Conecte-se agora

Número de contaminados por Covid-19 no Acre passa de 9 mil

Publicado

em

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) informou no início da tarde desta quinta-feira, 11, que o Acre ultrapassou a marca de 9 mil pessoas infectadas com a Covid-19.

O número foi alcançado graças aos 345 novos casos da doença registrados nas últimas 24 horas. O total agora de exames positivos é de 9.091.

Cresceu também o número de mortes. Nesta quinta se contabilizam mais 8 óbitos, sendo 5 do sexo masculino e 3 do sexo feminino, todos de Rio Branco, com idades entre 45 e 86 anos.

Com isso, o número de vítimas fatais chega a 245 no Acre.

Extra Total

Bancada federal do Acre está dividida em relação a PEC do voto impresso

Publicado

em

A bancada federal do Acre no Congresso Nacional composta por oito deputados federais e três senadores está dividida em torno da polêmica da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 135/19), também conhecida como PEC do Voto Impresso. A proposta poderá ser colocada em pauta ou não nas próximas semanas na Câmara dos Deputados, dependendo do resultado na Comissão Especial.

Ao ac24horas cinco parlamentares se mostraram favoráveis à PEC, três contrários e um indeciso. A senadora Mailza Gomes (Progressistas) e a deputada federal Jéssica Sales (MDB) não se manifestaram até o fechamento desta pauta.

O projeto foi criado originalmente pela deputada Bia Kicis (PSL-DF) em 2019, e sofreu alterações do relator do texto na comissão especial, Filipe Barros (PSL-PR), ao longo da tramitação.

O cerne do projeto prevê a impressão do voto após registro na urna eletrônica, de forma que o eleitor possa conferir o(s) candidato(s) escolhido(s). Depois, a cédula de papel seria depositada em uma urna à parte, sem ser necessário o contato com o eleitor, e ficaria à disposição para a contagem final dos votos e uma possível auditoria, se assim fosse solicitado.

O texto possui complexidades que, para os críticos, geram custos altíssimos e fragilidades que comprometeriam a lisura do processo eleitoral. O voto impresso foi considerado inconstitucional em 2018 pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e é criticado pela Justiça Eleitoral.

Por outro lado, defensores do projeto negam a rejeição à urna eletrônica em si e argumentam que o PL trata de transformar as eleições em um processo “auditável”, pela impressão do voto, seguindo exemplos internacionais. As alegações de Bolsonaro sobre a lisura do sistema fizeram com que o ministro Alexandre de Moraes incluísse o presidente no rol dos investigados no inquérito das fake news.

O senador Márcio Bittar (MDB) se mostrou favorável à aprovação da PEC do Voto impresso e argumentou que a adoção da medida trará mais segurança e lisura ao processo eleitoral.

“O que nós defendemos é que foi aprovado pelo Congresso Nacional em outras vezes. O tempo é o mesmo e não acrescenta em nada e automaticamente gera o comprovante que fica lá. Caso haja uma denúncia, você tem a possibilidade de fazer uma averiguação. O que me salta aos olhos é que o TSE é contra, não aumenta tempo, não altera o sistema de votação que continuará sendo eletrônico, apenas o mesmo tempo que você gasta para votar, a máquina vai gerar um código que vai ficar lá, mas com isso você tem a possibilidade de fazer a verificação”, afirmou.

O senador Sérgio Petecão (PSD) afirmou que não tem opinião formada sobre o assunto, porém, salientou que em 32 anos de mandatos nunca soube de alguém que teria fraudado a urna eletrônica.

“Eu não parei pra pensar se sou a favor ou não. Eu tenho outras prioridades e eu tenho 32 anos de idade e não sei de ninguém que conseguiu fraudar essa urna. Eu não tenho opinião formada sobre esse assunto”, ressaltou.

O deputado federal do PDT, Jesus Sérgio, se mostrou favorável à adoção do voto impresso. “Sou sim a favor da possibilidade de auditar quando for preciso e necessário”, salientou.

Os deputados Leo de Brito (PT), Flaviano Melo (MDB) e Perpétua Almeida (PCdoB) afirmaram que são contra a adoção do voto impresso e ressaltaram a sua confiança no atual sistema eleitoral em vigência.

“Infelizmente, esse debate está sendo utilizado pelo presidente Bolsonaro como um álibi para tumultuar o processo eleitoral de 2022, no qual é rejeitado por mais de 60% do eleitorado e desestabiliza a justiça eleitoral. Em décadas de sua utilização, o processo eletrônico mostrou-se seguro e não existe qualquer evidência de fraudes ao contrário do sistema anterior. Como sempre, Bolsonaro tenta criar crises, ele sobrevive de crises. Ainda bem, que as instituições e a sociedade estão firmes em conter seus arroubos autoritários. É um absurdo que o presidente fique fazendo ameaças de que não haverá eleição no ano que vem”, salientou Leo de Brito.

“A urna eletrônica tem 25 anos, e os brasileiros votam nela desde 1996. O sistema da urna eletrônica não está na internet. E o voto eletrônico nunca teve fraudes, é totalmente seguro, e auditável, viu. O voto eletrônico já elegeu FHC 2 vezes, Lula 2 vezes, Dilma 2 vezes e por último elegeu o Bolsonaro. E o voto eletrônico elegeu também todos os senadores, deputados federais e estaduais, os governadores, prefeitos e vereadores. Acontece que o Bolsonaro está se borrando de medo de perder a eleição, por isso já faz confusão exigindo um retrocesso para o tal do voto impresso. Imita o Trump de forma contrária sobre voto impresso. Nos Estados Unidos o voto é impresso em vários Estados e o Trump disse que teve fraudes nas eleições, na parte do voto impresso. Já o Bolsonaro diz que quer o voto impresso no Brasil argumentando que não confia no voto eletrônico. O fato é que eles não estão nem aí se o voto é impresso ou eletrônico, eles querem saber mesmo é se melam o processo eleitoral e destroem nossa democracia”, disparou Perpétua Almeida.

O deputado do DEM, Alan Rick afirmou que o voto impresso auditável é a garantia de que o que foi votado na tela da urna eletrônica corresponde à vontade do eleitor.

“O eleitor vai conferir o voto que será depositado numa urna lacrada. Somente Brasil, Bangladesh e Butão adotam a votação por urna eletrônica sem o registro em papel do voto computado pelo eleitor. Veja que a Rússia usou a urna eletrônica, semelhante a brasileira, somente em 9% do eleitorado em 2018. Não a achou confiável. A Namíbia, país africano com 2,5 milhões de habitantes, abandonou o sistema eletrônico no ano passado, após questionamento na Justiça do país, e voltou para as cédulas em papel. Os países que usam urnas eletrônicas adotam a 2ª geração das máquinas. E veja que elas imprimem um comprovante em papel que é o voto impresso. O Brasil ainda utiliza as de primeira geração, sem o voto impresso. Qual o medo de se usar as urnas mais modernas que imprimem o voto?”, indagou o parlamentar.

As deputadas Vanda Milani (Solidariedade) e Mara Rocha (PSDB) se mostraram favoráveis ao voto impresso e ressaltaram que a adoção trará mais lisura, transparência e segurança ao sistema eleitoral do país.

“Sou favorável sim ao voto impresso, em nome da segurança e transparência dos resultados das eleições no país, do resultado da vontade popular, principalmente para que não paire dúvida a cada brasileiro eleitor de que seu voto foi realmente computado ao seu candidato escolhido”, afirmou Vanda Milani.

“Eu Mara Rocha, apoio o VOTO IMPRESSO! O voto impresso é mais uma garantia de transparência e lisura no processo eleitoral”, escreveu Mara Rocha nas redes sociais.

Continuar lendo

Cotidiano

Brasiléia inicia vacinação contra a Covid-19 para jovens de 12 a 17 anos

Publicado

em

A prefeitura de Brasiléia e a Secretaria Municipal de Saúde iniciaram a vacinação de jovens a partir de 12 anos. A boa notícia foi anunciada pela prefeita de Brasiléia, Fernanda Hassem, na tarde da última quarta-feira (4).

A vacinação será realizada na próxima segunda-feira (9), na praça Hugo Poli, a partir das 17 horas, uma vez que a imunização será realizada em frente a secretaria de saúde, com estrutura montada especialmente para atender os jovens dessa faixa etária.
A expectativa por parte da equipe da saúde é que o município contemple a maioria dos jovens que estão à espera da vacinação contra a Covid-19.

O secretário municipal de saúde, Joãozinho Melo fala a respeito da vacinação. “A juventude aguarda ansiosa por sua vez de vacinar, e nós estamos com a equipe preparada para receber nossa juventude nesta segunda-feira”, falou Joãozinho Melo, secretário de saúde.

A prefeita Fernanda Hassem destaca a importância da vacinação. “Finalmente chegou a vez da juventude de Brasiléia receber a vacina contra a Covid-19. É um momento muito esperado pela gestão. Brasiléia avançou muito na imunização e graças ao empenho de toda equipe da saúde, nós poderemos iniciar a vacinação dos jovens nesta segunda-feira. Meu sentimento é de gratidão”, destacou.

Continuar lendo

Acre

Governo do Acre decreta ponto facultativo nesta sexta-feira

Publicado

em

O governo do Acre decretou ponto facultativo nas repartições públicas para esta sexta-feira, 6 de agosto, em comemoração aos 119 anos da Revolução Acreana. As agências bancárias irão funcionar normalmente nesta sexta-feira.

Nas unidades de Saúde do Estado, incluindo os serviços de atendimento médico especializado, serviços de apoio diagnóstico, de internação, centros cirúrgicos, UTIs e central de agendamento de cirurgias, os atendimentos não sofrerão alteração.

Ficam os secretários de Estado e as demais autoridades administrativas públicas autorizados a convocar seus servidores por necessidade do serviço, dispensado da respectiva compensação os servidores que cumprirem horário nesse período.

Continuar lendo

Destaque 4

Com nível do Rio Acre baixo, balsa diminui capacidade de travessia em Xapuri

Publicado

em

Não é apenas na capital acreana que o baixo nível do Rio Acre preocupa a população. Em Xapuri, o volume de água abaixo do normal para a época do ano obrigou a direção da balsa que faz a travessia para o bairro Sibéria a adotar medidas para não interromper o trabalho.

Por falta de uma ponte, a balsa é a única alternativa para a travessia do rio Acre. Além do bairro Sibéria, há também na região diversas de produção rural, que utilizam a balsa para o transporte de mercadorias, insumos e até a travessia de gado.

Acontece que a balsa passou a encalhar nos bancos de areia por conta do baixo nível do rio. Para não ter que suspender a travessia dos veículos, a direção resolveu diminuir a capacidade máxima de transporte.

“A carga que era de um caminhão e três camionetes e até 10 motos, estamos reduzindo para um caminhão ou duas camionetes por vez. A balsa está batendo muito e tivemos que fazer esse ajuste para continuar oferecendo o serviço que é essencial”, conta Eriedson Soares da Cruz, coordenador da balsa.

Em Rio Branco, o nível do Rio Acre chegou nesta quinta-feira, 5, a 1,68 metros.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas