Conecte-se agora

Confissões [incriminadoras] de um ex-aliado

Publicado

em

“Na Emurb se resolvia do alfinete ao foguete”, disse o ex-presidente da Emurb, Jackson Marinheiro ao prestar esclarecimentos ao juiz Cloves Augusto Alves Cabral, da 4ª Vara Criminal de Rio Branco, em audiência de conciliação e julgamento, na última sexta feira, 6. Apontado como líder e operador da organização criminosa que desviou cerca de R$ 7 milhões de reais da empresa desde 2011, Marinheiro demonstrou frieza e tranquilidade fora do normal ao falar ao juiz, promotores e advogados. E conforme o esperado, tratou trazer para dentro do processo o ex-prefeito Marcus Alexandre – PT. Revelou que havia pagamento de medição em obras não realizadas e que parte do pagamento dos cabos eleitorais em campanhas eleitorais “era feito pela Emurb e que não tinha limite para contratação, pois a orientação era trabalhar a qualquer custo para manter a política, para vencer as eleições”.

O ex-diretor-presidente da Empresa Municipal de Urbanização (Emurb), Jackson Marinheiro, protagonizou um dos momentos mais esperados dos fatos que cercam a Operação Midas, desencadeada pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado do Ministério Público (Gaeco) e Polícia Civil desde 2016. Na última sexta-feira, 6, na frente do juiz Cloves Augusto Alves Cabral, da 4ª Vara Criminal de Rio Branco, teve a oportunidade de falar a Justiça pela primeira vez e expor sua versão dos fatos narrados até agora.

Apontado como líder e operador da Organização Criminosa que desviou cerca de R$ 7 milhões de reais da empresa desde 2011, Marinheiro demonstrou uma frieza e um tranquilidade fora do normal e ao falar aos promotores e advogados na audiência de Instrução e Julgamento revelou muito pouco do sabe e do fez. E conforme o esperado, tratou trazer para dentro do processo o ex-prefeito Marcus Alexandre – PT.

Leia também: Dinheiro desviado da Emurb teria sido usado para campanhas do PT em 2012 e 2014

“Eu fui convidado em 2011 pelo ex-prefeito Angelim e pelo ex-governador Tião Viana para assumir a empresa de Urbanização de Rio Branco e quando eu cheguei nesta empresa existia diversos procedimentos que não eram muito organizados. Entrei na empresa e tentei dar um Modus Operandi de organização. Com relação aos fatos, o que posso dizer sobre a política da empresa, é que foi o pulmão do município, da prefeitura e das questões políticas que tinha que se resolver. Eu acredito que a minha escolha [para assumir o cargo] tenha sido mais por essa linha, por ter participado de vários pleitos eleitorais, inclusive como coordenador de campanha”, revelou o ex-diretor ao iniciar o seu depoimento.

Marinheiro aproveitou a oportunidade para afirmar que os fatos expostos contra ele nas mais de 14 denúncias do Ministério Público estadual são parcialmente verdadeiros. “Os fatos contra mim são parcialmente verdadeiros porque na empresa era sim usada as medições [para resolver problemas políticos]. Meu cargo era mais executivo, meu tratamento era mais com o prefeito [Marcus Alexandre]. Eu passava a maior parte no trecho também, mas as orientações que eu recebia e a condução de como a empresa deveria seguir era dado no cargo o superior ao meu, que no caso era o prefeito [Marcus Alexandre] e muitas vezes do chefe da Casa Civil também. As medições era para atender as demandas da empresa, desde farmácia até uma pessoa que ficava doente. As medições eram utilizadas quando se precisava locar um equipamento que não estava previsto [em contrato] e precisava urgentemente locar. E as demandas políticas que foram relatadas aqui que eu confirmo todas”, revelou.

Afirmando que nada do que fez na Emurb era para proveito pessoal, mas sim para “o projeto político e para a empresa”, Marinheiro afirmou que leu a Colaboração Premiada de Evaldo e de Gerson, delatores do esquema que foram beneficiados pela justiça. “Muita coisa de cunho pessoal eu posso lhe afirmar que nada era para mim. Sempre era para o projeto político e para a empresa”.

Questionado pelo juiz do caso sobre as medições que não condizia com os serviços prestados, Jackson detalhou parte do funcionamento do esquema. “Aconteceram essas medições que correspondiam a serviços prestados por outros equipamentos sim e medições que em prol da empresa e medições em prol de se pagar as mais diversas coisas, desde caixão, velório, a casa do fulano que acabou na alagação e para os comitês e projetos políticos”, destacou, reforçando mais uma vez que recebia “os pleitos” diretamente do prefeito e do Chefe da Casa Civil, na época.

Réu no processo, Marinheiro relata que recebia as demandas e repassava para sua equipe de diretores. “Isso era objeto de discussão com os outros diretores. Quero deixar claro que nenhuma decisão podia ser tomada por mim sozinho até porque o ato era colegiado. Discutia com os outros diretores e ai repassava e o Modus Operandi de como isso funcionava era com eles. Eu não sei com qual empresa, de que forma [era resolvido]. Isso era com eles. Não tem como eu saber. Como também não tem como saber se era feito só para isso ou se alguma outra coisa era feita”, afirmou, tentando transparecer que não sabia o que ocorria após repassar as demandas.

Sobre a questão de pagamento as empresas, Jackson confirmou que ele e os demais diretores autorizam o pagamento. “A destinação do dinheiro eu não sei. Eu só repassava o pedido da demanda. Depois como se operacionalizava, entregava, quem recebia; nunca recebi nenhum centavo de nenhum empresário e nem de nenhum desses que operavam o sistema. Eu só repassava. Tem que providenciar isso, é uma demanda do prefeito, ou da Casa Civil ou de outra secretaria. Que também existia demandas de outras secretarias, que também era o combustível. Então a gente também providenciava. Como eu disse, a Emurb era o pulmão da prefeitura. Tanto é que ele foi inchando, inchando e chegou a certo momento que ela não ia dar mais e explodir, como aconteceu”, explicou.

Questionado se esse tipo de operação fraudulenta ocorria na gestão do prefeito Raimundo Angelim, Marinheiro afirmou que isso não ocorria. “Ele nunca me pediu nada. Na gestão do prefeito Angelim teve uma eleição, a de 2012, e nós participamos de um Comitê e eram viabilizadas algumas coisas, mas nessa época não existia… essa equipe não era formada. Era o Jorgeney que coordenava mais essa parte na época do Angelim. Não sei de que forma, mas sei que teve ajuda”, destacou.

Jackson afirmou que os pedidos para atender demandas políticas começou de 2013 para 2014. “A maior parte dos pedidos eram feitos pela Casa Civil. Alguns pedidos que eram para presidente da associação de bairros. Alguns pedidos que chegavam eram documentados. Outros eram por telefone. Eu tava no trecho, tinha que ajudar alguém. Eu tava no trecho, numa reunião e ligava dizendo que “tinha que fazer assim e assim’. Aí eu já ligava para o Evaldo ou para o Gato ou o Jorgeney e eles tinham que providenciar”, revelou.

Apesar de ser o principal executivo da empresa, Marinheiro negou saber como os seus diretores faziam para conseguir o dinheiro, mas sabia que existia uma medição que não era correspondente ao serviço prestado e afirmou como eram atendidas as demandas de outras secretarias. “Das outras secretarias o prefeito pedia e dizia que a Secretaria de Articulação Comunitária não vai ter combustível e esse mês vai ter que ter uma ajudar. Vocês vão ter que dar um jeito de mandar uma ajuda. Articulação para Semsur, tem que locar algum equipamento para eles. Era dessa forma. Eles solicitavam para mim e eu passava para o Jorgeney”, disse.

Sobre o desvio de combustível, Jackson negou e argumentou que “muitas vezes os funcionários, por falta de veículos, utilizavam o próprio carro para fazer algum tipo de serviço. E ai eu autorizava”.

Sobre os Pagamento de gratificações mensais para membros da diretoria, Marinheiro diz que existiam ajudas, mas não mensais e afirma novamente que suas tratativas era com o executivo e que poderia muita coisa acontecer sem o conhecimento dele. “Eram centenas de processos, não tinha como eu saber”, ponderou.

Com relação aos pedidos do prefeito Marcus Alexandre, Marinheiro afirmou que não tinha como recusar. “A diretriz de como a empresa deveria funcionar partia do prefeito. Como eu disse, não tinha como eu escolher se vou por essa linha ou se vou fazer outra medição sem um pedido, sem uma direção”, explicou, dando a entender que só atuava se recebesse uma ordem.

Jackson negou ainda que determinava qual era a empresa que deveria receber recursos e diz que só ficou sabendo de como as empresas eram escolhidas após a leitura dos autos na delação. “Pelo que eu vi na delação, parte das conversas eram feitas através do Evaldo, parte com o Jorgeney. Eles recebiam o recurso e levavam. Eu nunca entreguei recurso algum. Eles recebiam as demandas e entregavam a quem era devido”, destacou o executivo afirmando ainda que conhecia alguns sócios das empresas mencionadas nas denúncias, mas que não tinha nenhuma amizade pessoal. “Eu não recebi nada de nenhum empresário, de nenhuma pessoa de cunho próprio, nem para distribuir para alguém ou levar para alguém. Eu não peguei em dinheiro, nem na minha conta, nem em espécie”, negou.

Sobre a participação dos demais diretores da empresa no esquema, Marinheiro revelou que Jorgeney, José Carlos Fernandes, Evaldo, Franklin Roberto, José Raimundo Moura e Osias Silva tinham ciência do que acontecia, mas que não sabia afirmar se eles recebiam “algo por fora”.

DINHEIRO PARA A POLÍTICA

Marinheiro confirmou ainda em seu depoimento o que o delator Gerson Kennedy havia relatado: o dinheiro sujo da Emurb financiava campanhas políticas da Frente Popular. “Sim [existiam recursos], não só no período da eleição, mas também antes do período da eleição, mas também no pós-eleição porque ficavam contas para pagar. Agora eu não sei precisar quem seriam, mas no momento oportuno, quando eu puxar da memória, eu consigo lembrar de algumas coisas. Agora eu não consigo me lembrar”, disse.

O executivo afirmou ainda que o dinheiro era direcionado para candidaturas majoritárias, tanto estadual como municipal, como para o candidato a prefeito, vereadores. “Eu me reservo no direito agora de não citar nomes. Houve também para vereadores, deputados, mas também não prefiro citar nomes”, silenciou.

“O que quero dizer é que realmente a empresa funcionou ao longo desses anos para atender os interesses do projeto de gestão e político que ali estava. E, também, que o trabalho da Emurb tinha apenas a finalidade para empresa e para fins políticos e ainda confirmou que certa vez uma demanda do prefeito pedia dinheiro em espécie para pagar o consorcio ou financiamento de um homem identificado como Franciney, da cidade de Cruzeiro do Sul. “Eu não queria falar nomes agora, mas no momento oportuno, eu tenho muita coisa para falar.”, voltou a citar o mesmo discurso. Ele ainda disse que não tem conhecimento que provas do esquema haviam sido destruídas.

Questionado pelo Ministério Público se seria o topo da organização criminosa na Emurb, Marinheiro reafirmou que nada havia partido dele. “Eu volto a afirmar que a empresa tinha uma direção a seguir, que era o trabalho. Quem dá a política de como deve seguir é o meu superior hierárquico, na época o Marcus Alexandre”, disse.

O ESQUEMA NA ELEIÇÃO E CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

Indagado como o esquema era executado no período eleitoral, Marinheiro revelou que parte do pagamento dos cabos eleitorais “era feito por dentro da campanha”, mas “que boa parte” era pela Emurb. “Nós éramos responsáveis por dois bairros. O São Francisco e o Tancredo Neves. Assim como toda secretaria era responsável por uma região. Pessoas com afinidade com os presidentes dos bairros eram colocadas para trabalhar nos trechos. Eu posso dizer que não tinha limite para contratação. A orientação era trabalhar a qualquer custo para manter a política, para vencer as eleições”, enfatizou. “Na Emurb se resolvia do alfinete ao foguete”, pontuou.

Questionado por seu advogado, Valdir Perazzo, Marinheiro revelou que todo o patrimônio que acumulou em vida foi fruto de seu trabalho. “A minha vida foi de muito trabalho”, contou.

E já no final disse que “não sou contra tudo o que o MP fez, acho que tem que se apurar sim. Agora que se chegue no foco da verdade e do objetivo, porque até hoje eu sofro na mídia, a toda hora, meus filhos ouvindo, atribuindo a mim um desvio de R$ 7 milhões, como se fosse eu que tivesse desviado esse dinheiro. A minha vida acabou. Sei que cometi erros administrativos, devo responder por eles, mas a forma de como se conduziu, eu não sei quem alimentou a imprensa. Eu na verdade servi de Boi de Piranha. Joga esse rapaz aqui para se ferrar em detrimento de outra situação maior”, disse.

Nos bastidores, comenta-se que Marinheiro adotou uma postura mais comedida de não revelar nomes e detalhes para “guardar como trunfo”. Apesar de não confirmar, uma delação pode ser formalizada caso o MP ache interessante.

Acre

Laboratório ganha equipamentos com emenda de Mailza Gomes

Recurso de R$ 350 mil foi usado na compra de impressoras 3D, computadores, fabricação de totens de distribuição
de álcool em gel e escudos faciais, produzidos pelo Laboratório de Biologia Animal da universidade em Cruzeiro do Sul

Publicado

em

O Projeto Tecnologias do Futuro, desenvolvido pelo Laboratório de Biologia Animal da Universidade Federal do Acre – Campus Floresta – em Cruzeiro do Sul foi contemplado com uma emenda de R$ 350 mil da senadora Mailza Gomes.

Nesta sexta-feira, 30, a parlamentar visitou o laboratório e conheceu os equipamentos adquiridos. Foram computadores, seccionadora a laser (máquina para cortes precisos), scanners e impressoras 3D, usadas para fabricar material didático e jogos educativos para crianças, que serão distribuídos gratuitamente às escolas públicas.

Por meio das tecnologias adquiridas com a emenda da senadora, o material já está sendo fabricado. “Essas ações objetivam transformar a sala de aula em laboratórios dinâmicos. Sabendo das dificuldades das escolas públicas em termos de estruturação, desenvolvemos materiais que possibilitam ao professor trabalhar dentro da escola. Esses materiais otimizam o processo de ensino aprendizado por meio da interação, raciocínio lógico e exercícios que auxiliam no aprendizado. Agradecemos imensamente a senadora Mailza que prontamente nos atendeu quando surgiu a ideia de desenvolver esses produtos”, explica o professor Tiago Lucena, coordenador do projeto.

“Eu acredito muito que investir na ciência e na educação é o caminho para o desenvolvimento do nosso estado e estou muito feliz por ter contribuído com esta realização para o Acre. É uma alegria muito grande contribuir com essa instituição que transforma vidas por meio da educação. Como senadora, é dever meu colocar os recursos públicos à disposição da sociedade. Vamos seguir ajudando a Ufac e melhorando o ensino por meio da inovação e tecnologia”, destacou a parlamentar.

Também foram fabricados com o recurso 650 totens para disponibilização de álcool em gel, 10 mil extensores de máscaras e 10 mil escudos faciais na primeira etapa, entregues no momento mais crítico da pandemia.

Estiveram presentes na visita a secretária municipal de Administração da prefeitura de Cruzeiro do Sul, Silene Siqueira, Isabel Afonso da Silva, também coordenadora do laboratório de Biologia Animal, Matheus Nascimento Oliveira, técnico responsável e equipe do projeto.

Parceria com as instituições

Em 2020, o prefeito Zequinha Lima apresentou o projeto Tecnologias Educacionais da Ufac à senadora, que se prontificou enviar recursos. A Ufac e a Fundação de Apoio e Desenvolvimento ao Ensino, Pesquisa e Extensão Universitária no Acre (Fundape) firmaram convênio com a prefeitura de Cruzeiro do Sul para produção de equipamentos de proteção individual (EPIs) no enfrentamento à pandemia da Covid-19 e implementação de ações estratégicas em educação, viabilizados com emenda da parlamentar.

Continuar lendo

Acre

Acre recebe lote com mais 27,6 mil doses da Pfizer e Coronavac

Publicado

em

A Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), recebeu do Ministério da Saúde (MS) neste sábado, 31, mais 27.610 doses de vacinas contra o coronavírus, sendo 15.210 da Pfizer e 12.400 doses da Coronavac.

Os imunizantes desembarcaram no Aeroporto Internacional de Rio Branco e serão usados para dar continuidade ao processo de imunização da população acreana.

A chefe do Programa Nacional de Imunização (PNI) no Acre, Renata Quiles, frisou que as doses fazem parte do 33° lote de imunizantes e devem ser divididas para os 22 municípios. “As vacinas que chegaram neste sábado serão utilizadas para aplicação de primeiras e segundas doses, fazendo com que a imunização avance no nosso estado. É de extrema importância que a população procure os pontos de vacinação, pois a arma mais eficaz contra o coronavírus hoje é a vacina”, declarou.

Continuar lendo

Acre

Acre tem uma morte e 13 novos casos de Covid-19 neste sábado

Publicado

em

A Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre),  registrou 13 casos de infecção por coronavírus neste sábado, 31, sendo 12 confirmados por exames RT-PCR e 1 por critério epidemiológico, fazendo com que o número de infectados salte para 87.141 nas últimas 24 horas.

Uma notificação de óbito foi registrada neste sábado, 31 de julho, fazendo com que o número oficial de mortes por Covid-19 suba para 1.799 em todo o estado.

Até o momento, o Acre registra 238.891 notificações de contaminação pela doença, sendo que 151.708 casos foram descartados e 42 exames de RT-PCR seguem aguardando análise do Laboratório Central de Saúde Pública do Acre (Lacen) ou do Centro de Infectologia Charles Mérieux. Pelo menos 83.218 pessoas já receberam alta médica da doença, enquanto 31 seguiam internadas até o fechamento deste boletim.

 

Continuar lendo

Acre

Neném e Gladson trocam farpas após anúncio de novos concursos

Publicado

em

O anúncio feito pelo governador, sobre a necessidade de realizar concursos em 2021, gerou polêmica nas redes sociais neste sábado, 31. O deputado estadual Neném Almeida (Podemos) acusou o governador de fazer politicagem, haja vista a proximidade das eleições de 2022.

Almeida considera que a atual gestão estadual segue sem nenhum planejamento sério. Segundo ele, em 2020 para responder uma exigência do Ministério da Agricultura, foi realizado o concurso para o Idaf, porém, até o momento esses concursados não tem previsão de serem convocados. “O anúncio de concurso público às vésperas do ano de eleição é uma estratégia que, além de ser politiqueira, brinca com a esperança das pessoas com falsas expectativas. Uma tática baixa que já foi tentada por gestões anteriores”, desabafou.

O parlamentar frisou que o anúncio do governo mostra que, de fato, existe deficiência no quadro de servidores da segurança e demais setores. “Qual seria o motivo para não convocar aqueles que estão no cadastro de reserva da Polícia Civil e Polícia Militar? Apenas porque o concurso foi realizado por gestões anteriores? Por que apenas agora pensou-se em realizar concurso para engenheiros e arquitetos? E o mais justo não seria primeiro honrar com o compromisso de campanha e discutir sobre a atualização salarial dessa categoria?”, argumentou.

Entretanto, a declaração do deputado não ficou sem resposta, o governador Gladson Cameli (Progressistas) resolveu responder as críticas e deixou no ar que deverá convocar os aprovados dos cadastros de reserva, mas somente os que têm amparo legal em lei. “Quem disse que não irei chamar os que fizeram concurso? Quem tem amparo legal”, ressaltou.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas