Conecte-se agora

Empresa ameaça suspender alimentação de presos caso governo não aceite pagar reajuste

Publicado

em

O final de março pode representar um colapso na alimentação para os milhares de detentos do Complexo Penitenciário Francisco de Oliveira Conde. De acordo com a empresa responsável pelo serviço, identificada como Universitário Restaurante, Indústria e Comércio Agropecuário LTDA, do período que venceu a licitação, até agora, os preços dos alimentos aumentaram tanto que a empresa tem um prejuízo diário de quase R$ 2 mil com o fornecimento de alimentação aos detentos.

Em um documento enviado ao promotor de justiça, Tales Tranin, da 4º Promotoria Criminal de Execução Penal de Fiscalização dos Presídios, a empresa alega que fornece 7.600 refeições por dia, sendo almoço e jantar. Com o aumento dos preços ao longo dos últimos meses, a empresa alega que é economicamente inviável continuar praticando o preço de R$ 3,58 para marmitas comuns e R$ 3,54 para marmitas de dieta. O pedido é que os valores sejam reajustados para R$ 5,18 e R$ 5,14 respectivamente, sob pena de suspensão do fornecimento de alimentação ao final deste mês.

A empresa, que ganhou a licitação em junho de 2020, alega que fez o pedido de aumento ao Instituto de Administração Penitenciária (IAPEN) em setembro do ano passado, mas não obteve resposta até o momento.

“Eu oficiei ao IAPEN pedindo imediata solução desse problema. É preciso fazer um aditamento para que a situação não chegue a este nível. Como fica o sistema prisional se isso acontecer?”, questiona o representante do Ministério Público do Estado do Acre.

Anúncios

Bombando

Anúncios

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas