Conecte-se agora

Mãe de Eliza fala sobre goleiro Bruno: ‘Justiça dá tudo a ele, e cadê o corpo da minha filha?’

Publicado

em

Há dez anos sem respostas sobre onde está o corpo da filha, Eliza Samúdio, sua mãe, Sônia Samúdio, vê Bruno Fernandes voltar ao futebol. Em 2013, o goleiro foi condenado a 22 anos e três meses de prisão por homicídio triplamente qualificado no caso envolvendo a ex-namorada Eliza. Hoje, ele cumpre pena em regime semiaberto e é contratado pelo Rio Branco-AC. “É como se ele estivesse matando a Eliza de novo”, diz Sônia, em entrevista ao Delas.

A mãe de Eliza diz que gostaria que Bruno nunca mais voltasse para o futebol. “Quando ele volta, passa a ser aclamado, aplaudido e admirado”. Para Sônia, falta respeito à memória de Eliza cada vez que alguém o defende.

Em coletiva de imprensa, o presidente do Rio Branco, Neto Alencar, afirmou que “como cristão” acredita na ressocialização do goleiro e que ele deve ter uma segunda chance. “E aí? Cadê a segunda chance da minha filha? As pessoas não conseguem se colocar no lugar de uma mulher violentada ou morta.”

“O Bruno é defendido por milhares de pessoas e todos os dias eu vejo Eliza ser culpabilizada. As pessoas comentam que ‘ela pediu por isso’. Quer dizer que quando uma mulher vai na justiça pedir os direitos do filho ela está pedindo para morrer?”, questiona Sônia.

Sônia não acredita no arrependimento de Bruno ou segunda chance para ele. “Isso não vai trazer a Eliza de volta. Ele teve tempo para pensar lá atrás. Ele poderia ser outro Bruno, mas preferiu matá-la. Achou que ninguém ia descobrir, que ia ficar impune por ser goleiro do Flamengo e que não acreditariam na história dela. Eu só queria ter paz, mas eu nunca vou ter. Minha dor não vai amenizar.”

‘Meu único pedido é saber onde está o corpo de Eliza’

Apesar de os envolvidos no crime já terem sido condenados, o corpo de Eliza ainda não foi encontrado. “Tudo o que o Bruno pede na justiça é concedido a ele. Meu único pedido é saber onde está o corpo de Eliza e isso eu não tenho. É uma resposta que não posso dar para o meu neto”.

Em 2012, Sônia ganhou a guarda definitiva do neto, Bruninho, filho de Eliza e Bruno Fernandes. Hoje, o menino tem 10 anos. “Ele perguntou para mim: ‘Onde a minha mãe está enterrada?’ Eu tive que falar que não sabia, porque o assassino sumiu com o corpo da minha filha — e isso dói muito”.

Sônia não esconde do neto a verdade sobre o crime e prefere não criar a esperança de que um dia se saberá o que foi feito com o corpo de Eliza. “Acho que nunca vamos ter uma resposta”.

‘O que a justiça fez quando ela pediu socorro?’

Sônia diz que percebe a falha na Justiça desde quando a filha denunciou Bruno por violência doméstica, em 2009. “A Eliza fez vários boletins de ocorrência contra ele. O que a Justiça fez quando ela pediu socorro?”, questiona. “Só em setembro 2010 teve a primeira audiência da Lei Maria da Penha, mas sem a vítima, porque Bruno já tinha assassinado a Eliza”.

Apesar disso, Sônia diz que a Lei Maria da Penha e da Lei do Feminicídio foram importantes avanços no combate à violência contra a mulher, mas acredita que ainda é preciso ser feito mais para impedir que crimes — como o assassinato de Eliza — aconteçam.

“Esses crimes bárbaros contra a mulher só vão acabar quando o homem tiver punição. Isso ainda acontece porque eles acham que nada vai acontecer. O Bruno matou a minha filha, tentou matar o meu neto e pegou quantos anos? A sentença era de 22 anos e três meses. Não chegou a ficar nem dez preso . Por quê? Porque as nossas leis são fracas”.

Sônia conversa com muitas pessoas que tiveram filhos assassinados e diz que a revolta é geral. “A vontade de muitos é fazer justiça com as próprias mãos, porque a nossa não está fazendo isso pelas nossas vítimas”.

Falta de apoio

Todos os dias, Sônia conta que vê outras mães passando pelo o mesmo que ela e chorando a morte das filhas. Em São Paulo, por exemplo, o número de mulheres mortas em casa dobrou na quarentena. Por isso, faz questão de participar de um grupo de mães de mulheres desaparecidas e assassinadas. “Ligo e converso com outras mães. Se eu tivesse tido um núcleo de apoio como esse, seria outra pessoa”.

Além de não receber suporte quando Eliza foi assassinada, Sônia conta que, na época, teve de enfrentar exatamente o oposto. “O que faziam comigo era me humilhar. Mesmo mostrando fotos e documentos, insistiam em dizer que eu havia abandonado Eliza.” Em 2015, em entrevista a Gugu Liberato (morto em 2019) , Bruno acusou Sônia de ser negligente com a filha. “Eu poderia pedir perdão a Dona Sônia, se ela fosse uma mãe de verdade”, falou.

‘Meu neto é a minha alegria’

Para enfrentar a dor, Sônia se agarrou à esperança que restou: o neto. Ela lembra que Bruninho foi encontrado pela polícia com poucos meses de vida em uma favela próxima a Belo Horizonte, Minas Gerais. Na época, a mulher de Bruno, Dayanne Fernandes, admitiu que esteve com Bruninho e que o deixou na favela.”Tentaram matar o meu neto para não ter qualquer lembrança da Eliza”, fala.

Sônia fala que não pensou duas vezes em assumir a tutela da criança, mas tinha medo de olhar para o Bruninho e lembrar do pai dele. “Orei muito a Deus. Hoje, ele é a minha alegria. Já ouvi gente falando que, no meu lugar, não ficaria com ele. Como não? Ele é inocente. Não tem culpa de nada. Se existe um culpado nessa história, se chama Bruno, e não é o meu neto”.

Bruninho não pergunta sobre o pai

Aos dez anos de idade, Bruninho sabe o que aconteceu com a mãe, mas não pergunta sobre o pai. “Sinceramente, eu tenho medo. Por isso, enquanto eu puder proteger o Bruninho de ter contato com o pai, eu vou”. Porém, Sônia não impede o neto de se informar nem esconde notícias sobre o caso. “Se um dia ele quiser conhecer o pai, vou junto. Jamais deixarei meu neto sozinho com o Bruno, que tentou tirar a vida dele e matou a minha filha”.

Sônia conta que mantém uma relação bem próxima e afetuosa com o neto. “Acho que faço um bom trabalho criando o Bruninho. Ele é uma criança extremamente carinhosa e carrega a alegria que Eliza tinha estampada no rosto”.
O neto tem a mesma paixão de Eliza: o futebol. “Ele trouxe no DNA. Eu sempre fui apaixonada por esse esporte e, assim como Eliza, também joguei bola. Fui pivô e ela, goleira”, lembra.

No passado, Bruno queria a guarda. Hoje, não reconhece o filho

Sônia conta que Bruno não procura o filho e que ele questiona a paternidade da criança. Está desde 2014 tentando exigir legalmente um exame de DNA, para provar que o menino não é seu filho. No entanto, em 2013, em entrevista ao jornal “Hoje em Dia”, de Belo Horizonte, Bruno falou sobre pedir perdão ao filho. Falou sobre amar Bruninho e que aguardava uma chance para “tentar explicar tudo o que aconteceu”. Em 2015, disse em entrevista a Gugu que brigaria pela guarda do menino.

Em 2017, Bruno mudou o discurso. No programa “SuperPop”, da RedeTV!, afirmou não ter certeza sobre a paternidade . “Tenho que ver se ele é meu filho mesmo ou não”. A avó garante que não levará o neto para fazer o exame. “Se ele não tivesse certeza que era filho, não teria dado remédio para a Eliza abortar.”

Sônia ainda relata que vê Bruno compartilhando fotos com as filhas nas redes sociais e acredita que é uma tentativa de construir a imagem de um pai de família. “Ele está tentando passar para a sociedade uma coisa que não é. O pai é aquele que protege, que cuida e que dá alimento. Ele não é isso.”

Fonte: O DIA

Anúncios

Destaque 4

Advogado Armando Dantas Júnior é empossado como membro efetivo do TRE-AC

Publicado

em

Por

A presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Acre (TRE-AC), desembargadora Denise Bonfim, empossou, na manhã desta terça-feira, 2, Armando Dantas do Nascimento Júnior, como membro efetivo da Classe de Advogado da Corte Eleitoral Acreana, para o biênio 2021/2023.

A sessão solene de posse foi realizada por videoconferência e transmitida ao vivo pela internet, em razão das restrições decorrentes da pandemia da Covid-19.

Para o ato, além de todos os membros do TRE-AC, compuseram o dispositivo de honra virtual a presidente do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), desembargadora Waldirene Cordeiro, o corregedor-geral da Justiça (TJAC), desembargador Elcio Mendes, o desembargador Júnior Alberto (TJAC), o procurador-geral do Estado, João Paulo Setti, representando o governador do Acre, o procurador Regional Eleitoral, Vitor Hugo, e o presidente da OAB/AC, Erick Venâncio.

Após a leitura do termo de posse, a saudação ao novo integrante da Corte Eleitoral ficou por conta do juiz-membro do TRE-AC, Hilário Júnior, que fez um breve histórico da vida profissional do membro empossado, desejando-lhe boas-vindas ao Tribunal.

Em seu discurso de posse, o juiz-membro Armando Dantas do Nascimento Júnior, ao agradecer pelas boas-vindas, reiterou seu compromisso com o TRE-AC, enfatizando sua satisfação por, pela segunda vez (foi membro efetivo do TRE-AC no biênio 2018/2020), compor a Corte Eleitoral acreana. Durante sua fala, também destacou a evolução da Justiça Eleitoral brasileira, “sempre em busca de melhor garantir o direito do eleitor”.

Ao encerrar a solenidade, a desembargadora-presidente Denise Bonfim reiterou as boas-vindas ao novo membro da Corte e enfatizou que a posse do juiz Armando Dantas “representa um momento de júbilo para o Tribunal Regional Eleitoral do Acre”.

Continuar lendo

Destaque 4

Rosana Gomes participa da abertura de ano legislativo na Câmara de Senador Guiomard

Publicado

em

A prefeita de Senador Guiomard, Rosana Gomes, participou da abertura dos trabalhos legislativos da Câmara de Vereadores do município, nesta terça-feira, 2. Em seu discurso a prefeita falou sobre a responsabilidade compartilhada com a casa legislativa.

“Como chefe do executivo é uma honra participar deste momento. A nossa responsabilidade é muito grande, pois nos últimos anos o Quinari viveu situações turbulentas. O que nossa cidade precisa daqui pra frente é de união”, disse.

Para o presidente da Câmara, vereador Magildo Lima, é importante a parceria com o executivo.

“É muito importante a presença da Rosana aqui, principalmente porque ela ouviu atentamente cada um de nós e está disposta a unir esforços pelo bem da população”, declarou.

Continuar lendo

Destaque 4

MP recomenda a Bocalom e Cameli que dinheiro da União seja usado para socorro às famílias

Publicado

em

A promotora de justiça Myrna Mendoza, do Ministério Público do Acre (MPAC), expediu recomendação ao governador Gladson Cameli e o prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, ambos do Progressistas, nesta quinta-feira, 02, quanto à aplicação de recursos do Governo Federal para atender os atingidos pelas cheias dos rios e igarapés.

De acordo com a promotora, o recurso deve ser aplicado estritamente para esta finalidade, qual seja, o socorro às famílias e a recuperação das cidades.

“Utilizar os recursos financeiros repassados e/ ou a serem repassados, em dispêndios, exclusivos, e restritos, às ações inerentes à obras, e/ou empreendimentos, auxílio à população, no desiderato de efetuar resposta, e recuperação, das áreas atingidas pelas enchentes; publicar, nos portais de transparência do estado, todo, e qualquer, dispêndio efetuado com os recursos financeiros repassados pela união; e prestar contas, aos órgãos de controle competentes, de todo, e qualquer, desembolso dos recursos financeiros recebidos para resposta e recuperação das áreas atingidas pelas enchentes”, escreveu.

A promotora alertou que caso Cameli e Bocalom não adote a recomendação, poderá responder às medidas judiciais à defesa dos Princípios e Normas Constitucionais, e legislação infraconstitucional, principalmente referente à propositura de ações civis públicas e à apuração de responsabilidade nas esferas cível, administrativa e penal.

Por fim, a promotora pede que seja encaminhada a ela a documentação comprobatória, de publicações nos Portais de Transparência, e todo e qualquer documento, referente à prestação de contas, dos dispêndios efetuados, com os recursos financeiros repassados pela União, às ações de resposta, e recuperação, das áreas atingidas pelas enchentes.

Continuar lendo

Destaque 4

Infectologista afasta possibilidade de vacina ter causado mortes em idosos do Lar Vicentino

Publicado

em

O médico infectologista Jenilson Leite, em entrevista ao Sistema Público de Comunicação nesta terça-feira (2), afastou a possibilidade de a vacina contra a Covid-19, aplicada nos idosos do Lar Vicentino, ter provocado a doença dos idosos. Dois dos idosos foram a óbito. A Vigilância Sanitária Estadual confirmou a infecção de 23 dos 55 internados na instituição.

“Não podemos iniciar a análise achando que a vacina causou a doença das pessoas, mas, os aspectos que estão dentro dos estudos. O mundo mostrou que a proteção não é 100% mesmo após a segunda dose, esse é um ponto de partida”, disse o especialista que também é deputado estadual pelo PSB.

Para Jenilson, somente após um relatório da Vigilância Sanitária é que pode se fazer uma análise mais profunda. Ele aguarda a nota técnica explicando, inclusive, qual vacina foi aplicada nos idosos do Lar Vicentinos.

O infectologista esclareceu que a população idosa imunologicamente é mais frágil, tem um sistema com resposta mais lenta do que uma pessoa jovem, o que dificulta a chamada defesa competente contra o vírus. “O idoso que tem suas comorbidades, as doenças associadas, pode ter tomado as duas doses e ainda assim, o seu sistema imunológico não ter conseguido a tempo desenvolver anticorpos igual a uma pessoa com melhor condição”, esclareceu.

Diante desse estudo é que a organização mundial de saúde priorizou os idosos como primeiro grupo a ser vacinado. “Os idosos precisam de mais tempo para se imunizar”, acrescentou.

Leite chama atenção para outros aspectos que devem estar associados na prevenção e no combate à pandemia. Para ele, o uso da máscara é fundamental durante o desenvolvimento dos anticorpos.

“Esse idoso pode ter tomado a primeira dose e no intervalo entre a segunda, ter contraído o vírus. Isso pode explicar, entre outras variáveis, a contaminação que ocorreu nos idosos do Lar dos Vicentinos”, disse.

Segundo informações, os dois idosos que foram à óbito só tinham tomado a primeira dose da vacina. Jenilson não descarta que outras variantes com DNA acreano podem estar circulando no Acre.

“No momento que nós estamos não podemos descartar a possibilidade de o vírus também ter sofrido mutações no Acre e nós temos uma variante nova e acreana. O vírus se replica em alta escala, encontra dificuldades até o momento de mutar-se e continuar o ciclo de desenvolvimento”, analisou.

Ele cita a aceleração dos novos casos de covid-19 em todo o estado e diz que a cepa do amazonas, por exemplo, “infecta as pessoas mais rápido e uma facilidade maior de causar inflamação”, chamou atenção.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas