Conecte-se agora

“É a economia, estúpido“

Publicado

em

A frase usada como título desse modesto artigo é atribuída a James Carville, marqueteiro do democrata Bill Clinton.

Numa disputa renhida, George Busch focava a campanha do Partido Republicano na exaltação das vitórias militares dos EUA, enquanto a economia americana derretia, o desemprego disparava assustadoramente e a miséria se alastrava nos guetos de Tio Sam.

Considerada com uma jogada de mestre, o adversário Bill Clinton, em som inaudível e traduzida apenas pela leitura labial, expressou a seguinte frase: “É a economia, estúpido”.

Desde então, virou lenda em todas as campanhas eleitorais que o fator determinante para decidir vitórias ou derrotas é o desempenho do governo central diante dos indicadores econômicos. Se estes vão bem os votos aparecerem nas urnas. Caso contrário, é balsa rio abaixo.

Programas eleitorais resumidos a falsos valores religiosos fundamentalistas, pautas ultraconservadoras e preconceituosas de conceitos de família, militarismo, supostos enfrentamento ao “sistema”, como não enchem a barriga de ninguém, ficam em segundo plano na intenção do eleitor.

Nenhum candidato adversário resiste aos encantos da inflação próxima a zero, satisfação causada pelo consumo desenfreado e da taxa de emprego próximo a plenitude, assim como efeitos adversos são pedras e obstáculos no caminho de quem está no poder.

Foi assim com o Plano Cruzado do presidente José Sarney, quando em 1986 o PMDB fez barba, cabelo e bigode ao eleger 26 dos 27 governadores no Brasil.

Em 1994, ao se apresentar como pai do plano Real, organizador das contas públicas, da economia e dos preços, FHC impôs duas derrotas a Lula, sendo vencedor no primeiro turno.

Afogado no mar da roubalheira e da crise econômica, o PT fez emergir do subsolo do baixo clero do Congresso Nacional um deputado medíocre transformando-o em “ salvador da pátria” e restaurador dos valores éticos e morais.

Declarando-se, sem cerimônia, completamente analfabeto em questões econômicas, Bolsonaro outorgou a seu ministro da Economia uma procuração com amplos poderes para gerir a economia, enquanto se dedicava exclusivamente a cultivar encrencas e intrigas.

Despido de respeito no cenário internacional, Bolsonaro acabou com a credibilidade do país, que, junto com a falta de confiança e os efeitos da pandemia, estão afundando a economia nacional na inflação de dois dígitos, no desemprego, na desvalorização continua da moeda pátria e na miséria de parcela significativa de seu povo.

Como a prática do governo Bolsonaro não corresponde aos fatos, a plataforma Deus, Pátria e Família está se esvaindo. A reprovação de sua gestão é astronômica.

Difícil acreditar nos valores cristãos de alguém que não demonstra o mínimo de sensibilidade com as lágrimas de milhares de brasileiros vítimas da pandemia.

Impossível manter o discurso de valores da família, quando a única prole privilegiada é a dele com a aquisição de mansões e a proteção política contra as denúncias de “rachadinhas” nos salários de assessores.

Como acreditar em uma nova política, se o ator principal dela sentou no colo do Centrão, cujos integrantes eram chamados de ladrões apenas para enganar frouxas e incautos?

Fato é que as eleições de 2022 serão decididas nos fogões e nas panelas vazias. O preço do gás, da gasolina, do pão, do arroz e do feijão terão pesos superiores aos discursos de kit gay, armas e outras atrocidades do rosário bolsonarista.

Pouco adiantará a tentativa de terceirizar a culpa do caos para governadores e prefeitos, pois o acelerador e o freio dos instrumentos de políticas monetária, cambial e orçamentária estão nas mãos da União.

O estúpido Bolsonaro será derrotado pela economia. Lamento somente que ele mesmo tenha elegido Lula para ser o seu carrasco.


Luiz Calixto escreve todas às quartas-feiras no ac24horas .com

Luiz Calixto

Correndo atrás do próprio rabo

Publicado

em

Continuar lendo

Luiz Calixto

O destino da preferida

Publicado

em

Continuar lendo

Luiz Calixto

Desse mato não sai coelho

Publicado

em

Continuar lendo

Luiz Calixto

O centenário de Paulo Freire

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas