Conecte-se agora

Mulheres protestam contra goleiro Bruno Fernandes em hotel no interior do Pará

Publicado

em

Após toda a polêmica e diversas manifestações sobre sua contratação pelo Rio Branco, o goleiro Bruno Fernandes, condenado há mais de 20 anos pelo assassinato de Eliza Samúdio, não conviveu mais com protestos no Acre e tem tido liberdade para jogar futebol.

Fora do Acre, o atleta teve que enfrentar um primeiro protesto pela sua volta aos campos. Um pequeno, mas barulhento, grupo de mulheres da cidade de Bragança, no interior do Pará, onde o jogador se encontra junto com a delegação do Rio Branco para uma partida contra o time local pelo Campeonato Brasileiro da Série D, foi até a frente do hotel onde a equipe acreana está hospedada para protestar contra a presença do jogador.

Munidas de cartazes e gritando palavras de ordem, as mulheres gritaram que “lugar de assassino é na cadeia e não na nossa cidade”. Andreia Pereira, funcionária pública do grupo de cerca de 15 mulheres, afirmou que o sentimento com a presença do atleta era de revolta. “Esse movimento representa a revolta de Bragança e de todo o Pará com um cara que tá tentando ser de novo ídolo no Brasil, quando ele não é. Ele é um assassino, que oculta um cadáver, e ele não representa o nosso futebol. É um atentado contra a nossa dignidade de nós mulheres a presença do Bruno em um time de futebol”, afirmou.

Bruno foi um dos jogadores do Rio Branco que precisou de atendimento médico em uma UPA de Bragança após apresentarem sintomas de intoxicação alimentar após o jantar na noite do último sábado, 17. A CBF atendeu a um pedido do clube acreano e transferiu a partida, que deveria ter ocorrido no domingo, para esta segunda-feira, 19.

Veja o vídeo:

[videopress vq4qGic6]

 

Destaque 4

Câmara aprova 137 novos cargos comissionados para Bocalom com gastos de R$ 4,5 milhões

Publicado

em

Em sessão realizada nesta quinta-feira, 4, os vereadores aprovaram na Câmara Municipal de Rio Branco o Projeto de Lei Complementar n° 54/2022 enviado pela prefeitura de Rio Branco, propondo a criação de 137 novos cargos comissionados na estrutura municipal e gerando um custo de aproximadamente R$ 4,5 milhões por ano aos cofres públicos. A matéria foi aprovada por 13 votos favoráveis contra um contrário do vereador Emerson Jarude (MDB).

Jarude disse ser inaceitável que enquanto o município enfrenta sérios problemas na pavimentação, iluminação pública, saneamento básico, transporte coletivo e tantas outras áreas, a preocupação primordial da prefeitura seja criar mais cargos comissionados em pleno ano eleitoral. “É o maior número de cargos comissionados da história da prefeitura de Rio Branco”, declarou.

O Projeto de Lei Complementar prevê 130 novos cargos em comissão, desde CEC-1 a CEC-9 e mais 7 cargos de natureza militar.

A matéria destaca que os cargos comissionados devem ajudar na realização das obras do Poder Executivo – como por exemplo, auxiliar na execução do restaurante popular na Baixada Sobral, em Rio Branco.

De acordo com o prefeito Tião Bocalom, o aumento dos cargos em comissão “respeitará o limite mensal de gastos de R$ 2.770.851,44 para os cargos civis e R$ 131.300,00 para os cargos de natureza militar, não incluídos os encargos sociais e previdenciários correspondentes”, diz trecho do PLC.

Continuar lendo

Destaque 4

MP quer condenar Bocalom e RBTrans por improbidade na contratação da Ricco Transporte

Publicado

em

O Ministério Público do Acre (MPAC) propôs uma Ação Civil Pública (ACP) em que pede pela condenação do prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom (Progressistas) e do Superintendente da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (RBTRANS), Anízio Alcântara, por improbidade administrativa devido a contratação da empresa Ricco Transporte. O documento foi divulgado na quarta-feira, 3.

O órgão controlador solicitou a anulação do contrato com a empresa que assumiu o transporte coletivo de Rio Branco, de forma emergencial, em fevereiro de 2022 e que, recentemente, teve um aporte financeiro aprovado de R$ 8 milhões para operar os serviços na cidade.

Na análise da ação, o MP destacou que a escolha da empresa Ricco foi de forma parcial – ignorando os princípios constitucionais da isonomia, legalidade, impessoalidade, moralidade, igualdade e publicidade”.

A Promotora de Justiça Laura Cristina de Almeida Miranda, ressaltou os investimentos feitos pela gestão municipal, como o gasto inicial no valor de R$ 747,6 mil reais para garantir o translado dos ônibus vindos de São Paulo e do Rio de Janeiro, até a capital acreana, “sem juntada de quaisquer documentos aos autos que pudessem atestar a legalidade e regularidade do referido custeamento”, diz trecho da ACP.

A promotora pontuou ainda a proposta de lei apresentado pela prefeitura em junho de 2022 e aprovada na Câmara Municipal de Rio Branco no dia 30 de junho, no valor de quase R$ 8 milhões, proposta pela empresa Ricco, alegando que somente prestaria o transporte público coletivo por mais 30 dias, diante de um suposto prejuízo diário de R$ 40 mil, decorrente do “aumento do preço do litro do diesel, a não atualização do valor da passagem ou o pagamento do custo de operação do sistema de transporte público pelo município e o fim do pagamento relativo das gratuidades de idosos e deficientes”, destacava a proposta da Ricco.

Caso a ação seja acatada, Bocalom e Anízio podem ser obrigados a devolver o valor de quase R$ 9 milhões, estimado na ação, além de perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de 5 a 8 anos, pagamento de multa civil de até 2 vezes o valor do dano e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 5 anos.

Continuar lendo

Destaque 4

Residente de anestesiologia que presta serviço no PS é denunciado e caso deve parar no MPAC

Publicado

em

A suposta presença de um residente de anestesiologia atendendo sem ter terminado o curso de especialização virou caso de polícia. O que ocorre é que o ac24horas recebeu uma denúncia de que Rafael Queiróz de Oliveira, médico, estaria atendendo como anestesiologista no pronto-socorro de Rio Branco, mesmo sem ter terminado a especialização.

O profissional é contratado por uma empresa terceirizada, Bone, vencedora de uma licitação para prestar atendimento especializado de anestesiologia à Secretaria Estadual de Saúde. O problema no caso é que Rafael, de acordo com o portal do Conselho Nacional de Residência Médica (CNRM), estaria ainda cursando a especialização na Santa Casa de Misericórdia de Goiânia.

O ac4horas recebeu a denúncia e procurou a direção do PS. Dora Vitorino, diretora da unidade, encaminhou um certificado de conclusão que comprovaria que Rafael concluiu a especialização em abril deste ano. Acontece que ao consultar o CNRM, o número do certificado que aparece é de outra pessoa, identificada como Sara Regina Alcalde Domingos.

Outro fator que levanta dúvidas sobre a veracidade do certificado é que documento de admissão do processo seletivo de residência médica de Rafael é de fevereiro de 2020, o que significa que não haveria tempo hábil para a conclusão em fevereiro deste ano como consta no certificado apresentado à reportagem. Em contato com a Santa Casa de Misericórdia de Goiânia foi confirmado que Rafael ainda está cursando a especialização.

O denunciante, que prefere não ser identificado, levou a denúncia ao Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed) e ao Conselho Regional de Residência Médica do Acre (Coreme). O presidente do Sindmed, Guilherme Pullici falou sobre as providências que devem ser adotadas.

“O que chegou até nós é que um colega que ainda não tem o título de especialista, que ainda está em formação e que a empresa terceirizada não verificou isso. Nós não sabemos se agiram de má-fé ou se não prestaram atenção a esse detalhe. Vamos encaminhar a denúncia ao Ministério Público e também ao Conselho Regional de Medicina, já que tudo indica que esse colega médico não fez o registro provisório no CRM, já que todo profissional que vem de outro estado para cá precisa registrar provisoriamente para poder atuar”, diz o presidente do Sindmed.

O ac24horas tentou o contato com Rafael Queiróz de Oliveira, mas não obteve resposta. O espaço segue aberto caso o profissional queira se manifestar.

DECLARAÇÃO DE TÉRMINO DE RESIDÊNCIA 2022 RAFAEL
Continuar lendo

Destaque 4

Aumenta o desemprego no Acre e taxa vai a 14,8%, com 56 mil desempregados

Publicado

em

O IBGE divulgou, na última semana de julho os dados da Pnad Contínua Trimestral, que trata dos números da força de trabalho brasileira, desmembrados por unidades da federação, referente ao primeiro trimestre de 2022. A taxa de desocupação (desemprego) da força de trabalho acreana abriu o ano em 14,8%.  A taxa subiu 1,6 pontos percentuais (p.p.) em relação ao último trimestre de 2021 (13,2%).

Conforme pode ser observado no gráfico acima, o Acre tinha 51 mil pessoas desempregadas no final de 2021 e agora são 56 mil. Em um cenário de crescimento contínuo da população total, verificou-se uma queda da população na força de trabalho (381 mil para 377 mil) o que preocupa.  É importante ressaltar que a taxa de desemprego é medida pelo número de pessoas que não conseguiram emprego dentre o número de pessoas na força de trabalho, ou seja, a população com mais de 14 anos que quer trabalhar.

A taxa de desemprego do Acre, conforme pode ser observada no gráfico abaixo, sempre aparece acima da taxa brasileira. Em 2021, no primeiro trimestre, a taxa Brasil foi de 14,9%, enquanto a taxa do Acre foi de 18,0%. No mesmo período de 2022, a taxa média brasileira caiu para 11,1%  enquanto a acreana subiu para 14,8%, ou seja, 3,7% acima da taxa Brasil.

Com a taxa de desemprego de 14,8% no primeiro trimestre do ano, o Acre apresentou a quinta maior taxa de desocupação dentre os estados da Federação, sendo superado somente pela Bahia (17,6%), por Pernambuco (17,0%) e por Sergipe e Rio de Janeiro, ambos com (14,9%).

Aumento na informalidade e queda dos desalentados 

Com o desemprego em alta, observou-se uma pequena queda na taxa de informalidade da população empregada, que saiu de 157 mil (47,4%) para 152 mil (47,2%) do último trimestre de 2021 para o primeiro de 2022. O Setor informal é constituído pelos empregados sem carteira assinada (empregados do setor privado ou trabalhadores domésticos), pelos sem CNPJ (empregadores ou empregados por conta própria) e pelos trabalhadores sem remuneração. A taxa de informalidade do Acre é bem mais elevada que a do Brasil, que foi de 40,1% da população ocupada.

O número de desalentados (pessoas que desistiram de procurar trabalho devido às condições estruturais do mercado) ficou estável entre o 4° trimestre de 2021 e o primeiro de 2022. São 34 mil pessoas nessa condição, correspondendo a 9% das pessoas na força de trabalho.

No Brasil a taxa ficou em 3,5%.

Emprego por setores da economia – Somente os empregos públicos subiram no primeiro trimestre de 2022 

Como pode ser observado no gráfico abaixo, na comparação do 4º trimestre de 2021 para o primeiro de 2022, somente o setor das pessoas que trabalham na administração pública aumentou o número de ocupação, saindo de 81 para 87 mil pessoas empregadas. Todos os demais perderam ocupações no período. Em termos absolutos, as maiores quedas vieram da Agropecuária e dos Serviços (sem serviços públicos), ambos com perdas de 5 mil ocupações de um trimestre para o outro.

Apesar do aumento no desemprego, verificou-se no período um pequeno crescimento do rendimento médio mensal (2,9%) e por consequência da massa salarial (0,40%). O rendimento médio real de todos os trabalhos, habitualmente recebidos por mês, pelas pessoas ocupadas, com rendimento de trabalho, saiu de R$ 2.214,00 para  R$ 2.450,00 e a Massa Salarial saiu de R$ 708 para  R$ 756 milhões.

O IBGE apurou um aumento na taxa de desemprego no início de 2022. São 56 mil desempregados, 34 mil desalentados e 152 mil dos que são considerados ocupados estão na informalidade. Estamos diante da expectativa de desaceleração do crescimento da economia no segundo semestre do ano e em 2023, situação que pode ser desfavorável para a recuperação dos empregos. Outro impacto na taxa será quando os 34 mil desalentados que estão fora da força de trabalho (9% da força de trabalho), começarem a procurar emprego.


Orlando Sabino escreve às quintas-feiras no ac24horas

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!