Conecte-se agora

Em Xapuri, pecuaristas aderem à plantação de milho e vão colher quase 2 mil toneladas do grão

Publicado

em

Sem nenhuma tradição na agricultura que não seja meramente a de subsistência, o município de Xapuri, cuja principal atividade rural é a pecuária, começa a chamar a atenção pela iniciativa de alguns pecuaristas de acrescentar o cultivo do milho à criação do gado, com o aproveitamento de áreas degradadas por meio de técnicas de recuperação do solo.

Em apenas quatro propriedades, foram 360 hectares de área plantada no ano passado, cuja previsão de colheita em 2021 é de cerca de 1.800 toneladas do grão. Parte dessa produção tem apoio do governo do estado, por meio da Secretaria de Produção e Agronegócio (Sepa) e passa por processo de secagem a armazenagem no armazém da Companhia de Armazéns Gerais e Entreposto do Acre (Cageacre).

De uma família tradicionalmente pecuarista, que cria gado em Xapuri desde a década de 1970, o proprietário Carlos Silva Novais aposta na plantação do milho já pelo quarto ano seguido e diz que a experiência tem sido muito gratificante. Ele plantou 30 hectares neste ano e está com a colheita em andamento com a previsão de obter 150 toneladas do grão.

“É muito gratificante a gente poder expandir a nossa atividade para a agricultura como maneira de não dependermos tanto do que vem de fora. Sabemos que muita gente está plantando e que depois de um certo tempo de esquecimento está havendo um novo incentivo por parte do governo, pois são grandes as dificuldades que o produtor enfrenta para investir numa lavoura”, explicou.

Josimar Miranda, outro pecuarista tradicional em Xapuri, também apostou na agricultura neste ano e estima que sua safra deva render em torno de 70 toneladas do grão. De acordo com ele, o investimento na agricultura gera renda de maneira bem mais rápida que a criação de gado. “Em cerca de seis meses o produto é plantado, colhido e beneficiado para comercialização”, disse.

O paulista Rubens Ignácio Júnior, outro notório criador de gado em Xapuri, plantou 60 hectares e colheu cerca de 300 toneladas de milho na sua primeira safra. Sua propriedade, a fazenda Bom Jesus, se localiza no ramal do seringal Cachoeira, a alguns quilômetros da BR-317. Segundo ele, o objetivo é ampliar a área de lavoura a partir da próxima plantação.

“Eu sempre tive muita vontade de passar um pouco da pecuária para a lavoura, mas na nossa região não era muito comum e havia muitos desafios. Porém, de uns três anos para cá, as coisas vêm mudando e o incentivo apareceu por meio da Sepa, desde o preparo do solo para o plantio e na colheita também. Então isso estimulou muito a gente a ter essa coragem”, afirmou o produtor.

Júnior Ignácio, como o fazendeiro é mais conhecido em Xapuri, já comercializou toda a sua produção com o grupo Acreaves e Dom Porquito, de Brasiléia, e pretende ampliar a sua área de plantio para 150 hectares na próxima safra. De acordo com ele, o investimento de produtores da região na agricultura se apresenta como uma excelente oportunidade de melhoria da economia do município.

Na fazenda Portuguesa, localizada nas proximidades da zona urbana de Xapuri, uma das propriedades pioneiras do município na plantação de milho, a área de plantio é a maior. São 200 hectares de plantação de milho com previsão de uma colheita de, pelo menos, 1.000 toneladas do grão, de acordo com Huaris Arruda Melo, administrador da propriedade.

Segundo Huaris, a previsão de colheita na fazenda Portuguesa era de 120 sacas de 50 quilogramas por hectare plantado, mas problemas relacionados com o maquinário reduziram essa estimativa para 100 sacas/hectare. A propriedade contou com apoio do governo para as colheitas nos primeiros anos de plantio, mas hoje já dispõe de estrutura própria.

Armazenamento

Apesar do empenho que o atual governo estadual vem tendo em fomentar o aumento da produção agrícola no Acre, existem muitas limitações no que diz respeito à estrutura que pode ser disponibilizada aos produtores que pretendem se aventurar na expansão da produção de grãos no estado. Um dos problemas futuros é relacionado à armazenagem da produção.

Em Xapuri, depois de anos de inatividade, o armazém local da Cageacre passou, recentemente, por algumas melhorias, mas está distante de oferecer as condições necessárias para a secagem e armazenamento de uma produção maior do que a que atualmente está sendo praticada. As alternativas, além de distantes, também são poucas para um eventual maior volume de produção.

Em razão disso, alguns produtores já projetam a construção de silos próprios, como é o caso da fazenda Portuguesa, que já busca financiamento investir em uma estrutura que possa atender não apenas a demanda da propriedade, mas também de outros produtores do município, segundo afirmou ao ac24horas, o administrador Huaris Melo.

O apoio do governo

O técnico em desenvolvimento Agropecuário da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Acre (Emater-Acre), José Gonçalves de Oliveira, o Zeca da Emater, explicou ao ac24horas que os produtores estão sendo atendidos pelo Fundo Agropecuário Estadual (Funagro) dentro das novas normas estabelecidas pela atual gestão estadual.

Ele diz, no entanto, que a expectativa de uma maior quantidade de produtores investindo na produção de grãos vai demandar um outro patamar de apoio e assistência por parte do governo, tanto na disponibilização de maquinários quanto no que diz respeito ao processo de secagem e armazenagem das produções, para que não haja risco de perdas.

Anúncios

Bombando

Anúncios

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas