Conecte-se agora

Alguns números das mulheres acreanas – Parte 2

Publicado

em

Foto:  Sérgio Vale/ac24horas.com

Como prometido na semana passada, hoje vamos voltar com outros números da mulher na sociedade acreana, utilizando informações disponibilizadas pelo IBGE na segunda edição das estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil, que analisa as condições de vida das brasileiras a partir de um conjunto de indicadores proposto pelas Nações Unidas.

As mulheres no Acre, eram 31,3% do efetivo das polícias civis em 2019

O percentual de policiais mulheres é um indicador de que, além de atender à meta de integrar as mulheres à vida pública, compõe as medidas de assistência à mulher em situação de violência doméstica e familiar. Esse atendimento se dá no âmbito das polícias civis, subordinadas aos governos estaduais. Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic), em 2019, no Acre, as mulheres representavam 8,6% do efetivo ativo da polícia militar e 31,3% da polícia civil, sendo 14,2% no efetivo total (polícias militar e civil). No Brasil o percentual do efetivo total é de 14,6%. A menor participação foi no Rio Grande do Norte, com 5,3%, e a maior participação no Amapá, com 24,3%. 

A segunda maior taxa de fecundidade de adolescente do Brasil está no Acre

No Acre, em 2019, a taxa de fecundidade adolescente (entre mulheres de 15 a 19 anos) era de 88,5 nascimentos a cada mil mulheres. Em 2011, a taxa era de 113,9‰. Na Região Norte, a taxa era de 84,5. O Acre apresentou a segunda maior taxa do Brasil, sendo superado somente pelo Amazonas (93,2%). Em 2011 a maior taxa era do Acre (113,9%).

No Acre, somente 14,3% dos homicídios de mulheres ocorrem no domicílio

Utilizada para a análise do fenômeno do feminicídio (definido na Lei n. 13.104/2015 como o homicídio contra a mulher por razões da condição do sexo feminino – violência doméstica ou familiar e menosprezo ou discriminação à condição de ser mulher), a informação sobre local de ocorrência da violência mostra que a proporção de homicídios cometidos no domicílio tem maior vulto entre as mulheres. No Acre, em 2018, enquanto 14,3% dos homicídios de mulheres ocorreram no domicílio, para os homens a proporção foi de 2,5%. No Brasil, no mesmo ano, 30,4 % dos homicídios de mulheres ocorreram no domicílio e para os homens a proporção foi de 11,2%.

Entre as mulheres, as pretas ou pardas tinham maiores taxas de homicídio que as mulheres brancas, tanto no domicílio, quanto fora dele. No domicílio, a taxa para as mulheres pretas ou pardas (1,2%) era 9,1% maior que para as mulheres brancas (1,1%); fora do domicílio, era 71,4% maior (7,2% e 4,2%, respectivamente). No Brasil. também, entre as mulheres, as pretas ou pardas tinham maiores taxas de homicídio que as mulheres brancas, tanto no domicílio, quanto fora dele. 

O Acre aparece entre os estados brasileiros mais violentos para as mulheres.

Conforme o Portal G1 em matéria publicada no dia 05/03/2020, o Acre apareceu entre os estados brasileiros mais violentos para as mulheres. Os dados foram do Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública em casos registrados em 2018 e 2019. (https://g1.globo.com/ac/acre/noticia/2020/03/05/acre-tem-a-maior-taxa-de-feminicidios-do-pais-aponta-estudo.ghtml)

Segundo o balanço, a taxa de homicídios dolosos de mulheres do Acre é a maior do país, com 7 mortes a cada 100 mil mulheres. Já a de feminicídios é de 2,5 para cada 100 mil mulheres. Em 2019, o Acre registrou 31 homicídios dolosos contra mulheres e destes, 11 foram feminicídios, ou seja, casos em que mulheres foram mortas em crimes de ódio motivados pela condição de gênero. Já em 2018, o número de homicídios dolosos de mulheres foi 35, sendo 14 feminicídios. Neste mesmo ano, o Monitor da Violência já havia revelado que o Acre tinha a maior taxa de feminicídio do país, que era de 3,2 casos por 100 mil mulheres.

Mulheres de baixa renda sofrem mais com a falta de saneamento básico  

Segundo o Painel do Saneamento Brasil, a falta de saneamento básico afeta em maior intensidade as classes de baixa renda e mais socialmente vulneráveis, porém, quem sofre ainda mais com a privação são as mulheres. De acordo com o estudo desenvolvido pelo Instituto Trata Brasil intitulado “O Saneamento e a Vida da Mulher Brasileira” (http://www.tratabrasil.org.br/estudos/estudos-itb/itb/o-saneamento-e-a-vida-da-mulher-brasileira) em 2018, no Brasil, cerca de 27 milhões de mulheres não tinham acesso ao saneamento básico. A pesquisa concluiu ainda que, ter água potável, sistema de esgotamento sanitário e coleta de lixo poderia tirar mais de 635 mil mulheres da pobreza extrema.  

Segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Continuada de 2016 (PNADC), no Acre o déficit de acesso à água tratada era considerado como relativamente elevado, correspondendo a 46,4% da população. Quando se mede o indicador na população feminina, o Acre figura como o maior déficit relativo de água, tanto pela disponibilidade como pela adequação, com 78,0%, seguido por Pernambuco (64,3%), Rondônia (60,5%) e Paraíba (60,1%). Quando se trata do escoamento sanitário o Acre apresenta uma adequação relativamente baixa, correspondendo a 56,8% da população.

Conforme o estudo, com situações como evasão escolar, afastamento por doença, egresso para cuidar de familiares e diminuição de renda, a mulher é a mais prejudicada pela ausência do saneamento. O estudo mostrou que, no Brasil, o rendimento das mulheres sem saneamento era R$100 inferior ao dos homens. Já com o esgotamento sanitário à disposição, haveria um aumento de R$321,03 ao ano, o que resultaria em 12 milhões na economia nacional.

Concluindo, sabemos que a igualdade de gênero é um princípio fundamental dos direitos humanos que nem sempre tem sido respeitado nas políticas de desenvolvimento no país e no estado. É necessária uma ação transformadora para atingir a igualdade de gênero em vários setores que envolvam os direitos fundamentais da pessoa humana. Houve avanços, mas ainda temos muito o que caminhar para que as mulheres tenham suas condições equiparadas às dos homens.


Orlando Sabino escreve às quintas-feiras no ac24horas.

Destaque 3

Adolescente baleado por policial em assalto a supermercado é preso no Pronto-Socorro

Publicado

em

Continuar lendo

Acre 01

Indústria do Acre reúne especialistas para melhorar mercado exterior entre fronteiras

Publicado

em

Continuar lendo

Cotidiano

“Canalhice pura”, diz Leo de Brito sobre falas de Bittar acerca do aquecimento global

Publicado

em

Continuar lendo

Acre 01

Acre começa a apresentar projetos que somam R$ 336 milhões para receber emendas federais

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas