi publicada a Instrução Normativa nº 100/PRES/INSS, que altera o processo de operações de crédito. A norma proíbe que instituições financeiras ofereçam aos segurados empréstimos por 180 dias após a concessão do benefício e, também, o marketing abusivo para a concessão desse tipo de empréstimo.

Além disso, a instrução normativa estabelece que a possibilidade de contratação de empréstimo consignados também fica bloqueada por 90 (noventa) dias, contados a partir da data de concessão.

O beneficiário pode realizar o bloqueio e desbloqueio do benefício a qualquer momento após o prazo de 90 (noventa) dias através da Central de Atendimento 135 ou pelo Meu INSS.

O INSS assinou, também, junto ao Instituto de Registro de Títulos e Documentos e de Pessoas Jurídicas do Brasil um “Protocolo de Intenções” para o desenvolvimento de medidas de combate a fraudes nos empréstimos consignados realizados pelos segurados do INSS.

O objetivo pretendido é de que o processo de empréstimo exija a “Assinatura Eletrônica Avançada”, utilizando mecanismos como a biometria facial para impedir que uma pessoa se passe por outra.

Outras informações, acesse o Portal do INSS.

Acre

STJ adia análise de recursos de Gladson na Operação Ptolomeu

Publicado

em

Apesar de estar na pauta do dia, os recursos do governador Gladson Cameli em relação a operação Ptolomeu não foram analisados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) na sessão desta quarta-feira, 18.

O governador Gladson pede anulação do inquérito da Operação Ptolomeu, desencadeada em dezembro do ano passado. Outro recurso na pauta é a análise das medidas cautelares impostas a familiares e secretários de governo.

Os recursos tem como relatora a ministra Nancy Andrighi. O órgão controlador deverá julgar medidas cautelares impostas a ex-membros do governo e a familiares do chefe do executivo.

Como só acontecem duas sessões por mês no STJ, o julgamento dos recursos de Gladson só devem ser analisados no mês de junho.

Continuar lendo

Acre

Prefeitura anuncia alteração no tráfego da rua Rio de janeiro

Publicado

em

A prefeitura de Rio Branco anunciou nesta semana uma alteração no tráfego da rua Rio de Janeiro na capital acreana. De acordo com o secretário Municipal de Infraestrutura e Mobilidade Urbana (Seinfra), Cid Ferreira, no sentido Rio de Janeiro/bairro, haverá mão dupla até chegar à confluência da rua Princesa Isabel, que fica próximo ao posto Shell, onde virando à esquerda irá para a rua Minas Gerais e deságua na Avenida Ceará.

“Quem vem do bairro para o centro, vai ser a mesma situação, porém, havendo uma via de mão dupla até a confluência da rua princesa Isabel”, explicou Cid Ferreira. A prefeitura informou que a obra que percorre toda a extensão da rua Rio de Janeiro e parte da Minas Gerais, está orçada em R$11 milhões, fazendo parte do pacote de obras do município, previstos para 2022-2023.

Na execução do trabalho estão previstos serviços de reestruturação de capa asfáltica, sinalização completa, bocas de lobo, sarjetas, calçamento, alargamento da via em alguns trechos, podendo haver alterações no decorrer da obra.

Até o momento, apenas os serviços de recuperação de pavimento foram liberados. De acordo com o secretário Cid Ferreira, a obra deve ser concluída até o próximo ano, sendo que esta etapa está prevista para ser executada entre 8 a 10 meses.

Continuar lendo

Acre

Acreano é pego tentando viajar no compartimento de roda de ônibus

Publicado

em

Um acreano identificado como João Paulo Martins da Silva, foi pego tentando viajar em um compartimento de roda de ônibus no interior da cidade de São Paulo.

Segundo a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (Semads), o rapaz chegou a cidade paulista realizando estas viagens escondido, e está na tentativa de encontrar sua avó, que segundo ele, se chama Maria das Dores Martins e mora em Boca do Acre, município do Amazonas.

João Paulo é conhecido por realizar este tipo de ação, já que em fevereiro de 2020 foi encontrado embaixo de um coletivo, e tinha viajado cerca de 505 quilômetros, durante 8 horas, de Rio Branco, no Acre, até Rondônia.

Dois dias depois, foi encontrado pela Polícia Rodoviária Federal disfarçado de mulher, e disse que queria chegar a Manaus (AM). Com aparentes sinais de distúrbios psicológicos, o homem foi levado para a delegacia de Polícia Civil de Humaitá, e depois encaminhado para uma unidade de saúde.

Continuar lendo

Acre

Alan se diz inocente e lembra abuso e ameaças de morte na prisão

Publicado

em

Alan Araújo de Lima, 22 anos, envolvido no acidente que resultou na morte de Jonhliane Paiva Sousa, em um acidente de trânsito ocorrido em agosto de 2020, foi o segundo a prestar depoimento na manhã desta quarta-feira, 18, na 2ª Vara do Tribunal do Júri e Auditoria Militar, em Rio Branco, e fez questão de negar que tenha praticado racha com Ícaro Pinto e qualquer tipo de amizade entre ambos.

O momento auge do depoimento, foi em relação aos abusos, extorsões e ameaças de morte ocorridas durante os 40 dias em que esteve preso na penitenciária Francisco de Oliveira Conde. “Só eu sei o que passei naquele presídio. Tive ameaças, extorsão. Estava em cela com oito pessoas. Dormia na pedra. Fizeram ameaça em dinheiro. A intenção do meu pai era me proteger. Mas se tornou um pesadelo, eles queriam mais. Os advogados levaram R$ 500 em média. Eu pagava para estar vivo. Eu entrei em estado de depressão, perdi mais de 15 kg”, argumentou.

Preso há um ano e 9 meses, sendo que, agora, no Batalhão de Operações Especiais (BOPE), Araújo contou que não faz uso de bebida alcoólica e negou sua participação na morte de Jonhliane. “Eu não bebo, até por não sentir vontade. A bebida faz a pessoa praticar coisas erradas. Não sou santo, não sou. Não cometi crime de racha, nunca fui amigo do Ícaro, não conheço, então creio que em busca da justiça, acabaram criando injustiça comigo”, destacou.

O juiz Alesson Braz questionou se a velocidade de Alan Araújo estava superior a mais de 90 km, mas Araújo negou veementemente. “Se eu cheguei a 80 km foi muito”, afirmou.

Indagado pelo fato de não ter parado no momento exato do acidente, Alan contou que decidiu ir atrás do envolvido, porém, sem sucesso e por essa razão voltou até ao local dos fatos para auxiliar a vítima. “No trajeto estava indo deixar o Eduardo na casa dele e próximo a Assembleia de Deus aconteceu o acidente. Eu fui atrás dele, não achei e voltei ao local para saber como ela estava”, ressaltou.

Entretanto, Araújo se sentiu intimidado e decidiu sair do local do impacto fatal que matou a jovem comerciária. “Cheguei lá, fiquei parado. Me perguntaram o que tinha acontecido e as pessoas insinuaram que havia racha. Me senti mal, não me senti seguro e saí de lá”, argumentou.

O advogado Carlos Vinicius, que defende Alan nos tribunais atualmente, reforçou ao ac24horas que no episódio de dinheiro levado ao presídio, ele não advogava ainda para o réu.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!