Conecte-se agora

Prefeitas eleitas no Acre relatam como ser mulher e política em situação de minoria

Publicado

em

Apesar de as mulheres terem sido maioria entre o eleitorado do Acre nas eleições municipais 2020, apenas três representantes femininas foram eleitas prefeitas no primeiro turno dentre as 22 cidades acreanas. Fernanda Hassem (PT), Maria Lucinéia (PDT) e Rosana Gomes (PP) driblaram as dificuldades encontradas no caminho e utilizaram a força da mulher para mostrar que é possível se destacar na gestão de políticas públicas.

A baixa representação da mulher nestas eleições não se aproxima nem de longe da capacidade que as mesmas possuem em comandar uma eleição e, no caso de reeleição, administrar e ganhar o respeito de uma cidade por quatro anos. Embora o número de mulheres na prefeitura tenha aumentado este ano – em 2016 só duas prefeitas foram eleitas -, ainda é considerado pouco para ocupação de cargos no Poder Executivo Municipal.

Fernanda Hassem foi reeleita em Brasileia com 7.651 votos, o que corresponde a 59,46% dos votos válidos e concorreu com uma de suas primeiras e mais fortes incentivadoras políticas. Senador Guiomard elegeu Rosana Gomes com 4.428 votos, equivalente a 32,52% do total. Gomes conseguiu sair da última colocação nas pesquisas de intenção de voto e se consagrar eleita. Já Maria Lucinéia, que anunciou ter recebido uma revelação de Deus sobre sua eleição, contornou os julgamentos e foi eleita prefeita com 5.461 votos, registrando 29% das urnas.

Fernanda Hassem – Brasileia  – A única mulher reeleita à prefeitura nestas eleições representa a cidade de Brasileia, na região do Alto Acre. A assistente social Fernanda Hassem está se encaminhando para o terceiro mandato político aos 38 anos. Foi vereadora, prefeita e eleita prefeita novamente este ano. Ao todo, são 12 anos de mandato. Mãe de dois filhos, de 19 e 17 anos, é casada e se diz com o coração grato pela reeleição, tanto com o trabalho feito na zona urbana quanto na zona rural do município.

“Essa reeleição significa a certeza de que as pessoas confiaram no nosso trabalho. Acreditaram em nós no nosso primeiro mandato e acreditam que podemos fazer muito mais. A sensação é de um dever cumprido. Todo mundo é sabedor da forma em que encontramos nosso município e trabalhamos muito, irmanados com meu vice-prefeito, dialogando com a população. Então, o sentimento também é de que temos muito mais a fazer”, reforça a prefeita.

Hassem garante que Brasileia pode esperar muito mais trabalho dela e de sua equipe. Um episódio marcou sua campanha nestas eleições. Ela teve de enfrentar Leila Galvão da disputa pela prefeitura da cidade, uma de suas bases políticas e parceiras em mandatos anteriores. Fernanda diz que disputar com Leila ou qualquer outro adversário é uma eleição difícil.

“Eleição é sempre desafiadora para todos nós. No caso da ex-prefeita [Leila], nós sempre caminhamos juntas nos meus processos eleitorais. Mas eu respeitei a decisão dela, ela vai seguir tendo respeito, mas a gente entende que era o nosso momento e a população também entendeu que esse momento ainda era nosso de continuar seguindo nosso trabalho com seriedade, com zelo.  Respeito também os outros adversários que tive”, explica.

Para a petista, a ascensão das mulheres na política e nas gestões municipais é de fundamental importância. Além disso, Fernanda acredita que as mulheres já mostraram sua capacidade técnica e política de administrar. “Fico muito feliz em poder ser porta-voz de tantas mulheres, de dar vez e voz para tantas. Aqui no município, temos muitas mulheres à frente de instituições, sindicatos, que ocupam as mais diversas áreas e a política sem dúvida é muito melhor com a participação das mulheres. Mulher tem zelo, compromisso, a ética, assim como todos os homens também”, afirma.

Hassem assegura que a política ainda precisa de igualdade, sem querer mostrar que um é melhor que o outro. Além disso, a prefeita é ciente de que as mulheres sabem governar e governar com excelência. “Como mulher, temos o respeito de todos, de homens, mulheres, jovens e crianças. Acredito muito na força feminina na vida pública”, destaca, ressaltando que, proporcionalmente, foi a mulher mais votada entre os candidatos à reeleição.

A candidata do PT espera ter uma relação republicana com o governador Gladson Cameli nos próximos quatro anos de mandato, além de respeito à população da região do Alto Acre. Nos dois primeiros anos de governo, Fernanda diz que sempre teve uma relação respeitosa com Cameli, mas espera muito mais empenho desta vez. “Brasileia e nossa região vai esperar muito mais. É necessário que o governo e as prefeituras deem as mãos. Passado o processo eleitoral, temos que nos unir e trabalhar para a população”.

Na primeira candidatura à prefeitura, Fernanda Hassem buscou a reconstrução. Neste trabalho de reeleição, pediu oportunidade de continuar trabalhando e mostrando a que veio. “A população pode esperar muito mais trabalho. O primeiro mandato nós pedimos para reconstruir, organizar a casa, equilibrar as finanças, os convênios e graças a Deus realizamos com bastante êxito”. A prefeita eleita se orgulha em ser uma das poucas administrações municipais do Acre em estado de adimplência.

Fernanda diz trabalhar com transparência, por isso quis ser a primeira gestão do município a usar um portal de transparência onde o cidadão pudesse acompanhar aquilo que a prefeitura está fazendo. Agora, ela pretende estar mais presente nas comunidades, dialogando com as pessoas. “Trabalhar nos segmentos de maiores necessidades, como agricultura, saúde, educação, assistência, infraestrutura urbana e rural”. Para ela, é uma honra receber apoio de outras mulheres. “É muito bom quando você vê uma mulher que edifica a outra, ver a participação das mulheres na nossa campanha. Fizemos encontros entre mulheres que foi o maior da história política de Brasileia”.

Durante a campanha, Fernanda buscou muitos eventos com a participação efetiva de mulheres e reconhece esse público em sua eleição. “Elas estavam lá, de todas as idades. Mulheres independentes da vida pública, dos bairros. Isso foi de fundamental importância, esse eleitorado feminino. Isso também fez três mulheres eleitas na Câmara do Município, que não tinha nenhuma. A participação feminina foi fundamental para nossa consagração como prefeita”.

Rosana Gomes – Senador Guiomard – Na ‘Terra do Amendoim’, a prefeita eleita foi Rosana Gomes, representante do PP. Eleitores de Senador Guiomard escolheram a estudante de administração de 41 anos como chefe municipal. Casada e mãe de três filhos, Rosana se orgulha por fazer parte de uma família que fez história na política do município.

Filha do ex-prefeito Manoel Gomes e irmã de James Gomes, que foi prefeito por duas vezes na cidade, Rosana confia em sua proposta de governo e em seu poderoso grupo político. “Acredito na nossa militância, na população que também acreditou em nós e na história política que começou com meu pai, Manoel Gomes”.

Gomes celebra o fato de muitas mulheres terem a procurado para apoiar sua candidatura. Este fato ela deposita à sua sinceridade e ao fato de “falar olho no olho”.  “A força da mulher é crescente na política. Elas confiaram, os homens também. E o Quinari precisa voltar a ter um tempo de paz e de prosperidade. Eu, como mulher, estou preparada para este desafio”.

Apoiada pelo governador Gladson Cameli em sua campanha, ela espera ter a melhor relação possível com o chefe do Executivo. “Até dancei com ele na Avenida”, brinca Rosana. “Vamos continuar com essa dança a favor do município. O governador é uma figura humana fantástica e tem compromisso assumido com nosso município”. Rosana revela que o governador já ajudou muito a cidade e que com ela vai ajudar muito mais “porque é um homem de palavra”, ressalta.

Rosana é vista por seu eleitorado como uma mulher simples. Humilde, recebeu apoio de diversos grupos femininos em Senador Guiomard pelo fato de sempre se mostrar com transparência em relação aos fatos. “As mulheres sempre comentavam que ela falava a verdade e não se submetia a prometer coisas que não iria conseguir”, diz um membro de sua equipe. Os apoiadores destacam que Rosana tem uma reputação boa com a comunidade e se orgulha ainda de sair de uma eleição concorrida e com uma campanha limpa, sem ataques e sem ter sido mal recebida em lugar algum e ser respeitada.

“A população pode esperar muito trabalho e compromisso, serei incansável em melhorar as condições do município, podem me cobrar. Acordarei cedo para trabalhar e dormirei tarde, essa é minha rotina de vida. Trarei muitos investimentos com ajuda do governador, dos senadores e deputados federais. Formarei uma equipe comprometida com esses objetivos”, garante a prefeita eleita.

Para Rosana, a participação das mulheres foi fundamental em sua eleição. “Organizaram até um evento para me apoiarem. Levaram meu nome à sociedade e na minha gestão as mulheres também terão um papel de destaque na administração do município”.

Um dos eventos de mulheres que ocorreu em apoio à Rosana foi totalmente voluntário e aconteceu em meio à campanha. “Jovens se juntaram voluntariamente, num encontro de mulheres da zona urbana e rural e isso motivou bastante a campanha”.

Gomes garante acompanhar a política desde a época de seu saudoso pai. “Aprendi com ele desde os anos 90. Meu irmão James Gomes foi duas vezes prefeito, também aprendi muito com ele, tivemos erros, porém muito mais acertos. Quero fazer mais porque me considero capaz e com a experiência necessária para o cargo”.

Maria Lucinéia – Tarauacá  – O município que em 107 anos de existência elegeu apenas uma mulher como prefeita nos últimos tempos (a atual gestora Marilete Vitorino) voltou a confiar pela segunda numa representante feminina os próximos quatro anos da administração municipal. Tarauacá elegeu a historiadora e servidora pública Maria Lucinéia, de 38 anos, como prefeita. Mãe de três filhos, é casada há 22 anos com o deputado federal do Acre, Jesus Sérgio.

Diferente do marido, Lucinéia nunca imaginou participar diretamente da política local. Inclusive, se mostrava contrária a essa ideia até pouco tempo atrás. Ela confiava nos planos de Deus a sua vida pública, por isso, sua eleição teve um significado ainda maior. “Em meio a tanto preconceito em relação às mulheres frente à politica, para mim é uma vitória. Isso estimula outras mulheres do bem que tomem posição em relação à política”, salienta.

Lucinéia confia que sua candidatura foi um chamado de Deus. A prefeita eleita garante que no início foi difícil aceitar. “Nunca pense que o Senhor me chamaria para essa missão, mas já que ele chamou, eu disse meu sim. Jamais diria não para Deus e quando Deus te faz o convite, você sempre tem que dizer sim porque ele sabe o melhor caminho”. A representante do PDT não esconde que foi bastante julgada após ter falado sobre a revelação que teve de Deus. “Para mim, essa eleição foi uma resposta de Deus, a soberania dele prevaleceu”.

Lucinéia considera magnífica a ideia se se ter cada vez mais mulheres se envolvendo e participando da política. Ainda mais por antes ser uma das que não se interessava pelo assunto e agora reconhece a importância desse trabalho entre a comunidade feminina. “Mulher é muito sensível, tem aquele olhar de mãe, é humana e para mim isso [sua eleição] tem chamado atenção para outas mulheres também terem coragem de se envolver na política, e que nós mulheres podemos fazer. Se quisermos, vamos fazer”, acredita, destacando que, se uma mulher é capaz de cuidar de uma família ou dos filhos muitas vezes sozinhas, ela já é uma heroína. “Se fazem tudo isso sozinhas às vezes, por que não cuidar de uma cidade, um estado ou até mesmo de um país? A mulher é muito forte e guerreira”.

Em relação ao governador Gladson Cameli, ela espera ter a melhor ligação possível. “Em outro momento já tinha falado com ele que eu iria ganhar e que iria aperrear muito ele para ajudar minha cidade que tanto amo. Com certeza ele vai ser um grande parceiro na reconstrução de Tarauacá”.

O trabalho de campanha não foi fácil para ela, que garante ter visto muita falta de esperança e se deparado com muitos eleitores que não queriam mais votar ou até mesmo rasgar seus títulos eleitorais. “Mas quando eu conversava, algo tocava no coração das pessoas. O espírito santo de Deus convence, e sentiam no coração aquela confirmação de que eu estava falando a verdade”.

Maria agradece o apoio que recebeu vindo de crianças, idosos, e alguns eleitores que já nem precisavam mais votar, mas que passaram a votar nessa eleição. “Vou me doar e fazer o melhor que eu puder fazer. Com ajuda de Deus eu vou estar seguindo conforme a vontade dele, como sempre fiz na minha vida. A população vai ter muito orgulho da prefeita”, destaca.

Apesar de muitas mulheres terem apoiado sua campanha, Lucinéia diz que outras tantas foram cruéis para com sua candidatura. “Pensei ter mais apoio, mas fiquei meio que assustada com algumas atitudes, mas elas vão entender com o tempo, quando tudo começar a dar certo, que estavam erradas”. Em relação a este fato, a prefeita eleita desconfia de influencia de outros grupos políticos na cidade.

Cuidar do outro sempre foi sua missão, garante Lucinéia. Desde os 12 anos cuida de pessoas e sempre esteve envolvida com trabalhos sociais. “Comecei a trabalhar na primeira pastoral da criança para poder salvar crianças denutridas, cuidar de mães gestantes, já tinha esse chamado de Deus”. Para ela, política é cuidar do outro.  “Em 2012 meu marido se candidatou a vereador e para mim foi algo terrível na época aceitar como político. Dois anos depois se candidatou a deputado estadual e ele pediu minha opinião”. Nesse momento Maria buscou orientação de Deus e, segundo ela, recebeu o aviso de seu marido iria ser eleito. “Deus tinha um chamado para nossa família. Comecei a amar o que a política pode fazer em cuidar das pessoas. O cidadão confunde a política com a politicagem, que é suja”. A prefeita afirma que nos antes de seu marido ser eleito deputado federal, Deus a revelou ele seria vitorioso na eleição.

Questionada sobre apenas três mulheres terem se consagrado prefeitas no primeiro turno das eleições municipais, Lucinéia diz que até fica feliz, pois o número já é uma resposta. “É pouco, mas já é um sinal. Acho que essas mulheres [eleitas] vão fazer uma revolução dentro de seus municípios, vão mostrar que também sabem fazer gestão e que vamos ser reconhecidas por nós também sabermos cuidar do município”, assevera.

 

 

Cotidiano

Polícia Civil prende traficante no bairro da Paz, em Rio Branco

Publicado

em

Na tarde desta sexta-feira, 18, a Polícia Civil prendeu em flagrante, F. R. da S. de 34 anos, em posse de maconha, cocaína e crack, além de dinheiro oriundo da venda do entorpecente.

A prisão se deu na rua Valdomiro Lopes, bairro da Paz, próximo a ponte da avenida, em um terreno baldio.

Preso, o individuo foi encaminhado à delegacia para procedimento de lavratura de auto de flagrante e será colocado à disposição da justiça.

Ascom/Polícia Civil do Acre

Continuar lendo

Cotidiano

Relator da CPI torna Queiroga, Pazuello e Ernesto Araújo investigados

Publicado

em

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), anunciou nesta sexta-feira (18) uma lista de 14 pessoas que passarão à condição de investigados pela comissão de inquérito.

Constam na relação o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, os ex-ministros da Saúde Eduardo Pazuello e das Relações Exteriores Ernesto Araújo e o ex-secretário de Comunicação Social da Presidência Fabio Wajngarten (veja lista abaixo).

A medida, na prática, indica que o relator vê indícios de crimes por parte desses investigados. A lista já foi encaminhada ao presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM) – parte já tinha sido antecipada nesta quinta (17) pelo blog do Valdo Cruz.

Cabe a Renan Calheiros como relator, ao final dos trabalhos, elaborar um parecer e encaminhar ao Ministério Público eventuais pedidos de indiciamento.

Passam a ser investigados:

Marcelo Queiroga, ministro da Saúde

Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde

Ernesto Araújo, ex-ministro de Relações Exteriores

Fabio Wajngarten, ex-secretário de Comunicação Social da Presidência

Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho do Ministério da Saúde

Nise Yamaguchi, médica defensora da cloroquina e suposta integrante do “gabinete paralelo”

Paolo Zanotto, virologista defensor da cloroquina e suposto integrante do “gabinete paralelo”

Carlos Wizard, empresário e conselheiro de Pazuello e suposto integrante do “gabinete paralelo”

Arthur Weintraub, ex-assessor especial da Presidência e suposto integrante do “gabinete paralelo”

Francieli Fantinato, coordenadora do Programa Nacional de Imunização

Marcellus Campêlo, ex-secretário de Saúde do Amazonas

Elcio Franco, ex-secretário executivo do Ministério da Saúde

Hélio Angotti Neto, secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde do Ministério da Saúde

Luciano Dias Azevedo, anestesista da Marinha apontado como autor de proposta para alterar a bula da cloroquina, substância sem efeito contra a Covid

“Por que isso? Porque acentua um momento importante da investigação. Segundo, em português claro, significa dizer que com relação a essas pessoas, contra os quais já acessamos provas e indícios, nós precisamos mudar o patamar da própria investigação, transformando-os em investigados. Isso é bom para a investigação e é bom, também, para a segurança jurídica do próprio investigado”, diz Renan.

“A partir da declaração dessa condição, ele passa a ter acesso a informações e acesso às provas e indícios que estão sendo juntados na investigação”, explicou.

Renan não descartou a hipótese de ampliar a lista de investigados nas próximas semanas – e disse que a CPI estuda, inclusive, investigar o próprio presidente Jair Bolsonaro.

Dos nomes que compõem a lista, Francieli, Weintraub, Wizard, Zanotto, Angotti Neto e Dias Azevedo ainda não prestaram depoimento à comissão. Cinco dos seis já tiveram pedidos de convocação aprovado – a exceção é o anestesista Luciano Dias Azevedo.

Além disso, Francieli, Wizard e Zanotto também tiveram os pedidos de quebras de sigilo aprovados.

Queiroga investigado

A inclusão de Marcelo Queiroga na lista não reuniu consenso entre os membros da CPI. Ao anunciar os nomes, Calheiros afirmou que a participação de Queiroga ao depor à CPI foi “pífia, ridícula”, e que celebrou contratos para aquisição de vacinas por preço mais alto que os acordos anteriores.

“Colocamos o ministro Queiroga, que é o atual ministro, que teve uma participação pífia, ridícula, aqui na Comissão Parlamentar de Inquérito no seu primeiro depoimento quando tentou dizer que teria autonomia que faltou a Teich e faltou a Mandetta e os fatos logo demonstraram o contrário”, afirmou o relator.

“Ele defendeu vacinação, o presidente no dia seguinte disse que iria encomendar dele um decreto e ele teria que fazer um decreto, para minimização da utilização das máscaras. Mais do que isso, o lote de vacina cuja negociação foi comandada por ele é 20% mais caro do que o contrato anterior”, prosseguiu.

À GloboNews, nesta quinta, Calheiros havia citado indícios de que Marcelo Queiroga teria debatido drogas sabidamente ineficazes para a Covid em reunião com a Organização Mundial de Saúde (OMS). O senador repetiu a informação nesta sexta.

“Recentemente, em abril, nós acessamos documentos em que ele, em conversa com o diretor-presidente da OMS, ele cobra agilidade no fornecimento das vacinas e recebe um puxão de orelha, porque o diretor-presidente disse o seguinte: ‘olha, como vocês cobram agilidade da OMS se quando a OMS disponibilizou a possibilidade de aquisição de 50% de vacinas para a população brasileira, 50% da população vocês demoraram, postergaram e depois assinaram o mínimo que poderia ser assinado que era 10%. Agora nós estamos vivendo uma situação terrível de mercado e não dá mais para ajudar como nós teríamos ajudado naquela oportunidade em que oferecemos essas vacinas'”, relata Calheiros.

“Aí, ele [Queiroga] aproveitou a conversa e defendeu em abril o tratamento precoce, a prescrição da cloroquina e ainda mentiu novamente dizendo que tinha tido esse tratamento uma eficácia no Brasil de 70%. Quer dizer, nós não temos como fazer outra coisa, senão colocá-lo na própria investigação”, concluiu o relator da CPI.

Em seguida, ao voltar ao tema, Renan chegou a confundir o nome do ministro Queiroga, a quem chamou de “Queiroz”.

“Ou seja, a comissão parlamentar de inquérito ela tem uma condição intimidatória. Ela é criada também para dissuadir determinadas práticas nocivas e irresponsáveis como do ministro Queiroz. Eu estou confundindo porque estou citando o outro lá que não chegou a ser ministro, mas é… infelizmente, ele vai ter que se investigado para que ele entenda que ele precisa parar com essas loucuras que ele não pode continuar, a pretexto do cargo que ocupa, fazendo essas atrocidades, ou concordar com as atrocidades que são feitas diariamente pelo presidente da República”, declarou.

Críticas a Bolsonaro

Ao anunciar a lista, Renan Calheiros também citou a “absoluta irresponsabilidade” do presidente Jair Bolsonaro ao atacar as vacinas e defender o contágio como melhor forma de imunização – tese que já foi amplamente desmentida pela ciência.

“A CPI tem feito a sua parte, tem dado passos significativos no sentido da apuração e da consequente responsabilização dos fatos. Nós chegaremos, tristemente digo isso, neste fim de semana a mais de meio milhão de mortos no Brasil pela Covid. Diante da absoluta irresponsabilidade do chefe de governo que, ainda ontem, reiterou tudo o que havia dito com relação à defesa da imunidade de rebanho, da imunização natural. E usou ele próprio como exemplo desse crime e desse absurdo”, disse Calheiros.

“Já demonstramos que o governo sempre recusou as vacinas e sempre tentou e colocou em seu lugar o chamado tratamento precoce e a utilização da hidroxicloroquina, da ivermectina, do zinco e outros produtos com comprovada ineficácia”, continuou.

Continuar lendo

Cotidiano

Variante delta tem se tornado dominante em todo o mundo, diz cientista-chefe da OMS

Publicado

em

A variante delta do coronavírus, identificada pela primeira vez na Índia, tem se tornado dominante em todo o mundo, disse nesta sexta-feira (18) a cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan.

“A variante delta está prestes a se tornar a variante dominante global por causa de sua maior transmissibilidade”, disse Swaminathan em entrevista coletiva.

Uma variante é resultado de modificações genéticas que o vírus sofre durante seu processo de replicação. Um único vírus pode ter inúmeras variantes. Quanto mais circula (transmitido de uma pessoa para outra), mais ele faz replicações – e maior é a probabilidade de ocorrência de modificações no seu material genético.

Isso não significa que as vacinas disponíveis não protejam contra esta variação do Sars-Cov-2. No Reino Unido, onde ela já é dominante, o Ministério da Saúde assegurou que as doses aplicadas conferem proteção às infecções.

“É importante que as pessoas recebam ambas as doses da vacina contra a Covid-19, porque dados nos mostram que ela pode proteger efetivamente contra a variante delta”, disse o ministro Matt Hancock.

Variante delta no Brasil

No Brasil, foram identificados ao menos oito casos da variante delta.

As primeiras detecções ocorreram em 20 de maio, em seis pessoas que chegaram ao Maranhão a bordo do navio indiano MV Shandong da Zhi. Um dos doentes teve de ser levado de helicóptero a um hospital.

Desde então, houve também um infectado em Juiz de Fora (MG) e outro em Campos dos Goytacazes (RJ).

Variante delta espalhada pelo mundo

Além dos britânicos, que confirmaram a predominância da delta entre as infecções de seu território, as autoridades de Saúde da Alemanha e da Rússia acenderam seus alertas.

O instituto Robert Koch, referência no combate à Covid-19 na Alemanha, anunciou que 6% dos novos casos no país já são da variante delta – mas o número deve aumentar rápido.

Na Rússia, a propagação da variante delta em Moscou fez a capital bater recorde diário de infectados nesta sexta. Com 17.262 contágios diários, o país está no ponto mais elevado de transmissão desde 1º de fevereiro, de acordo com estatísticas do governo.

Continuar lendo

Cotidiano

Mirla Regina e Marcelo Carvalho participam da última sessão como membros do TRE-AC

Publicado

em

Por

Os juízes eleitorais Mirla Regina e Marcelo Carvalho, egressos da classe de juiz de direito, participaram da última sessão plenária, nessa sexta-feira, 18, como juízes efetivos do Tribunal Regional Eleitoral do Acre (TRE-AC).

Durante a sessão, a presidente do TRE-AC, desembargadora Denise Bonfim, e os demais membros da Corte homenagearam os colegas e destacaram a competência, a dedicação e o zelo, de cada um deles, durante seus respectivos biênios, que chegam ao fim no próximo dia 24.

Em suas as falas, os juízes Mirla Regina e Marcelo Carvalho agradeceram a todos do TRE, expressaram o prazer de ter atuado na Corte e pontuaram a competência e o empenho da administração da Justiça Eleitoral acreana.

Também em 24 de junho terminam os mandatos dos juízes Mirla Regina e Marcelo Carvalho nos cargos de diretora da Escola Judiciária Eleitoral (EJE) e Ouvidoria do TRE-AC, respectivamente.

Ainda na sessão desta sexta-feira, 18, a Corte escolheu seus substitutos, elegendo os juízes Armando Dantas para diretor da EJE, tendo como vice Hilário Júnior, e o juiz Geraldo Fonseca para titular da Ouvidoria.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas