Conecte-se agora

Desenho de estratégias

Publicado

em

As estratégias são o segundo componente do processo de planejamento. E planejar é a consequência natural da percepção ambiental. É preciso perceber o ambiental e detectar suas necessidades. Em seguida os dirigentes institucionais escolhem as necessidades que suas instituições podem se comprometer a suprir e só então dão início ao processo de planejamento do suprimento. A primeira etapa é a escolha dos objetivos a serem alcançados; a segunda é o desenho do caminho através do qual os objetivos serão materializados. Por essa razão é que se diz que planejar é definir onde se pretende chegar e como será o trajeto até lá. O destino são os objetivos, enquanto o caminho é o que é chamado de estratégia. Matematicamente, planejamento é f(P) = O + E, onde P é o plano, O é o grande objetivo pretendido e E é a estratégia global a ser seguida. Este ensaio tem como objetivo esclarecer a ideia de estratégia nos esforços gerenciais da inovação.

Não há plano sem objetivo, da mesma forma que não há gestão sem um plano. A razão disso é que o plano aponta com precisão aquilo que a gestão pretende realizar, materializar, e como isso será feito. Nenhum esquema de gerenciamento é possível, viável, realizável, sem que essas duas exigências sejam cumpridas. Muitas vezes elas existem apenas na cabeça dos gestores, mas isso é cada vez mais raro, uma vez que esses dirigentes estão sendo substituídos por profissionais de gestão. A mentalidade desses profissionais funciona a partir desse par de desafios, que é definir objetivos precisos e viáveis a partir de esquemas lógico-matemáticos cada vez mais sofisticados para o estabelecimento do caminho mais adequado para chegar até o futuro desejado.

Tanto na escolha dos objetivos quanto no desenho das estratégias é cada vez maior a confirmação prática da necessidade da participação dos membros da instituição. Se possível, todos devem participar. Um fundamento singelo está por baixo dessa necessidade: aquele que planeja é o que melhor executa o que planejou. Inúmeras evidências empíricas confirmam esse fundamento, mas a mais forte e consistente é o fato de que nenhum membro da instituição que participe efetivamente do planejamento precisará ser convencido a direcionar seus esforços para que aquilo que ele ajudou a escolher e determinou a forma mais adequada de executar. No esquema participativo, aquilo que será executado foi idealizado por quem o executará. Simples assim.

Estratégia é isso: dizer como algo será feito. Se quero sair de um ponto A da cidade para um ponto B, o trajeto, as vias por onde escolhi passar, conformam a estratégia de chegada ao destino pretendido. Se a instituição pretende alcançar 50% do mercado regional de inovação tecnologia e seu corpo social definiu que a forma mais adequada de fazer isso seria a) primeiro firmar parcerias de longo prazo com as organizações demandantes e b) convergir os esforços de ensino, pesquisa e extensão para o suprimento da demanda, esses serão os dois vetores da estratégia escolhida. Quando se fala em desenho de estratégia está-se referindo justamente a isso: à possibilidade efetiva de reproduzir o que a mente social definiu em termos de representação pictórica, diagramática, enfim, em um desenho.

Todo desenho de estratégia é um esquema lógico-matemático. Mas qualquer que seja ele, envolverá a organização de forma dimensionada. Alguns são representações globais, organizacionais, corporativos, enquanto outros serão setoriais, parciais e específicos. Estratégias organizacionais dão conta de toda a organização, por isso são globais e corporativas; estratégias setoriais, gerenciais e táticas, por sua vez, correspondem aos objetivos dessa mesma natureza; enquanto as estratégias operacionais são o como realizar os objetivos de curto prazo. O fato é que não há objetivo sem estratégia. E os desenhos permitem tanto visualizar todas as etapas do caminho a ser seguido quanto avaliá-las constantemente em busca de aperfeiçoamento, abreviação, racionalização.

Algumas metodologias de planejamento já geram, quase que automaticamente, o desenho da estratégia, como é o caso do Balanced ScoreCard (BSC) e do modelo Canvas de negócios. Mas é bastante comum e natural que as instituições criem seus próprios esquemas de planejamento, o que implica, naturalmente, em inventar uma forma de desenhar as estratégias e tornar explícita a ideia que será executada. O uso de fluxogramas para isso é muito comum e recomendável, tanto que facilita a explosão (desdobramento) de cada nódulo do gráfico em nova e específica estratégia, o que ajuda a compreender a vinculação das meso e microestratégias em relação à estratégia global, corporativa, organizacional.

Inúmeras técnicas lógicas (como conjunção e disjunção), matemáticas (como cálculos matriciais e vetoriais), computacionais (como mineração e inteligência artificial), organizacionais, financeiras, contábeis, atuariais, legais, ecológicas, ambientais, topológicas, dentre infinitas outras, são possíveis e utilizadas para estabelecer o caminho mais promissor e aperfeiçoá-lo constantemente. Esses esforços interdisciplinares e multidimensionais (no sentido de cálculo matemático, principalmente) transformam os procedimentos gerenciais em verdadeiros exercícios pedagógicos no esforço de ultrapassar as fronteiras cerebrais e mentais no entendimento e transformação do ambiente e das instituições. É com a prática do desenho de estratégia que se pode perceber a genialidade dos gestores.

É fácil definir o que fazer, dizem os desconhecedores das técnicas e procedimentos gerenciais. Os especialistas em gestão têm constatado que não é fácil definir objetivos. Pelo contrário, a cada análise do projetado/executado novos desafios aparecem e precisam ser enfrentados com técnicas e procedimentos para os quais não existem. Mas uma coisa parece ser consensual: quanto mais bem definido (preciso e exato) forem os objetivos, mais facilitado ficará o desenho de sua estratégia. Não há objetivo fácil de ser definido. Nem estratégia.


Daniel Silva é PhD, professor,  pesquisador do Instituto Federal do Amazonas (IFAM) e escreve todas às sextas-feiras no ac24horas. 

Anúncios

Daniel Silva

Instrumentos relacionais humanos 

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Execução da lógica da inovação

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Estratégias funcionais

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Estratégias funcionais 

Publicado

em

Foto: Divulgação/Pixabay
Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas