Conecte-se agora

“Prato feito” servido por Normando Sales ao governador azedou

Publicado

em

A declaração pública de apoio do governador Gladson Cameli a prefeita Socorro Neri deixou muitas pontas soltas para serem explicadas por este blog que atualiza uma vez na vida e outra na morte. Durante a apresentação da evolução da obra do Shopping Popular na terça-feira, 23, que deve ser inaugurado em agosto, Cameli desabafou e soltou uma frase emblemática: “não vou aceitar prato feito de ninguém”.

Curioso por natureza, este blogueiro se aprofundou no assunto na busca de saber que o Cameli falava e acionou três figuras que orbitam os corredores do Palácio: a língua de trapo, a alma penada e a pulga pingente, três codinomes para informantes da turma do fuxico governamental que sabem mais coisas de que até Deus duvida. Eles sabem inclusive a lista de amantes de aliados nomeadas. Eles são bons!

A informação foi uníssona: “prepararam uma armadilha para o governador” — “o prato feito azedou” — “a banca foi virada”.

Explico: o desabafo de Gladson Cameli e a inclinação de apoiar uma candidatura fora de seu grupo político contraria vários interesses. Segundo as fontes palacianas, como o governador se dedicou ao trabalho da pandemia acabou deixando as articulações políticas de lado e o que acabou ocorrendo é que apresentaram um prato feito a ele para as eleições de 2020 na capital tendo como “mistura” o ex-prefeito de Acrelândia, Tião Bocalom, aliado visto como não confiável pelos principais assessores do Palácio.

Ocorre que Cameli jamais teria convidado o velho Boca para ser candidato. “O que o Gladson fez foi convidar o Bocalom para o governo e só, mas alguém deu corda no Bocalom para ele deixar a Emater para ser o candidato do grupo político do governador sem ter conversado com o homem da caneta”.

Dai fiquei a me perguntar: Quem teria dado corda para Bocalom ser candidato?

A resposta é simples: Normando Sales, membro do Conselho Político do governador, ex-prefeito de Sena Madureira e ex-deputado estadual.

Este blog apurou que, quando o conselheiro de Gladson foi convidado para compor o governo, foi posto que ele se despisse de qualquer partido ou influências externas para ajudar o novo governo nas articulações políticas. Acontece que Normando é da cozinha de Bocalom desde muito tempo. Em vez de ser fiel a Cameli, foi fiel a Bocalom, o que deve gerar uma “dor de barriga” daquelas nos próximos dias.

Sales teria sido o principal articulador, chegando a influenciar o governador a dá carta para branca para que o senador Sérgio Petecão (PSD) articulasse alianças na capital. Toda essa movimentação teria chegado aos ouvidos do chefe do executivo que não gostou nada da história. A situação está tão tensa que Sales teria sido convidado para ajudar o Cameli em duas oportunidades em Cruzeiro do Sul, mas nunca atendeu o pedido para se dedicar as tratativas em Rio Branco.

Cameli teria dito a assessores próximos, longe dos ouvidos do Normando, que “essa patifaria ia acabar”.

O problema é que o desgaste com aliados está longe de chegar ao fim, mas se tem uma coisa que Gladson tem na mão é a caneta e segundo a língua de trapo, a alma e a pulga, o conselho político pode ser implodido a qualquer momento, a não ser que surja um bombeiro do céu.

Os dias de Normando no governo Cameli podem estar com os dias contados e pelo que se apura reacendeu no coração do governador a vontade até mesmo de trocar de partido se o Progressista não se alinhar.

A rebelião Progressista em lançar candidato sem o aval do governador foi a gota d’água. As lideranças estão divididas: uns vão com o governador para qualquer lugar, mas outros como Bestene e até mesmo a senadora Mailza Gomes já acenaram com a candidatura própria de Bocalom, o que desagrada e muito o governador.

O interessante é que Bocalom não vai se manifestar sobre o assunto e nomeou três pessoas para falar em seu nome: o senador Sérgio Petecão, a senadora Mailza Gomes e o deputado José Bestene.

Em paralelo à guerra progressista, um movimento deve embalar a política nos próximos dias. Chateado, Cameli teria chamado o seu vice, Major Rocha, para uma conversa. Dizem que deve ser uma resenha divisora de águas. É esperar para ver…

Enquanto isso, o japonês come pipoca com guaraná vendo tudo isso de longe.

Anúncios

Blog do Venicios

Sem vaga no TCE, Ribamar Trindade é exonerado por Gladson após tensões internas

Publicado

em

Continuar lendo

Blog do Venicios

Mesmo com repercussão negativa, deputados não desistem dos 100 cargos

Publicado

em

Continuar lendo

Acre

João Doria reforça convite para Gladson se filiar ao PSDB

Publicado

em

Continuar lendo

Blog do Venicios

Empresário tenta corrigir “falha” do 1º turno com dinheiro e recebe não da equipe de Bocalom

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas