Conecte-se agora

Para paz reinar no PT do Acre teve “muita lavagem de roupa suja”

Publicado

em

Os bastidores da convenção do PT no Acre, agora sem o poder da máquina, é de fato interessante. Na antiga sede da Companhia de Selva, empresa de publicidade e propaganda que geriu a mídia do Estado nos últimos 20 anos, a sensação era de mais leveza. Todos riam, todos brincavam. Não existia o desespero de anos atrás pela busca do resultado. Definitivamente, são franco-atiradores. Se colar, colou. Cabe ao eleitor decidir.

Conversei com o Aarão Prado, um dos jornalistas e marqueteiros da campanha, que junto com mais 4 profissionais, tocarão a mídia do PT pelos próximos dois meses. Pelo que pude apurar, não se sabe se o staff de Davi Sento-Sé e Gilberto Braga, da mítica Cia de Selva, entrarão na campanha já que o PT deve uma bela de uma grana a eles das eleições passadas.

Uma das coisas notórias foi o fato do partido voltar a assumir que sua cor é o vermelho. Chega de amarelo, verde, laranja. Agora é vermelho.

Também foi possível notar um Jorge Viana bem estrategista, revelando que não quer briga com ninguém, muito pelo contrário, quer agregar, trazer pessoas. O ex-senador soltou numa roda com jornalista que a partir do ano que vem vai cuidar pessoalmente da formação da chapas para deputado estadual e federal e não descartou que Marcus Alexandre possa ser o “puxador de voto”. Na hora que JV falou isso, Marcus arregalou os olhos e tratou de por panos quentes na conversa. “Vamos esperar, calma”, disse.

Na hora do impasse, aproveitei e perguntei qual dos dois seria candidato a governador e senador em 2022. Marcus riu e evitou tocar no assunto, disse ser ainda muito prematuro, JV jogou um ar de mistério e acha melhor esperar “as coisas que vão acontecer mais na frente”.

Papo interessante também foi o Daniel Zen, o candidato petista. Ele revelou durante a coletiva que para o PT alcançar a “paz interna” teve “muita lavagem de roupa e dedo na cara” e que hoje todos são iguais. Jorge Viana ainda completou. “Tava todo mundo de salto alto”.

Por falar em salto, questionei os petistas sobre o fato deles estarem disputando uma campanha sem a máquinas nas mãos. JV tratou de minimizar ao afirmar que na década de 90 eles também não tinha apoio e ganharam. De fato, mas os tempos atuais são outros. Antigamente eles tinham o fusquinha, hoje é da Hilux à SW4.

Em outro trecho da prosa, Zen lembrou da “peia” que o PT levou nas urnas em 2018, o que causou certo incômodo a Marcus Alexandre, que estava ao seu lado. Era o ex-prefeito de Rio Branco que perdeu na época e resolveu ter um tempo sabático para refletir. Acredito que nunca mais o Marcus entrará em alguma bola dividida na política, mas é possível notar que a cúpula acredita que o maior cabo eleitoral do Zen será o Marcus. Isso está claro como água mineral, já que a do Rio Acre na capital é barrenta e suja.

Acre

Casos de diarréia avança 32% em 2022 no Acre, alerta Saúde

Publicado

em

Continuar lendo

Acre

Bocalom autoriza nova licitação para o transporte coletivo em Rio Branco

Publicado

em

Continuar lendo

Acre

Com alta dos combustíveis no Acre, empresas aumentam passagem

Publicado

em

Continuar lendo

Acre

Fiocruz reafirma tendência de crescimento das síndromes gripais

Publicado

em

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!