Conecte-se agora

Pesquisa da Fieac/Perfil mostra Lula e Bolsonaro empatados tecnicamente no Acre

Publicado

em

Além dos números para o governo e senado, a Federação das Indústrias do Acre (Fieac) também divulgou nesta segunda-feira, 13, o levantamento do Perfil Pesquisas que mostra a preferência do eleitor acreano na disputa pela presidência da república em 2022 e revela um empate técnico entre as duas principais forças políticas nacionais.

De acordo com o estudo estimulado, o ex-presidente Lula e o atual presidente Jair Bolsonaro estão empatados tecnicamente, sendo que o petista leva uma pequena vantagem ao registrar 34,9% enquanto o conservador 33,2%. Na terceira colocação surge o ex-juiz Sérgio Moro com 9,3%, sendo seguido por Ciro Gomes com 5,9%, João Dória com 2,6% e Rodrigo Pacheco com 0,9%. Branco, nulos ou não respondeu registrou 8,6% e ainda não sabe ou indeciso marcou 4,7%.

Porém, quando a pesquisa é espontânea, Bolsonaro fica na frente 31,2% e Lula com 28,9%. Moro registra 3,5%, Ciro 3,3%, Doria 0,8%, Pacheco 0,2%. Cabo Daciolo, Michel Temer, Dilma Rousseff e João Amoedo registraram 0,1%, cada. 19,3% afirmam estarem indecisos e 12,3% opinaram branco, nulo ou não responderam.

No quesito rejeição, Lula e Bolsonaro também lideram. Enquanto o ex-presidente registra 39,7%, o atual marca 37,9%. Doria aparece com 4,7%, Moro com 4,1%, Ciro 3,5% e Pacheco com 2,7%. 7,5% não responderam ao questionamento.

O levantamento do Perfil Pesquisas foi realizado entre os dias 1 a 7 de dezembro e ouviu 1.482 eleitores em oito cidades do Acre, sendo Rio Branco, Cruzeiro do Sul, Sena Madureira, Tarauacá, Feijó, Xapuri e Epitaciolândia. A margem de Erro é 3 pontos percentuais, para mais ou para menos e o Nível de Confiança é de 95%.

Destaque 3

Energisa Acre está com vagas abertas para contratação de eletricistas e técnicos

Para saber mais informações sobre as vagas, basta acessa a plataforma de carreira do Grupo

Publicado

em

A Energisa Acre está recrutando eletricistas e técnicos. Você tem interesse? Todas as vagas abertas estão disponíveis na plataforma de carreiras do Grupo Energisa: https://jobs.kenoby.com/grupoenergisa.

Além disso, a empresa mantém um Banco de Talentos para Pessoas com Deficiência, Engenheiro Eletricista e Eletricista.

Os salários oferecidos dependem do cargo, experiência e formação. O profissional tem direito a planos de saúde e odontológico, previdência privada, vale-alimentação ou refeição, auxílio creche e educacional, Programa de Participação nos Lucros e Resultados (PLR), programas de qualidade de vida e auxílio academia, entre outros.

A Energisa é a primeira do setor elétrico brasileiro a ocupar uma posição no Linkedin Top Companies entre as empresas mais desejadas pelos brasileiros para se trabalhar e construir carreira.

Centenas de contratações em 2021

Desde o ano passado, a Energisa Acre já contratou 301 profissionais para atuar em diversas áreas. A empresa é uma das principais em geração de emprego e renda no estado. No setor elétrico, destaca-se pela inovação, com foco na sustentabilidade, qualidade dos serviços prestados e segurança.

Continuar lendo

Destaque 3

Caixa Econômica Federal paga parcela do Auxílio Brasil para Beneficiários NIS final 4

Publicado

em

A Caixa Econômica Federal paga nesta segunda-feira (23) a parcela de maio do Auxílio Brasil aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS) de final 4. O valor mínimo do benefício é R$ 400. As datas seguem o modelo do Bolsa Família, que pagava nos dez últimos dias úteis do mês.

O beneficiário poderá consultar informações sobre datas de pagamento, valor do benefício e composição das parcelas em dois aplicativos: Auxílio Brasil, desenvolvido para o programa social, e Caixa Tem, usado para acompanhar as contas poupança digitais do banco.

Atualmente, 17,5 milhões de famílias são atendidas pelo programa. No início do ano, 3 milhões foram incluídas.

Benefícios básicos

O Auxílio Brasil tem três benefícios básicos e seis suplementares, que podem ser adicionados caso o beneficiário consiga emprego ou tenha filho que se destaque em competições esportivas, científicas ou acadêmicas.

Podem receber o benefício famílias com renda per capita até R$ 100, consideradas em situação de extrema pobreza, e até R$ 200, em condição de pobreza.

Benefício permanente

Na semana passada, o presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou a medida provisória que torna o Auxílio Brasil de R$ 400 um benefício permanente. A sanção foi publicada no Diário Oficial da União.

A proposta inicial do governo federal previa que esse valor valesse apenas até dezembro de 2022. Os parlamentares, no entanto, decidiram tornar o valor permanente, e o texto aprovado pelo Senado, no último dia 4, já tornava o piso de R$ 400 permanente com a inclusão de uma espécie de complemento ao valor do Auxílio Brasil. Antes, o benefício tinha o tíquete médio de R$ 224.

De acordo com a Secretaria-Geral da Presidência da República, o governo gasta cerca de R$ 47,5 bilhões anuais só com o volume regular do Auxílio Brasil. A estimativa é que o governo precise desembolsar outros R$ 41 bilhões por ano para bancar o valor complementar ao benefício.

“A sanção presidencial é importante para efetivar o Programa Auxílio Brasil, tornando-o perene à sociedade, mitigando o gargalo financeiro relativo aos mais necessitados”, disse a pasta.

Continuar lendo

Destaque 3

Com pouco dinheiro na praça, venda de veículos com mais de 13 anos de uso dispara no Acre

Publicado

em

Após alta de 6,7% entre 2020 e 2021, a venda de veículos seminovos e usados segue em franca ascensão no Acre em 2022. No acumulado do ano, o crescimento é de 31,8%.

Com exclusividade para o ac24horas, a Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotivos (Fenauto) preparou um relatório sobre o segmento em 2022 no Acre, e o que se vê é um mercado promissor, verdadeiro contraponto ao negócio de carros zero quilômetro: na Amazônia, as vendas seminovos e usados no Acre só perdem para as do Amapá, onde o mercado acumula incremento de 46,6% em 2022.

No Acre, nos quatro primeiros meses do ano já foram negociados 8.425 veículos seminovos e usados.

No País, segundo a Fenauto, a média diária de vendas de veículos seminovos e usados, em abril, cresceu 5,6%, em comparação com março, por conta do menor número de dias úteis no mês.

Em comparação com as vendas de março, o resultado recuou 13,6%, fechando o mês com um total de 939.182 unidades comercializadas, contra 1.086.602.

O total de vendas acumuladas no quadrimestre alcançou a marca de 3.706.064 de veículos, contra 4.705.647, em 2021 (-21,2%).

Em 2022, com a crise apertando o cinto, os acreanos passaram a comprar mais os veículos por cujo estado de conservação são chamados de “velhinhos” -aqueles com 13 anos ou mais de uso. Este ano, os velhinhos já são 78,8% de todos os seminovos e usados negociados no Estado.

Gol, Uno e Palio foram os mais vendidos de janeiro a abril.

Continuar lendo

Destaque 3

Redução de ICMS em operações interestaduais com gado pode favorecer desmatamento no Acre

Publicado

em

A opinião é da pesquisadora da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Biancca Scarpeline de Castro, especialista em avaliação e coordenação de políticas públicas. De acordo com ela, o decreto que estabelece redução de até 80% na base de cálculo do ICMS nas operações interestaduais com gado pode resultar em novos desmatamentos.

A Lei Estadual nº 3.938, publicada no Diário Oficial do Acre no dia 28 de abril passado, estabeleceu que a produção de gado acreano que for comercializada para o Amazonas, Rondônia e Roraima passaria a ter redução de 80% na base de cálculo do ICMS. Com o benefício, o valor de imposto a ser pago por pecuaristas sobre a operação para esses estados caiu de 12% para 2,4%.

Com relação à comercialização do gado para os estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e São Paulo, a redução foi de 66,67%. Com isso, o valor do imposto sobre a operação para tais estados foi reduzido para 4%.

De acordo com Biancca Scarpeline em reportagem do site ambiental ((o))eco, dependendo de como a norma for aplicada pelos pecuaristas, pode gerar efeitos opostos. De um lado, os produtores podem se sentir estimulados a regularizar seus rebanhos para serem beneficiados pela lei. De outro, o estímulo à produção de gado pode resultar em mais desmatamento.

“Não necessariamente o benefício à pecuária precisaria ampliar o desmatamento, pois pode ser estimulada uma intensificação da produção, uma melhor pecuária, por exemplo. Mas a questão é que, em sua maioria, a pecuária praticada no Acre é de baixa produtividade, o que significa que, para ampliar a produção, a área também deve ser ampliada”, explicou a pesquisadora ao ((o))eco.

Além disso, ela lembra que a pecuária, de modo geral, é uma atividade já bastante subsidiada pelo governo. “Essa é mais uma medida para beneficiar os produtores rurais em detrimento da sociedade. Isso porque o subsídio aos pecuaristas significa que o Estado do Acre está abrindo mão de impostos capazes de pagar políticas de saúde, educação e segurança para a população como um todo”, diz.

A Lei está em vigor até o dia 31 de agosto de 2022 ou até que o limite de 500 mil cabeças seja atingido pelo estado. No entanto, é possível que ela seja reeditada, já que em fevereiro de 2022, o Executivo acreano já havia publicado uma norma de mesmo teor.

De acordo com o governo do estado, a redução da carga tributária do gado bovino tem o objetivo de ajudar os produtores rurais a superarem as dificuldades e para fortalecer a agropecuária local. A lei em questão diz que só será beneficiado com a redução no imposto o gado originário de produção interna, comercializado com nota fiscal e declarado ao Fisco Estadual.

“Vamos dar condições ao mercado para comercializarmos o gado represado. O Estado, pensando no produtor rural e nos seus meios de sobrevivência, adota mais uma ação importante que temos realizado para fortalecer a agropecuária em nosso estado”, disse o governador Gladson Cameli em matéria da estatal Agência de Notícias do Acre.

Segundo uma análise realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais sobre cenários futuros para pecuária de corte na Amazônia, a área de pasto no Acre deve chegar a 2 milhões de hectares em 2031. Em 2012 ela era de 1,56 milhão de hectares. Atualmente, o Acre possui cerca de 3,5 milhões de cabeças de gado.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!