Conecte-se agora

Artigo: 500 dias de Gladson Cameli e Major Rocha no Governo

Publicado

em

Por Cesário Campelo Braga

Em meio a maior crise sanitária e de saúde deste século, hoje, chegamos a 500 dias de Gladson Cameli à frente do governo do estado do Acre. Infelizmente, pela situação que vivemos, na qual muitas famílias lamentam a perda de entes queridos e pela ausência de resultados positivos obtidos ao longo desses quinhentos dias, o povo não tem nada a comemorar.

As principais promessas feitas por Cameli e sua aliança (MDB, PP, PSD, PSDB, DEM e cia), durante a campanha de 2018, não foram colocadas em prática. Mesmo que os atentos leitores lembrem o difícil e delicado momento que estamos vivendo há 59 dias, desde o decreto de emergência publicado no dia 17 de março, os mais de 440 dias que o antecederam e ainda durante o período de sua vigência, tivemos um governo marcado pela inércia, ineficiência, incompetência e diversos questionamentos sobre sua idoneidade, tendo em vista que o governo já acumula inúmeros escândalos, em processo investigatório, de possível corrupção.

Pautas como: desenvolvimento econômico na área da produção, obras de infraestrutura, segurança pública, educação e saúde não avançaram em praticamente nada. Pelo contrário, sistemas que já funcionavam, e os leitores podem acrescentar, mesmo que de forma deficitária, pararam e prejudicam o dia a dia de nossas cidades.

Inúmeras foram e são as reclamações nesses 500 dias de, falta de água, ausência de acompanhamento técnico na área da produção, ausência de estratégias para geração de emprego e renda, deterioração de estradas e ramais, falta de médicos e medicamentos, continuidade da sensação de insegurança, fechamento de unidades do governo que atendiam a população nos municípios, assédio moral a funcionários públicos, perseguição política, supressão de direitos básicos como a aposentadoria dos servidores, ausência de negociações salariais, falta de diálogo com a população, entre outras.

Sem falar nas pautas diretamente ligadas à administração, como ausência de processos licitatórios, falta de transparência com os gastos públicos, uso desregulado de caronas, dispensas de licitação, contrações desnecessárias como a do jatinho, favorecimento de amigos e parentes de aliados no fornecimento de serviços para o governo. Além disso, tem também os escândalos que estão sob investigação, com destaque para os problemas nas secretarias de Saúde e Educação e no Departamento de Pavimentação e Saneamento (DEPASA), onde se identificou possíveis superfaturamento nas compras públicas, pagamento por serviços não realizados e pagamento de empresas de parentes dos secretários ou de deputados da base do governo.

Para além da incapacidade gerencial do governador Gladson Cameli e vice-governador Major Rocha e a ineficiência e inexperiência da equipe que está, permanente, sendo trocada, colabora para esse resultado a falta de compromisso com a administração pública dos aliados. Ao final das eleições de 2018, estes já iniciaram uma disputa interna com vistas às eleições de governo em 2022, fato materializado nas eleições municipais de 2020 em todos os municípios, com destaque para Rio Branco. Na Capital, quase uma dezena de partidos que formaram a aliança que conduziu Gladson/Rocha ao governo está lançando candidatos a prefeito.

Vale frisar que durante esses 59 dias em que o governo vem enfrentando a pandemia efetivamente, algumas decisões têm sido acertadas: a escolha de manter o decreto de isolamento social; a organização de hospitais de campanha; instalação de mais leitos de UTI e a posição de não fazer desse momento uma disputa eleitoral. Tudo isso deve ser visto com bons olhos, um acerto.

Acredito que devem ser pensadas, emergencialmente, outras atitudes mais incisivas, bem planejadas e com muita transparência, como o pagamento de um auxílio emergencial estadual para a população mais carente e profissionais que estão sem renda, preparação dos hospitais do interior para possíveis agravamentos da contaminação fora de Rio Branco, acompanhamento sistemático de pacientes que não estão com sintomas mais críticos da doença para diminuir a possibilidade deles necessitarem de UTI, contratação de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem em caráter emergencial e, inclusive, avaliar mais rapidamente a possibilidade de decretar Lockdown em Rio Branco. Lembrando sempre que o Acre é um dos menores estados do Brasil, porém figura entre os com maior número de infecções e mortes proporcionalmente.

São 500 dias e ainda haverá tempo para Gladson e Rocha mostrarem que as promessas de campanha não foram apenas promessas, porém, quando sairmos desta crise de saúde/sanitária – tenho fé em Deus que sairemos logo – viveremos um período bem mais difícil do que os dias que antecederam a crise. Caso não hajam mudanças na atitude do governador e sua equipe, serão dias mais tristes para o povo que continuará sem se ter o que comemorar.

Cesário é presidente do PT no Acre

Anúncios

Acre

Palmeiras do goleiro acreano Weverton é campeão da Copa do Brasil

Publicado

em

Após ser campeão da Libertadores da América, o Palmeiras do goleiro acreano Weverton se consagrou campeão da Copa do Brasil na tarde deste domingo, 07, ao derrotar novamente o Grêmio pelo placar de 2 a 0. Os gols foram de Gabriel Menino e Wesley.

No jogo de ida na Arena do Grêmio, o Palmeiras venceu com gol de Gustavo Gomez. No jogo de volta no Allianz Parque, o Palmeiras venceu por 2 a 0. No placar agregado, ficou 3 a 0 para a equipe palmeirense. Esse é o segundo título do ano que a equipe comandada por Abel Ferreira ergue uma taça.

Em campo, a final começou com tudo, com Pepê e Rony desperdiçando grandes oportunidades nos primeiros sete minutos.

A partida seguiu movimentada, e o Verdão chegou até a marcar com Raphael Veiga, aos 18, mas o lance foi anulado por impedimento de Rony na origem.

A resposta tricolor veio aos 23, quando Diego Souza cabeceou forte, mas Weverton agarrou firme, sem dar rebote.

Era lá e cá: cinco minutos depois, Veiga arriscou de fora da área e Paulo Victor pegou em dois tempos – Rony já aparecia bem para conferir a sobra.

A marcação gremista tinha dificuldades para “achar” Wesley em campo, e o atacante amarelou os dois zagueiros da equipe gaúcha em lances seguidos.

O Verdão seguiu ameaçando mais, e Zé Rafael experimentou da entrada da área, aos 40. Paulo Victor espalmou no canto e salvou.

Nos minutos finais, o Grêmio tentou ensaiar uma pressão, mas a partida foi com 0 a 0 para o intervalo.

Na volta dos vestiários, as duas equipes voltaram sem alterações, mas Renato avisou ao banco para que iniciasse aquecimento.

A 1ª boa chegada do 2º tempo foi do Palmeiras: Veiga soltou um balaço de fora da área, mas Paulo Victor fez a defesa.

O Imortal foi tendo que sair para o jogo, deixando o contra-ataque para o Verdão. E, esse tipo de lance, a equipe alviverde é mortal.

Aos 7 minutos, Raphael Veiga enfiou para Wesley, que invadiu a área e bateu no canto de Paulo Victor: 1 a 0.

Renato Gaúcho, então, teve que mexer: sacou Pepê e Alisson e colocou Ferreirinha e Guilherme Azevedo. Abel Ferreira respondeu trocando Zé Rafael por Patrick de Paula.

O tempo foi passando e o Grêmio teve que ir para cima de vez: saiu Thaciano e ingressou o talentoso Jean Pyerre.

Logo em seu 1º lance, Jean Pyerre teve grande oportunidade em ajeitada de Diego Souza, mas Patrick de Paula travou seu chute na hora H.

Abel, então, alterou o Palmeiras, com Willian, Mayke e Gabriel Menino assumindo as posições de Raphael Veiga, Luiz Adriano e Wesley.

Faltando 10 minutos para acabar, Renato foi para o tudo ou nada, colocando o atacante Churín no lugar do zagueiro Kannemann.

Mas quem fechou a conta foi o Palmeiras: em outro contra-ataque, Willian lançou Gabriel Menino, que bateu por baixo de Paulo Victor.

Continuar lendo

Acre

Faccionado que trocou o B13 pelo CV é executado a tiros na capital

Publicado

em

Francisco Geovane Araújo Nascimento, de 29 anos, vulgo “Goma” foi executado a tiros na madrugada deste domingo, 7, em um ramal localizado no km 14 da Rodovia AC-90, na zona rural da Estrada Transacreana, em Rio Branco (AC). 

De acordo com informações de amigos da vítima  repassadas a Polícia, Geovane é morador do bairro Preventório, mais conhecido como Morro do Marrosa, era membro da facção Bonde dos 13 (B13), e “rasgou a camisa” (expressão usada para quem troca de facção) e tornou-se membro da facção Comando Vermelho (CV) esta semana, após a organização criminosa tomar o território da região do Morro do Marrosa.

Amigos chegaram a relatar à Polícia, que Francisco Geovane e um amigo passaram o dia de sábado, 6, bebendo em uma colônia de um outro amigo e quando voltava no ramal com destino a sua casa, foi abordado por membros do “B13” que o executaram a tiros, por ter traído a facção. O amigo de Geovane conseguiu fugir do local.

Familiares e amigos encontraram o corpo de Geovane no ramal, colocaram na carroceria de um veículo modelo Saveiro e o levaram até a entrada da Estrada Transacreana. 

A ambulância do SAMU foi acionada, e o médico atestou a morte. A área foi isolada pela Polícia Militar para os trabalhos do Perito em criminalística, em seguida o corpo foi removido e encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para os exames cadavéricos.

O caso já está sendo investigado pelos Agentes de Polícia Civil da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). A Polícia acredita que o crime está relacionado a guerra entre facções.

Continuar lendo

Acre

Pacientes com covid-19 são transferidos de Brasiléia para capital

Publicado

em

O agravamento dos casos de Covid-19 na regional do Alto Acre fez com que dois pacientes fossem transferidos em caráter de urgência neste final de semana do Hospital Regional de Brasiléia para o Pronto Socorro e o Into-Acre, em Rio Branco (AC).

Os pacientes, M. A. S. S., de 53 anos, e A. V., 71 anos, foram diagnosticados com o coronavírus e transportados pelo helicóptero Harpia 4, do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), da Segurança Pública do Estado, em um trabalho integrado com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e Emergência (Samu).

As transferências foram feitas na última sexta-feira, 5, mas a informação foi divulgada apenas na manhã deste domingo pela estatal Agência de Notícias do Acre. O comandante da aeronave Harpia 4, coronel Carlos Negreiros, disse que o serviço tem sido acionado em todo o estado.

“Estamos com diversos acionamentos em todo o Acre, ultimamente estamos fazendo resgate de pacientes com covid-19, e outros tipos de solicitações onde o helicóptero chega mais rápido. Existe toda uma preparação da equipe e o governo tem incentivado essa prática das operações aéreas em nosso estado”.

O Hospital Regional do Alto Acre, localizado em Brasiléia, é a única unidade hospitalar de referência para a Covid-19 nos municípios de Assis Brasil, Epitaciolândia, Brasiléia e Xapuri. No entanto, ainda não possui nenhum leito de UTI implantado.

Continuar lendo

Acre

Professor João Maia morre em decorrência da covid-19 no Into

Publicado

em

O tarauacaense João Maia, 71 anos, faleceu na manhã deste domingo, 07, no Instituto de Traumatologia e Ortopedia (Into) em decorrência da covid-19, em Rio Branco (AC). João era aposentado e passou pelo Banco da Amazônia (Basa). Ele era filho de Dona Nezia, também de Tarauacá (AC).

Segundo informações, João Maia decidiu continuar o seu tratamento no Acre apesar da família querer levá-lo para fora do estado. João era tido como profundo conhecedor da história Tarauacá.

Em uma publicação nas redes sociais, João era apelidado de “Google” da história de Tarauacá. Ele também foi professor, historiador e empresário. “Uma vida dedicada a conhecer a saga desse povo guerreiro que decidiu fincar em Tarauacá suas raízes”, afirmou um morador da terra do abacaxi .

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas