Conecte-se agora

Com insumos nas alturas, empresários relatam risco de abandono de obras da BR-364

Publicado

em

Empresários da Construção Civil estiveram nesta terça-feira, 21, relatando as dificuldades de operacionalizar a manutenção dos trechos da BR-364, que liga a capital Rio Branco até a cidade de Cruzeiro do Sul, em cerca de mais de 600 km da rodovia federal. As lamúrias foram expostas durante audiência pública nas Comissões de Serviço Público, Trabalho e Municipalismo, Obras Públicas e Transportes e Comunicação, no plenário da Assembleia Legislativa com a presença de representantes sindicais e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Os empresários informaram sobre os custos para se operacionalizar os serviços que triplicaram nos últimos 12 meses e os contratos não tiveram nenhuma correção neste período. Estima-se que uma nova construção da BR-364 com trabalho definitivo, cerca de R$ 1,5 bilhões.

O deputado Jonas Lima (PT), cujo os familiares comandam uma das empreiteiras que atuam na BR-364 (Lima e Pinheiro LTDA), afirmou que as empresas estão pedindo ajuda e levantou o risco das obras de manutenção serem suspensas. “As empresas estão pedindo ajuda, estão agonizando. Vocês vão ver a dificuldade para fazer o tapa buracos. Eles vão ser obrigadas a retirar as máquinas, senão vão suspender as obras da BR-364 por falta de apoio e recursos”, disse.

Já a deputada Antônia Sales (MDB), que tem o costume de sempre trafegar na Estrada, disse que a BR-364 está arrebentada. “Essa estrada está arrebentada. A base dela está destruída devido a infiltração que vem debaixo. A Tabatinga não dá liga. Aqui não é uma audiência política, mas sim algo de interesse da população. O contrato está baixo e algumas empresas devem abandonar a obra”, afirmou a emedebista.

Foto: Sérgio Vale/ac24horas

Representando a empresa MSM, o administrador Jarbas Soster, explicou os gargalos de manutenção da BR-364, enfatizando que os insumos tiveram seus preços duplicados e até mesmo triplicados. “Esses contratos não contemplam os serviços integralmente. Nós estamos debatendo com o DNIT a questão dos preços, e aumento de até 500% dos insumos, como por exemplo o cimento que teve aumento de 100% e o diesel que dobrou. A situação dos transportadores, cooperativas estão em estado de insolvência. Estamos enxugando gelo na BR-364, pois são mais de 600km de estrada e poucos recursos para tomar conta dessa malha”, frisou.

Soster defendeu que o ideal era que a rodovia passasse por restauração e manutenção, mas defende mais recursos. “Se a Restauração e Manutenção na ordem de R$ 260 milhões e não conseguiu vencer isso aqui. Não vai ser um de R$ 50 milhões que não vai resolver”, disse o empresário enfatizando que Plano Anual de Trabalho e Orçamento (Pato) não é suficiente para dar conta da estrada. “As soluções são caras e pontuais. Existe solução para o problema da BR, a questão é de onde vem o dinheiro”, disse.

Foto: Sérgio Vale/ac24horas

Um representante da empresa Lima e Pinheiro revelou aos deputados que os controles estão passando por desequilíbrio. “Não estamos sendo remunerados. O custo não estão sendo coberto pelo serviço demandado”, disse Carpegiane, engenheiro da empresa.

Sem independência de atuação, o superintendente do DNIT no Acre, engenheiro Carlos Moraes, reforçou que a BR-364 no Acre é uma das piores estradas do Brasil e afirmou que o departamento vem trabalhando para ter uma solução definitiva. “Estamos trabalhando para uma resolução definitiva da estrada. Não dá pra ficar só em manutenção que dá a impressão de enxugar gelo. O que eu tenho falado para os empresários, vá no Poder judiciário e peçam uma rescisão do contrato judicialmente pois o contrato está insuportável ou se presta o serviço e vamos tentar tocar”, disse Carlos. A fala dele não agradou deputados e empresários que consideram a judicialização ruim devido a morosidade da justiça.

Os deputados Fagner Calegario (Podemos), Gerlen Diniz (PP) e Marcus Cavalcante (PTB) informaram que uma audiência pública deverá ser realizada ainda esta semana com o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas. O presidente da Aleac, deputado Nicolau Júnior (PP) deverá encontrar Tarcísio por intermédio do senador Márcio Bittar (MDB) para tratar sobre o assunto.

Destaque 4

Ex-chefe de gabinete da senadora Mailza Gomes será o novo secretário de Turismo no Acre

Publicado

em

O escolhido para ocupar o cargo de secretário Estadual de Empreendedorismo e Turismo, no lugar de Eliane Sinhasique, é o ex-chefe de gabinete da senadora Mailza Gomes (Progressistas), Jhon Douglas, 27 anos.

Ele assume o cargo após Sinhasique pedir demissão da pasta por motivos familiares. Sinhasique anunciou a saída da pasta no dia 7 de setembro, dia em que se celebrou a independência do país, mas estava no cargo para o período de transição. Oficialmente, ela entregou o pedido de exoneração na semana passada.

O ac24horas apurou que a única certeza na nova montagem com saída de Sinhasique é que o MDB não seria o beneficiado devido o staff do governo entender que a sigla já está contemplada, segundo interlocutores palacianos.

Continuar lendo

Destaque 4

Governo realiza desfile para comemorar aquisição de 44 novas viaturas da Segurança

Publicado

em

Como parte da programação do 1° Encontro de Segurança Fronteiriça Brasil/Bolívia, e sem a presença do governador Gladson Cameli (Progressistas), a cúpula da segurança pública realizou na manhã desta sexta-feira, 22, um desfile com as novas viaturas pelas principais ruas de Rio Branco.

A exibição do desfile saiu do Palácio Rio Branco, passando pela região do Segundo Distrito e em seguida voltou ao Primeiro Distrito, com passagem pela BR-364, finalizando com retorno ao Palácio do Governo.

A solenidade faz menção a entrega de 31 viaturas policiais, 13 quadriciclos, equipamentos de informática, insumos para o Departamento de Polícia Técnico-Científica, coletes de proteção balística e capacetes balísticos. Ao todo, o investimento por parte do Estado foi de R$ 9,7 milhões.

O diretor operacional da secretaria de segurança pública, coronel Ulysses Araújo, destacou que os veículos vão ser fundamentais para coibir a criminalidade. “Essa aquisição vai reforçar a capital e a zona rural”, declarou.

Paulo César, secretário de segurança pública, ressaltou que os veículos reforçam o policiamento ostensivo no estado. “A equipe da perícia não tinha veículos, agora chegaram três. Quem ganha com isso é a população”, destacou.

Continuar lendo

Destaque 4

Brasil e Bolívia realizam encontro para debater estratégias de segurança na fronteira

Publicado

em

Na manhã desta quinta-feira, 21, o governo do Estado realizou, juntamente com as autoridades bolivianas, o 1° Encontro de Segurança Fronteiriça Brasil/Bolívia no intuito de debater ações efetivas no combate aos crimes de fronteira entre ambos os países.

Segundo o governo, o objetivo do encontro é para avançar nas tratativas de acordo de cooperação entre as partes, buscando a implementação de ações coordenadas das forças policiais que atuam na área de fronteira entre os estados e a Bolívia, no sentido de dar efetividade às ações de combate aos crimes transfronteiriços e o estreitamento das relações institucionais.

Já a Carta de Intenções, assinada no evento, será para promover a articulação dos atores governamentais, no sentido de incentivar e fomentar políticas públicas de segurança, uniformizar entendimentos e ações e fomentar práticas de políticas públicas de segurança, em áreas fronteiriças, para as demais Unidades da Federação.

Eduardo Del Castillo Del Carpio, Ministro de Governo da Bolívia, revelou que o evento é de suma importância para a integração de ambos os países. “Vamos discutir ações a serem realizadas entre ambos os países que visam combater os delitos nas áreas de fronteira”, comentou.

O secretário de Segurança Pública do Acre, coronel Paulo Cézar, destacou que o governo está diante de inimigos que não respeitam as autoridades. “Esse momento é de quebrar paradigmas. Temos que levar esse movimento as onze nações fronteiriças do país”.

O coronel afirmou que o modelo de segurança pública da Bolívia está à frente do governo brasileiro. “Esse encontro é necessário e tenho certeza que vamos aprender bastante e trocar experiência”, disse.

O governador Gladson Cameli (Progressistas) declarou que o Acre detém uma fronteira grande e que precisa criar estratégias que visa fortalecer a segurança de fronteira. “O estado não pode perder essa guerra para o crime organizado. Nossa equipe têm mostrado como se fazer, o melhor é poder unir as instituições. Eu vou passar, mas estou preparando esse estado para as gerações futuras. Eu não tenho o que reclamar do governo federal, algumas coisas eu concordo, outras não”, ressaltou.

A solenidade também serviu para a entrega de viaturas, equipamentos e, por último, a assinatura da carta de intenções e visita às instalações do Centro Integrado de Comando e Controle – CICC. Ao todo, foram entregues 31 viaturas, 13 quadriciclos. “Os investimentos somados são de mais de R$ 10 milhões de reais. O investimento é para garantir a segurança da nossa população. Além disso, serão entregue mais 98 viaturas para as nossas polícias”.

Estiveram presentes na solenidade, Gladson de Lima Cameli, Governador do Estado do Acre, Alfredo de Souza Lima Coelho Carrijo, Secretário de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Antonio Aginaldo de Oliveira, Diretor da Força Nacional de Segurança Pública, Paulo Cézar Rocha dos Santos, Secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública do Estado do Acre, Alexandre Bustamante Dos Santos, Secretário de Estado de Segurança Pública do Estado do Mato Grosso, Antônio Carlos Videira, Secretário de Estado de Segurança Pública do Estado do Mato Grosso do Sul e José Hélio Cysneiros Pachá – Cel PMRO – Secretário de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania – Rondônia/RO.

Já a comitiva boliviana contou com a presença Eduardo Del Castillo Del Carpio, Ministro de Governo da Bolívia, Roberto Ríos Sanjinés, Vice Ministro de Segurança Cidadã do Estado Plurinacional da Bolívia e Eva Humerez​​​​, Senadora Nacional do país vizinho.

Continuar lendo

Destaque 4

Escola de Ciência do CNPEM/MCTI abre inscrições para a sua primeira turma

Publicado

em

A Ilum Escola de Ciência, iniciativa do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), Organização Social vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), está com as inscrições abertas para candidatos à primeira turma do curso de Bacharelado em Ciência, Tecnologia e Inovação. Serão oferecidas 40 vagas, com início das aulas previsto para 15 de fevereiro de 2022.

O curso, com três anos de duração em período integral, é gratuito e pelo menos metade das vagas será destinada a estudantes vindos da escola pública. Os alunos aprovados terão moradia, alimentação e transporte custeados pela escola, e um computador pessoal para uso durante os três anos de formação.

Sem fins lucrativos, a escola conta com financiamento do Ministério da Educação (MEC) e foi avaliada como de excelência pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), recebendo a nota máxima, 5. Essa avaliação considera o projeto pedagógico, a infraestrutura e a qualificação do corpo docente.

O ministro Milton Ribeiro, da Educação, visitou a instituição no início do ano e ressaltou a decisão de investir na iniciativa. “O Governo Federal sabe da importância do fomento à formação de futuros cientistas. Vimos de perto a seriedade do trabalho aqui realizado e esperamos colher importantes frutos para o país a médio e longo prazo.”

O formulário de inscrições ficará disponível no site da Ilum (https://ilum.cnpem.br) até 15 de dezembro de 2021. Essa será a primeira etapa do processo seletivo, na qual será requisitada uma Manifestação de Interesse do candidato. A seleção vai considerar ainda a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e, na última fase, o aluno passará por entrevista com a comissão de avaliação do curso.

“O perfil de alunos que buscamos é o do jovem curioso, com um interesse genuíno pela ciência, que busca respostas para as questões reais que o mundo do século XXI enfrenta. É um projeto baseado na mão na massa e na mente trabalhando. O grande objetivo é a formação de cientistas, com um aprendizado profundo”, afirma Adalberto Fazzio, diretor da Ilum.

“É muito importante termos uma iniciativa como a escola Illum , une o conhecimento teórico e prático, e mais interessante que a formação ingressa os jovens para as carreiras do futuro, que considero a nossa próxima fronteira. Vagas gratuitas e acessíveis para acesso ao conhecimento que resultarão em novos engenheiros, pesquisadores, cientistas, professores e outras profissões conectadas com um mundo novo, mas com soluções nas áreas de saúde, agricultura, IA, TICs, IoT, renováveis, óleo e gás, aeroespacial, entre outras, caminhando para atuação no desenvolvimento sustentável para a humanidade e para o planeta”, afirma o ministro Marcos Pontes, da Ciência Tecnologia e Inovações – MCTI.

O corpo docente da escola é formado por professores seniores, com reconhecida contribuição científica, e por professores pesquisadores, jovens doutores e pós-doutores com jornada integral e dedicação exclusiva à escola. Os laboratórios contam com equipamentos de ponta.

Formação interdisciplinar

A proposta da Ilum é formar profissionais com uma base sólida em ciências e tecnologia, aptos a atuarem em diversos segmentos, capacitando os futuros cientistas a seguir carreira na pesquisa, na docência, em laboratórios de empresas privadas e órgãos públicos, como especialistas em inteligência artificial, aprendizado da máquina e análise de dados. Os estudantes que quiserem continuar a formação acadêmica serão capazes de seguir diretamente para o doutorado.

Inovador, o curso está baseado no ensino ativo, em que o aluno é o protagonista do aprendizado, com o apoio e orientação dos professores. Por esse método, os estudantes já chegam para a aula sabendo o conteúdo que será apresentado, o professor faz uma breve exposição teórica e propõe questões, interações ou trabalhos em grupo sobre o tema, incentivando a autonomia e oferecendo todo o suporte para a construção do conhecimento.

Essa metodologia enfatiza as atividades práticas e tem foco na interdisciplinaridade, fundamental para fazer frente aos desafios colocados globalmente para a ciência nos tempos atuais, como as energias limpas, produção agrícola, sustentabilidade, saúde, fármacos, transporte e logística, questões climáticas, materiais e minerais estratégicos, entre outros.

“Vivemos uma era na qual o conhecimento avança tão rápido que o especialista muitas vezes tem dificuldades de cruzar as fronteiras imaginárias criadas pelas disciplinas tradicionais. Os profissionais devem estar preparados para atuar em problemas cada vez mais temáticos e menos disciplinares. O profissional do futuro que sobreviverá com sucesso será aquele que está mais preparado para as mudanças”, afirma Nelson Studart Filho, coordenador pedagógico da Ilum.

Teoria e prática

Desde o início do curso, os alunos da Ilum estarão envolvidos na resolução de problemas, por meio do desenvolvimento de projetos e experimentação nos laboratórios avançados da escola e com a imersão gradual no ambiente de pesquisa e inovação tecnológica do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), onde participarão de palestras, poderão usar equipamentos de ponta e acompanhar o trabalho dos pesquisadores.

Nos cinco primeiros semestres, haverá aulas teóricas e práticas na sede da Ilum e os estudantes terão acesso às instalações do CNPEM de duas a três vezes por semana no período da tarde. No último semestre, a imersão será total, com a execução integral do projeto final do curso no centro nacional de pesquisa, que conta com quatro laboratórios de referência nacional e o acelerador de partículas Sirius, fonte de luz síncrotron de última geração. Nesses ambientes, terão orientação de especialistas das mais diversas áreas que trabalham na maior e mais complexa infraestrutura de pesquisa do Brasil.

Currículo

A grade curricular envolve três grandes áreas do conhecimento científico: ciências da vida (biologia celular, biologia molecular, bioquímica, ecologia, genética e botânica), ciências da matéria (mecânica clássica, termodinâmica, teoria do eletromagnetismo, mecânica quântica, sistemas orgânicos e nanotecnologia) e linguagens matemáticas (álgebra linear, probabilidade estatística, ciência de dados, análise e modelagem). Haverá também disciplinas de humanidades e empreendedorismo (cultura clássica, ciência moderna, ética, inovação, gestão de projetos, cultura digital e cultura e sociedade).

“A escola se baseia em um modelo de ensino diferenciado e disruptivo para formar cientistas engajados e profissionais éticos, com formação humanista. Criamos na Ilum um ambiente de aprendizado significativo e integrado, e não apenas salas de aula, com ênfase no trabalho colaborativo, em que os alunos se reúnem para resolver problemas. Hoje em dia, nós sabemos que não adianta um cientista ser brilhante se não souber interagir com os seus pares”, explica a historiadora Ivia Mineli, professora da Ilum.

Um exemplo dessa colaboração é a maneira como serão executados os projetos no último ano do curso. Cada projeto reunirá quatro alunos: dois serão pesquisadores principais e dois colaboradores, alternando essas posições a cada novo trabalho. O objetivo é desenvolver a capacidade de trabalhar em equipe, tanto em posições de liderança quanto de subordinação.

A arquitetura da escola reflete esse conceito colaborativo, com espaços para estudos, trabalhos em equipe e de convivência equipados com lousas móveis para que os estudantes possam interagir e trocar conhecimentos e experiências também fora da sala de aula e dos laboratórios.

A Ilum ocupa um prédio de 2,1 mil metros quadrados no bairro Santa Cândida, em Campinas (SP), onde nasceu o CNPEM, na década de 1980. Foi lá que foram projetados e construídos os equipamentos do primeiro acelerador de elétrons do Hemisfério Sul, o UVX.

O imóvel foi totalmente modernizado e adaptado para abrigar a escola, com um projeto especialmente pensado para criar um ambiente de inovação, em que pesquisa, ensino e experimentação estão integrados, garantindo também conforto ambiental e acessibilidade. Os alunos da Ilum contarão ainda com um centro de vivência fora da escola, que será construído no campus do CNPEM.

Nasce uma escola

A Ilum começou a ser concebida há seis anos a partir de discussões envolvendo o Conselho de Administração do CNPEM, professores, pesquisadores, engenheiros do centro de pesquisa e membros da comunidade científica.

A escola também promove um ciclo de eventos on-line sobre temas ligados a ensino, ciência, tecnologia e inovação, o “Diálogos Ilum”. Voltado a educadores, alunos e pessoas interessadas em ciência e ensino, é realizado sempre às quintas-feiras às 16h. Para participar, basta fazer a inscrição em formulário disponível no site https://pages.cnpem.br/ilum/.

“O CNPEM é tradicionalmente um centro que fomenta a busca de soluções para grandes problemas e a inovação científica. Com a Ilum, investimos ainda mais no fazer científico, desde a sua fase inicial, contribuindo para a formação de jovens pesquisadores com mente crítica e curiosidade para investigar o mundo”, afirma Antonio José Roque da Silva, diretor-geral do CNPEM.

Serviço

Ilum Escola de Ciência

Inscrições: de 28/09/2021 a 15/12/2021, gratuitamente, pela internet, no endereço https://pages.cnpem.br/ilum/.

Entrevistas: 18 a 26 de janeiro de 2022.

Início das aulas: 15 de fevereiro de 2022.

Acompanhe as informações atualizadas nas redes sociais da Ilum Escola de Ciência:

Ilum – Escola de Ciência | Instagram
Ilum – Escola de Ciência | Facebook
Ilum – Escola de Ciência | Twitter
Ilum – Escola de Ciência | LinkedIn
Ilum – Escola de Ciência | Youtube

Raio X

Onde fica: Rua Lauro Vannucci, 1.020, Parque Rural Fazenda Santa Cândida, Campinas-SP

Infraestrutura: ocupa uma área de 2,1 mil metros quadrados, com dois andares, 4 salas de aula com estações de trabalho para grupos de seis alunos, equipadas com recursos audiovisuais e multimídia, laboratório úmido, laboratório seco para atividades práticas de física e computação, laboratório de equipamentos especiais (com microscópios de força atômica, microscópios de tunelamento e espectrômetro Raman), laboratório de biomicroscopia (com microscópios para estudos de biologia), estúdio para gravação e edição de vídeos, sala de estudos, biblioteca e área de convivência com lanchonete.

Sobre a Ilum Escola de Ciência

Com proposta inovadora na formação de futuros cientistas, a Ilum Escola de Ciência é uma iniciativa do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), Organização Social vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). Sem fins lucrativos e gratuita para os alunos, a escola tem financiamento do Ministério da Educação (MEC) e abrirá sua primeira turma em 2022. Possui corpo docente altamente qualificado, formado por professores seniores e jovens pesquisadores com doutorado e pós-doutorado, e recebeu a nota máxima do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). A escola possui uma infraestrutura de ponta, laboratórios com equipamentos modernos e um ambiente que estimula a inovação e a troca de conhecimento. O curso tem duração de três anos, em período integral. A metodologia de ensino é baseada no conceito de aprendizado ativo, em que os alunos são protagonistas de sua formação com a orientação dos professores. A escola oferece uma sólida formação científica, de forma multidisciplinar e interdisciplinar, capacitando seus alunos para atuarem em pesquisas de fronteira, em empresas privadas e órgãos públicos e como empreendedores, preparados para atender aos desafios impostos à ciência no cenário atual. Os alunos da Ilum têm acesso ao ambiente de pesquisa do CNPEM, onde poderão usar equipamentos para pesquisas avançadas e ter contato com seus pesquisadores. A Ilum privilegia ainda o ensino de disciplinas na área de humanidades para uma formação integral de seus alunos, baseada na ética e na cooperação na busca por respostas e soluções às questões globais do mundo moderno.

Sobre o CNPEM

Ambiente de pesquisa e desenvolvimento sofisticado e efervescente, único no País e presente em poucos polos científicos no mundo, o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) é uma organização social supervisionada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações (MCTI). O Centro é constituído por quatro Laboratórios Nacionais e é berço do mais complexo projeto da ciência brasileira – o Sirius – uma das mais avançadas fontes de luz síncrotron do mundo. O CNPEM reúne equipes multitemáticas altamente especializadas, infraestruturas laboratoriais mundialmente competitivas e abertas à comunidade científica, linhas de pesquisa em áreas estratégicas, projetos inovadores em parcerias com o setor produtivo e ações de treinamento para pesquisadores e estudantes. O Centro constitui um ambiente movido pela busca de soluções com impacto nas áreas de saúde, energia, meio ambiente, novos materiais, entre outras. As competências singulares e complementares presentes no CNPEM impulsionam pesquisas e desenvolvimentos inovadores nas áreas de luz síncrotron; engenharia de aceleradores; descoberta de novos medicamentos, inclusive a partir de espécies vegetais da biodiversidade brasileira; desenvolvimento de processos bio e nanotecnológicos com foco na produção de materiais avançados para aplicações nos setores químico, de alimentos e bebidas, têxtil, petróleo e gás, defesa e aeroespacial; além de soluções biotecnológicas para o desenvolvimento sustentável de biocombustíveis avançados, bioquímicos e biomateriais.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas